Após ter alcançado a proeza da dupla vitória sobre o líder (em Coruche e, na semana passada, em Tomar), o União desloca-se a Amiais de Baixo, para defrontar o Amiense, no “jogo grande” da jornada, podendo, em caso de triunfo, reduzir para um único ponto a diferença que o separa do 3.º lugar, ocupado precisamente pelo seu opositor.

Não terá, contudo, tarefa fácil, pese embora o histórico recente aponte para um perfeito equilíbrio entre ambos, com três vitórias para cada clube e um empate, nas seis últimas temporadas, sendo que os tomarenses venceram nas últimas duas deslocações, em ambos os casos por tangencial 1-0.

Trata-se, portanto, de uma partida determinante na definição de uma posição no pódio, tal como o será igualmente o Samora Correia-Fazendense, duas equipas que repartem actualmente a 4.ª posição. Neste caso, o historial de confrontos entre ambos os conjuntos resume-se à temporada de 2010-11, então com vitória da turma de Fazendas de Almeirim por 1-0. Para esta tarde, não parece haver um favorito definido, não obstante o Fazendense surja em melhor forma, dado ter cedido um único empate nas últimas quatro jornadas, precisamente na semana passada.

No outro polo da tabela classificativa, na luta pela manutenção, no Empregados do Comércio-At. Ouriense a repartição de pontos poderá não desagradar por completo a nenhum dos contendores, dado que lhes permitiria consolidar posições. Estas duas formações apenas se cruzaram, em jogos do principal escalão, por duas vezes, com uma vitória para os “Caixeiros” (no ano passado, por 3-2) e um empate (em 2013-14, a 3-3).

Os extremos tocam-se também, com os dois primeiros classificados a defrontar os dois últimos, em posição muito desconfortável, abaixo da “linha de água”, em encontros em que o favoritismo vai todo para as duas equipas do cimo da pauta classificativa.

O líder, Coruchense, depois de ter visto interrompida a sua série triunfal de oito jogos, e de ter sido quebrada a sua invencibilidade ao longo de quase toda uma “volta” do campeonato, desloca-se a Benavente, para defrontar o “lanterna vermelha”, já sem esperança em evitar a descida, mas que, ao invés, vem de uma inesperada vitória no Cartaxo. Nas três vezes que se encontraram, regista-se também uma tendência de equilíbrio absoluto, com uma vitória para cada lado e um empate.

Por seu lado, o Riachense recebe o irreconhecível Cartaxo, a necessitar urgentemente de pontuar, dado o atraso de quatro pontos que regista já em relação ao Pego, primeira equipa acima da “linha de água” (isto, no pressuposto de que o Alcanenense assegure a manutenção no Nacional…). Curiosamente, na única vez em que estes dois clubes se encontraram nas últimas seis temporadas, exactamente na época passada, o Cartaxo (então na liderança do campeonato) foi a Riachos surpreender o adversário, vencendo por 2-0.

Em Torres Novas defrontam-se dois clubes históricos do Distrital, com os torrejanos a receber a visita do Mação, com ambos os clubes em posição tranquila, a meio da tabela, a poder aspirar ainda a melhorar a classificação. Desde a temporada de 2010-11, encontraram-se já por sete vezes, curiosamente com registo idêntico ao verificado no confronto entre Amiense e União de Tomar: três vitórias para cada lado, e um empate. Também, no que respeita às duas últimas épocas, a curiosidade da similitude com o União, neste caso também com os maçaenses a ganhar nos últimos dois jogos.

Por fim, em Almeirim, o União local recebe o Pego, num confronto sem historial recente, no qual os visitados se apresentam como favoritos, mas em que a necessidade pode aguçar o engenho dos pegachos…

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 12.03.2017)

Advertisements