Pulsar - 16jornada

(“O Templário”, 28.01.2016)

No regresso dos campeonatos distritais, o trio da dianteira na I Divisão mantém a solidez competitiva, com o líder Fátima a ampliar para onze o número de jogos sem sofrer golos (no limiar dos 1.000 minutos), o Cartaxo, depois de uma ligeira fase de alguma turbulência (derrotas em Fazendas de Almeirim e em Fátima), novamente bastante afirmativo, vencendo de forma categórica, e o U. Tomar, atingindo o sétimo jogo sucessivo de invencibilidade (dos quais, de forma notável, ganhou seis, tendo somado um total de 19 pontos – num máximo possível de 21 –, tantos quantos os fatimenses, nesta mesma sequência das últimas sete jornadas).

Curiosamente, em termos das maiores séries actualmente em curso, referência ainda para as nove partidas que o Mação leva já sem conhecer a derrota, mas, nas quais, curiosamente, acumula já sete igualdades (depois de, nas sete rondas iniciais, não ter registado qualquer empate)! Ao invés, Empregados do Comércio e U. Abrantina seguem com quatro desaires sucessivos (sendo que o Rio Maior também perdeu por quatro vezes, da 13.ª à 16.ª jornadas, tendo, não obstante, empatado entretanto o desafio da 12.ª ronda, que se encontrava em atraso).

Destaques – Os destaques da jornada vão para os convincentes triunfos averbados pelos dois primeiros classificados: o Fátima, recebendo o Fazendense, impondo-se por inapelável marca de 3-0; o Cartaxo, visitando Rio Maior, goleando por 4-1. Se os fatimenses dão mostras de não vacilar no comando, os cartaxenses não desarmam na perseguição ao líder, mantendo a distância de seis pontos… e a pressão.

Surpresas – De tal forma têm sido recorrentes as referências ao Moçarriense nesta secção, que já vêm deixando de ser verdadeiramente surpreendentes os feitos do grupo da Moçarria. Desta feita, num “derby” regional, em Santarém, ante os “Caixeiros”, mais uma vitória do Moçarriense (3-1) – somando já três vitórias e um empate fora de casa –, que, aliás, bisa o triunfo frente a este mesmo adversário, depois do 3-0 aplicado em partida a contar para a Taça do Ribatejo, igualmente em terreno alheio (curiosamente, depois de ter perdido em casa).

Por outro lado, poderá porventura considerar-se como uma “meia-surpresa” o triunfo do At. Ouriense ante o Torres Novas (1-0), em particular se atendermos à trajectória recente de ambas as formações: a equipa de Ourém, que não conseguia ganhar há sete jornadas (nos quais, aliás, começara por sofrer cinco derrotas); os torrejanos, que registavam um ciclo de três vitórias consecutivas. Assim, estas duas equipas, para além de subirem ligeiramente (uma posição) na tabela classificativa, abandonando, por agora, os dois postos abaixo da “linha de água”, passam a integrar um alargado grupo de sete equipas (metade dos concorrentes), que nesta altura se vê envolvido na disputa de um lugar que possa proporcionar a manutenção no escalão principal.

Não terá sido também uma surpresa de maior, mas merece igualmente menção o resultado obtido pelo U. Almeirim em Abrantes, goleando a U. Abrantina por 4-1, empurrando o conjunto da casa, cada vez mais, para a indesejada condição de “lanterna vermelha” (já a cinco pontos do 12.º classificado, At. Ouriense, e a seis do trio precedente). Ao contrário, o U. Almeirim pode ter dado um passo importante para a tranquilidade, colando-se ao Mação, a um ponto apenas do Riachense e Torres Novas, com seis pontos de vantagem face à equipa de Ourém.

Confirmações – Por fim, as confirmações: um resultado quase “inevitável”, no Mação-Riachense, com o empate a uma bola, que possibilitou à turma de Riachos ascender ao 4.º lugar, que partilha agora com o rival Torres Novas; e a tranquila vitória do União de Tomar na recepção ao Amiense (2-0), pese embora a recuperação que o grupo de Amiais de Baixo vinha encetando (apenas um desaire nas seis jornadas anteriores), numa partida, portanto, que apresentava alguns riscos para os unionistas, que os souberam contornar da melhor forma.

II Divisão Distrital – Destacam-se o empate do Caxarias ante o líder, Pego (1-1) e a vitória do Assentis em Santarém, frente ao União local (1-0); a Sul, a “sensação” foi o triunfo do Samora Correia no terreno do comandante, Benavente (2-0), tendo o Glória goleado o Barrosense (5-0).

Campeonato de Portugal Prio – Terminou a primeira fase deste campeonato nacional, com as equipas do Distrito com desfechos distintos e posicionamentos também diversos: o Alcanenense, recebendo o “lanterna vermelha”, Crato, goleou por 4-0, terminando no 5.º lugar (em igualdade pontual com o 4.º classificado, Peniche); o Coruchense, deslocando-se a Sacavém, perdendo por 2-3, terminou na 9.ª (penúltima posição).

Ambos os emblemas disputarão, na segunda fase, as séries de manutenção; partindo os concorrentes com metade dos pontos até agora angariados, a formação de Alcanena iniciará a prova com 13 pontos, portanto com cinco pontos de vantagem sobre a “linha de água”, mas apenas com três pontos a mais que o 8.º classificado, posição que, no final, implicará a disputa de um “play-off”. Por seu lado, o Coruchense, arrancando com magro pecúlio, de apenas seis pontos, parte com desvantagem de dois pontos para o Sacavenense (8.º da sua série), mas já a algo distantes sete pontos dos lugares que garantirão automaticamente a manutenção.

Antevisão – Na I Divisão Distrital, as atenções estarão focadas em Riachos, no Riachense-Fátima, com a expectativa de saber se o líder poderá eventualmente vir a ser travado, ou, inclusivamente, desfeiteado pela primeira vez nesta temporada… ou, pelo menos, sofrer golos. Outro desafio do maior interesse será o principal “clássico” do Distrito, com o Torres Novas a receber o União de Tomar, num duelo já com 85 edições, em jogos oficiais de provas de âmbito nacional e distrital (Campeonatos e Taças, de Portugal e do Ribatejo). Realce ainda para uma outra partida que poderá vir a revelar-se determinante para a abordagem das equipas à fase final da competição, a nível dos lugares de manutenção: o Amiense-Empregados do Comércio. Na II Divisão, destaca-se, como “jogo grande” da ronda, o Pego-Ferreira do Zêzere, que coloca frente-a-frente os dois primeiros classificados; e, a Sul, o “derby”, Barrosense-Benavente.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 28 de Janeiro de 2016)