Pulsar - 25jornada

(“O Templário”, 21.04.2016)

Culminando uma muito problemática temporada, em especial com uma péssima segunda volta, na qual apenas registou um único triunfo (obtido perante o Fazendense), acumulando já onze desaires, os últimos sete consecutivos, o Rio Maior viu confirmada a sua posição de “lanterna vermelha” e consequente despromoção à II Divisão Distrital.

A penúltima jornada proporcionou, enfim, a tranquilidade, a dois outros clubes, com uma época atípica, precisamente a formação de Fazendas de Almeirim e o At. Ouriense. Assim, das sete equipas que se encontravam em risco – tendo uma delas visto entretanto consumar-se já a descida de divisão –, subsistem agora quatro, que disputarão, na derradeira ronda, os dois lugares de manutenção “automática”: Amiense, Empregados do Comércio, U. Abrantina e Moçarriense, curiosamente, separados entre cada um deles por um escasso ponto.

Destaque – O principal destaque da 25.ª jornada vai para a vitória do At. Ouriense sobre o Empregados do Comércio, por clara marca de 3-0, em partida crucial, que assegurou, desde logo, a manutenção da turma de Ourém no principal escalão do futebol distrital; dispondo de vantagem de três pontos sobre a U. Abrantina, beneficia do facto de Amiense e abrantinos se defrontarem, pelo que, pelo menos um dos grupos não poderá já alcançá-lo.

Outro realce que se justifica é o do triunfo do conjunto de Abrantes face ao Moçarriense (2-1), que proporciona que – contrariamente ao que se chegou a supor – a U. Abrantina chegue ao último dia a depender apenas de si própria, pese embora tenha uma tarefa difícil, com a visita a Amiais de Baixo, onde mora outro dos ainda “aflitos”.

Uma referência adicional para a vitória do Cartaxo em Almeirim, frente ao União local (3-2), que fora, durante praticamente toda a época, como que um bastião inexpugnável, a comprovar uma vez mais – se tal ainda fosse necessário – a qualidade do grupo dos vice-campeões.

Por fim, pelos números categóricos, menção ainda à goleada (5-0) do Fátima na recepção ao Amiense, completando assim uma bela série de 13 triunfos noutros tantos desafios disputados no seu terreno, em paralelo com uma extraordinária sequência de 15 vitórias consecutivas!

Confirmações – Nas restantes três partidas confirmaram-se, de alguma forma, as expectativas, desde logo com o nulo registado entre União de Tomar e Riachense, com os tomarenses já com a sua posição no pódio consolidada, enquanto a formação de Riachos, visando ainda subir na tabela, terá agora como objectivo primordial a final da Taça do Ribatejo. Um desafio repartido, em que os unionistas desperdiçaram as melhores oportunidades, com situações controversas no que respeita à arbitragem, nomeadamente com uma grande penalidade que terá ficado por sancionar.

Em Rio Maior, a vitória do Mação (3-0), permitiu aos maçaenses retomar a 4.ª posição, agora com dois pontos de vantagem sobre o par formado por Riachense e Torres Novas. E isto porque os torrejanos foram desfeiteados em Fazendas de Almeirim, perdendo por 2-0.

II Divisão Distrital – Na quarta jornada da fase final, realce para a categórica vitória (goleada por 4-0) do Benavente, na recepção ao Ferreira do Zêzere. Beneficiando também do empate (1-1) entre Glória do Ribatejo e Samora Correia, os benaventenses, líderes destacados, passaram a dispor de confortável vantagem de cinco pontos sobre o trio que reparte o 3.º lugar, precisamente os três clubes antes referidos. Por seu lado, o Pego, ganhando ao U. Santarém (2-0), tirou o melhor partido de tal resultado, ascendendo ao 2.º posto, um ponto acima dos mais directos concorrentes. Apenas os escalabitanos parecem estar “fora da corrida”…

Campeonato de Portugal Prio – Na 10.ª ronda da segunda fase, o Alcanenense, somando o sexto triunfo (a que junta quatro empates, mantendo a invencibilidade), isolou-se no comando da sua série, garantindo matematicamente, ainda com quatro jogos por disputar, a manutenção no Nacional. Quanto ao Coruchense, não conseguiu ir além da igualdade (1-1) na recepção ao Torreense, isolando-se… no último lugar, agora a sete pontos do 6.º lugar, que passou a ser ocupado precisamente pela equipa de Torres Vedras. Desta forma, o escapar à despromoção começa a afigurar-se quase que como um “milagre”, de muito remota probabilidade.

Antevisão – O Campeonato Distrital da I Divisão atinge a sua jornada derradeira, com as atenções focadas, em especial, no decisivo Amiense-U. Abrantina, encontro no qual, caso haja um vencedor, tal significará o alcançar da ambicionada redenção; sendo que, para a turma de Amiais de Baixo, o empate teria o mesmo efeito, de garantir a permanência (tal poderá acontecer mesmo em caso de derrota, dependendo, nesse caso, de Empregados do Comércio e Moçarriense não conseguirem vencer os seus jogos). As contas do conjunto de Abrantes parecem ser mais lineares, “salvando-se” com a conquista dos três pontos.

No Moçarriense-Rio Maior, a turma da Moçarria apenas pode pensar igualmente na vitória, ficando ainda dependente dos resultados da U. Abrantina e dos Empregados do Comércio. Por seu lado, os “Caixeiros”, que recebem o União de Tomar, garantirão o objectivo em caso de vitória, ficando, em caso de empate (e/ou derrota) dependentes de U. Abrantina e Moçarriense. Uma curiosidade final: conseguirá o Torres Novas quebrar enfim a invencibilidade do Fátima?

Na II Divisão Distrital, realce para o “derby” Samora Correia-Benavente, com o Ferreira Zêzere a receber o Pego, enquanto o U. Santarém, visitado pelo Glória, “queima os últimos cartuchos”.

No “Campeonato de Portugal”, o Alcanenense recebe o Caldas, em jogo determinante para ditar o vencedor da série. O Coruchense terá uma difícil saída, até Loures (actual 2.º classificado).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 21 de Abril de 2016)