Com o título de Campeão virtualmente entregue ao Coruchense, ainda com seis jornadas por disputar, tal não significa que não continue a haver jogos de grande interesse nas rondas finais, dado estarem ainda em disputa praticamente todas as restantes posições na tabela, principalmente na luta por um lugar no pódio e visando evitar a zona perigosa da classificação e o risco de despromoção ao segundo escalão.

Nesta 21.ª jornada, teremos, desde logo, um desafio envolvendo a própria formação do Sorraia, que visita Tomar, procurando dar sequência ao seu magnífico ciclo de oito vitórias consecutivas, ao mesmo tempo que buscará a desforra do desaire sofrido na primeira volta, sendo que, em todo o campeonato, somente o União de Tomar conseguiu sair vitorioso de Coruche. Poderão os unionistas repetir tal êxito esta tarde, agora no seu terreno?

O histórico de confrontos entre ambos os clubes, em Tomar, nos últimos seis anos, aponta para uma ligeira tendência favorável ao Coruchense, que ganhou por duas vezes, tendo empatado outra, apenas tendo consentido uma vitória ao União, em 2013-14, por 1-0.

Outra partida aliciante, entre dois históricos do futebol distrital, é a que opõe Fazendense e Torres Novas, equipas que, nas seis temporadas mais recentes, mantêm um registo de absoluto equilíbrio nos encontros realizados em Fazendas de Almeirim, com 2 vitórias para cada lado e 2 empates. Um verdadeiro “jogo de tripla”, aparentemente com o Fazendense, de momento, na “mó de cima”, vindo de três vitórias sucessivas.

Cruzando as duas disputas que subsistirão até final da prova, pelos restantes lugares do pódio, e pela manutenção, o At. Ouriense – vindo de três pesadas derrotas, tendo caído novamente em posição muito delicada na tabela – recebe o Samora Correia. A última vez que estas duas formações se defrontaram, no principal escalão, foi já na distante época de 2010-11, então com triunfo dos oureenses por tangencial 1-0.

Um confronto de natureza similar será o que opõe Pego e Riachense – neste caso sem qualquer historial de confrontos recentes entre os dois clubes –, com os pegachos animados pelo regresso às vitórias, após prolongado jejum de dez jornadas sem ganhar no campeonato, um estado de espírito bem contrastante com o do grupo de Riachos, o qual, ao invés, tendo visto esfumar-se as suas aspirações ao título, segue com o incrível registo de uma única vitória em sete jogos realizados na segunda volta do campeonato. De qualquer forma, apresentar-se-á como favorito para esta partida…

Também em Amiais de Baixo se defrontam dois conjuntos com objectivos diferentes, mas com os Empregados do Comércio – numa excelente fase, já com seis jogos sem derrota – agora bem mais tranquilos na classificação. Em anos anteriores, em três ocasiões em que se defrontaram, dois triunfos para o Amiense e um para os “Caixeiros”. Apesar da boa série dos escalabitanos, a formação da casa – em acesa luta com o Samora Correia e o Fazendense pelo 3.º lugar – é também favorita esta tarde.

Em Mação, encontram-se duas equipas confortavelmente instaladas a meio da pauta classificativa, ambas ainda a poder “olhar para cima”, com o U. Almeirim a ter a primeira saída depois de, na condição de visitante, ter conseguido ganhar pela primeira vez… mas, também, imediatamente após ter visto quebrada a sua invencibilidade caseira. Na única vez que se encontraram na I Divisão, Mação e U. Almeirim empataram a uma bola, na temporada passada.

Por fim, o Cartaxo – extremamente carenciado de pontos, para poder transpor a “linha de água”, e começar a “respirar” –, recebendo o “lanterna vermelha”, Benavente, tem a oportunidade de voltar aos triunfos, frente a uma turma que acumula já dez desaires consecutivos no campeonato. Curiosamente, em anos anteriores, em três ocasiões em que as equipas se defrontaram, a tendência é mais repartida do que poderia ser expectável, com apenas uma vitória cartaxeira e dois empates.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 05.03.2017)

Anúncios