(“O Templário”, 12.11.2020)

Após uma semana de interrupção, com o adiamento dos desafios agendados para o fim-de-semana de 1 de Novembro, devido às restrições às deslocações então vigentes, foram retomados os campeonatos distritais de futebol. Na I Divisão, avançando-se para a 6.ª ronda – ainda assim, com mais um encontro adiado (Cartaxo-Alcanenense) –, assinala-se, em especial, o terceiro jogo sem conseguir ganhar fora de casa por parte do U. Tomar.

Destaques – Numa jornada “morna”, sem resultados de grande sensação, o realce vai, precisamente, para o empate (1-1) imposto pelo Glória do Ribatejo ao U. Tomar, mesmo ao cair do pano (alcançando o golo da igualdade já a rondar o 100.º minuto!).

A realizar um notável arranque de temporada, tendo batido já o Coruchense (um dos actuais líderes) e o Samora Correia, a formação da Glória voltou a “surpreender”, fazendo perder pontos a outro candidato, no termo de uma partida em que, não obstante os unionistas tenham disposto de maior número de oportunidades de golo, não conseguiram concretizar nenhuma delas – tendo marcado apenas na sequência de uma grande penalidade, a sancionar um contacto com a mão.

Sem que os tomarenses tivessem chegado ao segundo tento, o qual, presumivelmente, definiria, a seu favor, o desfecho deste prélio, à medida que o tempo ia decorrendo a equipa da casa foi acreditando, nunca deixando de porfiar, mesmo com recurso a futebol directo e lançamento de bolas para a área, até acabar por ser premiada, já “in-extremis”, para além do tempo de compensação (sete minutos) que havia sido determinado pelo árbitro.

Uma vez mais, o U. Tomar, assumindo a responsabilidade do jogo, exercendo domínio e, desta feita, tendo até chegado a estar em vantagem no marcador, acabou por averbar um resultado algo comprometedor, somando, assim, já oito pontos “desperdiçados”, em cinco rondas disputadas – face, por exemplo, a três pontos perdidos pelo Coruchense e Cartaxo (este com dois jogos em atraso), e, sobretudo, uma “folha de serviço limpa” do Abrantes e Benfica (neste caso, com um jogo a menos); posicionando-se, por outro lado, o União, a par na classificação com o Fazendense e à frente do Mação, que perdeu já nove pontos. Urge, pois, “arrepiar caminho”.

O outro destaque da jornada vai para a confirmação do favoritismo do Coruchense, na visita a Amiais de Baixo, campo tradicionalmente difícil para os forasteiros, condição presentemente limitada, pela ausência de público. A turma do Sorraia até se viu, logo de entrada, em desvantagem (auto-golo), mas, de imediato, restabeleceria a igualdade (na sequência de outro auto-golo), vindo a alcançar o tento que lhe proporcionou a vitória (2-1), o que lhe permite continuar a partilhar o comando com os abrantinos, mesmo que à condição.

Confirmações – Nos restantes cinco desafios disputados os resultados ficaram também de acordo com a expectativa, com o guia, Abrantes e Benfica, a bater de forma convincente (3-0) o Torres Novas – inesperado penúltimo classificado, ainda sem se ter estreado a vencer, no que é acompanhado somente pelo “lanterna vermelha”, Moçarriense, equipa que, por seu lado, somou o quarto desaire consecutivo, em outros tantos jogos, perdendo, na Moçarria, por 0-2, ante o Mação (tendo os maçaenses colocado termo a um ciclo muito negativo, de três derrotas sucessivas).

Mais difíceis foram os triunfos alcançados por Fazendense, ante o Samora Correia, e pelo Ferreira do Zêzere, na recepção ao Riachense, ambos por marca tangencial, respectivamente 3-2 e 2-1. No caso do grupo das Fazendas de Almeirim teve mesmo de empreender uma notável reviravolta, de 0-2 até aos 3-2; já os ferreirenses venceram pela primeira vez em casa (ao terceiro jogo), isolando-se, por agora, num excepcional 3.º lugar.

Por fim, no confronto entre os dois clubes novatos do campeonato, Entroncamento AC e Rio Maior SC neutralizaram-se, empatando também a uma bola.

II Divisão Distrital – Os guias das duas séries, Espinheirense e Forense, somam e seguem, tendo obtido o respectivo quarto triunfo em outras tantas rondas: a turma do Espinheiro, goleando a formação da Ortiga por 4-1; o Forense, ganhando face à equipa “B” do Samora Correia por 2-1.

Nesta 5.ª jornada, destacam-se ainda as vitórias do At. Ouriense (goleando por 5-1 na Atalaia), do Caxarias (2-0, no terreno do Aldeiense) e do Benavente (2-1, no Porto Alto).

Campeonato de Portugal – Na 6.ª jornada desta competição, registaram-se dois empates dos clubes do Distrito, ambos a um golo: o U. Santarém, recebendo o líder Caldas; e o Fátima SAD, no terreno do Sacavenense. Menos feliz esteve o U. Almeirim, derrotado (0-1) em casa pelo Loures.

Num campeonato que prossegue a ritmo bastante irregular (há concorrentes com apenas dois jogos disputados, outros com três, quatro ou cinco, e somente um com todos os seis encontros já realizados), os almeirinenses são, ainda assim, os únicos que subsistem acima da “linha de água” (no 7.º lugar); o U. Santarém (um ponto em dois jogos) é antepenúltimo (10.º), enquanto o Fátima SAD, após quatro jogos, continua com pontuação negativa (-2), no último posto.

Antevisão – O “prato forte” da 7.ª jornada da I Divisão Distrital, prevista para o fim-de-semana, é o embate entre os candidatos Coruchense e Cartaxo, de desfecho imprevisível. Mas também o outro líder, Abrantes e Benfica, terá um teste de elevado grau de exigência, com a deslocação a Samora Correia. Quanto ao U. Tomar, actuando no seu reduto, é claramente favorito, frente ao Riachense.

Na divisão secundária, serão pontos de interesse, nomeadamente, as seguintes partidas: Abrantes e Benfica B-Espinheirense; Caxarias-Fátima; e Benavente – Benfica Ribatejo.

Quanto ao Campeonato de Portugal, salvo quanto a alguns jogos de acerto de calendário, está previsto um interregno, até dia 29 de Novembro.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 12 de Novembro de 2020)