Após a disputa da 10.ª jornada o campeonato está “ao rubro”, com o trio da frente separado por um único ponto, tendo o Amiense aproveitado o empate entre Riachense e Coruchense para igualar a turma do Sorraia no 2.º lugar; por outro lado, o Samora Correia, no 4.º posto, está somente a três pontos do líder, Riachense.

De facto, os dois primeiros, defrontando-se em Riachos, “anularam-se” mutuamente, empatando a uma bola, permitindo assim a reaproximação dos perseguidores. Com a igualdade obtida, a formação de Coruche mantém-se “bem viva”, numa acesa disputa pelo 1.º lugar – que, afinal, até poderá nem ser apenas “a dois”…

Conforme referido, o principal beneficiado foi o Amiense, ao derrotar o At. Ouriense, por tangencial 3-2, mas depois de ter chegado a dispor de vantagem de dois tentos.

O Samora Correia foi também um dos beneficiados por esse empate registado em Riachos, tendo ganho ao Mação por categórico 4-2, continuando assim a segurar-se entre os lugares de topo, retomando a 4.ª posição. Ao invés, os maçaenses somaram o quarto desaire sucessivo no campeonato, ocupando, por agora, modesto 8.º posto, muito aquém das expectativas, e já a considerável distância de 10 pontos face ao guia.

Por seu lado, o União de Tomar desaproveitou a oportunidade de voltar a reduzir a diferença face ao Riachense, para três pontos, tendo aliás baixado ao 5.º lugar, em resultado do empate averbado em Benavente, também a uma bola.

De facto, tendo entrado, outra vez, praticamente a perder, com um tento sofrido logo aos três minutos – frente a um adversário que, até então, acumulara oito derrotas em nove partidas disputadas –, o União de Tomar não conseguiu ter o discernimento necessário para inverter o marcador, e alcançar o desfecho que seria mais “normal”, ou seja, a vitória.

Desde cedo, tendo de assumir toda a iniciativa do jogo, num terreno de relva natural, em difíceis condições, devido à chuva, os tomarenses foram “empurrando” os homens da casa para trás, remetidos à sua zona defensiva, mas não conseguiram, no primeiro tempo, criar efectivas ocasiões de golo. Na segunda metade, tal falta de discernimento teria ainda tradução numa grande penalidade desperdiçada, como desperdiçada seria também a respectiva recarga… Do “mal o menos”, a turma unionista acabaria, depois de intensa pressão, por chegar ao golo do empate, mas já não havia tempo para muito mais.

Nos restantes encontros, os favoritos confirmaram a tendência expectável, com o U. Almeirim a ganhar, com dificuldade, por 2-1, ao Cartaxo (tendo sido forçado a operar reviravolta no marcador); enquanto o Fazendense contribuiu para agravar a crise de resultados dos Empregados do Comércio, ganhando na Ribeira de Santarém (3-1). “Pé ante pé”, quase sem se dar por ela, a formação das Fazendas está já no 6.º lugar, somente um ponto abaixo do União de Tomar; por seu lado, os “Caixeiros” continuam a ser penúltimos, mas, pior, somaram a quinta derrota consecutiva, não se vislumbrando “facilidades” no horizonte próximo.

Finalmente, de assinalar ainda o adiamento do encontro entre Torres Novas e Pego, devido ao mau estado do relvado.

Nos jogos desta tarde, porventura a partida de maior cartaz será o Fazendense-Amiense, entre dois clubes com rico historial a nível Distrital, num jogo que se antevê de “tripla”. Nas sete vezes que se defrontaram em Fazendas de Almeirim, nos últimos seis anos, a equipa da casa regista 4 triunfos e 3 desaires, o último dos quais na época passada, por 0-2. Curiosamente, em tal período nunca empataram… Será hoje?

Outro confronto de interesse será o Coruchense-U. Almeirim, eventualmente susceptível de alguma surpresa. Estes dois conjuntos não se encontram desde a já longínqua temporada de 2004-05, pelo que não existe historial recente.

Em Benavente temos um desafio em que os extremos se tocam, com o “lanterna vermelha” a receber o comandante, Riachense, naturalmente com alto grau de favoritismo para a turma dos Riachos, mas que deverá recordar-se que o União de Tomar não conseguiu superar este mesmo adversário na passada semana. As duas equipas apenas se cruzaram, em anos recentes, já em 2012-13, por duas vezes, então com um empate e uma vitória para o grupo dos Riachos, numa temporada em que se viria a sagrar Campeão Distrital.

Quanto ao União de Tomar, vindo de dois empates nas duas últimas rondas, terá de se empregar a fundo para levar de vencida o At. Ouriense, que tão boa réplica deu em Amiais de Baixo. Nas cinco partidas que disputaram em Tomar nos anos mais recentes, regista-se uma tendência de equilíbrio, com dois triunfos para cada lado, e um empate. No ano passado, venceram os unionistas por tangencial 1-0.

No Cartaxo, defrontam-se duas equipas com pergaminhos no Distrital, esta época muito aquém das expectativas, com o Torres Novas a procurar dar sequência à recuperação que vem empreendendo, mas enfrentando um teste de elevado grau de dificuldade. Não obstante, nos últimos cinco encontros aí disputados, os torrejanos apenas por uma vez foram derrotados (em 2010-11), tendo averbado duas vitórias (por coincidência, nos últimos dois anos) e dois empates.

O Pego, recebendo o Samora Correia, pretenderá certamente beneficiar da vantagem que lhe confere o seu terreno pelado. As últimas vezes que estas formações se defrontaram foram já em 2010-11, então com uma vitória para os pegachos e um empate.

Por fim, em Mação encontram-se duas equipas a atravessar sérias crises de resultados: os maçaenses, com uma sequência de 4 derrotas, enquanto os Empregados do Comércio acumulam já 5 desaires sucessivos. Ocasião para, pelo menos uma delas (ou as duas) colocarem ponto final a este terrível ciclo, reunindo a turma da casa natural favoritismo. Isto, apesar de, nas três vezes que se defrontaram, nos três últimos anos, se registar absoluto equilíbrio, com uma vitória para cada clube e uma igualdade.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com o balanço e perspectiva da jornada – 27.11.2016)