Hertz

Depois de uma pré-eliminatória disputada já nos idos de Outubro, é hoje retomada também a presente edição da Taça do Ribatejo, mais de sete meses decorridos, para disputa da 1.ª eliminatória, correspondente aos 1/16 avos de final, mas, efectivamente, integrando apenas 11 jogos.

Uma eliminatória que terá três confrontos entre primodivisionários, dois embates entre clubes da divisão secundária, envolvendo as restantes seis partidas clubes que militam em diferentes escalões (I e II Divisão).

Em geral é bastante escasso o histórico de jogos, a contar para a Taça do Ribatejo, entre as equipas que hoje se defrontam, havendo mesmo quatro desafios sem historial recente, mesmo recuando até há doze anos.

Começando então pelos jogos entre clubes do escalão principal, Alcanenense e Ferreira do Zêzere reencontram-se, depois de se terem cruzado na fase de grupos da Taça há duas épocas, então com os ferreirenses a golearem por 4-0. Esta tarde o grupo de Alcanena, que partilha o 6.º lugar do campeonato, é claramente favorito, frente a um adversário que passa por período de dificuldades.

Em Rio Maior, a formação local recebe a visita do Amiense. Em jogos da Taça os dois clubes encontraram-se uma única vez, em 2016-17, mas em Amiais de Baixo, com triunfo caseiro por 4-1. Nas duas ocasiões em que se defrontaram em Rio Maior, neste caso a contar para o campeonato, o grupo de Amiais venceu de ambas as vezes, a última delas, já nesta temporada, há seis meses, por tangencial 1-0. Tratando-se de um encontro de Taça, este será um jogo de tripla.

Torres Novas e Moçarriense encontram-se pela primeira vez em partidas da Taça, no período de 12 anos considerado. Para o campeonato, também em Dezembro, os torrejanos golearam em casa por 4-0, mas, não obstante continuem a ser favoritos, antevê-se que este embate seja mais equilibrado.

Entre equipas da II Divisão Distrital teremos dois jogos: o Porto Alto-Salvaterrense, que se cruzaram já, na Taça, em 2009-10 e em 2010-11, então com uma vitória para cada lado; e o Rebocho-Espinheirense, um confronto em estreia.

No primeiro caso, por coincidência, repete-se o embate da passada semana, para o campeonato, no qual a turma de Salvaterra venceu por categóricos 3-0. Esta tarde, os homens do Porto Alto pretenderão certamente rectificar, mas os salvaterrenses mantêm o favoritismo.

No caso do Rebocho e do Espinheirense, a disputarem séries diferentes na II Divisão, a formação do Espinheiro (2.ª classificada da série mais a Norte) deverá, salvo grande surpresa, triunfar, ante o “lanterna vermelha” da série a Sul.

Nos restantes encontros, supor-se-ia, à partida, que os clubes que militam na I Divisão seriam favoritos a seguir em frente, pese embora actuem, em todos os seis casos, em terreno alheio. Veremos se haverá “tomba-gigantes”…

O vice-líder do campeonato principal, U. Tomar, desloca-se a Marinhais, um campo tradicionalmente difícil. Por coincidência, os dois emblemas encontraram-se, na Taça, na época passada, também na ronda de acesso aos 1/8 avos de final, mas em Tomar, tendo os unionistas vencido, com tranquilidade, por 4-1. Hoje, enfrentando porventura tarefa mais difícil, ainda assim é de crer que os tomarenses, defrontando o 5.º classificado da série mais a Sul da II Divisão, voltem a garantir o apuramento.

O Cartaxo, que reparte agora o 2.º lugar do campeonato com os nabantinos, desloca-se ao Campo da Chã, nas Caxarias. Nos últimos doze anos estes dois clubes apenas se cruzaram uma vez, na Taça, já na distante temporada de 2010-11, em partida disputada no Cartaxo, com os visitados a golear então por 8-0. Também neste caso os cartaxeiros – apesar de virem de dois empates, após a retoma da competição – têm amplo favoritismo, mas espera-se um desfecho bem menos desequilibrado.

Mais repartido se antevê possa ser o embate entre o líder da II Divisão, At. Ouriense, em rota para o regresso ao escalão principal, e o Mação, actual 4.º classificado em tal campeonato. Estes dois clubes encontraram-se, para a Taça, em 2016-17, em Mação, com empate a uma bola, e, na época seguinte, de 2017-18, em Ourém, então com os maçaenses a triunfar por clara marca de 4-1, vencendo a fase de grupos que integrava também o U. Tomar, o qual acabaria por vir a sagrar-se vencedor do troféu, precisamente numa final com o conjunto de Mação. Os maçaenses tiveram uma entrada forte, na semana passada, goleando o Torres Novas, perfilando-se como favoritos, mas a surpresa poderá estar à espreita…

Vasco da Gama e Abrantes e Benfica, por um lado, e Águias de Alpiarça e Entroncamento, por outro, cruzam-se em confrontos em estreia, nos últimos 12 anos, a contar para a Taça.

Os abrantinos não deverão sentir dificuldades em superar o adversário, 6.º e último classificado entre os resistentes da série mais a Norte da II Divisão.

O mesmo se antevê, aliás, em relação ao Entroncamento, apesar de o clube ferroviário ocupar delicado antepenúltimo lugar na I Divisão, defrontando o… antepenúltimo classificado da série mais a Sul do segundo escalão.

Por fim, teremos como que um “derby”, entre Benfica do Ribatejo e Glória do Ribatejo, duas equipas que se cruzaram já, na Taça, em 2016-17, mas na Glória, então com triunfo dos locais por 3-1. Esta tarde, a turma da Glória do Ribatejo, embalada com os resultados positivos para o campeonato, deverá vencer novamente, frente ao 6.º classificado da série Sul da II Divisão.

As equipas do Pego e Pontével (que tinham abdicado da competição logo no início da temporada) e do Aldeiense, Ortiga e Tramagal, que decidiram não retomar a actividade neste final de época, desistiram da prova, pelo que Coruchense, Fazendense, Samora Correia, Riachense e Fátima têm já presença assegurada nos 1/8 de final da Taça do Ribatejo.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 16.05.2021)