O pulsar do campeonato - 2018-19 - 9jornada

(“O Templário”, 22.11.2018)

Reafirmando as suas credenciais de candidato, somando o quinto triunfo em outros tantos jogos disputados em terreno alheio, o Coruchense beneficiou ainda de deslizes dos seus mais directos concorrentes (derrota do U. Santarém e empates do U. Almeirim e Cartaxo) para se distanciar na liderança, dispondo agora de uma vantagem de cinco pontos sobre o par que reparte o 2.º posto, formado pelo sensacional Amiense e pelo U. Santarém, com almeirinenses e cartaxeiros (não obstante ambos com um jogo em atraso) já a seis e a nove pontos, respectivamente.

Destaques – A primeira nota de realce vai, necessariamente, para a vitória averbada pela formação do Sorraia na deslocação a Tomar, por tangencial 3-2, o que, em paralelo, atesta a boa réplica oferecida pelo União, mantendo a incerteza quanto ao desfecho da partida praticamente até final: a cinco minutos do termo do desafio, os nabantinos, então em desvantagem por 1-2, procuravam com insistência o golo do empate, vindo contudo a sofrer o decisivo terceiro tento; assim, o segundo golo dos “rubro-negros” acabaria por chegar já demasiado tarde…

Depois de uma fase menos positiva, de três jogos sem vencer, o Fazendense voltou aos bons resultados, batendo o U. Santarém por 3-1, no que poderá ter sido um encontro determinante para o futuro de ambos os emblemas para o que resta deste campeonato; pese embora esteja apenas disputado o primeiro terço da prova, o facto de os escalabitanos – que consentiram neste desafio tantos golos como os que haviam sofrido nas oito rondas iniciais – terem descolado da liderança poderá eventualmente vir a ter reflexos relevantes em relação às suas ambições; quanto ao conjunto das Fazendas, solidifica as suas pretensões, pelo menos, a uma posição entre os cinco primeiros da classificação.

Merece também particular destaque o Amiense, pela excelente campanha que vem realizando, impondo-se por 2-0 na recepção ao Alcanenense, o que, para já, lhe proporcionou ascender à vice-liderança (partilhada com o U. Santarém), apresentando agora a defesa menos batida do campeonato (somente cinco golos sofridos, mantendo a sua baliza inviolada há cinco jogos) – tendo também, por curiosidade, o actual melhor marcador, Moleiro, com sete golos. Um desempenho colectivo em que é bem notória a “mão” do seu responsável técnico, Jorge Peralta.

Surpresas – Registam-se duas “surpresas”, as quais, não obstante, se poderiam já, de alguma forma, entrever, dado que o perigo estava à espreita para as equipas mais credenciadas: os empates concedidos por Cartaxo (0-0, em Torres Novas) e, principalmente, do U. Almeirim (1-1, em Marinhais), assim vendo interrompido um notável ciclo de quatro vitórias consecutivas.

No que respeita aos torrejanos, confirmam a sua relativa solidez defensiva (para além do Amiense, só o U. Santarém e o U. Almeirim têm menos golos sofridos), a par da absoluta incapacidade que vêm denotando para marcar (averbam, até agora, um único tento, em 13 jogos disputados na presente temporada!). Quanto ao Marinhais, conseguiu evitar a derrota caseira pela primeira vez, à quinta tentativa, confirmando a recuperação que vem procurando encetar.

Confirmações – Por seu lado, eram previsíveis os triunfos caseiros do Samora Correia (3-0) sobre o Glória do Ribatejo – agora “lanterna vermelha” isolado, mantendo uma média de praticamente três golos sofridos por jogo –, e, porventura em menor escala, do At. Ouriense (3-1) na recepção ao Ferreira do Zêzere, num embate em que imperou o factor casa (com os ferreirenses a denotar dificuldades na condição de visitante, na qual somaram quarto desaire).

Em função dos resultados desta 9.ª ronda (em especial o triunfo do Samora Correia), começa a cavar-se um fosso na parte baixa da tabela, já com quatro pontos a separar o 10.º classificado, Ferreira do Zêzere, dos clubes posicionados imediatamente abaixo, Alcanenense e Torres Novas, que, com Marinhais e Glória do Ribatejo, integram o quarteto em situação “aflitiva”.

II Divisão Distrital – A Norte, o Abrantes e Benfica prossegue o seu “passeio”, somando mais uma goleada (quinta, em seis jogos concluídos), desta feita por 5-0, ante a equipa “B” do União de Tomar, que tão boa conta vem dando nesta sua estreia absoluta. De notar também o desaire sofrido pelo Riachense no terreno da Ortiga, perdendo por tangencial 0-1, vendo o seu oponente isolar-se no 3.º lugar. Tramagal e Pego (ambos com goleadas de 4-0) não tiveram dificuldades para suplantar, respectivamente, U. Atalaiense e Sardoal, afirmando as suas aspirações.

A Sul, apenas um jogo chegou ao fim, com o Pontével a aplicar também “chapa 4” na Ribeira de Santarém, perante uns irreconhecíveis Empregados do Comércio. As partidas de Salvaterra (1-0, ante o Espinheirense) e Benavente (0-2, com o Rio Maior) foram ambas interrompidas ao intervalo, com as condições climatéricas, outra vez, a deixar as suas marcas…

Campeonato de Portugal – Na 12.ª jornada, dois empates dos clubes do Distrito, que, em condições normais seriam resultados positivos (1-1 em Fátima, na recepção ao líder, Vilafranquense; 2-2 no Oliveira do Hospital-Mação), mas que, nas circunstâncias actuais, não permitem afastar os motivos de preocupação: os fatimenses viram encurtar-se para quatro pontos a sua margem de segurança em relação à “linha de água”, enquanto os maçaenses parecem dela cada vez mais afastados, mantendo o atraso de sete pontos… e o último lugar.

Antevisão – À margem de alguns encontros para acerto de calendário, agendados para meio da semana, os campeonatos distritais terão nova pausa no próximo fim-de-semana, para disputa da terceira e derradeira ronda da fase de grupos da Taça do Ribatejo.

Estando ainda metade das vagas de qualificação para os 1/8 de final em aberto, destacam-se nomeadamente os seguintes confrontos, de cariz decisivo: At. Ouriense-Amiense e Alcanenense-Ferreira do Zêzere (série 2) e Tramagal-U. Santarém e U. Tomar-Ortiga (série 3), em ambas as séries com apenas dois lugares disponíveis para quatro candidatos – para evitar ficar dependentes de terceiros, os nabantinos deverão vencer, caso em que garantem o apuramento; Rio Maior-Empregados do Comércio, Moçarriense-Samora Correia e Cartaxo-Espinheirense, em que apenas um clube de cada um destes pares poderá alcançar a qualificação.

Com o Campeonato de Portugal igualmente em suspenso, para dar lugar aos 1/16 de final da Taça de Portugal, Fátima e Mação terão direito a dia de “folga”.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 22 de Novembro de 2018)

Anúncios