O futebol tem este grande aliciante: num ápice, tudo pode mudar, para mais quando se está ainda numa fase tão preliminar da temporada. De facto, na sequência dos resultados da 5.ª jornada da I Divisão Distrital, o desequilíbrio que parecia começar a manifestar-se foi prontamente anulado, com um reagrupamento na frente da tabela, agora com os cinco primeiros classificados separados somente por dois pontos –, tendo passado a registar-se uma liderança partilhada, precisamente entre os dois principais candidatos ao título.

Decorre tal situação do facto de nenhum dos anteriores três primeiros classificados ter conseguido ganhar, por um lado, em função do empate (0-0) entre União de Tomar e Samora Correia, mas, principalmente, pela quebra de invencibilidade do Coruchense, derrotado em Mação por 2-1.

Ao invés, e em conjugação com tais resultados daquelas equipas do trio da frente, os clubes que se seguiam na classificação, Riachense, Mação, Fazendense, Amiense e Pego, ganharam todos eles, pelo que temos agora um total de oito clubes compreendidos num curto intervalo de apenas três pontos.

Em Tomar, o Samora Correia conseguiu forçar o nulo no marcador, sendo agora o único clube ainda invicto! Foi uma partida com duas partes distintas: uma primeira metade em que ambos os conjuntos encaixaram um no outro, sem que tivessem sido assinaladas grandes ocasiões de perigo; na etapa complementar, veio ao de cima a maior pujança unionista, que remeteu o adversário para a sua zona defensiva, acabando contudo o União por ser penalizado pelas dificuldades que vem denotando a nível de concretização, com tradução no facto de apenas ter apontado seis tentos em cinco jornadas.

Por seu lado, em Mação, no jogo “grande” da jornada, a equipa da casa bateu o líder, Coruchense por 2-1 (curiosamente as formações do Sorraia e do Nabão continuam a registar as defesas com menos golos sofridos, dois, em ambos os casos consentidos frente aos maçaenses.

O principal beneficiado do desaire do grupo de Coruche foi o Riachense, que, prosseguindo a sua campanha segura, foi vencer a Ourém, face ao At. Ouriense, por tangencial 1-0, o necessário e suficiente para se alcandorar à posição de comandante (igualando em pontos o Coruchense).

Quanto ao Fazendense, registou categórico triunfo sobre o Benavente (4-1), que coloca a formação das Fazendas também na disputa pelos lugares de topo da tabela – enquanto, ao invés, os benaventenses somaram preocupante quinto desaire sucessivo.

Em Amiais de Baixo, o Amiense confirmou a vantagem que o facto de jogar no seu terreno habitualmente lhe confere, tendo ganho ao U. Almeirim por 3-1, com os almeirinenses com um arranque difícil, bastante abaixo das expectativas (apenas cinco pontos averbados, que lhe conferem um discreto 10.º lugar).

Mais surpreendente terá sido a “facilidade” com que o Pego – que, recorde-se, já antes havia batido o Fazendense, para além de ter ido ganhar igualmente a Ourém – se desembaraçou do Cartaxo, ganhando por 4-2, frente a uma equipa, por agora, muito aquém do desempenho da época passada, ocupando aliás posição de risco na classificação, com um modesto 11.º lugar.

Por fim, confirmam-se também as dificuldades que o grupo de Torres Novas vem evidenciando, sofrendo mais uma derrota (a quarta em cinco jogos, a que se soma a registada na Taça do Ribatejo), perdendo na Ribeira de Santarém, ante os Empregados do Comércio, igualmente por 3-1. Os torrejanos mantêm assim a penúltima posição, somente com um único ponto.

Disputa-se hoje a 6.ª ronda da prova, com as atenções focadas, em especial, no Riachense-Fazendense e no Cartaxo-União de Tomar, desafios nos quais, em ambos os casos, não deverá certamente repetir-se o desequilíbrio verificado na temporada passada, então com duas goleadas dos grupos visitados (curiosamente por igual marca, de 6-1).

No primeiro caso, a turma de Riachos, agora na liderança partilhada do campeonato, não quererá deixar escapar novamente o seu rival; veremos se voltará a sentir dificuldades em impor-se no seu terreno. O histórico parece jogar a seu favor, com três vitórias em outros tantos jogos que Riachense e Fazendense aí disputaram nos últimos seis anos. Mas as vitórias passadas não garantem triunfos futuros…

Quanto ao União de Tomar, atendendo ao desempenho que ambos os conjuntos vêm revelando nesta fase inicial, poderá apresentar-se como favorito, estando também em aberto a hipótese de mais um empate. Também neste caso a tendência história é bastante favorável ao Cartaxo, com três vitórias nos últimos quatro jogos aí realizados com os unionistas, que o melhor que conseguiram foi o empate a duas bolas, há dois anos.

O outro líder, Coruchense, apresenta-se como natural favorito na recepção ao Pego, pese embora a boa campanha que os pegachos vêm desenvolvendo. Não há, neste caso, histórico recente de confrontos entre ambas as equipas na I Divisão Distrital.

O mesmo se verifica em relação ao encontro entre Samora Correia e Empregados do Comércio, sem jogos precedentes no principal escalão do futebol distrital. Os samorenses, actualmente no 3.º lugar, procurando preservar a sua invencibilidade na prova, serão favoritos, mas a surpresa poderá estar à espreita, face à boa resposta que os “Caixeiros” deram à sua péssima entrada no campeonato.

O Benavente recebe o Mação, extremamente motivado pela forma como superou o líder, enfrentando portanto mais um desafio de elevado grau de dificuldade a nível das suas pretensões de começar a marcar pontos no campeonato. Nos anos mais recentes, em sete encontros entre estas equipas, o favoritismo até pende para a equipa da casa, com três vitórias dos benaventenses e três empates, tendo o Mação ganho apenas por uma vez, já em 2012-13. Na última vez que se defrontaram o resultado foi também uma igualdade a dois golos.

O encontro entre Torres Novas e Amiense parece começar a revestir-se já de contornos determinantes para o futuro dos torrejanos na prova, a necessitar urgentemente de pontuar para inverter a negativa tendência de arranque. Nas últimas seis vezes que se defrontaram, os torrejanos somaram quatro vitórias e um empate, tendo perdido em casa apenas por uma vez (em 2014-15).

Ainda uma menção final ao U. Almeirim-At. Ouriense, duas equipas que ocupam lugares da parte baixa da tabela, com os almeirinenses, com maiores aspirações, certamente a pretender recuperar terreno, apresentando-se com algum favoritismo. As duas equipas apenas se cruzaram no ano passado, então com empate a uma bola.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com o balanço e perspectiva da jornada – 16.10.2016)