Setembro 2013


Estádio 25 de Abril, em Tomar

Árbitro – Manuel Vicente  (Vila Real)

U. TOMAR – Vital; Graça, Sérgio (21m – Rui) (45m – Gonçalves, José João e Boavida; Simões, Nelinho e Varela; Orlando, Carvalho e Abreu

Covilhã COVILHÃ – Serra; Coimbra, Baixa, Girão e Dema; Quim, Velho e Ramalho; Ruas, Pincho (60m – Ferreira) e Brito (60m – Luciano)

0-1 – Ruas – 17m
1-1 – Carvalho – 40m
1-2 – Ruas – 46m
1-3 – Ramalho – 80m
2-3 – Nelinho – 85m

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

(Imagem – “Record”, 10.06.1980)

Anúncios
                            Total               Casa            Fora
                    Jg  V  E  D    G    Pt   V  E  D   G     V  E  D   G
 1º Académico       30 19  9  2  57-13  47  13  1  1 35- 3   6  8  1 22-10
 2º Ac. Viseu       30 20  6  4  45-18  46  12  3  - 22- 2   8  3  4 23-16
 3º O. Bairro       30 13  9  8  51-37  35  11  3  1 41-16   2  6  7 10-21
 4º Oliveirense     30 13  6 11  34-27  32  12  1  2 26- 8   1  5  9  8-19
 5º Caldas          30 12  8 10  33-30  32  10  3  2 24-12   2  5  8  9-18
 6º Nazarenos       30 11 10  9  30-31  32   9  5  1 24-12   2  5  8  6-19
 7º E. Portalegre   30 11  9 10  28-26  31   8  5  2 17- 7   3  4  8 11-19
 8º Covilhã         30 13  5 12  40-31  31  11  3  1 30- 6   2  2 11 10-25
 9º Torreense       30  8 13  9  33-40  29   6  8  1 25-14   2  5  8  8-26
10º Portalegrense   30 12  4 14  28-37  28  10  2  3 21- 9   2  2 11  7-28
11º Alcobaça        30  8 11 11  30-33  27   7  6  2 16- 7   1  5  9 14-26
12º U. Santarém     30  8 11 11  32-34  27   6  7  2 24-12   2  4  9  8-22
13º U. Coimbra      30  9  7 14  41-44  25   8  4  3 30-14   1  3 11 11-30
14º U. Tomar        30  8  8 14  25-46  24   7  5  3 19- 9   1  3 11  6-37
15º Mangualde       30  6  6 18  15-44  18   4  4  7  9-16   2  2 11  6-28
16º Naval           30  6  4 20  26-57  16   6  3  6 19-19   -  1 14  7-38

Académico – Nazarenos – 1-0
Naval – Torreense – 2-0
Mangualde – U. Santarém – 1-1
E. Portalegre – Oliveirense – 2-2
O. Bairro – Portalegrense – 4-0
U. Tomar – Covilhã – 2-3
Alcobaça – Ac. Viseu – 0-2
Caldas – U. Coimbra – 1-1

UT - Centenario - 01

(“O Templário”, 26.09.2013)

Fundado a 4 de Maio de 1914 – inicialmente sob outra denominação – o União Futebol Comércio e Indústria de Tomar comemora, dentro de poucos meses, o seu centenário.

Visando evocar um evento histórico de grande significado, não apenas para o clube, mas também para a própria cidade de Tomar, “O Templário” associa-se também, desde já, às comemorações, dando hoje início à recuperação de algumas das memórias dos momentos mais significativos do longo e glorioso historial do União de Tomar, com a transcrição de breves excertos de artigos publicados em jornais da época, quer de índole local, quer de jornais nacionais, nomeadamente os especializados em desporto, os quais, semanalmente, por aqui irão proporcionar como que um “reviver” desses tempos.

Com base nas pesquisas à imprensa local do início do século XX, as notícias sobre futebol eram ainda, nesses primórdios, relativamente escassas. Efectivamente, apenas a 29 de Julho de 1915, ou seja, já mais de um ano decorrido desde a data da fundação do clube, era noticiada a realização de um histórico desafio-treino do então chamado “Grupo dos Empregados no Comércio” [o nosso União de Tomar] – o primeiro de que dispomos de menção escrita –, defrontando outra das pioneiras agremiações tomarenses:

«Jogou no passado domingo [25 de Julho de 1915] em desafio treino, o Grupo dos Empregados no Comercio, e o Grupo Foot-Ball Gloria, ficando este vencedor por 2 goals a 0, sendo um marcado com um penalty.»(1)

Avançando um pouco no tempo, até Setembro de 1919, o segundo momento que aqui se recorda corresponde à ronda inaugural do designado “Campeonato de Tomar” – no que constituía então a sua edição de estreia, na época de 1919-20 –, opondo os dois grandes rivais da cidade, num aliciante derby que perduraria durante décadas, até ao início dos anos 50, altura em que o Sporting de Tomar suspenderia a prática do futebol. Nesta ocasião ainda denominado “União Foot-Ball dos Caixeiros de Tomar”, o desfecho não seria o mais agradável para os unionistas:

«O S. C. T. vence o U. F. C. T. por 3 a 0.

Foi no passado domingo, 21, que se realizou o primeiro desafio do campeonato desta cidade. Nesta prova sportiva, recentemente organizada, acham-se inscritos, além dos dois teams que neste dia jogaram, o V. F. C. T.

Os dois primeiros são já conhecidos dos amadores dêste sport, por terem assistido a vários desafios que estes clubs teem tido com teams do distrito.

O Vitória, é um club novo, formado por jovens entusiastas d’association e que ainda não tivemos o prazer de vêr em campo.»(2)

____________

(1) Cf. “O Alarme”, 29 de Julho de 1915 – Artigo assinado por “Liro Oscilando”
(2) Cf. “Páginas Moças”, 1 de Outubro de 1919 – Crónica de Amorim Rosa

Templario - 26-09-2013

(“O Templário”, 26.09.2013)

Está de regresso o futebol distrital. Nesta temporada, com o aliciante, para os tomarenses, de se tratar da época em que o União de Tomar comemora o seu centenário, a 4 de Maio do próximo ano de 2014, pelo que, a partir de hoje, passamos a ter também, em coluna autónoma, a recuperação de algumas das memórias dos momentos mais significativos do historial do União de Tomar, com a transcrição de breves excertos de artigos publicados em jornais da época, quer de índole local, quer de jornais nacionais, nomeadamente os especializados.

Na I Divisão Distrital (recuperando assim a sua designação tradicional) teremos este ano um novo formato, de regresso ao sistema clássico de “todos contra todos”, a duas voltas, numa única fase, tendo sido o número de concorrentes alargado para 14, portanto com um total de 26 jornadas, propiciando porventura uma maior justiça e equidade no ordenamento final a nível de classificações, uma vez que cessa a situação – vigente nos últimos anos – de os pontos que eram obtidos na primeira fase apenas contarem em metade para a fase decisiva.

Numa época que fica igualmente assinalada, em termos regionais, pela retoma da competição a nível do futebol sénior por parte de alguns dos clubes históricos do Distrito (de que são exemplos nomeadamente os casos do U. Santarém, U. Almeirim, U. Rio Maior e Tramagal) – os quais, naturalmente, tiveram de recomeçar a sua actividade oficial na II Divisão Distrital –, com a estreia do novo Campeonato Nacional de Seniores, introduzido esta temporada pela Federação Portuguesa de Futebol (e consequente extinção das antigas II e III Divisões nacionais), as equipas que militam na I Divisão Distrital estão agora um pouco mais próximas dos Nacionais, uma vez que o Campeão Distrital terá acesso directo a tal escalão na próxima temporada.

O que, porém, tem também o consequente “reverso da medalha”: à partida, desconhece-se o número de concorrentes que virão a ser vítimas de despromoção à II Divisão Distrital, dependendo da manutenção ou não no referido Campeonato Nacional de Seniores das equipas que nele representam o Distrito: Fátima, Alcanenense e Riachense, integrados na Série F. Para já, com três jornadas disputadas (de um total de 18, na primeira fase da competição), tendo o Alcanenense um jogo em atraso, é ainda muito prematuro estar a fazer maiores conjecturas, mas o Fátima ocupa o 2.º lugar, com o Alcanenense em 5.º, integrando o Riachense o quarteto que ocupa os lugares do fundo da tabela.

Estas equipas, conjuntamente com a do Torres Novas (que foi despromovida da III Divisão na temporada finda) disputaram no passado fim-de-semana a 2.ª eliminatória da Taça de Portugal, tendo tido sortes distintas: Fátima (com inesperadas dificuldades, apenas no prolongamento tendo conseguido vencer o Sporting Ideal, dos Açores, depois de 1-1 no final do tempo regulamentar) e Alcanenense (ganhando por 3-1 ao Barreirense) garantiram o apuramento para a fase seguinte; enquanto que Riachense (derrotado por 0-1 pelo Vilaverdense) e Torres Novas (goleado pelo Tondela, da Liga de Honra, por 1-5) terminaram assim a aventura nesta prova.

Pensando nesta época muito especial para as cores unionistas, visando uma participação condigna e tranquila, longe dos sustos e ansiedades do ano transacto, o União de Tomar – este ano beneficiando também da renovada relva sintética do Estádio Municipal – procurou reforçar-se com o regresso de alguns jogadores formados no clube, não tendo contudo sido possível evitar algumas saídas. Na primeira ronda do campeonato distrital, tendo o sorteio destinado como adversário dos nabantinos precisamente o Torres Novas, e em função da realização de tal encontro dos torrejanos a contar para a Taça de Portugal, a partida entre os velhos rivais foi adiada para o dia de Santa Iria, no próximo 20 de Outubro.

Em relação aos desafios já realizados nesta jornada inaugural, não sendo abundante a informação sobre o potencial de cada um dos concorrentes, nesta fase de arranque da temporada, poder-se-á considerar não ter havido grandes surpresas, com o triunfo das equipas teoricamente mais cotadas, com destaque para as vitórias em terreno alheio, de Amiense (3-1, perante os Empregados do Comércio, de Santarém) e do Pontével, na Chamusca (2-0) – dois recém-promovidos ao principal escalão distrital –, tendo, num confronto de desfecho sempre incerto, o Mação vencido o At. Ouriense, graças a um solitário tento.

Nos restantes encontros, como que querendo indiciar já uma ideia do que poderá vir a ser a tónica de equilíbrio dominante entre os diversos participantes na competição, registaram-se três igualdades: na recepção do outro promovido (Assentiz) à U. Abrantina; no jogo entre Cartaxo e Benavente (tendo ambos como desfecho o resultado de 1-1); não tendo o Coruchense e Fazendense desfeito o nulo com que iniciaram a partida em que foram oponentes.

Na próxima ronda, antecipada para sábado – devido ao acto eleitoral autárquico de domingo –, o União de Tomar fará a sua estreia no campeonato, com uma difícil deslocação ao terreno do Pontével, curiosamente onde realizou também o último encontro oficial da temporada anterior, na expectativa de que o resultado possa ser agora drasticamente melhorado, na procura de um começo auspicioso.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 26 de Setembro de 2013)

PONTÉVEL – João Cardoso, Tiago Lisboa, Luís Resende, Rafael Barbosa, João Isidoro, Nuno Sousa (82m – Dani), Zeca, Ricardo Godinho, André Maia, Miguel Calisto (90m – Jorge Velez) e Vasco Belmonte (c.) (76m – Gil Simão)

U. TOMAR – Nuno Ribeiro, Diogo Gaspar, Nuno Rodrigues, Fábio Vieira, André Silva, Marquito (c.) (45m – Hugo Melo), Paulo Godinho, Rui Pedro Lopes (76m – Vitor Félix), Marito (63m – Flávio Graça), Ricardo Gerardo e China

(suplentes – João Pedro Lopes, Ricardo Natividade, Fábio Marques e Fred Do Val)

1-0 – Miguel Calisto – 14m
2-0 – Fábio Vieira (p.b.) – 49m
2-1 – Ricardo Gerardo – 82m

Cartões amarelos – Tiago Lisboa (24m), Miguel Calisto (40m), Gil Simão (80m) e Nuno Sousa (84m); Diogo Gaspar (37m) e Marito (44m)

Cartão vermelho – Zeca (31m)

Árbitro – Leonel Manha

U. Abrantina – Mação – 0-3
Torres Novas – Assentiz – 2-0
Pontével – U. Tomar – 2-1
Benavente – U. Chamusca – 0-1
Amiense – Cartaxo – 2-2
Fazendense – Emp. Comércio – 2-0
At. Ouriense – Coruchense – 1-1

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Mação               2     2     -     -     4 -  0     6
 2º Pontével            2     2     -     -     4 -  1     6
 3º Amiense             2     1     1     -     5 -  3     4
 4º Fazendense          2     1     1     -     2 -  0     4
 5º Torres Novas        1     1     -     -     2 -  0     3
 6º U. Chamusca         2     1     -     1     1 -  2     3
 7º Cartaxo             2     -     2     -     3 -  3     2
 8º Coruchense          2     -     2     -     1 -  1     2
 9º At. Ouriense        2     -     1     1     1 -  2     1
10º Benavente           2     -     1     1     1 -  2     1
11º Assentiz            2     -     1     1     1 -  3     1
12º U. Abrantina        2     -     1     1     1 -  4     1
13º U. Tomar            1     -     -     1     1 -  2     -
14º Emp. Comércio       2     -     -     2     1 -  5     -

Estádio do Fontelo

Árbitro – Joaquim Gonçalves (Porto)

Ac. Viseu  AC. VISEU – Hélder; José Manuel, Emanuel, Chico Santos e Sobreiro; Águas (Ângelo, 64), Penteado, Inaldo e Rodrigo (c.) (Basto, 80); Gerúsio e N´Habola

U. TOMAR – Vital; Godinho, Caraça, Sérgio e Carvalhinho (Carvalho, 41); Mulatinho (Abreu, 37), José João (c.) e Simões; Nelinho, Orlando e Boavida

1-0 – N´Habola – 49m
2-0 – Inaldo – 75m
3-0 – Gerúsio – 87m

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

(Imagem – “Record”, 08.06.1980)

Página seguinte »