Série A

Coruchense “B” – Porto Alto – 1-3 (16.10.2021)
U. Santarém “B” – Benfica Ribatejo – 12-1
Paço dos Negros – Forense – 0-6
Marinhais – Águias Alpiarça – 1-2
Folga: Rebocho

1º U. Santarém “B”, Forense, Porto Alto e Águias Alpiarça, 3; 5º Rebocho, 0; 6º Marinhais, Coruchense “B”, Paço dos Negros e Benfica Ribatejo, 0

Série B

Entroncamento AC – U. Tomar “B” – 2-0
Vasco da Gama – Goleganense – 2-0
U. Atalaiense – Vilarense – 3-0
Caxarias – Riachense – (Adiado)
Folga: Fátima

1º U. Atalaiense, Entroncamento AC e Vasco da Gama, 3; 4º Caxarias, Fátima e Riachense, 0; 7º Goleganense, U. Tomar “B” e Vilarense, 0

Série C

Ortiga – Pego – 2-2
At. Pernes – Tramagal – 0-2
Alferrarede – Moçarriense – 0-3
Espinheirense – Aldeiense – 3-1
Folga: Abrantes e Benfica “S23”

1º Moçarriense, Espinheirense e Tramagal, 3; 4º Ortiga e Pego, 1; 6º Abrantes e Benfica “S23”, 0; 7º Aldeiense, At. Pernes e Alferrarede, 0

Abrantes e Benfica – Amiense – 0-0
Cartaxo – Benavente – 0-0
U. Almeirim – Glória Ribatejo – 3-2
Salvaterrense – Mação – 4-4
Torres Novas – Samora Correia – 2-2
U. Tomar – Fazendense – 3-0
At. Ouriense – Alcanenense – 2-0
Ferreira Zêzere – Rio Maior SC – 0-2

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º U. Tomar            5     4     -     1    11 -  6    12
 2º Rio Maior SC        5     3     2     -     9 -  2    11
 3º At. Ouriense        5     3     1     1    11 -  5    10
 4º Salvaterrense       5     2     3     -    11 -  8     9
 5º Abrantes e Benfica  5     2     2     1     7 -  3     8
 6º Benavente           5     2     2     1     7 -  6     8
 7º Cartaxo             5     2     2     1     3 -  2     8
 8º Fazendense          5     2     1     2    12 -  9     7
 9º Samora Correia      5     2     1     2     6 -  8     7
10º U. Almeirim         5     2     1     2     6 -  8     7
11º Mação               5     1     3     1    10 - 10     6
12º Amiense             5     1     3     1     3 -  4     6
13º Torres Novas        5     1     1     3    10 -  9     4
14º Alcanenense         5     1     1     3     3 -  7     4
15º Ferreira Zêzere     5     -     1     4     1 - 12     1
16º Glória Ribatejo     5     -     -     5     5 - 16     -

Melhores marcadores (actualizado até à 4.ª jornada):

1º Miguel Miguel (Torres Novas) – 6
2º António Pereira (Salvaterrense) – 5
3º Lorran Jesus (Fazendense); e João Marchão (Abrantes e Benfica) – 4

Na 5.ª ronda do Distrital da I Divisão o desafio de maior cartaz é o U. Tomar-Fazendense, que eram os dois primeiros classificados há duas semanas, mas que tiveram algo inesperados desaires no passado Domingo, respectivamente em Samora Correia e ante o At. Ouriense, no caso da turma das Fazendas de Almeirim no seu próprio reduto. Ainda assim, os tomarenses mantiveram a liderança isolada, mas não poderão voltar a sofrer novo deslize sob pena de perderem essa posição.

Trata-se de dois dos clubes com maior número de presenças nesta prova nos últimos anos: o União, pela 16.ª época consecutiva (só o Amiense iguala este registo); o Fazendense com 15 participações (o mesmo número que o Mação).

Defrontaram-se, na última década, precisamente por dez vezes, com balanço bem repartido: três triunfos para cada lado e quatro empates. O U. Tomar goleou por 5-0 em Janeiro de 2018, mas foi derrotado no encontro seguinte, em Fevereiro de 2019; no mais recente embate, em Setembro desse mesmo ano de 2019, os nabantinos ganharam por tangencial 1-0. Estamos, pois, perante um jogo de tripla, de prognóstico absolutamente incerto.

Outro confronto de interesse será o Abrantes e Benfica-Amiense, que se defrontam pelo terceiro ano sucessivo, tendo-se registado uma vitória à tangente (1-0) dos abrantinos em 2019-20 e um nulo na última temporada. Esta tarde a equipa da casa, integrando um quinteto que reparte o 4.º lugar, será teoricamente favorita, ponderando o peso do factor casa.

Dois dos candidatos terão saídas difíceis. Aparentemente, mais a do Mação, que se desloca ao terreno de um supreendente Salvaterrense, que partilha a 2.ª posição exactamente com o Rio Maior, sendo, aliás, as duas únicas formações ainda invictas.

A última vez que os grupos de Salvaterra e de Mação se cruzaram da divisão principal foi já em Outubro de 2005, então com vitória do conjunto da casa mercê de um solitário golo. Dado o tempo entretanto decorrido, este resultado não permite aferir o estado de favoritismo de uma ou outra equipa, antevendo-se, pelo desempenho que vêm realizando nesta época, um desafio equilibrado, possivelmente com tendência para a repartição de pontos.

O outro grupo ainda invicto, Rio Maior, visita Ferreira do Zêzere. Os riomaiorenses ganharam as duas partidas até agora disputadas fora de portas, enquanto os ferreirenses, depois de uma entrada em falso na ronda inaugural (goleados de forma retumbante pelo Fazendense), empataram a zero com o Alcanenense.

Os dois emblemas encontraram-se nas duas últimas épocas, com triunfo do Ferreira do Zêzere em Novembro de 2019; porém, mais recentemente, já em Junho deste ano, o Rio Maior goleou em Ferreira por 4-0. Hoje, antecipando-se um desfecho menos desequilibrado, os forasteiros apresentam-se com maior grau de favoritismo.

O algo desconcertante At. Ouriense (uma vitória e uma derrota em Ourém; mas um triunfo e um empate nas duas saídas que teve até agora, de que ressalta a sensacional vitória nas Fazendas de Almeirim no passado Domingo) recebe o Alcanenense, podendo estrear-se a vencer este adversário.

De facto, nas três vezes que se cruzaram na última década, começaram por registar-se dois triunfos do conjunto de Alcanena, em 2011 e em 2012, tendo-se verificado uma igualdade no último confronto, em 2019. Esta tarde projecta-se que o desfecho poderá ser distinto, a favor dos donos da casa.

Também a dar boa conta de si neste regresso ao principal escalão, o Benavente viaja até ao Cartaxo, para defrontar outro candidato aos lugares cimeiros.

Nas três ocasiões em que se encontraram, registaram-se já os três desfechos possíveis: empate em 2013; vitória dos cartaxeiros em 2014 e surpreendente triunfo dos homens de Benavente em 2017. Seria grande a surpresa se esse resultado se viesse a repetir esta tarde.

O U. Almeirim, que vem caindo na tabela, ocupando presentemente o 13.º posto, muito aquém do desempenho do clube na sua última passagem no Distrital, quando dominou claramente o campeonato, recebe o “lanterna vermelha”, Glória do Ribatejo, que acumula cinco derrotas nos cinco encontros que até agora disputou, depois da que foi a melhor temporada da sua história, culminada com a conquista da Taça do Ribatejo.

Os dois clubes defrontaram-se uma única vez, há precisamente três anos, então com os almeirinenses a imporem uma goleada por 4-0. Os visitados são novamente favoritos a somar os três pontos, mas os homens da Glória têm de começar a “fazer pela vida”…

Outro emblema histórico, o Torres Novas, que, em anos mais recentes, tem denotado algumas dificuldades no contexto da competitividade da divisão maior, lutando pelo assegurar da manutenção, recebe o Samora Correia, motivado pela vitória averbada no Domingo ante o líder.

Torrejanos e samorenses encontraram-se já em cinco ocasiões, com predomínio da turma da casa, que ganhou por três vezes, face a uma única vitória dos visitantes, já em 2016, tendo-se registado uma igualdade a zero no último embate, há pouco mais de um ano.

Pela “embalagem” que os samorenses levam – depois de um mau arranque, vêm de vitórias em Ourém e frente ao U. Tomar – não surpreenderá se voltarem a casa com mais um resultado positivo.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 17.10.2021)

(“O Templário”, 14.10.2021)

Pela “amostra” (as quatro jornadas iniciais entretanto decorridas) este poderá vir a ser o campeonato mais disputado dos últimos (largos) anos – por agora, com os oito primeiros classificados separados por apenas dois pontos –, uma competição muito aberta, na qual se pode desde já projectar que todos os concorrentes irão perder bastantes pontos.

Efectivamente, dos três primeiros classificados no final da semana anterior, só o Cartaxo conseguiu pontuar, não tendo, aliás, ido além do nulo em Amiais de Baixo. O que, em paralelo, significa que o União de Tomar perdeu a invencibilidade, tendo vista interrompida em Samora Correia a sua trajectória triunfal… mantendo, não obstante, a liderança isolada!

Destaques – Numa ronda repleta de desafios a suscitar forte interesse, dada a imprevisibilidade dos respectivos desfechos, tivemos várias “surpresas”, com duas equipas em especial evidência.

Desde logo, o Samora Correia, que recebeu e bateu o líder, por claro 3-1. Num embate cujo histórico apontava já para uma notória supremacia dos donos da casa, estes confirmaram tal tendência, somando o quinto triunfo em seis confrontos disputados face aos unionistas na última década. Por curiosidade, num total de 27 jogos entre os dois clubes para o campeonato (nos dois campos), regista-se agora um absoluto equilíbrio, com onze vitórias para cada lado e, inclusivamente, uma igualdade no “score” agregado de golos marcados e sofridos (40-40).

E o União até entrou praticamente a ganhar, outra vez com Tiago Vieira, muito oportuno, a materializar em golo – logo de início – uma fase que seria de maior ascendente dos tomarenses, durante largo período do primeiro tempo. Porém, embora em vantagem e assumindo maior iniciativa, a verdade é que o jogo esteve sempre bastante dividido, muito “nervoso”, devido à atitude inconformada e irrequieta dos samorenses.

Se a primeira parte abrira com o golo dos visitantes, a segunda metade começou com o tento do empate por parte dos homens da casa, a aproveitar um lance infeliz do guardião contrário. Os locais reforçaram o ânimo e a crença de que poderiam obter resultado favorável; ao invés, os unionistas atravessaram período de natural oscilação. Não demoraria muito tempo até que a contenda acabasse por ficar “resolvida”: primeiro, por via de uma grande penalidade, a sancionar entrada mais impetuosa; e, logo de seguida, o terceiro golo, numa rápida transição.

Até final (faltando jogar cerca de 25 minutos), o União procuraria ainda a possibilidade de vir a retirar algo de positivo do encontro, mas o melhor lance que conseguiu criar, já em período de compensação, na conversão de um livre, seria travado por uma soberba defesa do guarda-redes; pagando bem caro as falhas cometidas, regressava a casa com o primeiro desaire na prova.

A propósito do desfecho da partida, ainda outra curiosidade: em cerca de oito centenas de jogos até hoje disputados pelo U. Tomar na I Divisão Distrital esta foi apenas a 27.ª vez (pouco mais de 3% do total) que os nabantinos perderam por 1-3 (o que não sucedia desde Fevereiro de 2018), sendo que, nas quatro últimas ocasiões em que se verificou tal desfecho, desde Dezembro de 2016, duas delas ocorreram frente ao U. Almeirim e, outras duas, perante o Samora Correia.

Ainda assim, os tomarenses mantêm-se no comando, uma vez que o seu, até então, mais directo perseguidor, o Fazendense, jogando mais tarde (às 18 horas – portanto já conhecedor dos resultados), seria surpreendido por um desconcertante At. Ouriense (que vinha de uma derrota caseira, ante o… Samora Correia) – a outra equipa em maior evidência nesta ronda –, o qual se impôs, sem apelo nem agravo, por 4-2, em pleno reduto adversário, nas Fazendas de Almeirim.

Destaque ainda para nova afirmação de força por parte do Rio Maior, indo vencer a Alcanena por 2-1, assim como, por outro lado, deve realçar-se também o triunfo obtido pelo Benavente ante o U. Almeirim (3-2), com o conjunto almeirinense (recém-despromovido do Nacional) a cair até ao 13.º posto da tabela.

No “derby” do município de Salvaterra de Magos, o Salvaterrense levou a melhor, ganhando por 2-1. A par do Rio Maior, os salvaterrenses são já os únicos dois grupos ainda invictos, partilhando a 2.ª posição, um ponto apenas abaixo do União de Tomar. Ao invés, a turma da Glória do Ribatejo somou a quarta derrota em outros tantos desafios, mantendo a indesejada “lanterna vermelha”.

Confirmações – Nos outros três jogos confirmaram-se as expectativas: a repartição de pontos (0-0) no Amiense-Cartaxo; e as vitórias, por números porventura escassos (2-0 em ambos os casos), de Abrantes e Benfica e do Mação, respectivamente sobre o Ferreira do Zêzere e o Torres Novas, para já penúltimo e antepenúltimo da pauta classificativa, ambos a começarem já a denotar dificuldades na árdua disputa que terão pela frente, pela manutenção.

Taça do Ribatejo – Terminou já a fase de grupos, na qual participaram 23 clubes do escalão secundário, tendo-se qualificado 10 para a fase seguinte – com base em fórmula de apuramento algo complexa (os seis vencedores de série e os quatro melhores de entre os 2.º classificados, desconsiderando, para esse cômputo, os resultados dos jogos em que defrontaram o 4.º classificado, no caso das cinco séries compostas por quatro clubes): Porto Alto, Marinhais, Entroncamento AC, Espinheirense, Fátima, Forense, U. Atalaiense, Moçarriense e as “novidades”, do Paço dos Negros e Vasco da Gama.

Da terceira e última ronda desta fase preliminar, destacam-se várias goleadas, a suscitar alguma interrogação sobre a competitividade do campeonato da II Divisão Distrital, que se seguirá: 9-0 no Fátima-Ortiga; 8-0 no Entroncamento-Pego; um deveras surpreendente 0-6 no Riachense-Espinheirense; 6-1 no Águias Alpiarça-Caxarias; e 4-0 no Vasco da Gama-Benfica do Ribatejo.

Antevisão – A 5.ª jornada do Distrital da I Divisão tem como “prato forte” o U. Tomar-Fazendense, um “choque de titãs”, para além do Abrantes e Benfica-Amiense e do Salvaterrense-Mação. O Rio Maior visita Ferreira do Zêzere, perfilando-se como favorito a somar os três pontos.

No arranque da divisão secundária, parecem mais apelativos os seguintes embates: Marinhais-Águias de Alpiarça; Entroncamento AC-U. Tomar “B”; e Alferrarede-Moçarriense.

A Liga 3 e o Campeonato de Portugal mantêm-se em pausa, para disputa da eliminatória relativa aos 1/32 de avos de final da Taça de Portugal – já sem representantes do Distrito –, com a curiosidade de um reencontro entre Belenenses e Sporting, pouco mais de três anos depois de os “azuis” do Restelo terem optado por começar a reconstituir direitos desportivos a partir do escalão mais baixo do futebol em Portugal (III Divisão Distrital de Lisboa – equivalente ao 7.º nível).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 14 de Outubro de 2021)

Oliveira Hospital (L3) – V. Guimarães (I) – 0-1
Felgueiras (L3) – Estoril (I) – 0-1
Rio Ave (L2) – Boavista (I) –
Belenenses (CP) – Sporting (I) – 0-4
Varzim (L2) – Marítimo (I) – 1-1 (2-2 a.p.) (3-2 g.p.)
Oriental Dragon (L3) – Moreirense (I) – 2-2 (2-3 a.p.)
Condeixa (CP) – Gil Vicente (I) – 0-5
Sintrense (CP) – FC Porto (I) – 0-5
Águias Moradal (D) – Paços Ferreira (I) – 0-3
Oliveirense (L3) – Portimonense (I) –
V. Setúbal (L3) – Vizela (I) – 0-2
Académica (L2) – Famalicão (I) – 0-4
Berço (CP) – B SAD (I) – 1-1 (1-2 a.p.)
Camacha (CP) – Tondela (I) – 1-2
Leça (CP) – Arouca (I) –
U. Leiria (L3) – Santa Clara (I) – 0-2
Moitense (D) – Sp. Braga (I) – 0-5
Trofense (L2) – Benfica (I) – 1-1 (1-2 a.p.)
Benfica Castelo Branco (CP) – Penafiel (L2) – 1-2
Feirense (L2) – Nacional (L2) –
Leixões (L2) – Vilaverdense (CP) – 5-1
Sp. Espinho (CP) – Caldas (L3) – 0-0 (0-1 a.p.)
Vilafranquense (L2) – Real (L3) – 1-1 (3-2 a.p.)
Cinfães (D) – Farense (L2) – 0-4
Valadares (CP) – Casa Pia (L2) – 1-3
Alverca (L3) – Anadia (L3) – 4-1
Mafra (L2) – União 1919 (CP) – 3-0
Castro Daire (CP) – Olhanense (CP) –
Serpa (CP) – Sp. Covilhã (L2) –
Paredes (CP) – Ac. Viseu (L2) – 3-1
Torreense (L3) – Fafe (L3) –
Louletano (CP) – C. F. Estrela Amadora (L2) – 1-2

Fazendense – U. Almeirim – 1-3
Vasco da Gama – Fátima – 2-2
Salvaterrense – Abrantes e Benfica – 4-1
U. Tomar – Moçarriense – 6-1
Folga: Porto Alto
Samora Correia – Vilarense – 5-1

1º U. Tomar e Salvaterrense, 6; 3º Fátima, Samora Correia, U. Almeirim e Vasco da Gama, 4; 7º Porto Alto e Vilarense, 0; 9º Abrantes e Benfica, Fazendense e Moçarriense, 0

SAMORA CORREIA – André Encarnação, Pedro Costa, Rafael Lemos, João Pernes, Manuel Santos, Pedro Fonseca (c.), Gerson Ventura (62m – Alfredo Costa), Idrissa Camará, Frederico Fernandes “Fred” (82m – Pedro Nortista), Bruno Santos (62m – Ruben Ladislau “Lau”) e David Ribeiro

U. TOMAR – Ivo Cristo, David Vieira, Fábio Vieira (81m – Luís Caetano “Espadinha”), Siaka Bamba (c.), Guilherme Graça (81m – Pedro Pires), Henrique Matos (69m – Luís Alves), Leandro Filipe, Fábio Luzio (45m – Diogo Ismail), Wemerson Silva (69m – Guilherme Nunes), Tiago Vieira e Anderson Nascimento

(suplentes – Francisco Esteves e Pedro Carvalho “Dudu”)

0-1 – Tiago Vieira – 2m
1-1 – João Pernes – 48m
2-1 – Frederico Fernandes “Fred” (pen.) – 70m
3-1 – Ruben Ladislau “Lau” – 72m

Cartões amarelos – Pedro Fonseca (17m), Ruben Ladislau “Lau” (73m) e Manuel Santos (75m); Guilherme Graça (10m), Fábio Vieira (39m), Henrique Matos (66m) e Pedro Pires (90m)

Árbitro – Rúben Pinheiro

Série 1

Marinhais – Porto Alto – 0-0
Goleganense – Tramagal – 1-3

1º Porto Alto e Marinhais, 7; 3º Tramagal, 3; 4º Goleganense, 0

Série 2

At. Pernes – Aldeiense – 2-2
Entroncamento AC – Pego – 8-0

1º Entroncamento AC, 9; 2º Aldeiense, 4; 3º Pego, 3, 4º At. Pernes, 1

Série 3

Águias Alpiarça – Caxarias – 6-1
Riachense – Espinheirense – 0-6

1º Espinheirense, 7; 2º Riachense, 6; 3º Águias Alpiarça, 4; 4º Caxarias, 0

Série 4

Vilarense – Paço dos Negros – 3-4
Fátima – Ortiga – 9-0

1º Fátima, 9; 2º Paço dos Negros, Vilarense e Ortiga, 3

Série 5

U. Atalaiense – Alferrarede – 3-0
Rebocho – Forense – 2-2

1º Forense, 7; 2º U. Atalaiense, 6; 3º Alferrarede, 3; 4º Rebocho, 1

Série 6

Vasco da Gama – Benfica Ribatejo – 4-0
Folga: Moçarriense

1º Moçarriense, 6; 2º Vasco da Gama, 3; 3º Benfica Ribatejo, 0

Garantiram o apuramento para a fase seguinte da prova os seis vencedores de série e os quatro melhores de entre os 2.º classificados: Porto Alto, Marinhais, Entroncamento AC, Espinheirense, Fátima, Paço dos Negros, Forense, U. Atalaiense, Moçarriense e Vasco da Gama.

Anota-se que, para efeitos de ordenamento dos 2.º classificados, foram desconsiderados os resultados dos jogos que disputaram com o 4.º classificado de cada uma das séries com quatro clubes. Em função de tal critério ficaram, pois, eliminados o Aldeiense e o Riachense (que registam pior diferença de golos face aos outros 2.º classificados em igualdade pontual, casos do Paço dos Negros, U. Atalaiense e Vasco da Gama).

Abrantes e Benfica – Ferreira Zêzere – 2-0 (09.10.2021)
Amiense – Cartaxo – 0-0
Benavente – U. Almeirim – 3-2
Glória Ribatejo – Salvaterrense – 1-2
Mação – Torres Novas – 2-0
Samora Correia – U. Tomar – 3-1
Fazendense – At. Ouriense – 2-4
Alcanenense – Rio Maior SC – 1-2

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º U. Tomar            4     3     -     1     8 -  6     9
 2º Rio Maior SC        4     2     2     -     7 -  2     8
 3º Salvaterrense       4     2     2     -     7 -  4     8
 4º Fazendense          4     2     1     1    12 -  6     7
 5º At. Ouriense        4     2     1     1     9 -  5     7
 6º Abrantes e Benfica  4     2     1     1     7 -  3     7
 7º Benavente           4     2     1     1     7 -  6     7
 8º Cartaxo             4     2     1     1     3 -  2     7
 9º Samora Correia      4     2     -     2     4 -  6     6
10º Mação               4     1     2     1     6 -  6     5
11º Amiense             4     1     2     1     3 -  4     5
12º Alcanenense         4     1     1     2     3 -  5     4
13º U. Almeirim         4     1     1     2     3 -  6     4
14º Torres Novas        4     1     -     3     8 -  7     3
15º Ferreira Zêzere     4     -     1     3     1 - 10     1
16º Glória Ribatejo     4     -     -     4     3 - 13     -

Melhores marcadores:

1º Miguel Miguel (Torres Novas) – 6
2º António Pereira (Salvaterrense) – 5
3º Lorran Jesus (Fazendense); e João Marchão (Abrantes e Benfica) – 4

Teremos, nos sete jogos que hoje se disputam, a contar para a 4.ª jornada da I Divisão Distrital, uma tarde/noite repleta de embates de grande interesse, com nada menos de seis desafios a chamar, em especial, a atenção, dada a incerteza que se pode projectar quanto aos respectivos desfechos.

Desde logo, a deslocação do líder isolado – único com vitórias em todos os encontros realizados -, União de Tomar, ao sempre difícil terreno do Samora Correia. Mas, também, o Amiense-Cartaxo (duas equipas que terminaram empatadas em pontos, no 4.º e 5.º lugar, na última temporada); o Fazendense-At. Ouriense; o Benavente-U. Almeirim; o Alcanenense-Rio Maior; isto para além do “derby” Glória do Ribatejo-Salvaterrense.

Pode antever-se que, em qualquer dos casos, os visitantes não deixarão de enfrentar dificuldades, perspectivando-se, ainda assim, que o Fazendense possa ser o visitado com maior grau de favoritismo.

Começando então pelo Samora Correia-U. Tomar, os dois clubes defrontaram-se por cinco vezes em anos recentes, e o balanço é claramente desequilibrado a favor dos samorenses, que ganharam em quatro ocasiões, das quais nos três últimos confrontos. De facto, os tomarenses conseguiram apenas uma vitória, já em Dezembro de 2017, goleando então por categórico 5-0. Um “placard” a que os homens da casa ripostaram com o 4-0 aplicado na 2.ª ronda da época passada.

Isto dito, e apesar de o Samora Correia ter entrado mal neste campeonato, com duas derrotas, vem de um moralizador triunfo em Ourém. Será, pois, um desafio de alto risco para os unionistas, se pretendem manter a sua senda vitoriosa.

O mais directo perseguidor, Fazendense, recebe precisamente o At. Ouriense, para a reedição de um embate já por sete vezes repetido na última década, com vincada superioridade da turma das Fazendas de Almeirim, que triunfou em cinco desses jogos. Porém, nos dois encontros mais recentes entre ambos os clubes, em 2017 e em 2018, registaram-se duas igualdades.

O grupo da casa apresenta-se com teórico maior favoritismo para somar os três pontos, não obstante os oureenses até tenham começado bem neste seu regresso ao principal escalão (em particular com o empate averbado em Mação), tendo, contudo, sido surpreendidos na semana passada pelos samorenses.

O Cartaxo, que tivera arranque algo oscilante, subiu, entretanto, já ao 3.º posto da tabela, tendo, esta tarde, um sério desafio às suas capacidades, na deslocação a Amiais de Baixo. Amiense e Cartaxo encontraram-se em oito ocasiões nos últimos anos, com balanço repartido: três vitórias dos donos da casa, três empates e dois triunfos dos cartaxeiros. No jogo de hoje, os visitantes poderão ter algum favoritismo, mas o factor casa poderá ter influência no desfecho da partida.

Bastante reforçado este ano, o Rio Maior visita Alcanena, para um confronto ainda sem histórico, frente ao Alcanenense. Também neste caso os forasteiros terão, à partida, maior potencial, ficando para confirmar se poderão repetir o triunfo fora de portas, depois da goleada (4-0) aplicada em Samora Correia.

O Salvaterrense, que tem vindo a surpreender neste seu regresso à I Divisão, terá curta viagem até à Glória do Ribatejo, para a reedição de um “derby” municipal que não se disputava já, no escalão principal, desde a temporada de 1996-97, então com uma igualdade a duas bolas.

O conjunto da Glória tem tido um início de época irreconhecível, acumulando já quatro desaires, tendo sofrido nada menos de 15 golos (incluindo o jogo para a Taça de Portugal). Mas “derby” é “derby” e, esta tarde, pouco importará o que está para trás; um jogo de tripla, portanto.

O U. Almeirim, de que não foi ainda possível aquilatar sobre as efectivas pretensões neste campeonato – segue, para já, com uma vitória, um empate e uma derrota –, visita Benavente, equipa precisamente com comportamento idêntico até agora.

Na única ocasião em que, nos últimos anos, se cruzaram, em 2017, os almeirinenses triunfaram por 2-0, podendo até repetir a vitória hoje, mas a repartição de pontos também não surpreenderá.

O encontro que, “a priori”, se antevê menos equilibrado é o que coloca frente-a-frente dois históricos do futebol distrital, com o Mação a receber o Torres Novas.

Estes dois emblemas defrontaram-se nada menos de nove vezes nos últimos dez anos, tendo os resultados oferecido muito curiosa trajectória: primeiro, com os torrejanos a saírem vencedores em cinco ocasiões, nos seis jogos disputados entre 2012 e 2016 (isto, face a um único triunfo dos maçaenses, em 2015); mais recentemente, três vitórias dos donos da casa, nas três últimas partidas, entre 2018 e 2021 – sendo que, na última delas, em Maio deste ano, os maçaenses golearam então por 5-0!

Portanto, depois de um alargado período de domínio dos visitantes, o Mação tem-se superiorizado nos anos recentes, o que, atendendo ao diferencial de potencial entre os dois plantéis, se perspectiva possa suceder também esta tarde – mesmo que se tenha de levar em consideração que os maçaenses ainda não se estrearam a ganhar neste campeonato, vindo de uma derrota em Tomar, enquanto o Torres Novas chega e este jogo altamente moralizado pela goleada (6-1) aplicada ao Glória do Ribatejo na passada semana.

O restante desafio que compõe o alinhamento desta ronda, entre Abrantes e Benfica e Ferreira do Zêzere, foi já ontem disputado, com triunfo dos abrantinos por 2-0.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 10.10.2021)

(“O Templário”, 07.10.2021)

Estão disputadas apenas as três rondas iniciais (de um total calendarizado de 30) do Distrital da I Divisão, mas – tendo sido o único clube a triunfar em todos os seus três desafios – o União de Tomar isolou-se já no comando do campeonato, o que não sucedia desde 1 de Fevereiro de 2015, na 17.ª jornada da época de 2014-15 (por curiosidade, tendo a liderança sido então perdida, no jogo seguinte, em função de um empate caseiro ante o Mação).

Destaques – Ora, foi precisamente frente à turma de Mação que os tomarenses venceram no passado Domingo, por 3-1. E até começaram mal, sofrendo o primeiro golo, na sequência de um lance de “bola parada”, apenas com dez minutos jogados; não obstante, com pronta resposta, restabeleceriam a igualdade logo dois minutos volvidos, por intermédio de Tiago Vieira. O segundo tento seria da autoria do seu irmão, Fábio Vieira, ainda antes do intervalo, a colocar os unionistas em merecida vantagem, face à superioridade até então demonstrada.

Na segunda metade, o União optou por, de alguma forma, conceder a iniciativa ao adversário, mantendo a segurança defensiva, estratégia que frutificaria, mesmo no final, com o terceiro golo, a confirmar o triunfo, apontado por Pedro Pires – anote-se o regresso aos golos de três jogadores que há bastante tempo se encontravam em “jejum”: Tiago Vieira desde Junho (na última ronda do campeonato anterior); Fábio Vieira (tendo, entretanto, feito uma interrupção na actividade) e Pedro Pires (também com prolongada paragem, por lesão), ambos desde Janeiro de 2020.

Mesmo tratando-se ainda de uma fase muito prematura da prova, é de assinalar que a generalidade dos clubes perdeu já bastantes pontos, apenas em três encontros disputados, o que faz transparecer uma competição muito disputada, com grande nivelamento: de entre os candidatos aos lugares cimeiros, por exemplo, o Mação leva já sete pontos de atraso; Abrantes e Benfica, At. Ouriense, Amiense e U. Almeirim perderam cinco pontos cada um; o Rio Maior, quatro; e o Cartaxo, três.

Em destaque esteve também, justamente, o Cartaxo, que recebeu e bateu o Abrantes e Benfica por 2-1. Depois de um passo em falso na estreia, em Almeirim, e de um triunfo “arrancado a ferros” ante o Ferreira do Zêzere, a verdade é que os cartaxeiros, ocupam já o 3.º posto, apenas atrás de U. Tomar e Fazendense.

Realce ainda para mais uma goleada (6-1), obtida pelo Torres Novas (que somou os seus primeiros pontos no campeonato), frente ao Glória do Ribatejo, a registar um muito mau arranque de temporada, contando por desaires os três jogos disputados, acumulando já 11 golos sofridos.

Surpresas – A maior surpresa da jornada ocorreu em Ourém, com a formação local a ser derrotada (0-1) pelo Samora Correia, equipa que perdera nas duas primeiras rondas.

Depois dos bons sinais evidenciados nesta fase inicial, não seria talvez esperada a perda de pontos do Salvaterrense, em casa, ante o Benavente, com o desfecho a saldar-se por uma igualdade a um.

Confirmações – Nos restantes três encontros não houve golos, portanto com outros tantos empates, no Rio Maior-Fazendense, U. Almeirim-Amiense, e no Ferreira do Zêzere-Alcanenense.

No primeiro caso tal significou a perda dos primeiros pontos do até então líder, Fazendense, num resultado de alguma forma expectável, perante o equilíbrio de forças que se antecipava entre duas das equipas de maior potencial neste campeonato, atendendo também ao peso do factor casa.

No que respeita ao confronto entre U. Almeirim e Amiense, o grupo de Amiais de Baixo rectificou, de certo modo, o deslize da semana anterior, em que havia sido derrotado, no seu reduto, pelo Salvaterrense, perante uma equipa a “lamber as feridas” do 0-3 sofrido em Abrantes.

Por fim, em Ferreira do Zêzere, o conjunto local vai procurando dar passos mais seguros, tendo averbado o primeiro ponto, face ao Alcanenense, adversário que, depois de se ter estreado no campeonato com uma vitória, até tinha dado boa conta de si nas Fazendas de Almeirim.

Taça do Ribatejo – Na segunda ronda da fase de grupos estiveram em especial evidência o Entroncamento AC (goleada de 4-0 no terreno do Aldeiense) e o Pego (goleando também, por 6-2, em Pernes), para além do Fátima (vencedor, por 4-2, fora de casa, face ao Paço dos Negros).

Num total de 23 concorrentes são sete os emblemas que somaram triunfos nas duas partidas até agora realizadas, os quais estarão virtualmente já apurados para a fase a eliminar da competição: Porto Alto, Marinhais, Entroncamento AC, Riachense, Fátima, Forense e Moçarriense.

Liga 3 – Afinal o U. Santarém teve folga “forçada”, em função do imprevisto adiamento do encontro ante o histórico V. Setúbal, devido ao falecimento da esposa do capitão da equipa sadina.

Campeonato de Portugal – O Coruchense averbou um empate a zero, na deslocação aos Açores, frente ao Operário Lagoa (actual 3.º classificado). Após a 3.ª jornada, o conjunto do Sorraia, somando quatro pontos, partilha o 4.º lugar com o Sacavenense e O Elvas, numa série em que surpreende pela negativa a posição (no grupo dos 7.º classificados) do Belenenses, que somou o segundo desaire em outros tantos jogos fora de casa, desta feita no reduto do líder, Pêro Pinheiro.

Antevisão – A 4.ª ronda do Distrital da I Divisão integra um lote de vários embates de grande interesse, desde logo com a deslocação do U. Tomar ao sempre difícil terreno do Samora Correia; mas, também, o Amiense-Cartaxo (equipas que terminaram empatadas em pontos, no 4.º e 5.º lugar, na última temporada), o Fazendense-At.Ouriense, o Benavente-U. Almeirim, o Alcanenense-Rio Maior, isto para além do “derby” Glória do Ribatejo-Salvaterrense.

Pode antever-se que, em qualquer dos casos, os visitantes não deixarão de enfrentar dificuldades, projectando-se, ainda assim, que o Fazendense possa ser o visitado com maior grau de favoritismo.

Na 3.ª e última jornada da fase de grupos da Taça do Ribatejo, por coincidência, defrontam-se os dois primeiros classificados de cada uma das séries 1 (Marinhais-Porto Alto), 2 (Entroncamento AC-Pego), 3 (Riachense-Espinheirense) e 4 (Fátima-Ortiga), tendo também o U. Atalaiense-Alferrarede (série 5) cariz determinante para o escalonamento das equipas.

Entretanto, quer a Liga 3, quer o Campeonato de Portugal terão agora duas semanas de interregno, pelo que apenas serão retomadas estas competições no fim-de-semana de 23 e 24 de Outubro.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 7 de Outubro de 2021)

Fátima – Fazendense – 5-0
Vasco da Gama – Abrantes e Benfica – 4-3
Moçarriense – Salvaterrense – 0-4
Porto Alto – U. Tomar – 1-3
Vilarense – At. Ouriense – (Anulado – Desistência do At. Ouriense)
U. Almeirim – Samora Correia – 4-4

1º Fátima, Salvaterrense, U. Tomar e Vasco da Gama, 3; 5º Samora Correia e U. Almeirim, 1; 7º Vilarense, 0; 8º Abrantes e Benfica, Porto Alto, Moçarriense e Fazendense, 0


(Foto enviada por Helder Soares)

U. TOMAR – Ivo Cristo, David Vieira (c.), Fábio Vieira, Luís Caetano “Espadinha” (76m – Filipe Cotovio), Douglas Pissona (51m – Diogo Ismail (89m – Ricardo Évora)), Henrique Matos, Leandro Filipe, Fábio Luzio, Wemerson Silva (89m – Siaka Bamba), Tiago Vieira e Chrystian Pedroso (76m – Pedro Pires)

(suplentes – Francisco Esteves e Guilherme Nunes)

MAÇÃO – Francisco “Chico” Sousa, Simão Moreno, Tiago Pereira, “Saúl” Belarmino Rosa, Bruno Araújo, Luís Esteves (c.) (86m – Filipe Silva), Bruno Lemos, José Alvarez Córdoba (73m – Miguel Luz), João António, João Freitas (45m – Leider Hurtado) e Hélio Ocante

0-1 – Saúl Rosa – 11m
1-1 – Tiago Vieira – 13m
2-1 – Fábio Vieira – 38m
3-1 – Pedro Pires – 90m

Cartões amarelos – Fábio Vieira (67m), Henrique Matos (70m) e Pedro Pires (87m); Tiago Pereira (58m) e Leider Hurtado (73m)

Árbitro – Nélson Andrade

Série 1

Porto Alto – Goleganense – 3-0
Marinhais – Tramagal – 3-1

1º Porto Alto e Marinhais, 6; 3º Goleganense e Tramagal, 0

Série 2

Aldeiense – Entroncamento AC – 0-4
At. Pernes – Pego – 2-6

1º Entroncamento AC, 6; 2º Pego e Aldeiense, 3, 4º At. Pernes, 0

Série 3

Caxarias – Riachense – 0-2
Águias Alpiarça – Espinheirense – 1-1

1º Riachense, 6; 2º Espinheirense, 4; 3º Águias Alpiarça, 1; 4º Caxarias, 0

Série 4

Paço dos Negros – Fátima – 2-4
Vilarense – Ortiga – 2-1

1º Fátima, 6; 2º Ortiga e Vilarense, 3; 4º Paço dos Negros, 0

Série 5

Alferrarede – Rebocho – 2-1
U. Atalaiense – Forense – 0-1

1º Forense, 6; 2º U. Atalaiense e Alferrarede, 3; 4º Rebocho, 0

Série 6

Moçarriense – Vasco da Gama – 2-0
Folga: Benfica Ribatejo

1º Moçarriense, 6; 2º Benfica Ribatejo e Vasco da Gama, 0