pulsar-5

(“O Templário”, 13.10.2016)

Temos campeonato! Ou como, num ápice, tudo pode mudar. De facto, na sequência dos resultados da 5.ª jornada da I Divisão Distrital, o desequilíbrio que aqui tinha assinalado parecer começar a manifestar-se, foi prontamente anulado, com um reagrupamento na frente da tabela, agora com os cinco primeiros classificados separados somente por dois pontos – sendo oito os clubes compreendidos num curto intervalo de apenas três pontos –, tendo passado a registar-se uma liderança partilhada, precisamente entre os dois principais candidatos ao título.

Destaques – O grande realce da última ronda vai para a vitória do Mação sobre o Coruchense, por 2-1, assim interrompendo a senda triunfal da formação de Coruche, que viu, também, pela primeira, as suas balizas violadas. Por curiosidade, nesta altura, União de Tomar e Coruchense registam as defesas menos batidas – tendo consentido somente dois golos, em ambos os casos, sofridos em Mação. Os maçaenses, que repartem agora o 4.º posto com os tomarenses, reafirmam portanto a sua candidatura aos lugares cimeiros, com a credencial de terem desfeiteado já dois oponentes do nível das turmas do Sorraia e do Nabão.

O principal beneficiado do desaire do grupo de Coruche foi o Riachense, que, prosseguindo a sua campanha segura, foi vencer a Ourém, face ao At. Ouriense, por tangencial 1-0, o necessário e suficiente para se alcandorar à posição de comandante (igualando em pontos o Coruchense).

Quem continua também a fazer sensação é o Samora Correia – agora o único clube ainda invicto! –, tendo conseguido forçar um nulo na deslocação a Tomar, numa partida com duas partes distintas: uma primeira metade em que ambos os conjuntos encaixaram um no outro, sem que se tivessem assinalado grandes ocasiões de perigo; na etapa complementar, veio ao de cima a maior pujança unionista, que remeteu o adversário para a sua zona defensiva, acabando contudo o União por ser penalizado pelas dificuldades que vem denotando a nível de concretização, com tradução no facto de apenas ter apontado seis tentos em cinco jornadas. Deste modo, os samorenses continuam a pontificar na frente da pauta classificativa, pese embora tenham baixado uma posição, para o 3.º lugar.

Surpresa – Não terá sido um resultado de todo inesperado – recorde-se que o Pego derrotara já uma equipa com o potencial do Fazendense (para além de ter ido vencer também a Ourém) –, mas talvez não se esperasse a “facilidade” com que os pegachos se desembaraçaram do Cartaxo, ganhando por 4-2, frente a uma formação cartaxense, por agora, muito aquém do desempenho da época passada, ocupando aliás posição de risco na classificação, com um modesto 11.º lugar.

Confirmações – Para além do categórico triunfo do Fazendense sobre o Benavente (4-1), que coloca a formação das Fazendas também na compita pelos lugares de topo da tabela – enquanto, ao invés, os benaventenses somaram preocupante quinto desaire sucessivo – também o Amiense confirmou o poderio que usualmente revela nos jogos disputados no seu terreno, derrotando o U. Almeirim (3-1), com os almeirinenses igualmente com um arranque difícil, bastante abaixo das expectativas (apenas cinco pontos averbados, que lhe conferem um discreto 10.º lugar).

Por fim, confirmam-se também as dificuldades que o grupo de Torres Novas vem evidenciando, sofrendo mais uma derrota (a quarta em cinco jogos, a que se soma a registada na Taça do Ribatejo), perdendo na Ribeira de Santarém, ante os Empregados do Comércio, igualmente por 3-1. Os torrejanos mantêm assim a penúltima posição, somente com um único ponto.

II Divisão Distrital – Teve início o campeonato distrital da II Divisão, com um total de 18 clubes concorrentes, repartidos em duas séries. Na ronda inaugural, na Série A, destaque para os categóricos triunfos do Caxarias (4-1) na recepção ao estreante Aldeiense, e do Ferreira do Zêzere no Tramagal (3-0). Na Série B, realce para as vitórias do Benfica do Ribatejo sobre o Barrosense (3-1) e do U. Santarém frente ao Moçarriense (3-2).

Campeonato de Portugal – O Fátima voltou aos resultados positivos, ganhando por 1-0 ao U. Leiria (tento apontado mesmo ao “cair do pano”), o que lhe permite (com quatro triunfos obtidos em cinco encontros disputados), ainda com um jogo a menos, voltar a subir ao 3.º lugar, a quatro pontos do líder, Sertanense. Por seu lado, o Alcanenense não foi além do nulo na recepção ao Vilafranquense, posicionando-se a meio da tabela, com quatro pontos de margem em relação à “linha de água”, após a disputa do primeiro terço desta fase inicial do campeonato.

Antevisão – Na próxima jornada do Distrital da I Divisão, as atenções estarão focadas, em especial, no Riachense-Fazendense e no Cartaxo-União de Tomar, desafios nos quais, em ambos os casos, não deverá certamente repetir-se o desequilíbrio verificado na temporada transacta, então com duas goleadas dos grupos visitados (curiosamente por igual marca, de 6-1).

O outro líder, Coruchense, apresenta-se como natural favorito na recepção ao Pego. Uma menção final ainda ao Torres Novas-Amiense, um encontro já a revestir-se de contornos determinantes para o futuro dos torrejanos na prova, a necessitar urgentemente de pontuar para inverter a negativa tendência de arranque.

Na II Divisão Distrital, o Ferreira do Zêzere terá a visita do U. Atalaiense, enquanto, a Sul, o Glória do Ribatejo (que folgou na ronda inicial) se estreia recebendo o U. Santarém.

O Campeonato de Portugal volta a sofrer breve pausa, para disputa da eliminatória correspondente aos 1/32 de final da Taça de Portugal, na qual participam já os clubes da I Liga. Precisamente, o Alcanenense defronta o Feirense, clube a militar no principal escalão, onde vem marcando prestação positiva, enquanto, por seu lado, o Fátima é visitado pelo destacado “lanterna vermelha” da II Liga, Olhanense.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 13 de Outubro de 2016)