pulsar-11

(“O Templário”, 01.12.2016)

Infelizmente, foi a nota de sensação da 11.ª jornada da I Divisão Distrital: após 12 vitórias e 5 empates (em jogos do Campeonato e da Taça do Ribatejo), desde 1 de Novembro do ano passado, o União de Tomar voltou a ser desfeiteado no seu reduto, vendo, paralelamente, quebrada também a inviolabilidade das suas redes, que mantinha há já 12 jogos no campeonato, neste caso, desde 20 de Dezembro de 2015.

Destaques – O primeiro destaque desta ronda vai para a vitória do Fazendense sobre o Amiense (2-1), com o conjunto das Fazendas também a completar um ano sem perder no seu terreno, desde que, a 29 de Novembro do ano transacto foi batido pelo… Amiense. Com a derrota agora sofrida, a turma de Amiais de Baixo deixou escapar o duo da frente, registando agora um atraso de quatro pontos em relação ao líder, Riachense. Por seu lado, o Fazendense prossegue a sua caminhada ascensional, tendo subido mais um posto na tabela, para o 5.º lugar, afinal apenas a dois pontos do adversário que defrontou.

Realce também para a notável recuperação que o Torres Novas vem realizando, com mais um importante e difícil triunfo, no Cartaxo (3-2), a proporcionar aos torrejanos (ainda com um jogo em atraso) subir ao 10.º posto, enquanto os cartaxeiros caíram na zona perigosa da tabela, repartindo agora a antepenúltima posição com o At. Ouriense.

Por fim, no duelo entre dois clubes que vêm atravessando sérias crises de resultados, o Mação conseguiu enfim voltar aos triunfos (após quatro desaires sucessivos), ganhando por tangencial 3-2 aos Empregados do Comércio, que, desta forma, acumulam já uma série de seis derrotas consecutivas, começando a descolar perigosamente da “linha de água”, agora já a quatro pontos.

Surpresa – Pela segunda semana sucessiva, o U. Tomar volta a marcar presença nas surpresas, e, de novo, pela negativa, ao ser derrotado, no seu campo, pelo antepenúltimo classificado, At. Ouriense, por 0-2, por curiosidade um clube que defrontara e vencera, precisamente há um ano.

Tal como sucedera em Benavente, tendo assumido, praticamente desde o início, a iniciativa do jogo, procurando chegar ao golo o mais cedo possível, viria contudo a ser surpreendido pela táctica de contra-ataque do adversário, que aproveitou para se colocar em vantagem, vindo ainda a beneficiar de uma grande penalidade (muito contestada pelos tomarenses), mas a que o guardião unionista daria a melhor resposta, com mais uma excelente intervenção, outra vez a evitar o golo, tal como sucedera em Coruche.

No segundo tempo, a equipa continuou a porfiar, em busca do golo, a partir de determinada altura, já de forma menos organizada, arriscando tudo, abrindo espaços para a contra-ofensiva do opositor, que viria, já em tempo de compensação, a apontar o seu segundo tento, fixando o marcador num resultado que é bastante penalizador para o esforço despendido, numa partida em que os unionistas contestaram de forma veemente a arbitragem, o que levou inclusivamente o seu técnico, Lino Freitas, a declarar que renunciava ao cargo, situação cuja evolução se aguarda com expectativa, a resolver com a serenidade possível nas circunstâncias. Prejudicado por falhas próprias e por erros alheios, o União de Tomar vê-se, precisamente a uma semana de receber o guia, agora já a oito distantes pontos de atraso, tendo inclusivamente baixado à 6.ª posição.

Confirmações – Nos restantes encontros, para além do expectável empate (nulo) entre Pego e Samora Correia, os dois primeiros classificados confirmaram as suas pretensões na disputa pelo título, de forma mais afirmativa o Riachense (ganhando por categórico 3-0 em Benavente, perante o “lanterna vermelha”); com maior dificuldade no caso do Coruchense, com uma vitória pela diferença mínima (2-1) na recepção ao U. Almeirim, equipa que tarda em “encontrar-se”.

II Divisão Distrital – No distrital da II Divisão, na série A, o Caxarias, desfeiteado em Abrantes, pela U. Abrantina (2-1), cedeu a liderança ao Ferreira do Zêzere (que goleou o Aldeiense por 4-0); destaque ainda para outra goleada, com o Rio Maior a bater o histórico Tramagal por copiosa marca de 7-0… A Sul, os dois primeiros “anularam-se”, empatando (1-1) em Marinhais, um desfecho que terá agradado mais ao U. Santarém, mas do qual beneficiou especialmente o Moçarriense para, ganhando no Porto Alto (3-1) assumir a liderança da sua série, com a particularidade de se tratar de uma equipa em que militam pai (Matias) e dois filhos! Finalmente, realce também para outra goleada sofrida pelo Barrosense, desta feita em casa, perdendo com o Glória do Ribatejo por 5-0.

Campeonato de Portugal – Na retoma do curso regular da prova, as duas equipas representativas do Distrito obtiveram dois bons resultados, vencendo ambas em terreno alheio. O Fátima, ganhando em Oleiros (penúltimo classificado) por 2-0, aproveitou os desaires do Sertanense e do Operário de Lagoa, para se guindar à liderança, a par do clube da Sertã, numa série de extremo equilíbrio, com os cinco primeiros concentrados num intervalo de um ponto. Por seu lado, o Alcanenense visitou o Alcobaça, batendo o “lanterna vermelha” por 4-2, tendo ascendido assim ao 4.º lugar, agora com seis pontos de vantagem em relação à “linha de água”.

Antevisão – Na próxima jornada do Distrital da I Divisão, o “jogo grande” é o que opõe União de Tomar e Riachense, um encontro desafiante para ambas as turmas, com a curiosidade de o Coruchense ter também uma difícil saída, ao vizinho terreno do Torres Novas, mais um sério teste, ficando também a expectativa de ver se os torrejanos conseguirão dar sequência aos bons resultados que vêm averbando ultimamente.

Na II Divisão Distrital, a Norte, destaca-se o U. Atalaiense-Rio Maior; a Sul, com o novo líder a folgar, realce para o Forense-Marinhais.

No Campeonato de Portugal, o Fátima volta a defrontar o Sp. Ideal, com quem perdeu há duas semanas, mas agora no seu terreno; o Alcanenense recebe outra equipa dos Açores, o Lusitânia.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 1 de Dezembro de 2016)

Anúncios