Arrumada que está mais uma eliminatória da Taça do Ribatejo, em que se destaca o afastamento dos finalistas da época passada (os actuais detentores do troféu, Fazendense, e Riachense), assim como a inglória eliminação do União de Tomar, no desempate da marca de grande penalidade, no Cartaxo, voltamos a concentrar-nos no campeonato.

Com a I Divisão Distrital a atingir a 18.ª jornada, entrando-se portanto no derradeiro terço da prova, sobressai, em especial, o confronto entre Samora Correia e União de Tomar, dois clubes que repartem actualmente o 4.º posto, e com a mira ainda apontada a um lugar no pódio. As últimas vezes que samorenses e unionistas se cruzaram no principal escalão foi na já distante temporada de 2010-11, com dois desafios em Samora, tendo o União ganho um (por 3-2) e empatado o outro (1-1). Com os samorenses a parecer passar por alguma crise de resultados, com duas derrotas sucessivas, a última delas, precisamente, em casa, ante o Torres Novas, esta poderá ser uma boa oportunidade para os tomarenses arrecadarem os três pontos em disputa.

As ambições dos dois clubes anteriores na presente edição do campeonato estão também, de alguma forma, condicionadas pelo desempenho do Amiense, actual 3.º classificado, com curta vantagem de três pontos, que até poderá dissipar-se já por completo, em função de uma sempre difícil visita a Almeirim, para defrontar o União local, ainda invicto no seu reduto, onde mantém uma sensacional série de sete vitórias consecutivas. As duas formações apenas se defrontaram por uma vez, na época passada, então com igualdade a duas bolas.

Quanto aos dois primeiros classificados, actuam nos respectivos terrenos, sendo favoritos, mas devendo estar de pré-aviso, perante adversários que não lhes facilitarão a tarefa.

O comandante, Coruchense, recebe o Mação (6.º classificado, mas apenas um ponto abaixo de samorenses e unionistas), apontando o historial recente para o favoritismo da turma do Sorraia: nas três vezes em que se encontraram em Coruche, dos campeonatos de 2013 a 2015, o grupo da casa venceu por duas vezes, apenas tendo consentido uma derrota, no final de 2012 num contexto distinto, numa ocasião em que procurava então escapar à despromoção ao escalão secundário.

Por seu lado, o Riachense terá a visita de um motivado At. Ouriense, com 18 golos marcados em quatro jogos da Taça do Ribatejo. A surpresa poderá estar à espreita, numa ronda em que a turma de Riachos procura pôr cobro a uma série de quatro jogos sem ganhar para o campeonato, e superar o trauma da eliminação caseira na Taça. Caso contrário, a formação do Sorraia, ganhando, poderia começar a encomendar as faixas… Também neste caso estes dois clubes se defrontaram por três vezes em anos recentes, e, igualmente, com dois triunfos para os “donos da casa”, depois, de no primeiro encontro, em 2012-13, terem sido desfeiteados no seu terreno.

Determinante para outras contas – as da luta pela fuga à despromoção – poderá ser o Cartaxo-Pego, em que, a haver uma equipa derrotada, ficará certamente em má condição, não apenas pontual, mas, sobretudo, anímica. Vindo de desfechos diametralmente opostos na Taça, os pegachos debatem-se ainda com uma série muito negativa de quatro desaires sucessivos, não ganhando já há oito jogos. Na única vez em que os destinos destas equipas se cruzaram, já na distante temporada e 2010-11, o At. Ouriense não deixou então os seus “créditos por mãos alheias”, goleando por 7-0. Esta tarde, antecipa-se que possa repetir o triunfo, mas, certamente, por números mais modestos…

Envolvendo também um conjunto ainda a passar por algumas aflições, pese embora a boa recuperação que vem encetando, apenas tendo perdido um dos seis últimos jogos para o campeonato, os Empregados do Comércio deslocam-se a Torres Novas, com os torrejanos a almejar dar continuidade à sua fantástica série de 14 jogos consecutivos de invencibilidade, aspirando a continuar a subir na pauta classificativa. Curiosamente, o histórico recente de confrontos entre ambos os emblemas dá nota de algum equilíbrio, com dois empates (nos últimos dois anos) e uma vitória torrejana.

Por fim, o “lanterna vermelha” e já praticamente sentenciado Benavente recebe o Fazendense, também a carpir as mágoas da eliminação na Taça, mas que se perfila como favorito para este encontro. Estas duas formações já se defrontaram por seis vezes, nas seis épocas mais recentes, com duas vitórias dos benaventenses, um empate e três triunfos para o grupo de Fazendas de Almeirim.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 12.02.2017)

Anúncios