Após mais de um ano sem perder em casa, o União de Tomar somou segunda derrota em duas semanas sucessivas, perdendo por 1-2 com o Riachense, o que possibilitou ao líder reforçar a sua posição, ampliando agora para três pontos a vantagem em relação ao Coruchense.

Foi, contudo, um desfecho absolutamente injusto face ao que ambas as equipas exibiram em campo. Depois de se ter visto em desvantagem logo à logo à passagem do quarto de hora, o grupo unionista revelaria excelente atitude, com muito boa reacção, começando por restabelecer a igualdade, para, pelo decorrer do tempo de jogo fora, vir a subjugar o comandante, criando inúmeras ocasiões de golo, com o guardião contrário, Fábio Silva (que alinhara no clube tomarense na época anterior), com uma série de diversas intervenções decisivas, a impedir o concretizar da vantagem do União de Tomar.

Já na fase final do encontro, a menos de cinco minutos do seu termo, mais uma bastante polémica grande penalidade, proporcionaria ao Riachense chegar à vitória (2-1), num desafio em que muito pouco fez para o merecer, com uma exibição sombria, no qual a turma unionista foi amplamente superior ao 1.º classificado do campeonato, tendo, de novo, expressado fortes razões de queixa da arbitragem.

Realce também para a recuperação protagonizada pelo Torres Novas, que, após quatro vitórias sucessivas, empatou a zero diante do candidato ao título, Coruchense, estando os torrejanos, nesta altura, somente a três pontos do 6.º lugar!

É ainda digno de nota o empate alcançado pelo Mação em Amiais de Baixo, a duas bolas, tendo inclusivamente chegado a beneficiar de vantagem no marcador, num terreno sempre difícil, e perante o anterior 3.º classificado, agora a atrasar-se, já a seis pontos do líder.

Nos restantes encontros, os resultados registados situaram-se dentro do que seria expectável, com mais duas igualdades (numa ronda em que se fixou o “record” de quatro empates, na presente edição da prova), entre At. Ouriense e Fazendense (1-1), duas equipas a subir de rendimento; e um nulo no Empregados do Comércio-Pego, um desfecho que agradará bastante mais aos pegachos (a procurar “segurar-se” acima da zona perigosa da tabela) que aos “Caixeiros”, que subsistem abaixo da “linha de água”.

Por seu lado, o Samora Correia, recebendo uma irreconhecível equipa do Cartaxo, assim como o U. Almeirim, visitado pelo “lanterna vermelha”, Benavente, confirmaram o natural favoritismo que lhes era atribuído, aplicando ambos “chapa 3”, não obstante os benaventenses tivessem começado por causar um pequeno “calafrio”, ao abrir o activo em Almeirim, mas com os visitados a ripostar convincentemente, tendo assim igualado o União de Tomar na 6.ª posição.

A jornada de hoje do Distrital da I Divisão – a concluir a primeira volta da competição – apresenta-se repleta de jogos de interesse.

Desde logo, um confronto entre 2.º e 3.º classificados, com o Coruchense a receber o Samora Correia, apresentando-se a turma do Sorraia como favorita, necessitando somar os três pontos, para não se atrasar face ao líder. Estas duas equipas não se defrontam, no principal escalão, desde a época de 2005-06, pelo que não existe um histórico de confrontos recentes.

Por seu lado, o guia, Riachense, recebe o U. Almeirim, constituindo outra partida em que os candidatos ao título poderão enfrentar dificuldades para materializar o favoritismo de que beneficiam, atendendo inclusivamente à recuperação que os almeirinenses parecem empreender. Nos últimos anos, estes clubes apenas se cruzaram na temporada passada, então com tangencial vitória do grupo de Riachos, por 3-2, um marcador a indiciar equilíbrio, que se poderá eventualmente repetir hoje.

O União de Tomar, a atravessar uma fase bem difícil do calendário da prova, desloca-se a Fazendas de Almeirim, para defrontar uma equipa notoriamente em ascensão, o actual 5.º classificado, Fazendense, em partida que se antevê de alto grau de dificuldade, o que é aliás bem expresso pelo facto de, nos últimos seis anos, em sete jogos disputados no referido terreno, os tomarenses não terem conseguido melhor que empatar, por quatro vezes, as três últimas, curiosamente, nos três encontros mais recentes… Veremos se esta tendência de equilíbrio se manterá.

O Amiense, agora já a seis pontos de distância do líder, terá também uma difícil saída, ao Pego, tendo nomeadamente em atenção o terreno em que se disputará a partida, único campo de terra batida da I Divisão. O historial dos últimos anos entre ambas as equipas remonta já a 2010-11, temporada em que se defrontaram por duas vezes, então com dois claros triunfos da formação de Amiais de Baixo, em qualquer dos casos, por dois tentos de vantagem.

Em Mação, antevê-se outro encontro tendencialmente equilibrado, pese embora com algum pendor para a formação da casa, recebendo a visita do At. Ouriense. Isto, apesar de, nos oito desafios aí disputados entre os dois clubes, nos últimos seis anos, os oureenses não terem conseguido obter qualquer triunfo, tendo os maçaenses vencido por cinco vezes, registando-se ainda três empates.

O Cartaxo, a atravessar inesperadas dificuldades na tabela classificativa (antepenúltimo classificado) recebe os Empregados do Comércio, que se lhes seguem de imediato na classificação, com ambas as equipas agora separadas por apenas três pontos. Ainda assim, os cartaxeiros perfilam-se como favoritos, visando melhorar a sua posição, repetindo o desfecho verificado nas três vezes em que as equipas se defrontaram, nos três últimos anos, sempre com vitória da turma da casa.

Por fim, o Benavente recebe o Torres Novas, com o último classificado bastante carenciado de pontos (soma apenas quatro, fruto de uma vitória, por curiosidade, obtida em terreno alheio, no Pego, e de um empate caseiro ante o União de Tomar), ao passo que os torrejanos, agora numa fase muito favorável (depois de um único ponto nas seis primeiras jornadas, somaram 14 em outras tantos jogos), se apresentarão com bastante maior tranquilidade, podendo disso tirar partido para somar mais um resultado positivo. Nas cinco vezes que estes clubes se encontraram nos últimos seis anos, nunca o conjunto da casa conseguiu vencer, tendo o Torres Novas ganho por duas vezes, registando-se empates nos outros três jogos.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com o balanço e perspectiva da jornada – 11.12.2016)