Calendario

21 de Fevereiro
O “dia de hoje” na história do União de Tomar
Resultados de todos os jogos nesta data, ao longo dos anos
21.02.1965     I Dist.      18ª     U. Operária Santarém - U. Tomar 1-1
21.02.1971        II        20ª     U. Tomar - Torreense            6-0
21.02.1993       IIB        20ª     Fátima - U. Tomar               0-0
21.02.1999       III        21ª     Sourense - U. Tomar             2-1
21.02.2004     I Dist.      20ª     U. Tomar - Ouriquense           1-3
21.02.2010     I Dist.      22ª     U. Tomar - Pego                 2-2
21.02.2016     I Dist.      19ª     U. Almeirim - U. Tomar          1-0
Anúncios

Calendario

20 de Fevereiro
O “dia de hoje” na história do União de Tomar
Resultados de todos os jogos nesta data, ao longo dos anos
20.02.1966       II         20ª     Boavista - U. Tomar             0-3
20.02.1972        I         20ª     U. Tomar - Beira-Mar            2-0
20.02.1994      III         19ª     U. Tomar - Portalegrense        2-0
20.02.2000      III         20ª     U. Tomar - V. Sernache          4-0
20.02.2011    I Dist.       22ª     U. Tomar - Ouriquense           2-0

20 de Fevereiro é, historicamente, um dia muito positivo para o União de Tomar, que, nos cinco jogos disputados nesta data, venceu sempre – destacando-se a goleada averbada no Estádio do Bessa, em 1966 -, com um score global de 13-0!

Calendario

19 de Fevereiro
O “dia de hoje” na história do União de Tomar
Resultados de todos os jogos nesta data, ao longo dos anos
19.02.1950     I Dist.       8ª     U. Tomar - Matrena              1-1
19.02.1961       III         6ª     U. Tomar - Vialonga             3-1
19.02.1967        II        16ª     U. Tomar - Famalicão            2-0
19.02.1978        II        17ª     Mangualde - U. Tomar            1-1
19.02.1984        II        18ª     Naval - U. Tomar                0-0
19.02.1989       III        22ª     Alcobaça - U. Tomar             1-1
19.02.1995       III        20ª     Mirandense - U. Tomar           1-0
19.02.2005     I Dist.      19ª     Atalaiense - U. Tomar           2-4
19.02.2006    II Dist.      18ª     U. Tomar - Caxarias             4-0
19.02.2012     I Dist.      21ª     Mação - U. Tomar                0-0
19.02.2017     I Dist.      19ª     U. Tomar - Cartaxo              1-0

Emp. Comércio – Riachense – 0-3
Fazendense – Ferreira do Zêzere – 2-2
Samora Correia – At. Ouriense – 3-1
Torres Novas – U. Abrantina – 2-0
U. Tomar – Moçarriense – 2-0
Mação – Cartaxo – 0-3
Amiense – U. Almeirim – 2-1

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Mação              17    12     2     3    31 - 16    38
 2º U. Tomar           17    10     3     4    42 - 19    33
 3º Fazendense         17     8     8     1    29 - 18    32
 4º U. Almeirim        17     8     6     3    30 - 14    30
 5º Torres Novas       17     9     1     7    28 - 22    28
 6º Ferreira Zêzere    17     8     3     6    34 - 27    27
 7º Cartaxo            17     8     2     7    25 - 21    26
 8º Samora Correia     17     7     3     7    25 - 30    24
 9º At. Ouriense       17     6     3     8    27 - 29    21
10º Amiense            17     6     2     9    19 - 24    20
11º U. Abrantina       17     6     1    10    19 - 27    19
12º Riachense          17     4     3    10    26 - 40    15
13º Moçarriense        17     3     4    10    13 - 29    13
14º Emp. Comércio      17     2     3    12    13 - 45     9

Tendo voltado a beneficiar de uma vantagem confortável, o líder Mação terá, não obstante, de manter-se focado, para evitar ser surpreendido, na recepção a uma equipa do Cartaxo, que ocupa agora um lugar tranquilo na tabela classificativa, e que tem demonstrado, nesta temporada, ser mais produtiva fora de casa que no seu próprio terreno, tendo ganho metade dos jogos disputados na condição de visitante.

As duas equipas defrontaram-se em Mação, nos últimos sete anos, por seis vezes, com tendência claramente favorável aos maçaenses, os quais somaram cinco triunfos, apenas tendo sido batidos uma única vez, já na distante época de 2010-11. Esta tarde, o comandante é favorito, mas não deverá esperar facilidades.

Quanto ao União de Tomar, novamente mais distante do seu grande objectivo, dependente não só dos seus resultados, mas também dos que os principais concorrentes possam fazer, recebe a visita do Moçarriense, apresentando-se com um amplo estatuto de favorito, como o denota a tendência histórica dos confrontos entre os dois clubes: em cinco desafios realizados em Tomar, o União ganhou por quatro vezes, tendo perdido só numa ocasião, em 2012-13.

De interesse será também o Fazendense-Ferreira do Zêzere, entre duas equipas que têm feito campanhas bem acima do seriam as expectativas em relação ao respectivo desempenho neste campeonato, em que, nesta altura, ocupam, respectivamente, o 2.º e o 5.º lugares. Não havendo historial recente de confrontos entre ambos na I Divisão Distrital, a turma das Fazendas parece também claramente favorita.

Por seu lado, outro candidato, U. Almeirim, tem também uma difícil saída, até Amiais de Baixo, para defrontar uma intranquila equipa do Amiense. Em anos recentes, há registo para apenas dois encontros entre ambos os clubes, precisamente nas duas últimas temporadas, com um empate e uma vitória do conjunto de Amiais. Com os almeirinenses a jogarem, porventura, uma das últimas cartadas neste campeonato (na ronda seguinte receberão o líder), este parece ser um jogo de tripla, de prognóstico bastante incerto.

Em Torres Novas, encontram-se duas equipas bem sucedidas na jornada anterior, com os torrejanos a receber a U. Abrantina, que vem, aliás, de duas vitórias sucessivas ante os então dois primeiros classificados, Mação e U. Tomar. Os dois clubes encontraram-se também apenas por duas vezes, com vitória, em ambos os jogos, para a turma de Torres Novas. Não seria contudo surpreendente se a formação de Abrantes pudesse obter mais um resultado positivo…

Os dois restantes embates inserem-se já numa intensa disputa pela manutenção. De forma algo surpreendente, Samora Correia e At. Ouriense vêem-se envolvidos em tal luta, muito por força do fraco desempenho que as equipas do Distrito vêm tendo no Campeonato de Portugal, com o risco de poderem ser até cinco os clubes a despromover da I à II Divisão Distrital (dois lugares garantidos, dependendo os restantes do número de eventuais descidas do Nacional).

Samorenses e oureenses defrontaram-se também, no principal escalão, nos últimos anos, por duas vezes, com triunfo dos donos da casa na época passada, antecedido por uma vitória dos forasteiros em 2010-11. Para esta tarde, dado o comportamento irregular que ambos os conjuntos vêm denotando, com a equipa de Ourém agora num ciclo de três derrotas sucessivas (depois de ter sido o Samora Correia a registar cinco desaires consecutivos), este é também um desafio de desfecho imprevisível, pese embora os visitados possam estar agora mais motivados, em função de disporem de novo responsável técnico.

O outro jogo junta os actuais dois últimos classificados, Empregados do Comércio e Riachense, que, algo já em desespero, vêm tentando somar alguns pontos, para procurar escapar à zona de descida, mas que, pelo contrário, se vêem cada vez mais distantes da “salvação”.

Nas duas ocasiões em que se defrontaram na Ribeira de Santarém, nas duas últimas temporadas, o conjunto dos Riachos ganhou de ambas as vezes, podendo tal ser um cenário eventualmente a repetir-se hoje, pese embora a boa resistência que os Caixeiros ofereceram na deslocação a Almeirim, na semana passada, forçando um nulo ante o U. Almeirim.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 18.02.2018)

Salvaterrense – Goleganense – 2-7
Esc. Fut. Alcanena – U. Atalaiense – 1-1
U. Almeirim – Porto Alto – 1-0
Fátima – N. Sp. Rio Maior – 1-5
Moçarriense – Cartaxo – (25.03.2018)
Ac. Santarém – Abrantes e Benfica – 15-0 (Interrompido devido ao facto de o Abrantes e Benfica ter ficado reduzido a menos de sete jogadores)
U. Tomar – Vilarense – 1-2 (17.02.2018)

1º Goleganense, 44; 2º U. Almeirim, 37; 3º Ac. Santarém, 36; 4º N. Sp. Rio Maior e U. Tomar, 33; 6º Fátima e Salvaterrense, 28; 8º Vilarense, 21; 9º Porto Alto, 17; 10º Esc. Fut. Alcanena, 13; 11º U. Atalaiense, 11; 12º Cartaxo, 9; 13º Moçarriense, 6; 14º Abrantes e Benfica, 0

Pulsar-16

(“O Templário”, 15.02.2018)

Na ronda imediata a um inesperado desaire caseiro, o Mação volta a restabelecer distâncias, beneficiando do facto de, entre os cinco primeiros, ter sido o único a vencer! Num campeonato com bastantes “reviravoltas”, os maçaenses continuam em posição aparentemente confortável, quando se entra nas dez derradeiras jornadas, portanto, com a “meta” a começar a aproximar-se.

Destaques – Pela segunda semana consecutiva, o destaque maior vai para a U. Abrantina, que soma dois êxitos frente aos dois primeiros classificados; depois de vencer em Mação, voltou a triunfar, frente ao U. Tomar (2-1), numa partida, porém, de grande controvérsia, sem, com tal, se pretender retirar mérito à turma de Abrantes, que prossegue a sua caminhada, em busca de zona mais tranquila da classificação (ultrapassou o Amiense, subindo à 10.ª posição).

Não tendo assistido ao desafio, apenas é possível opinar com base nos ecos que vão chegando, que apontam para um conjunto de lances duvidosos, em que, em todos eles, a decisão foi penalizadora para os tomarenses: um suposto fora-de-jogo no segundo tento dos visitados; uma presumível grande penalidade não sancionada a favor dos nabantinos, para além de dois golos invalidados… convenhamos que se trata de uma conjugação adversa de reduzida probabilidade.

Para o U. Tomar fica, de novo, o amargo de mais uma derrota em terreno alheio (na condição de visitantes, em nove jogos, os unionistas ganharam apenas três, empataram três, perdendo outros três), voltando a denotar dificuldades em se impor, depois de uma fase em que evidenciara domínio avassalador, obtendo, de forma consecutiva, as tais três vitórias fora de casa, o que adia as perspectivas de recuperação pontual, agravando a dependência face aos resultados do guia.

Na 16.ª jornada, merecem igualmente realce os triunfos averbados “fora de portas” pelo Samora Correia (2-0 em Ferreira do Zêzere), e pelo Torres Novas, em Ourém, ante o At. Ouriense (2-1). Os samorenses parecem querer deixar para trás uma fase muito negativa, de cinco desaires consecutivos, tendo, enfim, voltado às vitórias, e logo no terreno da equipa-sensação do campeonato! Por seu lado, os torrejanos, que vinham também de três derrotas sucessivas, confirmaram a sua propensão para desfechos positivos fora de casa, ganhando pela quinta vez.

Surpresas – A principal surpresa sucedeu em Almeirim, onde o União local não conseguiu desfazer o nulo, na recepção ao “lanterna vermelha”, Empregados do Comércio, que vai procurando “fazer pela vida”, somando alguns pontos, pese embora insuficientes, vendo a “linha de água” cada vez mais distante. Assim, o U. Almeirim, que se projectava pudesse ser o principal beneficiado desta ronda, acaba por atrasar-se uma vez mais face ao comandante.

O outro clube do município, o Fazendense, não conseguiu melhor, empatando a dois golos na deslocação a Riachos, onde o Riachense visa o mesmo que os “Caixeiros”: ir amealhando pontos, de que tão carenciado está, mas, paralelamente, se vê em posição cada vez mais difícil. O grupo das Fazendas continua em boa posição na pauta classificativa (um excelente 2.º lugar), mas, agora, também com desvantagem alargada (sete pontos) em relação ao Mação.

Confirmações – Precisamente, os maçaenses, numa sempre difícil deslocação ao terreno da Moçarria, pareciam poder vacilar outra vez, com o Moçarriense a conservar o empate a um tento praticamente até final do encontro, acabando, contudo, por ceder, tendo o Mação chegado ao segundo golo, que lhe proporcionou um crucial triunfo, confirmando assim o favoritismo.

Por fim, o Cartaxo obteve aquela que é, apenas, a sua terceira vitória em casa, impondo-se por 2-0 ao Amiense, que, deste modo, volta a cair em posição nada confortável da classificação (11.º lugar), em função da evolução que se vai observando no Nacional, numa disputa que envolve também o At. Ouriense, Samora Correia e U. Abrantina, em busca de uma posição que garanta o afastar de aflições maiores, que possam vir a decorrer de despromoções ao Distrital.

II Divisão Distrital – A Norte, o guia, Tramagal, mantém-se seguro, ganhando ao Caxarias (1-0), destacando-se o triunfo do Rio Maior na Atalaia (também por 1-0), assim como a goleada do Pego (6-2, face ao At. Pernes), com os pegachos a recuperar, a seis pontos do 3.º lugar.

A Sul, a nota de principal realce vai para o U. Santarém, que conseguiu quebrar a invencibilidade do líder, Glória do Ribatejo (agora igualado pelo Marinhais), ganhando por 2-1, dando um passo crucial na aproximação ao 3.º lugar, só a um escasso ponto, beneficiando ainda de ter um jogo a menos (aproveitando, da melhor forma, o nulo no Vale da Pedra-Benavente).

Campeonato de Portugal – Enquanto o Fátima prossegue, paulatinamente, a sua recuperação, ganhando por 1-0 ao 1.º Dezembro, ascendendo ao 9.º posto, a surpresa da 20.ª jornada foi protagonizada pelo Alcanenense, que – depois de seis desaires sucessivos –, aproveitou a visita ao Sorraia, para triunfar por inesperada marca de 3-0, o que, no imediato, se traduz no “arrastar” do Coruchense (que até vinha numa sucessão de resultados positivos) também para a zona abaixo da “linha de água” (11.º lugar), pese embora em igualdade pontual com Sintrense e Pêro Pinheiro, trio de que o conjunto de Alcanena (13.º) regista agora dois pontos de desvantagem.

Antevisão – No escalão principal, as próximas duas rondas poderão revelar-se determinantes, destacando-se, no imediato, o Mação-Cartaxo, em que o comandante terá de manter o foco, para evitar ser surpreendido, enquanto o U. Tomar recebe o Moçarriense, assumindo o favoritismo. De interesse será também o Fazendense-Ferreira do Zêzere, tendo o U. Almeirim uma difícil saída, até Amiais de Baixo, para defrontar um intranquilo Amiense.

Na II Divisão, a Norte, realce para o embate entre o duo que reparte o 2.º lugar, Rio Maior-Aldeiense, com Caxarias-U. Atalaiense na expectativa de poder tirar dividendos desta ronda. A Sul, para além do “derby” Glória do Ribatejo-Salvaterrense, as atenções estarão também orientadas para o Benavente-Marinhais, partida em que se cruzam os 3.º e 2.º classificados.

No Nacional, Coruchense e Alcanenense terão também confrontos da maior relevância para a definição do seu futuro próximo: o conjunto do Sorraia desloca-se a Pêro Pinheiro, cabendo à equipa de Alcanena receber o Sintrense, precisamente o último posicionado acima da “linha de água”. O Fátima viaja até V. F. Xira, onde terá, no actual 2.º classificado, bem difícil obstáculo.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 15 de Fevereiro de 2018)