Hertz

Na I Divisão Distrital, com o Amiense-União de Tomar adiado para daqui a um mês (devido às festas de Amiais de Baixo), esta parece ser a jornada de todos os perigos, com os candidatos ao título a enfrentar sérios riscos: o Coruchense, nas Fazendas de Almeirim; o U. Santarém na Glória do Ribatejo; o U. Almeirim em Samora Correia; e o Cartaxo em Ourém. Veremos quem conseguirá “sobreviver”.

Começando pela partida das Fazendas de Almeirim, o histórico dos últimos oito anos aponta para apenas uma vitória do Fazendense, um empate e dois triunfos do grupo do Sorraia. Pese embora esta tendência favorável e o facto de a equipa da casa ter visto interrompida, no passado fim-de-semana, uma excelente série de onze jogos de invencibilidade, não surpreenderia se houvesse repartição de pontos esta tarde, caso em que o campeonato poderia ficar ainda mais animado.

Na Glória do Ribatejo, o visitante será o U. Santarém, num confronto sem historial a nível do principal escalão. Não obstante, estes dois emblemas cruzaram-se, ainda recentemente, precisamente na época passada, então na II Divisão Distrital, com dois empates a zero, na fase regular do campeonato, tal como na fase final, de apuramento de Campeão, título que os escalabitanos viriam a conquistar.

No encontro de hoje, pese embora os resultados positivos averbados pela turma da casa nas duas últimas rondas –  tendo imposto dois empates, ao U. Almeirim e em Ferreira do Zêzere -, o U. Santarém é favorito a somar os três pontos.

No Sul do Distrito, Samora Correia e U. Almeirim, dois clubes de fortes pergaminhos, cruzam-se na I Divisão apenas pela terceira vez nos últimos nove anos, depois de um empate em 2016-17 e de um triunfo dos samorenses (2-0) na época passada.

Com os almeirinenses a atravessar fase menos produtiva (uma única vitória nos últimos quatro jogos, por margem tangencial, sobre o “lanterna vermelha”), poderá questionar-se se conseguirão, pela primeira vez, impor-se no reduto do adversário. Mas, por seu lado, o Samora registou uma pesada derrota no seu último desafio em casa, goleado pelo Cartaxo por 5-0, seguindo numa série de três desaires sucessivos. Atendendo a que o U. Almeirim, agora a seis pontos do líder, não terá “margem de erro”, tudo tentará para procurar vencer, no primeiro jogo após a anunciada saída do treinador Mário Nélson.

Em Ourém, encontram-se o 5.º e o 6.º classificados, com o At. Ouriense e Cartaxo a reeditar um confronto de alguma regularidade, já realizado por seis vezes nas últimas oito temporadas, com duas vitórias dos oureenses, três empates e um único triunfo dos cartaxeiros, precisamente na época transacta.

Com a formação da casa a atravessar uma fase positiva (tendo registado apenas uma derrota nas últimas oito jornadas – por curiosidade, em Marinhais, no que constitui, aliás, a única vitória do penúltimo classificado até à data), este será um desafio de elevado grau de dificuldade para o Cartaxo, que, tal como o U. Almeirim, está “proibido” de perder pontos, sob pena de poder voltar a descolar, desta feita, presumivelmente, de forma definitiva. Veremos se a necessidade aguçará o engenho…

Os restantes dois jogos desta ronda – sem historial recente a nível da Divisão principal – agrupam quatro dos cinco últimos classificados, a procurar escapar da zona perigosa da tabela classificativa.

Em Marinhais, o conjunto da casa, muito carenciado de pontos, recebe o Torres Novas, que vem empreendendo boa recuperação, sem perder há cinco jornadas, apenas sendo superado em termos de pontos conquistados, nesse período correspondente à segunda volta, pelo líder Coruchense. Antecipa-se que os torrejanos não terão tarefa fácil, pelo que o empate poderá ser uma forte possibilidade.

O último classificado, Alcanenense – somente com um ponto somado nessas cinco rondas da segunda volta –, recebe o Ferreira do Zêzere, esta época com prestação bastante aquém do desempenho do campeonato anterior, ainda não completamente liberto de preocupações quanto à confirmação da manutenção.

O desafio desta tarde poderá até ser determinante na prossecução desse objectivo de tranquilidade, caso os ferreirenses consigam vencer, frente a um adversário que não ganha desde a ronda inaugural do campeonato!

Contudo, atendendo ao magro pecúlio obtido pelo Ferreira do Zêzere na condição de visitante (com sete derrotas em nove jogos), não surpreenderia se o Alcanenense (que vem de duas derrotas tangenciais, ante os candidatos U. Almeirim e Coruchense) conseguisse pontuar.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 24.02.2019)

Anúncios