Chuva de golos

(“O Templário”, 18.04.2019)

A antepenúltima ronda do Distrital da I Divisão foi a mais profícua de toda a competição na presente época, com um total de 31 golos (média de 4,4 golos/jogo!), fruto de quatro goleadas (em sete jogos disputados). A nível do duo da frente, nada de novo; na cauda da tabela, Torres Novas e Ferreira do Zêzere garantiram, matematicamente, a permanência no principal escalão, enquanto o Alcanenense deu boa “prova de vida”, agarrando-se ainda à esperança.

Destaques – O principal destaque da jornada vai, desta feita, para o At. Ouriense, que impôs uma retumbante goleada por 6-1 no reduto da Glória do Ribatejo (formação que tinha sido já “brindada”, no início da temporada, com um 6-0, pelo rival Marinhais, em desafio da Taça do Ribatejo, e, para o campeonato, com um 4-0, pelo Ferreira do Zêzere). O marcador é tão mais notável se atendermos ao facto que a turma da Glória vinha de um excelente triunfo em Fazendas de Almeirim, podendo ter consolidado a sua posição acima da “linha de água”. Ao invés, com a vitória averbada, o conjunto de Ourém ascendeu à 6.ª posição da tabela.

Precisamente pelos mesmos números (6-1), o líder, U. Santarém, superou, com mais facilidades do que seria expectável, o Marinhais, afinal, replicando as goleadas que obtivera na época transacta, então na divisão secundária (4-0 e 6-0). Dois jogos apenas (em Tomar, com o União, e em casa, ante o Torres Novas) separam agora os escalabitanos do que poderá ser a conquista do título de Campeão Distrital pelo segundo ano sucessivo, depois de, em 2018, se terem sagrado Campeões da II Divisão Distrital.

Também o U. Almeirim, ainda com a perspectiva de poder chegar ao 2.º lugar (recebe o Coruchense na derradeira ronda), mas, no mínimo, de garantir o 3.º posto (que – em função dos finalistas da Taça do Ribatejo – lhes dará acesso à Taça de Portugal), não se mostrou afectado pelo desaire sofrido em Tomar, goleando o Torres Novas (que mantém uma das defesas menos batidas da prova) por categórico 4-0.

Surpresa – A atravessar uma fase má (tendo sofrido terceira derrota sucessiva, o que lhe custou, para já, a baixa até ao 9.º lugar), o Fazendense faz parte, pela segunda semana seguida, do realce pela negativa. Depois do desaire caseiro, sofrido pelo grupo das Fazendas ante a Glória do Ribatejo, a (enorme) surpresa desta jornada foi protagonizada pelo Alcanenense, que, enfim, colocou termo a uma longuíssima “travessia do deserto”, sem vencer desde a ronda inaugural, há sete meses (22 jogos para o campeonato e três para a Taça do Ribatejo), goleando o Fazendense pelo absolutamente imprevisto marcador de 4-1, adiando a eventual despromoção.

Confirmações – O Coruchense, depois de, em duas semanas, ter visto escapar-se a liderança (com empates com o U. Tomar e Torres Novas) reagiu positivamente, vencendo o já conformado Cartaxo por 2-0. Ao grupo do Sorraia nada mais resta que tentar transpor os (muito) difíceis obstáculos que se lhe apresentam ainda (recepção ao Amiense e deslocação a Almeirim), na expectativa de um deslize do U. Santarém.

Em Samora Correia, os visitados repartiram os pontos com o Amiense, empatando a duas bolas, com o grupo de Amiais de Baixo a reforçar o 4.º lugar, mirando ainda a hipótese de poder chegar um degrau mais acima. Por seu lado, em Ferreira do Zêzere, num encontro de “final de estação”, o U. Tomar conseguiu, no derradeiro minuto, e a jogar em inferioridade numérica, arrancar o golo da igualdade (1-1), desfecho que, não obstante, foi o suficiente para os donos da casa garantirem o objectivo da manutenção.

II Divisão Distrital – Reforçou-se, na terceira ronda, a curiosa tendência, que se vem verificando nos jogos desta fase final, de resultados positivos para as equipas visitantes: em nove partidas, somente um triunfo dos visitados! Abrantes e Benfica, que segue com o pleno de três vitórias, impôs-se por 2-0 nos Riachos, o mesmo resultado registado pelo Rio Maior no reduto do Forense; na Moçarria, o empate (2-2) favorece mais o Pego, pese embora o Moçarriense seja, por agora, o vice-líder. Com a perspectiva de poderem subir de Divisão quatro clubes (caso o Fátima consiga manter-se no Nacional), os abrantinos dispõem já de um avanço de seis pontos (aliás, quer em relação ao 5.º, como face ao 4.º classificado).

Campeonato de Portugal – O Fátima, mesmo a jogar em inferioridade numérica desde o quarto de hora inicial, não desperdiçou a soberana ocasião de voltar aos triunfos, ao receber o “lanterna vermelha”, Mação, ganhando mercê de um solitário tento apontado, o bastante para ampliar para cinco pontos a margem de segurança em relação ao Sertanense (primeira equipa abaixo da “linha de água”), derrotado em casa pelo Nogueirense, quando restam agora disputar quatro jornadas.

Com calendários teoricamente de grau de dificuldade equivalente (inclusivamente, com três adversários comuns até final, embora alternando a condição de visitado/visitante), os fatimenses conseguiram, assim, um determinante “balão de oxigénio”, mas nada está ainda decidido…

Antevisão – A penúltima jornada da I Divisão decorrerá apenas após a quadra pascal, com os dois candidatos ao título a serem fortemente colocados à prova: o U. Santarém, visitando Tomar, com o União a pretender concluir da melhor forma o excelente ciclo de resultados averbados ante os (então) cinco clubes que aspiravam ainda ao lugar cimeiro da pauta classificativa; o Coruchense, recebendo a visita de um desinibido e sempre ambicioso Amiense.

Outro encontro de interesse será o que opõe o Cartaxo e U. Almeirim, dois dos clubes que mais apostaram nesta época, agora já afastados do objectivo máximo, mas ainda a pretender alcançar a melhor posição possível, em especial no caso dos almeirinenses, visando manter-se no pódio.

Na disputa pela manutenção, teremos como que uma final, num escaldante “derby” entre Marinhais e Glória do Ribatejo, com a curiosidade suplementar de os visitados terem de enfrentar, nas duas últimas jornadas, os seus dois opositores em tal contenda (encerram o campeonato em Alcanena). Quanto ao Alcanenense, só outra (pouco provável) vitória em Ourém lhes permitirá evitar, desde já, o consumar da despromoção.

Na II Divisão, o Riachense-Rio Maior poderá vir a revelar-se crucial nas contas finais da subida.

No Campeonato de Portugal, com a ronda 31 agendada para Sábado de Aleluia, o Fátima tem uma difícil saída até Castelo Branco, onde encontrará um conjunto “ferido” pela pesada derrota sofrida (0-3) com o vizinho e já despromovido Alcains; por seu lado, o Mação recebe a também próxima equipa da Sertã, sendo parte directamente interessada em poder contribuir para que não venha a descer, ao campeonato em que militará na próxima época, outro clube do Distrito.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 18 de Abril de 2019)

Anúncios
Competição Edições J V E D GM GS
I Divisão 6 172 43 33 96 178 331
II Divisão 16 429 181 99 149 626 547
III Divisão 19 529 191 131 207 653 686
“Liguilla” I/II Divisão 2 9 2 5 2 10 12
Taça de Portugal 36 94 43 11 40 155 143
I Distrital 31 757 345 155 257 1.223 985
II Distrital 15 156 73 27 56 302 265
“Liguillas” Distritais 2 4 1 3 2 15
Taça do Ribatejo 20 68 35 15 18 134 74
Supertaça Dr. Alves Vieira 2 4 1 3 4 9
Total 2.222 914 477 831 3.287 3.067

Jogos oficiais a contar para as competições indicadas: Campeonatos Nacionais da I Divisão, II Divisão e III Divisão, Taça de Portugal, Campeonatos Distritais da I Divisão e II Divisão, Taça do Ribatejo, Supertaça Dr. Alves Vieira, “liguilla” I/II Divisão e “liguillas” Distritais.

Faleceu hoje, com 89 anos de idade, João Salvador, um dos principais empresários tomarenses, que exerceu também o cargo de Presidente da mesa da Assembleia Geral do União de Tomar, de 1990 a 1993. Aqui expresso os meus pêsames à família.

FERREIRA DO ZÊZERE – Telmo Rodrigues, Nuno Lopes, Fábio Dias, Espadinha (45m – Pedro Mendes), Ricardo Simões, André Oliveira, Cláudio Rato (c.), Rafael Henriques (71m – Dani Proença), João Mendes (71m – Miguel Dias), Diogo Cartaxo e Caio Silva (90m – César Duarte)

U. TOMAR – Nuno Ribeiro, David Vieira, Bruno Monteiro, Filipe Cotovio (79m – Diogo Gaspar), Douglas Pissona (62m – Ricardo Natividade), Nuno Rodrigues (c.), Flávio Graça, Telmo Ferreira (62m – André Lopes), Pedro Pires (45m – Rui Pedro Lopes), João Pedro Nascimento e Handerson Lacerda

(suplentes – João Brito, Rafael Faustino e Daniel Bento)

1-0 – Ricardo Simões – 36m
1-1 – Nuno Rodrigues – 90m

Cartões amarelos – Caio Silva (60m), Marco Ferreira (85m) e Telmo Rodrigues (90m); Filipe Cotovio (5m), Flávio Graça (52m), Rui Pedro Lopes (61m) e Handerson Lacerda (90m)

Cartão vermelho – Flávio Graça (56m)

Árbitro – Rui Inácio

Forense – Rio Maior – 0-2
Moçarriense – Pego – 2-2
Riachense – Abrantes e Benfica – 0-2

1º Abrantes e Benfica, 9; 2º Moçarriense, 5; 3º Pego, 4; 4º Rio Maior e Riachense, 3; 6º Forense, 1

Coruchense – Cartaxo – 2-0
U. Almeirim – Torres Novas – 4-0
Ferreira do Zêzere – U. Tomar – 1-1
U. Santarém – Marinhais – 6-1
Glória do Ribatejo – At. Ouriense – 1-6
Alcanenense – Fazendense – 4-1
Samora Correia – Amiense – 2-2

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º U. Santarém        24    15     8     1    57 - 20    53
 2º Coruchense         24    15     7     2    52 - 27    52
 3º U. Almeirim        24    14     5     5    48 - 21    47
 4º Amiense            24    11    10     3    38 - 29    43
 5º Cartaxo            24    10    10     4    40 - 22    40
 6º At. Ouriense       24     9     7     8    32 - 33    34
 7º U. Tomar           24     8     8     8    32 - 29    32
 8º Samora Correia     24     8     6    10    32 - 35    30
 9º Fazendense         24     7     9     8    29 - 32    30
10º Torres Novas       24     4    10    10    15 - 26    22
11º Ferreira Zêzere    24     5     7    12    29 - 48    22
12º Glória Ribatejo    24     4     5    15    22 - 55    17
13º Marinhais          24     2     9    13    24 - 52    15
14º Alcanenense        24     2     7    15    22 - 43    13

Melhores marcadores:

1º Wemerson Silva (Cartaxo) – 16
2º Léo (U. Santarém) – 14
3º Moleiro (Amiense), Joel (Coruchense) e Filipe Pereira (U. Almeirim) – 11

Hertz

A faltar três jornadas para o termo do Campeonato Distrital da I Divisão, agora com o caminho para o título a estreitar-se decisivamente, em disputa entre apenas dois candidatos (o novo líder, U. Santarém, e a equipa que comandou durante praticamente toda a época, Coruchense), começa por destacar-se, precisamente, o desafio que oporá o grupo do Sorraia ao Cartaxo, em mais um sério teste aos homens de Coruche, que não poderão sofrer qualquer deslize.

O histórico recente é totalmente favorável aos donos da casa, que ganharam nas três ocasiões em que estes dois clubes se defrontaram. A questão, nesta altura, é que os cartaxeiros seguem numa já bem longa série de invencibilidade de 13 jornadas, não obstante venham de quatro empates sucessivos.

Já sem nada de significativo a ganhar ou perder, o Cartaxo pretenderá manter tal série invicta. Por seu lado, o Coruchense, pese embora denote estar em quebra há algumas semanas, e podendo acusar o impacto motivacional da perda da liderança, deverá ainda pensar que lhe poderá “bastar” ganhar os três (difíceis) jogos que tem a disputar para, eventualmente, conquistar ainda o ambicionado título, pelo que será mais provável o triunfo dos visitados.

Em teoria, de menor grau de dificuldade será o obstáculo a transpor pelo U. Santarém, recebendo o Marinhais, porém com este oponente também em acesa disputa pelos pontos que lhe permitam a “salvação” e bastante motivado pela sensacional reviravolta que conseguiu realizar na semana passada, obtendo aquela que foi, apenas, a sua segunda vitória em toda a competição.

Não havendo histórico recente de confrontos entre ambos no principal escalão, as últimas vezes que se defrontaram em Santarém, então a contar para a II Divisão, foi na época passada, por duas ocasiões, com duas goleadas para os escalabitanos: 4-0 na fase de apuramento de Campeão (em que o U. Santarém viria a conquistar o título, com o Marinhais a ser vice-campeão), depois de, na fase regular da prova, terem aplicado “chapa 6”. Hoje, possivelmente por números mais equilibrados, o U. Santarém volta a ser favorito.

Em Almeirim, o União local, que viu esfumarem-se em Tomar as suas últimas esperanças na conquista do título, recebe o Torres Novas, certamente disposto a lutar pelo melhor lugar possível na classificação, que até poderá ser ainda o 2.º…

Estes dois clubes históricos do Distrito defrontaram-se em três ocasiões, em anos recentes, com absoluto equilíbrio: uma vitória para cada lado e um empate. Esta tarde, e não obstante o bom desempenho dos torrejanos na segunda volta do campeonato (tendo perdido uma única vez), e vindo de um empate ante o Coruchense, a perspectiva parece pender mais para um triunfo dos almeirinenses.

O Samora Correia recebe a visita do Amiense, num embate já ocorrido por quatro vezes nos últimos oito anos, sem que a turma de Amiais de Baixo se tenha ainda conseguido estrear a vencer, registando-se dois triunfos dos samorenses e dois empates. Com as duas equipas com o respectivo posicionamento na tabela praticamente estabilizado, este afigura-se um jogo propenso ao empate.

Na intensa luta pela manutenção, o Glória do Ribatejo, recebendo o At. Ouriense, poderá, caso pontue, distanciar-se mais da zona perigosa (de que dispõe, actualmente, de dois escassos pontos de vantagem).

Estes dois clubes cruzaram-se uma única vez na I Divisão, na Glória, já na temporada de 2012-13, então com vitória categórica dos oureenses, por 3-0. Hoje, perspectiva-se um cenário diferente, restando saber se os homens da casa conseguirão dar sequência ao excelente resultado averbado nas Fazendas de Almeirim.

Por seu lado, o “lanterna vermelha”, Alcanenense, joga uma das últimas cartadas para procurar escapar ao que vai parecendo cada vez mais inevitável: a segunda descida de Divisão em dois anos sucessivos, desde o Nacional, até ao escalão mais baixo do futebol distrital!

Recebe, precisamente o Fazendense, derrotado em casa, no passado Domingo, pela equipa da Glória. Os conjuntos de Alcanena e das Fazendas encontraram-se, em anos recentes, por três vezes, com duas vitórias dos visitados e uma dos forasteiros. Porém, estes encontros datam já de há sete e oito anos, pelo que não constituirão indicador preciso para o que se poderá passar hoje. Parece pouco provável que o Alcanenense consiga repetir a vitória alcançada na jornada inaugural, a única que conta no seu registo neste campeonato.

Nota ainda para um sempre aliciante “quase derby”, entre Ferreira do Zêzere e U. Tomar, com os visitados, algo inesperadamente, a necessitar ainda pontuar para confirmar em definitivo a tranquilidade.

Na época passada, os ferreirenses surpreenderam os unionistas, ganhando por 2-1, alcançando a sua primeira vitória ao fim de 15 jogos entre ambos os clubes. Esta tarde, um eventual empate poderá não desagradar a qualquer das equipas.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 14.04.2019)