Hertz

Joga-se esta amanhã a 10.ª jornada do Distrital da I Divisão, com as atenções focadas, essencialmente, na partida entre Fazendense e U. Tomar.

Estes dois clubes históricos – actuais 5.º e 4.º classificados, respectivamente – defrontaram-se, no principal escalão, nos últimos dez anos, em dez ocasiões, com um balanço bastante repartido: quatro vitórias do grupo das Fazendas de Almeirim, face a três triunfos dos tomarenses, e três empates.

Curiosamente, estes desfechos têm chegado por vagas: primeiro, três desafios vencidos pelos donos da casa, entre 2011 e 2012; de seguida, três igualdades, em 2014 e 2015; depois, três vitórias dos unionistas, entre 2016 e 2018 – sendo que o Fazendense voltou a vencer na temporada passada.

Nos últimos quatro jogos no presente campeonato, o Fazendense ganhou três, apenas tendo sido surpreendido em Rio Maior, onde perdeu; quanto ao U. Tomar, que apenas foi derrotado em Samora Correia, logo na 2.ª ronda, somou três empates nos cinco encontros mais recentes.

Num embate em que o último resultado não tangencial entre os dois clubes data já de 2012, será difícil fazer prognósticos, estando todos os cenários em aberto.

O agora líder isolado (embora à condição, dado o Abrantes e Benfica ter um jogo a menos), Coruchense, desloca-se aos Riachos, sendo amplamente favorito a somar o sétimo triunfo consecutivo, o que passaria a constituir novo record na presente época.

Por curiosidade, o historial dos últimos anos aponta para resultados repartidos, com uma vitória para cada lado e um empate. Porém, o triunfo do Riachense data já de 2012, sendo que, no contexto actual, é muito grande a diferença de potencial entre as duas equipas.

Também o Abrantes e Benfica – que viu, sensacionalmente, ser interrompida na Glória do Ribatejo a sua senda triunfal (seis vitórias nos seis primeiros jogos realizados nesta temporada – deverá retomar o trilho das vitórias, recebendo esta manhã o novato Entroncamento AC, num embate em estreia absoluta.

De interesse se afigura também o Mação-Alcanenense, atendendo ao bom desempenho que a equipa de Alcanena vem registando.

Estes dois emblemas cruzaram-se, no principal escalão, na última década, por quatro vezes, datando a última delas de 2012. Os maçaenses ganharam por três ocasiões, tendo a formação visitante vencido em 2011.

No campeonato em curso, o Mação, após um arranque titubeante, em que chegou a acumular três desaires sucessivos, rectificou a trajectória, tendo ganho os três desafios seguintes, a que se seguiu o empate em Tomar. Quanto aos visitantes, apenas puderam realizar, até à data, seis das nove jornadas previstas, com um desempenho positivo, para um recém-promovido: uma única derrota, e três vitórias.

Em qualquer caso, seria grande a surpresa se os forasteiros conseguissem hoje subtrair pontos ao Mação.

O Cartaxo recebe a visita do Rio Maior, e, sendo claro favorito, não esperará facilidades, recordando, aliás, o empate registado na única ocasião em que as duas equipas se encontraram, há cerca de um ano.

Em “boa maré” parece estar o Amiense, que venceu os seus dois últimos compromissos, recebendo o “tomba-gigantes”, Glória do Ribatejo.

Nas três vezes em que se defrontaram, nos últimos anos, o grupo de Amiais de Baixo ganhou sempre, sendo também esse o desfecho mais expectável esta manhã.

Em Ferreira do Zêzere, os locais, sem conseguir vencer há três jogos, terão a visita do Torres Novas, animado pelo primeiro triunfo obtido nesta época, e logo com uma goleada (4-0, com um “poker” de Miguel Miguel!).

Em anos recentes, registaram-se dois embates entre ambos, com triunfo dos torrejanos em 2017 e vitória dos ferreirenses há cerca de dois anos. Hoje, um cenário de boa probabilidade será o da repartição de pontos.

Por fim, o Moçarriense – que acumulou derrotas em todos os sete desafios já disputados nesta temporada – recebe o Samora Correia, também em crise de resultados, com uma série de cinco desaires consecutivos.

Na única vez que se defrontaram, nos últimos anos, em 2017, registou-se uma igualdade a um golo. Conseguirão os homens da Moçarria provocar “surpresa”, pontuando pela primeira vez?

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 20.12.2020 – Sem emissão)