Pulsar - 22jornada

(“O Templário”, 24.03.2016)

Estava “escrito nas estrelas”… Era apenas uma questão de tempo; concretizou-se a quatro jornadas do fim. Mas não “caiu do céu” este título do Fátima: foi antes fruto de uma atitude séria, competente, de concentração e respeito por todos os adversários, semana a semana, sem entrar em euforias de goleadas fáceis, mantendo sempre grande rigor e focalização em cada jogo. A confirmação que o Fátima “não pertencia a este campeonato”. Parabéns aos Campeões, que aqui endereço na pessoa do seu responsável técnico, o tomarense João Henriques.

Destaques – Assim, naturalmente, o primeiro destaque da 22.ª ronda da I Divisão Distrital vai para o triunfo do Fátima em Santarém, frente aos Empregados do Comércio, em que um solitário golo foi o necessário e suficiente para selar a conquista do título – no que constitui a 12.ª vitória consecutiva dos fatimenses, num magnífico ciclo de 20 êxitos nos últimos 21 jogos (depois do empate na abertura da prova, no Cartaxo) –, ao mesmo tempo que contribui para empurrar a turma escalabitana (a qual somou apenas escassos quatro pontos na segunda volta) para posição ainda mais delicada na tabela, baixando agora ao 12.º lugar… que poderá eventualmente ser de despromoção (dependendo do desempenho do Coruchense no Nacional).

De seguida, realce para a vitória do Riachense no “derby”, ante o Torres Novas, repetindo o desfecho da primeira volta (2-1), possibilitando à formação de Riachos ascender ao 5.º posto.

É também digno de menção mais um triunfo do Cartaxo, no sempre difícil reduto de Amiais de Baixo, também por 2-1, que deixa os cartaxenses a um único ponto de confirmar o 2.º lugar.

Por fim, sublinha-se também a goleada obtida pelo U. Tomar face à U. Abrantina (4-0, com dois golos de Wemerson), num desafio que foi quase o “espelho” do da ronda anterior, desta feita com os nabantinos a entrar praticamente a ganhar, cedo ampliando a marca para 2-0, tendo chegado ao terceiro tento ainda antes do intervalo. Uma tarde tranquila para os tomarenses, que mantêm firme a 3.ª posição, agora, aparentemente, apenas a poder ser ameaçada pelo Mação.

Surpresa – À parte o desaire caseiro do Torres Novas ante o rival do município, não se pode considerar que tenha havido surpresas (o resultado do Moçarriense é já uma confirmação…).

Confirmações – De facto, recebendo o U. Almeirim, o sempre esforçado grupo da Moçarria alcançou mais uma preciosa vitória (igualmente por 2-1), que lhe possibilita, de forma absolutamente imprevisível no início do campeonato, partilhar – a apenas quatro rondas do termo da competição – o 10.º lugar com o irreconhecível Fazendense, ambos agora já cinco pontos acima da “linha de água”, isto é, face ao penúltimo classificado, Rio Maior (pese embora apenas com dois pontos a mais que os Empregados do Comércio).

As outras confirmações vieram de Mação e de Ourém. No que respeita aos maçaenses, baterem o conjunto de Fazendas de Almeirim (1-0), subsistindo a ambição de poder atingir ainda um lugar no pódio, dado ter-se mantido a distância de quatro pontos face ao União de Tomar. Já o At. Ouriense, ganhando por 3-1 ao Rio Maior deu um passo que poderá ter sido determinante para a manutenção, tendo igualado o Amiense na 8.ª posição, ambos um ponto acima do par formado por Fazendense e Moçarriense.

Em consequência – embora ainda nada esteja decidido – Rio Maior e U. Abrantina viram ficar mais próximo o cenário da despromoção… que, aliás, na eventualidade de descida de três equipas, poderá inclusivamente começar a revestir-se já de contornos de irreversibilidade, dado o atraso, respectivamente de cinco e seis pontos, em relação ao par acima referido.

II Divisão Distrital – Na jornada inaugural da segunda fase, de apuramento do Campeão e dos três clubes que adquirirão o direito à promoção ao principal escalão da A. F. Santarém, o destaque vai para a formação do Pego, única a conseguir alcançar a vitória (1-0, na recepção ao Samora Correia), pelo que, consequentemente, se isolou desde logo na liderança.

Nas outras duas partidas, registo para duas igualdades, entre U. Santarém e Ferreira do Zêzere (2-2) e Glória do Ribatejo e Benavente (que não desfizeram o nulo no marcador).

Campeonato de Portugal Prio – Na 6.ª jornada da fase final, o Alcanenense mantém a cadência, continuando a somar pontos, preservando a invencibilidade (conta agora com três vitórias e três empates), tendo empatado no terreno do Águias do Moradal (1-1), pelo que conserva o 2.º posto, mantendo nove pontos de vantagem sobre o 6.º classificado (agora a Naval), e uma margem de dez pontos em relação à “linha de água” (7.º lugar, ocupado pelo Peniche). Por seu turno, o Coruchense, com tarefa, em teoria, mais difícil, não evitou novo desaire (o terceiro nesta fase), perdendo por 1-2 em Massamá, com o Real, mantendo-se em posição que, a confirmar-se no final, conduzirá à disputa de um “play-off”, agora a seis pontos do Torreense (5.º), com um ponto de vantagem em relação ao Sacavenense (7.º).

Antevisão – Neste fim-de-semana não haverá futebol a nível distrital, no que respeita aos campeonatos, disputando-se, na sexta-feira Santa, as duas partidas das meias-finais da Taça do Ribatejo, com o Fazendense a receber o Mação, enquanto o Riachense terá a visita do Amiense. Pese embora algum favoritismo que pudesse ser, à partida, atribuído aos grupos visitados, perspectivam-se duelos muito equilibrados e repartidos, de desfecho imprevisível.

No “Campeonato de Portugal”, atingindo-se já o termo da primeira volta desta fase decisiva da competição, o Alcanenense recebe o Sertanense (5.º classificado, em igualdade pontual com a Naval), podendo, em caso de triunfo, praticamente definir a sua manutenção no Nacional; o Coruchense recebe também o Sintrense (actualmente na 4.ª posição), tendo em mente a necessidade de somar pontos, até porque os dois últimos se defrontam em Ponte de Sôr.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 24 de Março de 2016)