Dezembro 2016


pulsar-14

(“O Templário”, 22.12.2016)

Na abertura da segunda volta, no “derby” torrejano, o líder, Riachense, não conseguiu travar a série de resultados positivos do Torres Novas, vendo assim o Coruchense recolar, agora somente a um ponto, permitindo igualmente alguma reaproximação do duo formado por Amiense e Samora Correia, ambos a seis pontos do guia.

Destaque – O grande destaque desta jornada vai precisamente para o empate (1-1) que o Torres Novas impôs em Riachos – depois de, inclusivamente, ter chegado a estar em vantagem no marcador –, no que constitui já o oitavo jogo consecutivo a pontuar por parte dos torrejanos, agora apenas a três pontos do 5.º lugar. Por seu lado, o Riachense completou terceira série consecutiva de três triunfos, seguidos de empate, não tendo ainda conseguido alinhar quatro vitórias sucessivas, o que apenas foi alcançado por Coruchense, Amiense e… Torres Novas.

Realce para mais uma vitória “fora de portas” do Amiense – que já não vencia há três jogos –, a segurar a partilha do 3.º posto, ganhando no Cartaxo por 2-0, continuando a aprofundar a crise de resultados dos cartaxeiros, já com uma muito preocupante sucessão de seis desaires (ainda ninguém fez pior neste campeonato, sendo este registo igualado por Empregados do Comércio e Benavente, precisamente o trio da cauda da tabela), a atrasar-se ainda mais, agora a quatro pontos de distância do adversário mais próximo.

Numa ronda em que apenas dois visitados venceram, é de assinalar também o triunfo do At. Ouriense no Pego (1-0), a colar-se a esse rival, do qual está agora separado por um único ponto, tendo paralelamente aberto um pequeno “fosso” de quatro pontos em relação à “linha de água”, em busca da tranquilidade. Ao invés, os pegachos desperdiçaram a oportunidade de dar um grande passo em frente no trilho da manutenção, uma vez que poderiam ter ampliado para oito pontos a vantagem face à zona perigosa da pauta classificativa, o que, contudo, não sucedeu.

Surpresa – Pelo desempenho que a formação do U. Almeirim vem realizando no seu reduto, não se poderá caracterizar de verdadeiramente surpreendente a vitória averbada frente ao União de Tomar (3-1), que sofreu a sua terceira derrota nos últimos quatro jogos; surpreendendo, isso sim, que, inclusivamente, tivesse chegado a dispor de vantagem por 3-0.

Entrando novamente bem no jogo, a pressionar o adversário, os nabantinos viriam a ser surpreendidos em lance de “contra-golpe”, que proporcionou aos almeirinenses abrir a contagem a seu favor, passando, a partir daí, a dispor de posição bastante confortável, de gestão do resultado, obrigando os tomarenses a correr (ainda mais) riscos. Fazendo lembrar um pouco o que se passara no Cartaxo, o União de Tomar procurava jogar, enquanto o U. Almeirim ia aproveitando as falhas de desconcentração defensiva do opositor, para dilatar o marcador, até aos referidos 3-0, vindo o resultado final a ser fixado, próximo do termo do encontro, na conversão de uma grande penalidade, com a obtenção do “ponto de honra”.

Confirmações – Nos restantes três desafios, os desfechos registados confirmaram as expectativas: o Coruchense bateu os Empregados do Comércio por 3-1 (tal como esperado, um resultado bastante menos desequilibrado do que o verificado na ronda inaugural, na Ribeira de Santarém), enquanto o Samora Correia venceu o outro “derby” da jornada, em Benavente (2-1), perante o cada vez mais “lanterna vermelha”; por seu lado, num confronto entre dois históricos do futebol distrital, em Mação, a partida ante o Fazendense resultou numa igualdade a um golo, que traduz o equilíbrio entre as duas formações.

II Divisão Distrital – Na série A, o realce vai para a imprevista derrota caseira da U. Abrantina ante o Rio Maior (1-2), a proporcionar também um reagrupamento nos lugares da frente, com dois pontos a separar o 2.º do 5.º classificado, pese embora o Ferreira do Zêzere se tenha destacado, fruto da vitória (3-0) ante o Tramagal, ampliando a sua vantagem sobre os mais directos perseguidores para seis pontos, beneficiando dos também inesperados desaires do Caxarias no terreno do Aldeiense (por categórico 0-3) e da U. Atalaiense em Alferrarede (2-3). Na série B, noutro “derby”, o anterior líder, Moçarriense, foi batido no seu reduto pelo U. Santarém (2-3), assim lhe cedendo a posição de comando, com um ponto de vantagem sobre Marinhais (goleando por 4-0 o Vale da Pedra) e Benfica do Ribatejo (vencedor na Barrosa por 2-0), com a turma da Moçarria a baixar à 4.ª posição, a dois pontos do guia.

Campeonato de Portugal – O Fátima, vencendo o Carapinheirense por tranquilo 2-0, mantém a liderança da sua série, agora com três pontos de avanço em relação ao B. C. Branco (contando com a sua vitória num jogo que não chegou ao fim, por inferioridade numérica do adversário). O Alcanenense obteve excelente triunfo na recepção ao Torreense (2-1), destacando-se no 4.º lugar, novamente com nove pontos de vantagem em relação à “linha de água”, quando faltam disputar apenas quatro jornadas até ao termo da primeira fase da competição.

Antevisão – Os campeonatos entram agora em pausa durante dois semanas, a propósito da quadra festiva, de Natal e Ano Novo, apenas sendo retomados a 8 de Janeiro de 2017. Fica, de qualquer forma, a referência à curiosidade de, na 15.ª ronda, se defrontarem os quatro primeiros (Samora Correia a receber o Riachense, enquanto o Amiense tem a visita do Coruchense), o que, em caso de vitória dos visitados, recolocaria o campeonato “ao rubro”… Também as quatro equipas do fundo da tabela se encontram: At. Ouriense-Cartaxo e Empregados do Comércio-Benavente, em desafios em que estará bastante em jogo. Por seu lado, o União de Tomar receberá o Mação, que, depois de quatro desaires sucessivos, não perde há… quatro jogos.

Na II Divisão Distrital, o destaque vai para os seguintes confrontos: U. Atalaiense – Ferreira do Zêzere, Forense – Moçarriense e U. Santarém – Glória do Ribatejo.

No Campeonato de Portugal, o Fátima terá uma determinante deslocação a Leiria, para defrontar o União local, actual 4.º classificado; enquanto o Alcanenense visita Vila Franca de Xira, para jogar com o Vilafranquense (7.º classificado), a procurar fugir da zona perigosa.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 22 de Dezembro de 2016)

Anúncios

o-templario-22-12-2016

(clicar na imagem para ler o artigo completo – O Templário – 22.12.2016)

Cidade de Tomar - 23-12-2016

(Clicar na imagem para ler o artigo na íntegra – Cidade de Tomar – 23.12.2016)

U. ALMEIRIM – Diogo Jesus, André Risso (77m – Nuno Lucas), João Palhoto (c.), Eduardo Simões, João Rodrigues, Aldo, Bruno Carrapato, Luís Carlos, Bruno Conduto (87m – Nuno Lucas), André Dionísio e Bernardo Jorge (87m – Valter Xaparro)

U. TOMAR – Telmo Rodrigues, Rui Silva (68m – Rui Pedro Lopes), Espadinha, Fábio Vieira, Tiago Alfieri (45m – Miguel Arcângelo), Nuno Rodrigues (c.), Chrystian Pedroso, Joca (81m – Telmo Ferreira), Diogo Moreira (81m – Vítor Félix), Tiago Vieira e Pelé

(suplentes – João Pedro Lopes, Filipe Cotovio e André Lopes)

1-0 – Bruno Conduto – 45m
2-0 – Bruno Conduto – 61m
3-0 – Bruno Conduto – 83m
3-1 – Tiago Vieira (pen.) – 86m

Cartões amarelos – André Risso (26m), Eduardo Simões (74m) e André Dionísio (90m); Fábio Vieira (38m), Miguel Arcângelo (70m) e Pelé (90m)

Árbitro – Pedro Fonseca

Mação – Fazendense – 1-1
Pego – At. Ouriense – 0-1
Cartaxo – Amiense – 0-2
Coruchense – Emp. Comércio – 3-1
Benavente – Samora Correia – 1-2
Riachense – Torres Novas – 1-1
U. Almeirim – U. Tomar – 3-1

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Riachense          14    10     3     1    30 - 12    33
 2º Coruchense         14    10     2     2    25 -  7    32
 3º Amiense            14     8     3     3    24 - 13    27
 4º Samora Correia     14     8     3     3    22 - 14    27
 5º Fazendense         14     6     4     4    23 - 16    22
 6º U. Almeirim        14     6     3     5    19 - 15    21
 7º Mação              14     6     3     5    20 - 20    21
 8º U. Tomar           14     6     3     5    16 - 16    21
 9º Torres Novas       14     5     4     5    14 - 17    19
10º Pego               14     4     3     7    14 - 21    15
11º At. Ouriense       14     4     2     8    16 - 23    14
12º Cartaxo            14     3     1    10    15 - 27    10
13º Emp. Comércio      14     3     1    10    15 - 33    10
14º Benavente          14     1     1    12    11 - 30     4

Com maior ou menor dificuldade, os dois primeiros classificados, Riachense e Coruchense, superaram mais uma etapa, distanciando-se dos mais directos perseguidores, parecendo confirmar-se portanto – concluída que está a primeira metade do campeonato – serem os únicos efectivos candidatos ao título, tendo em atenção que o duo que partilha o 3.º posto (Amiense e Samora Correia) regista já considerável atraso de oito pontos face ao líder, enquanto U. Tomar e Fazendense (que repartem a 5.ª posição), estão ainda três pontos mais abaixo.

Na jornada da semana passada, o grande destaque vai precisamente para a vitória do União de Tomar perante o Fazendense (3-2), colocando termo a uma série de invencibilidade deste clube nas Fazendas de Almeirim, a qual perdurava também há mais de um ano, desde 29 de Novembro de 2015!

Frente a um adversário que evidenciou menos argumentos do que o seu lugar na pauta classificativa parecia indiciar, os unionistas controlaram a maior parte do tempo de jogo, mas, uma vez mais, colocaram-se a si próprios dificuldades acrescidas, para levar de vencida uma partida que poderiam ter decidido a seu favor com bastante maior tranquilidade, acabando por chegar ao tento da vitória, já em período de compensação, na conversão de uma muito contestada grande penalidade, depois de, a 8 minutos do final, estarem em situação de desvantagem no marcador, por 1-2.

Num final de jogo empolgante, haveria ainda tempo para o União desperdiçar uma flagrantíssima ocasião de golo, que daria o 4-2, o que teria desfeito quaisquer dúvidas que pudessem subsistir sobre a justiça do desfecho do desafio.

A grande surpresa da ronda registou-se no Cartaxo, onde os Empregados do Comércio derrotaram a equipa da casa por categórica marca de 3-0! Um crucial “balão de oxigénio” para os “Caixeiros”, que assim igualaram os cartaxeiros na classificação, enquanto estes se deparam com acrescidos motivos de preocupação, perante uma terrível série de cinco desaires sucessivos, que os coloca precisamente na “linha de água”.

Nos restantes encontros, os resultados seriam mais ou menos previsíveis, com o Riachense, moralizado pela condição de guia, a bater o U. Almeirim por 2-0, tendo o Coruchense vencido, por tangencial 1-0, o 3.º classificado, Samora Correia.

No Pego, registou-se uma igualdade a uma bola, face ao Amiense, em função do que as turmas de Amiais de Baixo e de Samora perderam portanto o contacto com o duo da frente.

Em Benavente, o Torres Novas deu continuidade ao ciclo muito positivo que atravessa, ganhando também mercê de um solitário tento, “afundando” ainda mais a equipa da casa no último posto da tabela.

Por fim, referência aos números da vitória do Mação sobre o At. Ouriense (4-1), mantendo-se os oureenses em zona perigosa, enquanto os maçaenses (a meio da classificação) continuam a “olhar para cima”.

Na jornada de hoje do Distrital da I Divisão – no arranque da segunda metade da prova – temos nada menos de dois “derbies”.

Comecemos pelo mais aliciante, que coloca frente a frente o líder, Riachense, a uma equipa do Torres Novas, que já não conhece o amargo sabor da derrota há 7 jornadas, e que pretenderá, de alguma forma, desforrar-se do desaire sofrido no seu terreno, na partida inaugural do campeonato. Curiosamente, estes dois clubes têm andado desencontrados no campeonato, pelo que, nos últimos seis anos, apenas na temporada passada se defrontaram, então com triunfo do grupo de Riachos, por tangencial 2-1.

No outro “derby”, do município de Benavente, cabe ao “lanterna vermelha” receber o vizinho Samora Correia, com favoritismo para os visitantes, apesar de tal contrariar as estatísticas mais recentes de confrontos entre ambas as formações na I Divisão, que, contudo, datam já da época de 2010-11, então com uma vitória (goleada por 5-1) para o Benavente e um empate.

Por seu lado, o Coruchense, recebendo o penúltimo classificado, Empregados do Comércio, não deverá, não obstante, ver repetidas as facilidades do encontro de estreia da presente temporada, em que goleou os “Caixeiros”, em plena Ribeira de Santarém, por 6-0, no que constitui então uma fulgurante entrada em cena da equipa que acabara de ser despromovida do Nacional. O seu favoritismo não estará contudo em causa, dado que seria enorme a surpresa se não triunfassem de novo. Isto, apesar de o registo recente indicar apenas uma vitória da formação do Sorraia e um empate.

O Cartaxo, bastante carenciado de pontos – e, fundamentalmente, de pôr cobro ao ciclo de 5 derrotas que acumula já –, recebendo o Amiense, não terá vida fácil, mas terá eventualmente possibilidade de voltar a pontuar. Aliás, o histórico recente concede-lhe vantagem, com duas vitórias e dois empates nas últimas quatro vezes que se defrontaram no seu reduto.

Em Mação, temos em perspectiva um animado duelo entre duas das equipas mais competentes deste campeonato, com os maçaenses a receber o conjunto de Fazendas de Almeirim, numa partida que se antevê equilibrada. Entre dois clubes “habitués” do principal escalão, os últimos seis anos resultaram em oito confrontos entre ambos, com notória vantagem da turma da casa, que apenas perdeu por uma vez (há duas épocas), somando quatro triunfos e três empates.

Por coincidência, o U. Tomar desloca-se novamente ao município de Almeirim, para mais um difícil confronto, agora frente ao União local, cuja recuperação na tabela foi travada na semana passada em Riachos. Tal como o anterior, este será também um desafio com tendência para o equilíbrio, pese embora não haja histórico recente relevante, dado que, nas seis últimas épocas, os dois emblemas apenas no ano passado se defrontaram, então com triunfo dos almeirinenses por tangencial 1-0.

Finalmente, no Pego-At. Ouriense, entre duas equipas a procurar escapar à zona perigosa da tabela, estará em jogo uma cartada determinante para os pegachos, que, em caso de triunfo, poderão ficar com margem de segurança de oito pontos em relação à “linha de água”. Na última vez que se encontraram, já em 2010-11, contudo, foram os oureenses a levar a melhor, ganhando por 1-0….

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com o balanço e perspectiva da jornada – 18.12.2016)

pulsar-13

(“O Templário”, 15.12.2016)

Com os dois primeiros, Riachense e Coruchense, com maior ou menor dificuldade, a superar mais uma etapa desta “maratona”, distanciando-se dos mais directos perseguidores, parece confirmar-se – concluída que está a primeira metade do campeonato – serem os únicos efectivos candidatos ao título, tendo em atenção que o duo que partilha o 3.º posto (Amiense e Samora Correia) regista já considerável atraso de oito pontos face ao líder, enquanto U. Tomar e Fazendense (que repartem a 5.ª posição), estão ainda três pontos mais abaixo.

Destaque – O destaque desta ronda vai precisamente para a vitória do União de Tomar perante o Fazendense (3-2), colocando termo a uma série de invencibilidade deste clube nas Fazendas de Almeirim, a qual perdurava também há mais de um ano, desde 29 de Novembro de 2015!

Frente a um adversário que evidenciou menos argumentos do que o seu lugar na pauta classificativa parecia indiciar, os unionistas controlaram a maior parte do tempo de jogo, mas, uma vez mais, colocaram-se a si próprios dificuldades acrescidas, para levar de vencida uma partida que poderiam ter decidido a seu favor com bastante maior tranquilidade.

De facto, assumindo a iniciativa do jogo, seria um pouco “contra a corrente” que os tomarenses começariam por se ver em desvantagem no marcador. Não tendo acusado o toque do golo sofrido, o União beneficiaria de uma grande penalidade, que lhe poderia ter proporcionado o tento do empate, mas que, Pelé, desafortunadamente, rematou, com a bola a embater com estrondo no poste da baliza contrária. Continuando a porfiar, os “rubro-negros” acabariam mesmo por vir a chegar ao golo da igualdade, que repunha então a justiça no marcador.

E, assim motivados, quando pareciam poder embalar para o triunfo, paradoxalmente seria então a fase de maior fulgor do Fazendense, a desviar o jogo para o meio-terreno contrário, vindo a resultar em novo golo, que recolocava a turma da casa em vantagem. A ganhar a oito minutos do termo da partida, poucos acreditariam na reviravolta que se viria a operar: primeiro, com um remate de meia distância, algo “enrolado”, a trair o guardião; para, já em período de compensação, o árbitro João Mendes – integrando o quadro de árbitros da I Liga, com uma arbitragem muito personalizada – apitar segunda grande penalidade contra os visitados, a qual seria objecto de veemente contestação pelo público, expressando a opinião de que o Fazendense não devia “levar por tabela” face à injustiça sofrida pelos unionistas na semana anterior…

Na realidade, tratou-se de um lance difícil de ajuizar, com um choque aparatoso entre dois jogadores, que poderá ter eventualmente iludido o árbitro. Depois de uma interrupção de alguns minutos, chamado a converter o lance, Tiago Vieira, não hesitaria, marcando o golo que consumava a vitória tomarense… Num final de jogo empolgante, haveria ainda tempo para o União de Tomar desperdiçar uma flagrantíssima ocasião de golo, que daria o 4-2, o que teria desfeito quaisquer dúvidas que pudessem subsistir sobre a justiça do desfecho do desafio.

Em qualquer caso, mais um excelente triunfo do grupo unionista, a confirmar, neste jogo, ser mais equipa – frente a um opositor que vinha em crescendo a nível de resultados –, uma proeza a somar à vitória obtida em Coruche, colocando termo a um ciclo de quatro jogos sem ganhar.

Surpresa – Mas o resultado mais surpreendente da ronda foi o registado no Cartaxo, com os Empregados do Comércio a derrotarem a equipa da casa por categórica marca de 3-0! Um crucial “balão de oxigénio” para os “Caixeiros”, que assim igualaram os cartaxeiros na classificação, enquanto estes se deparam com acrescidos motivos de preocupação, perante uma terrível série de cinco desaires sucessivos, que os coloca precisamente na “linha de água”.

Confirmações – Nos restantes encontros, os resultados eram mais ou menos previsíveis, com o Riachense, moralizado pela condição de guia, a bater o U. Almeirim por 2-0, tendo o Coruchense vencido, por tangencial 1-0, o 3.º classificado, Samora Correia. No Pego, registou-se uma igualdade a uma bola, face ao Amiense; enquanto em Benavente, o Torres Novas deu continuidade ao ciclo muito positivo que atravessa, ganhando também mercê de um solitário tento, “afundando” ainda mais a equipa da casa no último posto da tabela. Por fim, referência aos números da vitória do Mação sobre o At. Ouriense (4-1), mantendo-se os oureenses em zona perigosa, enquanto os maçaenses (a meio da classificação) continuam a “olhar para cima”.

II Divisão Distrital – Na série A, numa “cimeira de líderes”, o Caxarias baqueou surpreendentemente em Ferreira do Zêzere, sofrendo pesada goleada (6-0), cedendo assim três pontos ao adversário, que se isolou no comando, ao mesmo tempo que se vê agora igualado no 2.º lugar pela U. Atalaiense, com uma inesperada vitória (3-2) em Abrantes, ante a U. Abrantina, que, deste modo, caiu para o 4.º posto. Num jogo entre dois clubes históricos do futebol distrital, menção à igualdade a três bolas entre os vizinhos Alferrarede e Tramagal. Na série B, assinala-se também o imprevisto desaire do U. Santarém no Porto Alto (2-1), a proporcionar ao Moçarriense retomar a liderança isolada (após ter ganho ao Glória do Ribatejo por 3-1). Realce ainda para a derrota caseira do Marinhais frente ao Benfica do Ribatejo (0-1).

Campeonato de Portugal – O Fátima, ganhando por 4-1 na Figueira da Foz, isolou-se no comando da sua série, beneficiando do empate do Sertanense na Carapinheira. O Alcanenense não conseguiu melhor que a derrota por tangencial 1-2 em Mafra, mantendo a 4.ª posição.

Antevisão – Na próxima jornada do Distrital da I Divisão – no arranque da segunda metade da prova – teremos um aliciante “derby” Riachense-Torres Novas, para além de um outro “derby” entre Benavente e Samora Correia, com o U. Tomar a deslocar-se novamente ao município de Almeirim, para mais um difícil confronto, agora frente ao União local.

Na II Divisão, também a iniciar a segunda volta da primeira fase, a Norte, destaca-se o U. Abrantina -Rio Maior; a Sul, mais um “derby”, com o Moçarriense a receber o U. Santarém.

No Campeonato de Portugal, o Fátima recebe o Carapinheirense, apresentando-se como natural favorito; o Alcanenense terá outra missão difícil, recebendo o 2.º classificado, Torreense.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 15 de Dezembro de 2016)

Página seguinte »