pulsar-10

(“O Templário”, 24.11.2016)

Com dez jornadas disputadas – numa ronda que ficou assinalada pelo adiamento do desafio entre Torres Novas e Pego, devido ao mau estado do relvado –, o Campeonato Distrital da I Divisão está “ao rubro”, na sequência do empate entre os dois primeiros classificados, agora com o terceto da dianteira concentrado, dispondo o líder, Riachense, de um único ponto de vantagem face aos seus mais directos perseguidores, Coruchense e Amiense, estando o 4.º classificado, Samora Correia, somente a três pontos.

Destaques – O principal destaque desta jornada vai para a igualdade entre Riachense e Coruchense (1-1), com os dois primeiros a “anularem-se” mutuamente, permitindo a reaproximação da turma de Amiais de Baixo. O grupo dos Riachos ainda se adiantou no marcador, mas não conseguiu segurar até final a vantagem, que poderia ser preciosa. Deste modo, o conjunto do Sorraia mantém-se “bem vivo”, numa acesa disputa pelo 1.º lugar – que, afinal, até poderá nem ser apenas “a dois”…

Realce também para o regresso aos triunfos por parte do Samora Correia (4-2), frente ao Mação, que somou o quarto desaire sucessivo no campeonato, ocupando, por agora, modesto 8.º posto, muito aquém das expectativas, e já a considerável distância de 10 pontos face ao guia. Ao invés, os samorenses continuam a segurar-se entre os lugares de topo, retomando a 4.ª posição.

Surpresa – Não obstante houvesse a noção de que o Benavente valerá bastante mais do que evidencia a sua posição de “lanterna vermelha”, não deixa de constituir uma surpresa – até pela forma como decorreu o desafio –, o empate imposto ao União de Tomar (1-1), que impede os unionistas de voltar a distar apenas três pontos do comandante, tendo assim baixado ao 5.º lugar, agora a cinco pontos do Riachense.

De facto, tendo entrado, outra vez, praticamente a perder, com um tento sofrido logo aos três minutos – frente a um adversário que, até então, acumulara oito derrotas em nove partidas disputadas –, o União de Tomar não conseguiu ter o discernimento necessário para inverter o marcador, e alcançar o desfecho que seria “normal”, ou seja, a vitória.

Desde cedo, tendo de assumir toda a iniciativa do jogo, num terreno de relva natural, em difíceis condições, devido à chuva, os tomarenses foram “empurrando” os homens da casa para trás, remetidos à sua zona defensiva, mas não conseguiram, no primeiro tempo, criar efectivas ocasiões de golo. Na segunda metade, tal falta de discernimento teria ainda tradução numa grande penalidade desperdiçada, como desperdiçada seria também a respectiva recarga… Do “mal o menos”, a turma unionista acabaria, depois de intensa pressão, por chegar ao golo do empate, mas já não havia tempo para muito mais.

Confirmações – Nos restantes encontros, os favoritos confirmaram a tendência expectável, com o U. Almeirim a ganhar, com dificuldade, por 2-1, ao Cartaxo (após ter operado reviravolta no marcador); o Amiense a derrotar o At. Ouriense, por tangencial 3-2, mas depois de ter disposto de vantagem de dois tentos; e, por fim, o Fazendense a contribuir para agravar a crise de resultados dos Empregados do Comércio, ganhando na Ribeira de Santarém (3-1). “Pé ante pé”, quase sem se dar por ela, a formação das Fazendas está já no 6.º lugar, somente um ponto abaixo do União de Tomar; por seu lado, os “Caixeiros” continuam a ser penúltimos, mas, pior, somaram a quinta derrota consecutiva, não se vislumbrando “facilidades” no horizonte próximo.

II Divisão Distrital – No distrital da II Divisão, na série A, o Caxarias está a fazer sensação, tendo batido o Rio Maior por 3-1, o que lhe confere uma excelente 1.ª posição, um ponto acima do Ferreira do Zêzere (que folgou), e beneficiando também do inesperado empate (1-1) cedido pela U. Abrantina no terreno do Espinheirense. Na série mais a Sul, no “derby” local, o Marinhais não conseguiu também melhor que esse mesmo desfecho (1-1), frente ao rival Glória do Ribatejo, o que foi aproveitado pelo U. Santarém (goleando o Vale da Pedra por 4-1) para reassumir a liderança da prova. Realce ainda para outra goleada, do Moçarriense, na recepção ao Barrosense, tendo ganho por 5-1.

Campeonato de Portugal – Com o campeonato em pausa, para disputa dos 1/16 de final da Taça de Portugal, o Fátima aproveitou para proceder ao “acerto de calendário”, deslocando-se aos Açores, para disputar encontro que se encontrava em atraso, de onde, contudo, não trouxe qualquer benefício; ainda se chegou a adiantar no marcador, mas acabaria por ser desfeiteado pelo Sp. Ideal por 3-1. Mantém assim a 3.ª posição, a três pontos do guia, Sertanense.

Antevisão – Na próxima ronda do Distrital da I Divisão, evidenciam-se especialmente os seguintes confrontos: Coruchense-U. Almeirim, eventualmente susceptível de alguma surpresa; Benavente-Riachense, num jogo em os extremos se tocam, com alto grau de favoritismo para a turma dos Riachos; e, porventura, a partida de maior cartaz, um equilibrado Fazendense-Amiense. O União de Tomar, depois de dois empates, terá de se empregar a fundo para levar de vencida o At. Ouriense, que tão boa réplica deu em Amiais de Baixo.

Na II Divisão Distrital, a Norte, o “jogo grande” da jornada é o U. Abrantina-Caxarias, com o novo líder a ter de enfrentar, de imediato, uma “prova de fogo”; a Sul, teremos também um aliciante encontro, neste caso, precisamente entre os dois primeiros classificados, com o Marinhais a receber a visita do guia, U. Santarém.

Por fim, no Campeonato de Portugal, o Fátima terá nova saída, até ao terreno do penúltimo classificado, Oleiros, apresentando-se portanto com algum favoritismo para a conquista dos três pontos; por seu lado, o Alcanenense desloca-se igualmente, a Alcobaça, onde encontrará o “lanterna vermelha”, na expectativa de poder somar também mais um triunfo, que lhe permita afastar-se da zona perigosa da tabela classificativa.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 24 de Novembro de 2016)