Hertz

Continuando a jogar-se em horário matinal, este Domingo pós-Natal é aproveitado para recuperar a jornada (5.ª) que se encontrava em atraso, adiada desde 1 de Novembro.

Uma manhã repleta de desafios de grande sensação, desde logo os dois que envolvem quatro dos cinco primeiros classificados.

Em Coruche, o agora comandante destacado, Coruchense – equipa que segue numa série triunfal de sete jogos consecutivos –, recebe o vice-líder, Abrantes e Benfica, em queda de rendimento, tendo perdido sete pontos nos últimos três encontros, depois de um ciclo de seis vitórias sucessivas, a abrir o campeonato.

Tendo sido cancelado o desafio agendado entre ambos os clubes no campeonato passado, o embate de hoje será uma estreia absoluta.

Pelos mais recentes sinais transmitidos pelas duas formações, o grupo do Sorraia perfila-se como favorito, mas não poderá ser colocada de parte a possibilidade de os abrantinos virem a pontuar.

Em Mação, o actual 5.º classificado recebe o Cartaxo, equipa que, tendo empreendido boa recuperação, ascendeu já ao 3.º posto, somente um ponto abaixo do clube de Abrantes.

Maçaenses e cartaxeiros cruzaram-se por oito vezes na última década, com clara tendência favorável aos visitados: o Mação venceu em cinco ocasiões (quatro delas, consecutivamente, entre as épocas de 2013-14 a 2016-17), face a apenas dois triunfos do Cartaxo (o último deles, por categórico 3-0, curiosamente, no ano em que o adversário se sagraria Campeão Distrital, em 2018). Na época passada, numa renhida disputa, o desfecho saldou-se por uma igualdade a três golos!

Trata-se, pois, de um jogo de tripla, numa altura em que o factor casa se encontra mitigado pela ausência de público.

Para além dos dois confrontos anteriores, teremos também o “quase derby” U. Tomar-Ferreira do Zêzere, que se disputará, a nível do principal escalão do futebol distrital, pela 7.ª vez, desde a estreia, em 1998.

Nas seis ocasiões anteriores, os unionistas venceram por cinco vezes (as quatro primeiras, de forma sucessiva), tendo-se registado um único empate, em 2018-19.

Com as duas equipas a atravessarem fases menos positivas – o União sem vencer nos últimos dois jogos, sendo que os ferreirenses não ganham há quatro rondas, tendo mesmo perdido três desse quatro jogos mais recentes – os tomarenses serão favoritos, devendo confirmar tal estatuto dentro de campo.

Mas, numa jornada que promete muito, todos os restantes jogos serão de interesse.

Um Torres Novas moralizado por dois triunfos seguidos, recebe o Fazendense, outra vez a realizar um bom campeonato, seguindo com três vitórias consecutivas.

Trata-se, aliás, do embate mais vezes repetido nos últimos anos, de entre os emparelhamentos desta ronda: Torres Novas e Fazendense defrontaram-se por nove vezes desde 2010! Depois de um nulo, a abrir, os torrejanos encadearam uma sucessão de sete vitórias, ininterruptamente, entre 2010-11 (fase final) e 2017-18… a qual viria a ser quebrada, há dois anos, com os homens das Fazendas de Almeirim a triunfar no último desafio entre ambos os clubes, por 2-0.

Tendo o Fazendense superiores argumentos, veremos até que ponto o Torres Novas poderá contrariar tal favoritismo teórico dos forasteiros.

Alcanenense e Amiense, a realizar campanhas muito positivas, ambos na primeira metade da tabela, encontram-se em Alcanena, para uma partida que se antevê repartida, como, aliás, o indica o histórico recente: desde 2010, nas quatro ocasiões em que se cruzaram, registou-se uma vitória dos donos da casa, um empate e dois triunfos dos visitantes. Esta manhã, a repartição de pontos parece ser um cenário de alguma probabilidade.

A “equipa-sensação” desta fase inicial da prova, Glória do Ribatejo desloca-se a Rio Maior, para um confronto de estreia entre ambos os clubes, sendo que os locais procurarão ampliar o seu pecúlio pontual, de forma a fugir da zona perigosa. Os visitantes, por agora mais tranquilos, poderão, todavia, aproveitar tal posição para voltar a surpreender.

O Samora Correia, que conseguiu, enfim, voltar aos triunfos, colocando termo a um terrível ciclo de cinco desaires sucessivos, é de novo favorito a somar mais três pontos, na recepção ao Entroncamento, noutro encontro em estreia absoluta.

Por fim, os aflitos Riachense e Moçarriense, actuais dois últimos classificados – a turma dos Riachos com seis derrotas consecutivas, sendo que o grupo da Moçarria foi derrotado em todas as nove partidas já realizadas –, ambos muito carenciados de pontos, procurarão ganhar novo ânimo.

Curiosamente, nas quatro vezes em que se encontraram nos Riachos, registam-se duas vitórias para cada lado – a primeira delas, em 2012-13, com uma goleada de 7-1 a favor do Riachense, tendo os outros três jogos sido bem mais equilibrados, o que se antevê também para hoje.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 27.12.2020 – Sem emissão)