Dezembro 2012


UT-1979-80
(foto enviada por autor dos blogues Antigas Glórias do Futebol Algarvio e Alentejano e Arquivo C.F.E.L, a quem agradeço)

Em cima, da esquerda para a direita: Boavida, Sérgio, Amenga, Godinho, Varela e Vital;
em baixo: José João, Abreu, Nelinho, José Luis e Mulatinho

BOM ANO de 2013 a todos!

Árbitro – Fernando Garcia

TORRES NOVAS – Moreira; Adelino, Ezequiel e João Francisco; Bruno e Artur; Isidro, Orge, Borges, Meireles e Agostinho

U. TOMAR – Bastos Nunes (Duarte); Carvalho, Lino e Josué; Mota e Canavarro; Palmeiro (Álvaro), José Luís, Cunha Velho, Romeu e Silva

1-0 – Isidro – 11m
1-1 – Canavarro – 28m
2-1 – …
3-1 – …
4-1 – …
5-1 – Adelino (pen.) – 90m

Nota – Carvalho não voltou ao campo na 2ª parte

(Imagem – “Cidade de Tomar”, 10.03.1963)

(Imagem – “O Templário”, 10.03.1963)

                            Total               Casa            Fora
                    Jg  V  E  D    G    Pt   V  E  D   G     V  E  D   G
 1º Tramagal        18 13  3  2  53-17  29   9  -  - 35- 4   4  3  2 18-13
 2º Leões Santarém  18 12  3  3  37-20  27   8  1  - 26- 8   4  2  3 11-12
 3º U. Tomar        18 12  2  4  36-19  26   8  1  - 22- 5   4  1  4 14-14
 4º Torres Novas    18 12  1  5  53-15  25   9  -  - 44- 7   3  1  5  9- 8
 5º Matrena         18  7  6  5  26-25  20   4  4  1 13- 9   3  2  4 13-16
 6º Alferrarede     17  7  - 10  25-41  14   5  -  4 17-15   2  -  6  8-26
 7º Benavente       18  5  - 13  27-46  10   5  -  4 15-13   -  -  9 12-33
 8º Ferroviários    18  3  4 11  24-50  10   2  3  4 13-14   1  1  7 11-36
 9º Alcanenense     18  4  1 13  18-47   9   3  1  5 14-21   1  -  8  4-26
10º Coruchense      17  3  2 12  25-44   8   3  1  4 15-14   -  1  8 10-30

Torres Novas – U. Tomar – 5-1
Matrena – Benavente – 3-1
Leões Santarém – Ferroviários – 4-0
Tramagal – Alcanenense – 7-0
Coruchense – Alferrarede – (Adiado)

O Tramagal sagrou-se Campeão Distrital; conjuntamente com Leões de Santarém, U. Tomar e Torres Novas, apuraram-se para o Campeonato Nacional da III Divisão.

Com a subsequente promoção da equipa de “Os Leões” de Santarém à II Divisão, e devido ao facto de o Campeonato Distrital ter sido alargado para 12 participantes, nenhuma equipa foi despromovida à II Divisão Distrital, tendo sido promovidos à I Divisão Distrital o U. Almeirim, U. Operária de Santarém e Ribatejano Valadense.

U. TOMAR – André Costa, João Tapadas, André Roriz (c.), Luís Pinto, André Silva, Marquito (81m – Diogo Gaspar), Paulo Godinho (43m – Christyan Pedroso), Rui Pedro Lopes, Juninho, Thiago Favero (84m – João Marinheiro) e Alex

(suplentes – …, Pedro Figueiredo, Michel e Romário)

FERREIRA DO ZÊZERE – Joel Dias, Tiago Joaquim (c.) (19m – Cláudio Nunes) (74m – Rainho), Diogo (45m – Chico), César, Pedro Mendes, Celso Alves, Filipe Barnabé, Espanhol, Rui Silva, Fábio Dias e Cláudio Rato

1-0 – Rui Pedro Lopes (pen.) – 3m
2-0 – Thiago Favero – 10m
3-0 – Marquito – 32m

Cartões amarelos – Rui Pedro Lopes (25m); Tiago Joaquim (3m), Rui Silva (31m) e César Duarte (67m)

Árbitro – Luís Sousa

Série 1

Atalaiense – Riachense – 1-0
Goleganense – Meiaviense – 0-2

1º Meiaviense, 7; 2º Atalaiense, 6; 3º Riachense, 4; 4º Goleganense, 0

Série 2

Caxarias – At. Ouriense – 0-1 (folgou Vasco da Gama)

1º At. Ouriense, 6; 2º Vasco da Gama, 3; 3º Caxarias, 0

Série 3

Alferrarede – Mação – 0-4
Pego – U. Abrantina – 1-6

1º Mação, 9; 2º Alferrarede, 6; 3º U. Abrantina, 3; 4º Pego, 0

Série 4

Amiense: folga (desistência do Alcanenense B – folgou Moçarriense)

1º Amiense, 3; 2º Moçarriense, 0

Série 5

U. Tomar – Ferreira Zêzere – 3-0 (folgou Assentiz)

1º Assentiz, 3; 2º U. Tomar, 3; 3º Ferreira Zêzere, 3

Série 6

Porto Alto – Benavente – 0-2 (folgou Samora Correia)

1º Benavente, 6; 2º Samora Correia, 3; 3º Porto Alto, 0

Série 7

Glória Ribatejo – Barrosense – 2-1 (folgou Coruchense)

1º Coruchense, 4; 2º Glória Ribatejo, 3; 3º Barrosense, 1

Série 8

Pontével – Muge – 0-1 (folgou Vale da Pedra)

1º Muge, 4; 2º Pontével, 3; 3º Vale da Pedra, 1

Série 9

Fazendense – U. Chamusca – 2-0 (folgou Emp. Comércio)

1º Fazendense, 6; 2º Emp. Comércio, 3; 3º U. Chamusca, 0

São apurados para os 1/8 Final da prova, os 9 vencedores de série, e os 7 melhores 2º classificados, com base na aplicação de média ponderada dos pontos obtidos.

Sujeito a confirmação, dada a complexa fórmula de desempate (podendo envolver também o recurso ao desempate por via dos resultados de pontapés da marca de grande penalidade), terão obtido a qualificação para os 1/8 Final as seguintes equipas: Meiaviense, At. Ouriense, Mação, Amiense, Assentiz, Benavente, Coruchense, Muge e Fazendense (vencedores de série), Atalaiense e Alferrarede (dois melhores 2.º classificados), assim como outras cinco equipas classificadas em 2.º lugar, tendo somado 3 pontos, Vasco da Gama, U. Tomar, Glória do Ribatejo, Pontével e Emp. Comércio (o Samora Correia é a equipa que apresenta pior diferença de golos, sendo consequentemente eliminada).

Destaque para a surpreendente eliminação do Riachense, numa série com equipas da Divisão Secundária, tendo sido também eliminadas outras duas equipas da Divisão Principal: U. Abrantina e Moçarriense.

(“O Templário”, 27.12.2012)

Num jornal de Tomar, destinado, em primeira análise, a leitores tomarenses, compreender-se-á decerto que – mesmo que com cariz algo excepcional – me detenha, nesta semana, mais em particular no União de Tomar e nas circunstâncias em que se vê actualmente envolvido, na sequência das sanções aplicadas pelo Conselho de Disciplina da Associação de Futebol de Santarém (a que aqui aludira já no comentário da pretérita semana), em função dos eventos ocorridos no final do jogo disputado a 23 de Setembro, com o Benavente, da 3.ª jornada, nomeadamente: quatro jogos de interdição do campo municipal, a exigência de colocação de vedação no campo, uma redundante pena de derrota por 0-3 (dado que o União havia já perdido tal desafio, então por 0-2), e, sobretudo, a suspensão de cinco jogadores (David, Bruno Pinto, Nuno Veríssimo, Fred Do Val e Fábio Marques) durante um período de oito meses (por, alegadamente, terem agredido, já depois do encontro terminado, um jogador do Benavente).

Começando, porém, pela exposição de um conjunto de alguns “pontos prévios”, esperando que me possa ser relevado este escrever na primeira pessoa:

1. Natural de Tomar, sou adepto e simpatizante do União de Tomar, sofrendo e vibrando com os seus desafios e com os seus êxitos há cerca de 40 anos; sou sócio do clube desde 1995; iniciei, há quase quatro anos, um projecto que espero culminar, no ano de centenário, com o disponibilizar, aos unionistas e aos tomarenses, de uma memória escrita da gloriosa história do União; foi com muita honra que fui nomeado, recentemente, aquando da última Assembleia Geral, em Julho, como membro do Conselho Geral, órgão consultivo. Nesta coluna de opinião, procurando a isenção possível, não me será contudo pedido que “dispa a camisola” unionista.

2. Não assisti aos eventos do passado dia 23 de Setembro, no qual se produziram os acontecimentos que conduziram a que o clube se veja agora sancionado – e, em particular os seus jogadores –, com severas penas, pelo que não me é possível pronunciar sobre tais factos, os quais, conforme referi na passada semana, serão sempre de deplorar.

3. Admito não ser conhecedor dos regulamentos disciplinares que dispõem sobre as penalizações de determinados comportamentos, aplicáveis a esta competição em particular, assim como não tenho presente eventuais casos análogos que nela possam ter ocorrido num passado mais ou menos recente. Pelo que não tenho igualmente possibilidade de apreciar a razoabilidade e coerência dos castigos aplicados. Recordo, não obstante, alguns casos mediáticos que recentemente vieram a público, a diferentes níveis: Raul Meireles (suspenso por 11 jogos, por, alegadamente, ter cuspido num árbitro, no campeonato da Turquia); Luisão (suspenso por dois meses, por, num jogo particular, ter agredido um árbitro, que terá caído inconsciente no terreno de jogo); Hulk (suspenso por quatro meses, no campeonato nacional de há três anos, por agressão a assistente de recinto desportivo).

Enunciados estes pontos prévios, mesmo que se possa eventualmente argumentar que “comparo” situações não comparáveis, não posso deixar de me interrogar sobre se as punições que impendem sobre o União de Tomar – que poderão ir para além de 20 jogos de suspensão, de nada menos de cinco jogadores (!) – serão equilibradas face a outras situações similares?

E isto, num contexto em que terão de ser tidas em consideração as circunstâncias concretas em que o caso ocorreu: já após o termo da partida; o facto de aparentemente nada constar no relatório do árbitro (que, aliás, não terá presenciado os acontecimentos); e de o relatório policial se referir a agressões de parte a parte, e de não ter sido possível proceder à cabal identificação dos envolvidos. Pelo que as sanções serão sobretudo baseadas no depoimento do jogador benaventense, não tendo os intervenientes que representam o União sido ouvidos neste processo – sendo que pelo menos um deles (David) assevera não ter participado em tais desacatos.

Perante isto, o União, os seus responsáveis e, principalmente, os jogadores, de forma digna, deram em campo – na disputa da 15.ª ronda, frente à formação da U. Abrantina –, a melhor resposta possível: depois de um criativo gesto inicial de protesto, mantendo-se imóveis em campo durante o primeiro minuto da partida – sendo de assinalar o notável exemplo de “fair-play” dado pelos jogadores abrantinos, que, durante esse período, se limitaram a trocar a bola entre si – a equipa tomarense obteve um crucial triunfo, por 2-1, fundamental para serenar o grupo, que, independentemente do desfecho do recurso interposto, deverá procurar seguir o seu caminho, confiando na sua coesão e nas suas capacidades.

Sobre o restante da jornada, destaque especial para a vitória do Fazendense sobre o Riachense (2-1), o que, conjugado com o categórico triunfo obtido pelo At. Ouriense na Glória do Ribatejo (3-0), permitiu que os oureenses se isolassem no comando da prova, com dois pontos de vantagem sobre o par formado por Riachense e Mação. Por seu lado, o União de Tomar ascendeu ao 8.º lugar, estando agora a 5 pontos do grupo dos seis primeiros, ao mesmo tempo que passa a dispor de 4 pontos de vantagem sobre o antepenúltimo classificado.

Segue-se, a finalizar o ano de 2012, a última ronda da fase de grupos da Taça Ribatejo.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 27 de Dezembro de 2012)

Árbitro – João Calado

U. TOMAR – Bastos Nunes; Carvalho, Lino e Josué; Canavarro e Mota; Silva, Costa e Silva, Cunha Velho, José Luís e Palmeiro (Rosa Dias)

LEÕES SANTARÉM – Victor; José Torgal, Tito e Tormenta; Virgílio e Jaime; Carlitos, Borrego, Carlos Torgal, Medeiros e Gomes

1-0 – José Luís –

(Imagem – “Cidade de Tomar”, 03.03.1963)

(Imagem – “O Templário”, 03.03.1963)

Página seguinte »