Com a disputa do título de Campeão agora praticamente resumida a dois candidatos – dada a vantagem que Coruchense e Riachense dispõem já sobre os seus mais directos perseguidores, na sequência dos desfechos das partidas da ronda anterior – o jogo de maior cartaz da 16.ª jornada será o clássico Torres Novas-União de Tomar, dois clubes históricos que se cruzam pela 88.ª vez em desafios de Campeonatos nacionais e distritais e Taças (de Portugal e do Ribatejo). Nos anteriores encontros, os torrejanos ganharam por 34 vezes, face a 37 dos unionistas, registando-se ainda 16 empates.

A tendência é contudo bastante distinta nos cinco confrontos disputados entre ambos, na cidade do Almonda, nos últimos seis anos, com o Torres Novas a triunfar por quatro vezes, contra apenas uma vitória unionista. Atendendo igualmente à campanha que os torrejanos vêm realizando, uma partida que se afigura de elevado grau de dificuldade para os tomarenses, pese embora se possa impor uma tendência de equilíbrio.

No que respeita aos dois primeiros da classificação perfilam-se ambos como amplamente favoritos nos respectivos compromissos, com o Coruchense a receber o At. Ouriense, enquanto o Riachense terá a visita dos Empregados do Comércio. Isto, apesar de o histórico recente desmentir tal vantagem teórica…

De facto, no caso do encontro entre a formação do Sorraia e a de Ourém, nas duas vezes que se encontraram nos anos mais recentes (nas épocas de 2012-13 e 2013-14), os visitados não conseguiram vencer, tendo sido o At. Ouriense (então a disputar os lugares cimeiros, tendo vindo mesmo a sagrar-se Campeão na segunda dessas temporadas) a ganhar uma das partidas, tendo-se registado um nulo na outra.

Já no caso do Riachense-Empregados do Comércio, apenas se defrontaram em Riachos na época passada, e contra as expectativas, foram então os “Caixeiros” a sair vitoriosos, por 1-0. Veremos se, esta tarde, oureenses e escalabitanos terão possibilidade de repetir a surpresa.

Outro desafio de especial interesse será o U. Almeirim-Samora Correia, entre dois dos clubes com maior potencial deste campeonato, com os almeirinenses, até agora, com dificuldade em traduzir tal potencial nos jogos em terreno alheio. As duas formações não têm historial recente de confrontos na I Divisão Distrital, dado não se defrontarem desde 2008-09. Nos jogos realizados em Almeirim nesta temporada, os donos da casa somam já seis vitórias em sete jogos, apenas tendo cedido um empate, pelo que a tendência lhes é altamente favorável.

Em jogo de crucial importância para os cartaxeiros, bastante carenciados de pontos para procurar escapar à zona perigosa da classificação, o Cartaxo recebe a visita do Fazendense, esperando poder fazer valer o historial de vantagem que revela nos últimos confrontos entre ambos: nas cinco ocasiões mais recentes em que se defrontaram no Cartaxo, os visitados ganharam por quatro vezes, apenas tendo consentido uma vitória ao grupo de Fazendas de Almeirim.

No Pego, os pegachos recebem um rival próximo, o Mação, em encontro que, nos últimos anos, apenas se disputou também já na distante época de 2010-11, então com triunfo dos maçaenses por 2-1. Antecipa-se que esta poderá ser mais uma partida com tendência para o equilíbrio.

Por fim, em Benavente, com a equipa da casa porventura já de alguma forma descrente das suas possibilidades de recuperação e de salvação (tendo acumulado desaires nas cinco últimas jornadas), cabe-lhe receber a visita do Amiense – agora também já sem grande esperança em poder chegar aos dois primeiros lugares –, num confronto bastante frequente no principal escalão do Distrital, que se repetiu já por oito vezes nas últimas seis temporadas, curiosamente com vantagem dos benaventenses, que triunfaram em três ocasiões, tendo empatado noutras quatro, tendo o conjunto de Amiais de Baixo vencido por uma única vez, já em 2012-13.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 15.01.2017)

Anúncios