Antecipar, procurando, a partir das tendências passadas, de alguma forma adivinhar o futuro é um exercício que comporta inevitáveis riscos, tanto mais quanto – como sucede no desporto, e, em particular, no futebol –, tantas vezes a lógica é contrariada pela realidade dos factos. Mas é, também aí, que reside uma importante componente da sua “magia”.

Vem a isto a propósito, em especial, da surpresa protagonizada, na 2.ª jornada do Distrital da I Divisão, pelo Samora Correia – uma equipa acabada de chegar do escalão secundário –, indo vencer a Riachos, por 2-1, assim contrariando o favoritismo concedido ao Riachense, um dos principais candidatos ao título deste campeonato, mas que, no que respeita aos jogos em casa, começa mal, dando continuidade a uma tendência que, já na época passada, lhe custou muitos pontos, e, por consequência, uma posição mais acima na tabela classificativa.

Mas esta não foi a única surpresa da ronda: também o Pego, pese embora jogando no seu terreno, terá superado as expectativas, ao derrotar o Fazendense – equipa com mais pergaminhos nesta competição – por 1-0, o que proporciona aos pegachos, ao fim das duas primeiras jornadas, liderar a prova, precisamente a par do Samora Correia e do Coruchense, únicos emblemas que conseguiram vencer as duas partidas já realizadas.

Assim como não seria talvez expectável que os Empregados do Comércio, depois de terem sido “cilindrados”, no seu próprio campo, no jogo de abertura, tivessem uma reacção tão positiva, indo vencer por 2-0 a casa do Campeão da II Divisão, Benavente – nesta altura, a par do At. Ouriense, os únicos dois clubes só com derrotas, já na indesejável posição de “lanterna vermelha”.

Mais certeiras foram as previsões relativas aos jogos entre Coruchense-Amiense e Cartaxo-At.Ouriense, com triunfos das formações visitadas: por tangencial 1-0 no caso dos cartaxenses; por mais concludente 3-0 no caso do conjunto do Sorraia (que soma já um “score” de 9-0, em duas jornadas), esperando-se que tal não signifique que venhamos a ter outra equipa a “correr por fora” nesta temporada, a larga distância de todos os restantes concorrentes. O campeonato é longo, pelo que será ainda cedo para retirar conclusões…

Nos restantes dois jogos, a assinalar um nulo entre U. Almeirim e Torres Novas, enquanto o União de Tomar não evitou a derrota (1-2) em Mação, tendo – ao contrário do sucedido na jornada inaugural – praticamente entrado a perder, para, imediatamente após ter alcançado o empate, se ver novamente em posição de desvantagem, fruto da conversão de uma grande penalidade, não tendo, no segundo tempo, conseguido reagir de forma a inverter o rumo dos acontecimentos.

Passando então à tal antecipação do que poderá ser a 3.ª jornada, o principal destaque vai para o clássico União de Tomar-Torres Novas, que coloca frente a frente os dois clubes com maior historial do Distrito, esperando-se que os unionistas possam confirmar a sua condição de favoritos neste confronto – atendendo inclusivamente ao resultado da pré-temporada, no Torneio de Torres Novas, então com uma categórica vitória unionista, por 3-0 –, contrariando aliás o que tem sido a tendência recente, nos cinco jogos disputados entre ambos em Tomar, nos últimos seis anos, em que os tomarenses apenas por uma vez ganharam (em 2014-15), após terem perdido os três desafios anteriores, empatando a zero na época passada.

Também de especial interesse será o encontro entre Fazendense e Cartaxo, duas das equipas tradicionalmente de topo neste escalão, neste caso com o histórico a indicar-nos três triunfos da turma das Fazendas, precisamente nos três últimos anos, depois de duas vitórias dos cartaxenses, ambas na temporada de 2010-11 (altura em que o campeonato era então disputado em duas fases). Apesar do desaire sofrido no Pego, continuo, neste jogo, a apostar no Fazendense…

Outra partida animada será a que opõe um dos líderes-surpresa, Samora Correia, ao U. Almeirim, duas equipas que não se cruzavam no principal escalão do futebol distrital desde 2008-09, com o último jogo em Samora, precisamente há oito anos (no final de Setembro de 2008), então com triunfo do conjunto da casa por 2-1. Desta vez, acredito num empate, um resultado que, em teoria, não deixaria de satisfazer ambos os conjuntos.

Quanto aos dois principais candidatos à disputa do título têm saídas aparentemente de grau de dificuldade similar, nas quais reúnem algum favoritismo, mas em que um imprevisto pode “estar à espreita”, caso dêem por mais ou menos adquiridos os três pontos, também em função da postura que os seus oponentes vierem a evidenciar, certamente aguerrida.

O Coruchense desloca-se a Ourém, para defrontar o At. Ouriense, numa disputa com um historial recente curto: apenas dois jogos, com vitória dos oureenses em 2012-13 e empate na época seguinte. Portanto, a turma de Coruche terá de superar-se se quiser manter o pleno de vitórias neste campeonato.

Por seu lado, o Riachense, certamente sequioso de recuperar os pontos perdidos na semana passada, visita a Ribeira de Santarém, restando saber, por outro lado, com que “cara” se apresentarão os “Caixeiros” (a da primeira jornada, em que foram goleados em casa, ou a da segunda, em que venceram fora?). Na única vez em que estas duas equipas se encontraram, nos últimos anos, em Santarém, regista-se o triunfo para a formação dos Riachos, por 2-0, precisamente na última temporada. Um desfecho que se poderá repetir hoje, independentemente da expressão final do marcador.

Outro dos inesperados guias nesta fase ainda prematura da competição, o Pego, tem uma curta mas difícil visita a Mação, sendo que, nas últimas seis temporadas, estes dois clubes apenas em 2010-11 se defrontaram, então com os maçaenses a golear por 4-0. Este ano, poderão voltar a vencer, mas, previsivelmente, por margem mais reduzida.

Por fim, o Amiense recebe o Benavente, surgindo notoriamente como favorito, como decorre inclusivamente do historial recente entre as duas equipas, que se defrontaram em Amiais de Baixo já por 8 vezes, nos campeonatos de 2010-11 a 2014-15, com quatro vitórias para a formação da casa (três delas nos três últimos jogos), dois empates e dois triunfos para os benaventenses. Mas atenção: é que o Benavente começa a necessitar pontuar com alguma urgência…

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com o balanço e perspectiva da jornada – 25.09.2016)