pulsar-9

(“O Templário”, 10.11.2016)

Na ronda imediata após ter ascendido ao comando do campeonato, o Riachense, enfrentando uma “prova de fogo”, deu cabal resposta, afirmando a sua liderança, goleando no terreno do Cartaxo, enquanto, por seu lado, o Coruchense, ainda a procurar recompor-se do desaire ante o União de Tomar, denotou inesperadas dificuldades para marcar um golo ao “lanterna vermelha”.

Em qualquer caso, em função do nulo registado em Tomar, na recepção ao Amiense, e da derrota do Samora Correia, os dois principais candidatos ao título ampliaram a vantagem sobre os seus mais directos perseguidores.

Destaques – O maior destaque desta jornada vai precisamente para o categórico triunfo averbado pela formação dos Riachos na deslocação ao Cartaxo, impondo-se por 5-3, depois de, inclusivamente, ter chegado a dispor de vantagem de 5-1. Uma exibição muito afirmativa, a demonstrar um potencial de alto nível, obtendo um resultado que não estará certamente ao alcance de mais nenhum concorrente. A confirmação de uma sólida candidatura ao título, curiosamente em contraponto a uma fase em que o seu principal rival nessa disputa parece atravessar fase menos exuberante. Por seu lado, o Cartaxo, compreensivelmente aquém do desempenho da época passada, vem revelando contudo inesperadas dificuldades para se afastar da zona perigosa da classificação.

Realce também para a vitória do Fazendense sobre o Samora Correia (3-1), com a formação samorense a sofrer a segunda derrota (ambas nos três últimos jogos), começando a baixar na tabela, ao invés do que sucede com o conjunto de Fazendas de Almeirim, que, sem grandes alardes, vai fazendo o seu percurso, subindo na classificação, aproximando-se dos lugares da frente (é agora 6.º classificado, a três pontos do duo formado por U. Tomar e Samora Correia).

O At. Ouriense, na recepção aos Empregados do Comércio, num desafio entre “aflitos”, rivais directos na fuga aos lugares da cauda da tabela, conseguiu superar a marca com que vencera este mesmo adversário nas duas últimas vezes que se tinham defrontado em Ourém (3-0), goleando, desta feita, por 4-0. Para a equipa da casa, um desfecho que poderá motivar o grupo para melhorar o respectivo desempenho, pese embora se mantenha em zona de risco; para os “Caixeiros”, um resultado a fazer ampliar os motivos de preocupação, agora que caiu no penúltimo lugar da pauta classificativa, portanto em posição de despromoção, tendo averbado somente duas vitórias nas nove partidas já disputadas, nas quais soma já sete derrotas (as quatro últimas de forma consecutiva).

Surpresas – Pese embora tenha confirmado a sua forte propensão para obter bons resultados em Mação (nos últimos sete jogos disputados em Mação, o Torres Novas vencera por cinco vezes), a principal surpresa da jornada foi o triunfo dos torrejanos frente aos maçaenses, por 2-0, permitindo ao Torres Novas começar a “respirar” melhor, tendo subido ao 11.º posto. Ao invés, o Mação confirma uma fase negativa, sofrendo a sua terceira derrota sucessiva, o que lhe custa distar já, precisamente, nove pontos do líder, tendo baixado entretanto à 7.ª posição.

A outra “meia-surpresa” aconteceu no Pego, com a vitória dos visitados sobre o U. Almeirim (1-0), com os pegachos a confirmar que, no seu reduto, constituirão um adversário difícil de bater, enquanto os almeirinenses começam a desiludir, em relação às expectativas que haviam sido criadas no início da temporada, curiosamente partilhando agora com o adversário desta jornada o 8.º e 9.º lugares.

Confirmações – O Coruchense confirmou – não sem dificuldade – o natural favoritismo que lhe era atribuído, recebendo e batendo o Benavente, mercê de um tangencial 1-0.

Por fim, em Tomar, União e Amiense “encaixaram”, numa partida sem grandes ocasiões de golo, não tendo os unionistas – tal como sucedera ante o Samora Correia – conseguido desfazer o nulo, que acaba por se ajustar ao desempenho das duas equipas, o que proporciona ao conjunto de Amiais de Baixo manter o 3.º lugar, com o União de Tomar agora em 4.º, ampliando, não obstante, a fantástica série de inviolabilidade das suas redes em jogos para o campeonato em casa, já com 12 encontros sem consentir qualquer golo, datando o(s) último(s) tentos sofridos de 20 de Dezembro do ano passado, há quase 11 meses!

II Divisão Distrital – No distrital da II Divisão, tivemos, na série A, uma jornada de goleadas: 8-1 no U. Abrantina-Aldeiense; 5-0 no Rio Maior-Espinheirense, e 1-4 no U. Atalaiense-Caxarias, excelente resultado da turma de Caxarias, que ocupa o 2.º posto, a dois pontos do líder, Ferreira do Zêzere. Na série B, destaca-se a derrota do U. Santarém em Benfica do Ribatejo (2-1); beneficiando de tal desfecho, e pese embora não tenha ido além do empate (1-1) na recepção ao Moçarriense, o Marinhais isolou-se no comando.

Campeonato de Portugal – Já a fechar a primeira volta da prova, o Fátima, agora com novo treinador, obteve excelente triunfo (1-0) na Sertã, face ao anterior líder, Sertanense. Por seu lado, o Alcanenense foi batido nas Caldas da Rainha, perdendo por 0-2. Ambos os clubes representativos do Distrito ocupam a 4.ª posição nas respectivas séries.

Antevisão – No próximo fim-de-semana, o Distrital sofre breve pausa, para disputa da 2.ª ronda da fase de Grupos da Taça do Ribatejo, em que se destacam os seguintes jogos: Fazendense-Samora Correia (que “bisam” o encontro da semana passada), o “derby” U. Santarém-Moçarriense, o Empregados do Comércio-Benavente e o Ferreira do Zêzere-União de Tomar.

No Campeonato de Portugal, depois de ganhar no terreno do anterior líder, o Fátima recebe agora, a abrir a segunda volta, o novo guia, Operário de Lagoa (Açores); por coincidência, também ao Alcanenense caberá receber o comandante da sua série, o Praiense, igualmente dos Açores.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 10 de Novembro de 2016)