(“O Templário”, 13.05.2021)

Após uma interrupção de quatro meses foi enfim retomado o curso “normal” do Distrital da I Divisão, com a disputa da sua 12.ª ronda, em mais uma época atípica, tendo por objectivo, desta feita, completar a primeira volta da prova (15 jornadas), para que a mesma possa ter efeitos classificativos, quer a nível de atribuição do título de Campeão (e consequente promoção ao Campeonato de Portugal), como da definição dos clubes a despromover à II Divisão Distrital.

Não obstante a generalidade das equipas concorrentes tenha ainda quatro jogos por disputar (dado terem em atraso as partidas da 11.ª ronda), a confirmação do título para o Coruchense parece cada vez mais uma mera “formalidade”, uma vez que o agora seu mais imediato perseguidor na pauta classificativa (U. Tomar) dista oito pontos… quando restam aos nabantinos três desafios por realizar – por coincidência, na próxima jornada, precisamente com um embate União-Coruchense.

Destaques – O principal destaque do passado fim-de-semana vai justamente para os tomarenses, que, com um notável triunfo averbado em Abrantes (numa partida que colocava frente-a-frente os então 3.º e 4.º classificados), por 3-2, conseguiram ultrapassar o seu adversário directo (assim como o até agora vice-líder, Cartaxo), alcandorando-se, mesmo que “à condição”, ao 2.º lugar!

Tendo entrado praticamente a perder (golo do Abrantes e Benfica logo aos 8 minutos), os unionistas reagiram de forma sensacional, com três tentos apontados em menos de dez minutos (entre os 26 e os 34 minutos). Na segunda parte, os locais ainda assustaram, com um lance de bela execução, a reduzir para a diferença mínima, mas, até final, pese embora a persistência, não conseguiriam voltar a desfeitear a baliza à guarda de Nuno Ribeiro. Por seu lado, também o União não aproveitou um par de ocasiões para sentenciar mais cedo o desfecho dum animado encontro.

Em Alcanena, o líder, Coruchense, teve de sofrer bastante, para conseguir operar a reviravolta no marcador, que lhe proporcionou, vencendo por tangencial 2-1, cimentar a sua posição, mercê dos deslizes de Cartaxo e Abrantes e Benfica, agora já a nove e a dez pontos, respectivamente. A formação do Sorraia somou o 9.º triunfo consecutivo no campeonato, contando dez vitórias em 11 jogos (apenas foi surpreendida na vizinha Glória do Ribatejo… perdendo logo à 2.ª jornada).

Quem mantém igualmente um ritmo bastante forte é o Mação (cinco vitórias nas últimas seis rondas), recebendo e goleando o Torres Novas por categórico 5-0, ascendendo assim ao 4.º lugar, a par dos abrantinos. Não fora o terrível ciclo de três desaires sofridos entre a 2.ª e a 4.ª jornada (nas Fazendas de Almeirim e em Amiais de Baixo e, em casa, com o Abrantes e Benfica) e teríamos um competidor a ombrear com o Coruchense…

Surpresa – Neste recomeço do campeonato o Cartaxo voltava a perfilar-se, porventura, como o mais assumido “desafiador” do comandante, na perspectiva de poder ainda aspirar a uma reviravolta na ponta final da competição. Porém, estava-lhe reservada precisamente a grande surpresa da jornada, ao ceder um tão inesperado quão comprometedor empate caseiro (1-1) face ao antepenúltimo classificado, o que, praticamente, terá feito esfumar-se tais aspirações.

Confirmações – Nos restantes três jogos, os resultados confirmaram as expectativas, com uma igualdade (2-2) entre Amiense e Fazendense, clubes que, antes deste jogo, se posicionavam em lugar tranquilo a meio da tabela, tendo aliás a turma das Fazendas igualado o Alcanenense no 6.º posto (contando ainda um jogo a menos), e beneficiando também para se aproximar do Cartaxo e do Abrantes e Benfica – quanto ao Amiense, viu-se ultrapassado pela Glória do Ribatejo (a fazer uma muito boa campanha, tendo vencido, por 1-0, na Moçarria, ante o “lanterna vermelha”, subindo ao 9.º lugar) e pelo Samora Correia (agora 8.º, tendo ganho, nos Riachos, por 2-0).

Os grupos do Riachense (penúltimo, com cinco pontos) e Moçarriense (somente com quatro pontos) parecem ter o destino traçado, passando pela despromoção ao escalão secundário, o que Torres Novas, Rio Maior, Ferreira do Zêzere e Entroncamento procuram ainda evitar. Entretanto o encontro entre os conjuntos de Ferreira e de Rio Maior foi adiado para 3 de Junho.

II Divisão Distrital – Nesta Divisão, a retoma da competição passa agora pelo objectivo de conclusão (apenas) da 1.ª fase da prova, para apuramento dos 3 clubes a promover ao escalão principal: os dois vencedores de série e o que tiver melhor coeficiente de entre os 2.º classificados.

Na série a Norte assinalam-se, entrementes, as desistências de Tramagal, Ortiga, Aldeiense e U. Atalaiense, que decidiram não retomar a actividade neste final de época, o que provocou algumas perturbações na classificação, agora reduzida apenas a seis competidores (desconsiderados todos os jogos realizados pela Ortiga, dado não ter completado a 1.ª volta, enquanto que, dos jogos dos restantes desistentes, apenas são contados os realizados nessa metade inicial do campeonato).

Com a vitória (2-0) na recepção ao Caxarias, o At. Ouriense reforçou a liderança, agora com sete pontos de avanço em relação ao Espinheirense, sendo que esta equipa tem dois jogos a menos. O Fátima, com um jogo a menos que o guia, está agora já a nove pontos.

A Sul, destacam-se as vitórias dos dois primeiros – Benavente, triunfando por 2-0 em Marinhais; e Salvaterrense, ganhando por 3-0 no Porto Alto –, ficando em boa posição para atingir, eventualmente, duas vagas de promoção (o Forense e o Porto Alto estão agora já a seis pontos do 2.º lugar, ocupado pela turma de Salvaterra, com a formação do Porto Alto com um jogo a mais).

Campeonato de Portugal – Concluída (já a 11 de Abril) a 1.ª fase da prova, confirmou-se a despromoção ao Distrital do U. Almeirim – 10.º classificado de entre os 11 concorrentes que finalizaram a prova, após o prematuro abandono da (insolvente) SAD do Fátima. Por seu lado, o U. Santarém, alcançando nessa fase um muito bom 3.º lugar, disputa actualmente a prova de acesso à futura “Liga 3”, novo escalão do futebol nacional, em estreia na próxima temporada.

Após o termo da 1.ª volta, tendo vencido na Marinha Grande, na 3.ª ronda, o Marinhense, por 3-1, no passado Domingo, os escalabitanos ocupam o 3.º posto da sua série, em igualdade pontual com o Condeixa e a três pontos do Alverca, sendo promovidos os dois primeiros classificados.

Antevisão – No próximo fim-de-semana os campeonatos voltam a fazer novo (curto) interregno, para disputa da eliminatória correspondente aos 1/16 de final da Taça do Ribatejo, em que se destacam os seguintes desafios de “maior cartaz”: Alcanenense-Ferreira do Zêzere; Rio Maior-Amiense; e Torres Novas-Moçarriense (entre primodivisionários); Marinhais-U. Tomar; Caxarias-Cartaxo; At. Ouriense-Mação; Vasco da Gama-Abrantes e Benfica; Benfica do Ribatejo-Glória do Ribatejo; e Águias Alpiarça-Entroncamento (entre clubes dos dois escalões).

No Campeonato de Portugal, o U. Santarém desloca-se a Condeixa, para um jogo que se prevê de crucial importância na disputa da promoção à “Liga 3”, tendo os santarenos perdido em casa.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 13 de Maio de 2021)