(“O Templário”, 20.05.2021)

Na retoma da Taça do Ribatejo – cujo “pontapé de saída” (pré-eliminatória) tinha sido dado já em Outubro, portanto há sete meses! –, agora para disputa da 1.ª eliminatória, correspondente aos 1/16 avos de final, tendo, todavia, sido disputados apenas onze encontros, não houve “tomba-gigantes”, nem, sequer, grandes surpresas. Apuraram-se para os 1/8 avos de final nada menos de 13 clubes primodivisionários, a que se juntam três da divisão secundária (dois deles tendo eliminado adversários do mesmo escalão, e, o terceiro, beneficiando de desistência).

Os três clubes da I Divisão entretanto já afastados da prova (Amiense, Ferreira do Zêzere e Torres Novas) foram, pois, eliminados por rivais do mesmo campeonato.

Destaques – Ainda assim, estiveram em evidência, em especial, o Rio Maior e o Moçarriense. No primeiro caso, os riomaiorenses venceram por 2-1 o Amiense, afastando da prova a turma de Amiais de Baixo, emblema de grandes tradições nesta competição – que já por três vezes se sagrou vencedor do troféu – e que, pela primeira vez, pelo menos nas últimas 13 épocas, falhará a presença nos 1/8 avos de final.

No caso do Moçarriense, “lanterna vermelha” do campeonato, tendo imposto uma igualdade a um golo na deslocação a Torres Novas, revelou-se de plena eficácia no desempate da marca de grande penalidade (converteu seis em outras tantas tentativas), apurando-se também para a fase seguinte, contribuindo assim para agravar a “crise” de resultados dos torrejanos.

Em geral esta eliminatória foi marcada por um acentuado desnível entre as equipas, traduzido em múltiplas goleadas, de que se destacam: os 6-0 aplicados pelo Alcanenense ao Ferreira do Zêzere (conjunto a atravessar período muito difícil, tendo sido também já goleado, na retoma do campeonato, por 7-0, em Samora Correia); assim como as vitórias por 4-0 do U. Tomar em Marinhais e do Mação em Ourém, frente ao At. Ouriense (equipa que lidera a série Norte da II Divisão Distrital, mas que não conseguiu oferecer melhor réplica ao seu poderoso oponente).

No que respeita ao U. Tomar, a equipa unionista encarou este desafio com uma atitude de seriedade e responsabilidade, respeitando o adversário (5.º classificado na série Sul do escalão secundário), acabando por impor-se com naturalidade. Não esteve porém, a salvo de alguns sustos, com o grupo de Marinhais, logo na fase inicial do encontro, a ter duas ou três ocasiões de grande perigo junto da baliza tomarense. Por coincidência, os nabantinos tinham também eliminado, na época passada, este mesmo adversário, e, igualmente, na eliminatória de acesso aos 1/8 avos de final, então em Tomar, e pelo resultado de 4-1, o que, inclusivamente conseguiram agora superar, mesmo actuando em terreno alheio.

Com esta vitória, U. Tomar e Fazendense passam a ser os únicos “totalistas”, que garantiram o apuramento para os 1/8 avos de final em todas as últimas 13 edições da Taça do Ribatejo!.

Confirmações – Foram também por margem dilatada os triunfos obtidos pelos outros quatro clubes da I Divisão que defrontaram rivais do escalão inferior, mesmo tendo jogado também, todos eles, na condição de visitantes: 4-1 da Glória do Ribatejo no “derby”, em Benfica do Ribatejo; e vitórias por 3-0 do Cartaxo, do Abrantes e Benfica e do Entroncamento AC, respectivamente nas Caxarias, em Boleiros (Fátima), frente ao Vasco da Gama, e em Alpiarça, ante o Águias.

Realça-se, assim, o que será a 9.ª participação do grupo da Glória do Ribatejo nos 1/8 avos de final, portanto uma presença assídua em fases relativamente avançadas da prova. Por seu lado, o Entroncamento AC, em função da qualificação agora obtida, irá estrear-se em tal eliminatória.

Nas duas partidas entre formação da II Divisão, o Espinheirense goleou também, em Coruche, o grupo do Rebocho, por 5-2, apurando-se – apenas pela segunda vez nos últimos 13 anos –, para a próxima ronda, eliminatória na qual receberá o U. Tomar; por fim, no Porto Alto, houve lugar à reedição do confronto com o Salvaterrense, que, depois de ali ter vencido por 3-0 na semana anterior, para o campeonato, não foi agora além do empate a uma bola, mas acabando por superiorizar-se no desempate da marca de grande penalidade, conseguindo apurar-se também.

As equipas do Pego e do Pontével (que haviam abdicado da competição logo no início da temporada) e do Aldeiense, Ortiga e Tramagal, as quais decidiram não retomar a actividade neste final de época, desistiram da prova, pelo que Riachense, Samora Correia, Fazendense, Coruchense e Fátima tinham já antecipadamente assegurado presença nos 1/8 avos de final da Taça do Ribatejo, sem necessidade de entrar em campo.

Campeonato de Portugal – O U. Santarém, depois de ter atravessado fase mais difícil a meio da temporada, parece agora revigorado, tendo obtido um excelente triunfo em Condeixa, ganhando por 3-2, o que lhe proporcionou isolar-se no 2.º posto, colocando-se em posição de acesso à futura “Liga 3”, apresentando-se em situação privilegiada, com três pontos de vantagem sobre esse mesmo adversário, a duas rondas do termo desta competição.

Antevisão – No fim-de-semana estarão de regresso os campeonatos distritais. Na I Divisão, o “jogo-grande” da 13.ª (e antepenúltima) jornada será o que coloca frente-a-frente os dois primeiros da classificação, com o U. Tomar a receber o Coruchense, com a turma do Sorraia a poder festejar, desde já, a conquista do título, em caso de vitória, num desafio em que os tomarenses têm também em jogo a ambição de, pelo menos, conseguir alcançar o 2.º lugar final.

Outros encontros de interesse serão também, muito especialmente, o Fazendense-Cartaxo (respectivamente, 6.º e 3.º classificados) e o Samora Correia-Mação (no 8.º e 4.º lugares). Por seu lado, o Rio Maior, recebendo o Riachense, e o Entroncamento, que terá a visita do Moçarriense, enfrentam partidas cruciais na perspectiva da manutenção no escalão principal.

Na II Divisão, a Norte, realce para o Espinheirense-Fátima, actuais 2.º e 3.º classificados, na perseguição ao líder, At. Ouriense, o qual folgará nesta 12.ª ronda. A Sul, o guia, Benavente, recebe o Forense (3.º), enquanto o Salvaterrense (2.º) defronta o Benfica do Ribatejo (5.º).

Na penúltima jornada da fase de apuramento para a “Liga 3”, o U. Santarém terá deslocação de elevado grau de dificuldade, a Alverca, para defrontar o comandante da série, ao qual bastará um ponto para confirmar o apuramento para tal novo escalão, em estreia na próxima época.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 20 de Maio de 2021)