Teremos, nos sete jogos que hoje se disputam, a contar para a 4.ª jornada da I Divisão Distrital, uma tarde/noite repleta de embates de grande interesse, com nada menos de seis desafios a chamar, em especial, a atenção, dada a incerteza que se pode projectar quanto aos respectivos desfechos.

Desde logo, a deslocação do líder isolado – único com vitórias em todos os encontros realizados -, União de Tomar, ao sempre difícil terreno do Samora Correia. Mas, também, o Amiense-Cartaxo (duas equipas que terminaram empatadas em pontos, no 4.º e 5.º lugar, na última temporada); o Fazendense-At. Ouriense; o Benavente-U. Almeirim; o Alcanenense-Rio Maior; isto para além do “derby” Glória do Ribatejo-Salvaterrense.

Pode antever-se que, em qualquer dos casos, os visitantes não deixarão de enfrentar dificuldades, perspectivando-se, ainda assim, que o Fazendense possa ser o visitado com maior grau de favoritismo.

Começando então pelo Samora Correia-U. Tomar, os dois clubes defrontaram-se por cinco vezes em anos recentes, e o balanço é claramente desequilibrado a favor dos samorenses, que ganharam em quatro ocasiões, das quais nos três últimos confrontos. De facto, os tomarenses conseguiram apenas uma vitória, já em Dezembro de 2017, goleando então por categórico 5-0. Um “placard” a que os homens da casa ripostaram com o 4-0 aplicado na 2.ª ronda da época passada.

Isto dito, e apesar de o Samora Correia ter entrado mal neste campeonato, com duas derrotas, vem de um moralizador triunfo em Ourém. Será, pois, um desafio de alto risco para os unionistas, se pretendem manter a sua senda vitoriosa.

O mais directo perseguidor, Fazendense, recebe precisamente o At. Ouriense, para a reedição de um embate já por sete vezes repetido na última década, com vincada superioridade da turma das Fazendas de Almeirim, que triunfou em cinco desses jogos. Porém, nos dois encontros mais recentes entre ambos os clubes, em 2017 e em 2018, registaram-se duas igualdades.

O grupo da casa apresenta-se com teórico maior favoritismo para somar os três pontos, não obstante os oureenses até tenham começado bem neste seu regresso ao principal escalão (em particular com o empate averbado em Mação), tendo, contudo, sido surpreendidos na semana passada pelos samorenses.

O Cartaxo, que tivera arranque algo oscilante, subiu, entretanto, já ao 3.º posto da tabela, tendo, esta tarde, um sério desafio às suas capacidades, na deslocação a Amiais de Baixo. Amiense e Cartaxo encontraram-se em oito ocasiões nos últimos anos, com balanço repartido: três vitórias dos donos da casa, três empates e dois triunfos dos cartaxeiros. No jogo de hoje, os visitantes poderão ter algum favoritismo, mas o factor casa poderá ter influência no desfecho da partida.

Bastante reforçado este ano, o Rio Maior visita Alcanena, para um confronto ainda sem histórico, frente ao Alcanenense. Também neste caso os forasteiros terão, à partida, maior potencial, ficando para confirmar se poderão repetir o triunfo fora de portas, depois da goleada (4-0) aplicada em Samora Correia.

O Salvaterrense, que tem vindo a surpreender neste seu regresso à I Divisão, terá curta viagem até à Glória do Ribatejo, para a reedição de um “derby” municipal que não se disputava já, no escalão principal, desde a temporada de 1996-97, então com uma igualdade a duas bolas.

O conjunto da Glória tem tido um início de época irreconhecível, acumulando já quatro desaires, tendo sofrido nada menos de 15 golos (incluindo o jogo para a Taça de Portugal). Mas “derby” é “derby” e, esta tarde, pouco importará o que está para trás; um jogo de tripla, portanto.

O U. Almeirim, de que não foi ainda possível aquilatar sobre as efectivas pretensões neste campeonato – segue, para já, com uma vitória, um empate e uma derrota –, visita Benavente, equipa precisamente com comportamento idêntico até agora.

Na única ocasião em que, nos últimos anos, se cruzaram, em 2017, os almeirinenses triunfaram por 2-0, podendo até repetir a vitória hoje, mas a repartição de pontos também não surpreenderá.

O encontro que, “a priori”, se antevê menos equilibrado é o que coloca frente-a-frente dois históricos do futebol distrital, com o Mação a receber o Torres Novas.

Estes dois emblemas defrontaram-se nada menos de nove vezes nos últimos dez anos, tendo os resultados oferecido muito curiosa trajectória: primeiro, com os torrejanos a saírem vencedores em cinco ocasiões, nos seis jogos disputados entre 2012 e 2016 (isto, face a um único triunfo dos maçaenses, em 2015); mais recentemente, três vitórias dos donos da casa, nas três últimas partidas, entre 2018 e 2021 – sendo que, na última delas, em Maio deste ano, os maçaenses golearam então por 5-0!

Portanto, depois de um alargado período de domínio dos visitantes, o Mação tem-se superiorizado nos anos recentes, o que, atendendo ao diferencial de potencial entre os dois plantéis, se perspectiva possa suceder também esta tarde – mesmo que se tenha de levar em consideração que os maçaenses ainda não se estrearam a ganhar neste campeonato, vindo de uma derrota em Tomar, enquanto o Torres Novas chega e este jogo altamente moralizado pela goleada (6-1) aplicada ao Glória do Ribatejo na passada semana.

O restante desafio que compõe o alinhamento desta ronda, entre Abrantes e Benfica e Ferreira do Zêzere, foi já ontem disputado, com triunfo dos abrantinos por 2-0.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 10.10.2021)