(“O Templário”, 08.10.2020)

Ainda antes de entrar na matéria propriamente dita, uma nota para realçar a proactividade da Associação de Futebol de Santarém – cujos novos órgãos sociais, recentemente eleitos para o mandato de 2020 a 2024 (ano do centenário da instituição), tomaram posse no passado sábado, mantendo a Presidência do Eng.º Francisco Jerónimo –, a qual, perante as desistências do campeonato por parte do Pego e do Pontével, prontamente assumiu a iniciativa de convocar reunião extraordinária com os clubes, propondo o rearranjo do calendário da prova, retomando apenas 16 equipas concorrentes (e, portanto, repondo as 30 jornadas), tendo, sempre que possível, sido mantido o alinhamento dos jogos que haviam sido já previamente sorteados para a 1.ª ronda.

E, se na derradeira jornada disputada na (abruptamente interrompida) edição precedente tinha havido uma “chuva de golos” (total de 35), o arranque da I Divisão Distrital da época de 2020-21 foi ainda mais goleador, superando tal registo, atingindo-se a marca de 37 golos, traduzindo uma média superior a 4,6 golos/jogo! Também, inevitavelmente, um sintoma de um começo de temporada atípico – para já, ainda sem público nos campos –, em que subsistiram, até ao dia inaugural, muitas incertezas, com as equipas em distintos estágios de preparação, em função das respectivas datas de retoma da actividade e com recursos díspares.

Destaques – Por curiosa coincidência, se o Cartaxo tinha fechado a participação no último campeonato com uma goleada sofrida, por 2-5, frente ao Amiense, com outra goleada começou a nova época, perdendo, também pela mesma marca, de 5-2, em Tomar, ante o União, no que constituía, logo de entrada, um confronto directo entre dois dos principais candidatos aos lugares de topo da prova.

Um excelente resultado para os unionistas, que se apresentaram em muito bom plano – com a particularidade de os golos terem sido apontados por cinco marcadores diferentes –, mas que não deixa de ser algo ilusório. De facto, se os tomarenses começaram por dominar o jogo, tendo, com alguma naturalidade, chegado ao 2-0 ainda na primeira parte, a partir daí o Cartaxo evidenciou notável capacidade de reacção, assumindo a iniciativa, e causando alguns calafrios à defesa local.

A toada de jogo desse último quarto de hora da etapa inicial não se alteraria na segunda parte, até que, um pouco “contra a corrente”, aproveitando o risco assumido pelo adversário, o U. Tomar chegaria ao 3-0, definindo dessa forma o desfecho da partida, quanto à questão do vencedor. Não obstante, sem que o Cartaxo se “resignasse” – e, na fase final do encontro, com o jogo já mais “partido”, sem grandes preocupações defensivas de parte a parte –, os golos foram surgindo, numa e noutra baliza, de forma repartida (depois de o União ter inclusivamente chegado aos 4-0), tendo ainda havido tempo para assinaláveis intervenções de um e de outro guardião.

Com uma entrada bem afirmativa, como que a querer dizer, desde logo, “ao que vem”, o Mação é o primeiro líder do campeonato, mercê de uma retumbante goleada, por 8-0, na (amarga) estreia do novel Entroncamento AC no escalão principal. Destaque, neste caso, para o “poker” (quatro golos) apontado por Cristiano Aniceto, com Ivan Alves também a bisar.

Mas, ainda mais impressiva, terá sido outra goleada (5-1), obtida pelo Abrantes e Benfica na deslocação a Ferreira do Zêzere, um “placard” que não estaria nas cogitações de ninguém, atendendo ao potencial reconhecido aos ferreirenses; resultado decorrente de um misto de “dia não” dos locais, conjugado com um “dia sim” dos forasteiros, a confirmar nos próximos desafios.

Ainda dentro do capítulo das goleadas, o Alcanenense teve uma boa entrada, no regresso ao principal escalão, vencendo por 4-1 no tradicionalmente difícil terreno da Glória do Ribatejo, enquanto o Amiense se impôs, na Moçarria, no “derby” escalabitano, por inequívoco 3-0.

Surpresa – A grande surpresa da jornada inaugural foi o empate (1-1) cedido pelo 2.º classificado do campeonato anterior (Fazendense) nos Riachos, ante o Riachense, que, sendo o último classificado à data da suspensão da competição, tinha denotado, nesta “pré-temporada”, grandes dificuldades competitivas. Para já, um ponto muito positivo, que poderá ser um importante tónico.

Confirmações – Nos restantes dois encontros, tivemos, por um lado, a confirmação do favoritismo do também candidato, Coruchense, na recepção ao Rio Maior, triunfando por 4-2, enquanto, por outro – destoando da tendência geral –, no único embate sem golos, Torres Novas e Samora Correia se “neutralizaram”.

Campeonato de Portugal – Tendo-se disputado já a 2.ª jornada desta competição – esta temporada, com novo formato, abrangendo oito séries de 12 clubes cada, sendo despromovidos os quatro últimos classificados de cada série, ao passo que os cinco primeiros disputarão o acesso à II Liga e à futura nova III Liga –, o realce vai para a (pese embora tangencial) vitória, por 3-2, do U. Almeirim, em casa, ante o 1.º Dezembro.

Isto, em contraponto ao muito problemático início de época da SAD do Fátima – nesta altura com pontuação negativa (!) de 3 pontos –, fruto da falta de comparência na ronda inaugural, na partida que deveria ter disputado nas Caldas da Rainha, a par de uma pesada goleada sofrida (0-4) ante o Torreense; na sequência do 0-3 para a Taça de Portugal, frente ao Oleiros, parecem ser bastante “carregadas” as nuvens sombrias que se adivinham no horizonte dos fatimenses, a jogar em “casa emprestada”, em Vila Chã de Ourique.

Quanto ao U. Santarém, ainda não se estrou em competição, tendo adiado os dois primeiros jogos do campeonato (tal como sucedera com a partida da Taça de Portugal).

Antevisão – Na 2.ª jornada da I Divisão Distrital, o cartaz compreende, especialmente, dois confrontos de maior interesse: um aliciante Fazendense-Mação e o Samora Correia-U. Tomar.

Terá entretanto início o segundo escalão do futebol distrital (duas séries de dez equipas cada – assinalando-se o regresso à competição de históricos como o At. Ouriense ou os Águias de Alpiarça, assim como a inscrição da equipa de clube do Fátima), destacando-se as partidas: Tramagal-Caxarias, U. Atalaiense-Espinheirense e o “derby” Samora Correia “B”-Benavente.

O Campeonato de Portugal terá a primeira pausa, para disputa da 2.ª eliminatória da Taça de Portugal – sendo que faltava ainda disputar as partidas da ronda inicial por parte das duas equipas do Distrito que subsistiam em prova: Fazendense-1.º Dezembro (agendada para esta quarta-feira, dia 7) e Lourinhanense-U. Santarém (encontro previsto apenas para 21 de Outubro).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 8 de Outubro de 2020)