(“O Templário”, 17.12.2020)

Numa época em que o esforço de planificação dificilmente poderá ir além de um exercício teórico, com as equipas sem certezas sobre se jogarão ou não no Domingo seguinte, foi entretanto retomado o Distrital da I Divisão, com a disputa da 9.ª jornada (três semanas após a disputa da ronda precedente), assinalada pela interrupção da senda triunfal do Abrantes e Benfica, derrotado na Glória do Ribatejo – do que beneficiou o Coruchense para, à condição, se isolar na liderança.

Destaques – O aguerrido grupo da Glória do Ribatejo prossegue a sua campanha de “tomba-gigantes”, tendo vencido os actuais dois primeiros classificados (para além de ter imposto ainda um empate ao agora 4.º classificado, U. Tomar). De facto, após ter surpreendido já o Coruchense, a Glória bateu, desta feita, o Abrantes e Benfica – clube que seguia, até à data, com um percurso 100% vitorioso –, isto não obstante os abrantinos terem chegado a estar em vantagem no marcador, não evitando contudo a reviravolta, acabando por perder por 2-1.

Em Tomar, no “jogo grande” da jornada, os candidatos União e Mação neutralizaram-se, empatando a duas bolas, repetindo o desfecho do último encontro disputado na edição anterior do campeonato, em Março deste ano, após o qual a prova seria interrompida e suspensa.

Outra vez penalizados pela falta de eficácia e concentração defensiva, os unionistas começaram por ter a infelicidade de não converter uma grande penalidade a seu favor, para, no lance seguinte, se verem em desvantagem… também em função de uma grande penalidade sofrida. Na segunda metade, dando muito boa resposta à adversidade, os tomarenses inverteram a tendência do “placard”, com dois tentos num espaço de cinco minutos (o segundo deles, igualmente, apontado da marca dos onze metros), mas não impediriam nova igualdade, poucos minutos volvidos.

Numa partida em que exerceu notório domínio, um perdulário U. Tomar viu escaparem-se mais dois pontos, o que, no imediato, resultou na perda do 3.º lugar, e no afastamento do líder, agora a seis pontos. Para os maçaenses, que baixaram também uma posição, para o 6.º posto, não terá sido igualmente o resultado ideal, distando já oito pontos do topo da tabela.

O grande beneficiado foi o Cartaxo, que, pese embora alguma irregularidade, vem paulatinamente subido na tabela, tendo ascendido à 3.ª posição, após o bom triunfo (3-1) averbado em Samora Correia, frente a um opositor em notória perda, o qual acumulou quinto desaire sucessivo, caindo na zona perigosa da classificação.

A assinalar, ainda, a vitória obtida em terreno alheio, em Rio Maior, pelo Amiense, ainda que por marca tangencial (1-0), o que possibilitou à formação de Amiais de Baixo igualar o Mação.

Confirmações – À excepção da derrota do conjunto de Abrantes, não houve grandes surpresas, confirmando-se, nos restantes desafios, as expectativas.

Desde logo, com a vitória (2-0) do Fazendense no Entroncamento, com a turma das Fazendas de Almeirim a subir ao 5.º lugar, somente a dois pontos do 3.º classificado.

O agora líder isolado, Coruchense (pese embora o Abrantes tenha um jogo a menos, pelo que poderá ainda igualara a equipa do Sorraia), venceu por 3-2, na recepção ao Ferreira do Zêzere. E se se manteve tranquilo quase até final (depois de ter chegado a vantagem de 3-0), sofreria ainda pequeno susto, quando, no minuto 90, os ferreirenses reduziram para a diferença mínima.

Em Torres Novas, num confronto entre dois dos então últimos classificados, os torrejanos conseguiram, enfim, chegar pela primeira vez à vitória, e de forma categórica, goleando por 4-0 o Moçarriense, emblema que vê agudizar-se a crise de resultados, tendo somado sétima derrota em outros tantos jogos realizados.

O Alcanenense sofreu para levar de vencida a formação do Riachense, por tangencial 2-1, com o golo da vitória a chegar no derradeiro minuto, e isto depois de os homens dos Riachos terem chegado a estar em vantagem. Em função deste resultado, o clube de Alcanena (ainda com dois jogos a menos) subiu ao 9.º posto, enquanto o Riachense subsiste na penúltima posição.

II Divisão Distrital – Tendo sido adiado o embate entre os dois primeiros (Espinheirense e At. Ouriense), o realce vai para a goleada (4-0) imposta pelo Fátima no terreno do Vasco da Gama, mantendo o 3.º lugar, à frente do Caxarias (também vencedor, por 3-2, ante a Liga de Ortiga).

Mais a Sul, o Benavente goleou por 7-0 o Águias de Alpiarça, ascendendo ao topo da classificação da sua série, beneficiando do empate (1-1) no “derby” entre Marinhais e Salvaterrense. Nota ainda para a vitória (2-0), em terreno forasteiro, do Benfica do Ribatejo face ao Forense.

Campeonato de Portugal – Confirmada que foi a já antevista suspensão da actividade desportiva por parte da SAD do Fátima, que, portanto, desistiu do campeonato (desconhecendo-se ainda se poderá voltar a reunir condições para eventualmente vir a retomar tal actividade em época futura), o U. Santarém foi empatar (1-1) à Lourinhã (em jogo em atraso da 2.ª ronda), passando a somar 10 pontos, ascendendo ao 6.º lugar. Por seu lado, o U. Almeirim, com três jogos a menos, e apenas três pontos somados, é agora último (11.º)… a três pontos do grupo dos 7.º classificados.

Antevisão – Na 10.ª jornada do Distrital da I Divisão, as atenções estarão focadas, essencialmente, no Fazendense-U. Tomar, sendo os actuais dois primeiros classificados claramente favoritos nos encontros que têm agendados: o Coruchense, nos Riachos, com o Riachense; o Abrantes e Benfica recebendo o Entroncamento AC. De interesse será também o Mação-Alcanenense, atendendo ao bom desempenho que a equipa de Alcanena vem registando.

No escalão secundário, destacam-se os encontros Ortiga-At. Ouriense e Salvaterrense-Forense.

Após paragem devido à disputa da eliminatória correspondente aos 1/16 de final da Taça de Portugal, no último fim-de-semana, é retomado o Campeonato de Portugal, na sua 9.ª ronda, com o U. Almeirim a viajar até Sacavém, para defrontar o 5.º classificado, Sacavenense. Quanto ao U. Santarém, que deveria jogar com a SAD do Fátima, ficará, pois, de folga.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 17 de Dezembro de 2020)