2018-19


Torres Novas – Cartaxo – 0-0
U. Tomar – Coruchense – 2-3
Marinhais – U. Almeirim – 1-1
At. Ouriense – Ferreira do Zêzere – 3-1
Fazendense – U. Santarém – 3-1
Samora Correia – Glória do Ribatejo – 3-0
Amiense – Alcanenense – 2-0

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Coruchense          9     7     2     -    21 - 10    23
 2º Amiense             9     5     3     1    13 -  5    18
 3º U. Santarém         9     5     3     1    13 -  6    18
 4º U. Almeirim         8     5     2     1    18 -  6    17
 5º Cartaxo             8     4     2     2    14 -  9    14
 6º Fazendense          9     4     2     3    11 -  9    14
 7º At. Ouriense        8     3     3     2    12 -  9    12
 8º U. Tomar            8     3     2     3     8 -  9    11
 9º Samora Correia      9     3     2     4    10 - 12    11
10º Ferreira Zêzere     9     3     -     6    10 - 15     9
11º Alcanenense         8     1     2     5     6 - 11     5
12º Torres Novas        9     -     5     4     1 -  7     5
13º Marinhais           9     -     4     5     7 - 16     4
14º Glória Ribatejo     8     1     -     7     3 - 23     3

Melhores marcadores:

1º Moleiro (Amiense) – 7
2º Joel (Coruchense) – 6
3º Léo (U. Santarém) – 5

Anúncios

Hertz

Depois de uma ronda incompleta, devido à intempérie, o Distrital da I Divisão prossegue esta tarde, com a disputa da 9.ª jornada, na qual se aguardam vários embates aliciantes.

Desde logo, o União de Tomar-Coruchense, com os nabantinos a receber o líder que, até agora, conta por vitórias todos os (4) jogos disputados em terreno alheio, uma eficácia que contribui decisivamente para a sua actual posição, avalizando a sua candidatura a mais um título, que, a ser alcançado, seria o terceiro sucessivo nas últimas três participações do emblema do Sorraia neste campeonato.

Tal como o desempenho dos tomarenses nos jogos em casa na presente edição da prova, o histórico recente aponta para uma tendência de completo equilíbrio, com dois triunfos do União (incluindo na última vez que se defrontaram, há duas épocas), um empate e duas vitórias do Coruchense. Pese embora a condição de comandante possa conferir algum favoritismo aos visitantes, a repartição de pontos será também um cenário a considerar.

Por seu lado, o Fazendense-U. Santarém poderá revelar fortes indícios do que será de esperar de ambos os clubes, no desenrolar futuro da competição, quanto às respectivas aspirações, parecendo o grupo das Fazendas – com duas derrotas nos últimos jogos, não vencendo há três jornadas – atravessar fase menos positiva, em contraponto a uma formação escalabitana que continua a fazer um excelente campeonato, intrometendo-se na disputa dos lugares de topo, sem descolar da liderança.

Algo paradoxalmente, na única vez que estes dois clubes se cruzaram, na derradeira ronda da temporada de 2014-15, o Fazendense aplicou uma estrondosa goleada, de 8-0, numa altura em que o U. Santarém, já despromovido há várias semanas, apenas “cumpria calendário”. Hoje, a situação é radicalmente distinta, apresentando-se este desafio de desfecho imprevisível, num jogo de tripla.

Mas também o U. Almeirim e o Cartaxo, os quais, defrontando clubes muito carenciados de pontos, poderão eventualmente ver-se confrontados com maiores dificuldades do que se suporia para levar de vencida tais oponentes.

De facto, os almeirinenses visitam Marinhais – equipa que, nos antípodas do conjunto de Coruche, perdeu todos os quatro desafios disputados no seu terreno –, num confronto sem historial recente a nível do principal escalão, entre duas equipas que, aliás, não se encontram há mais de uma dúzia de anos.

Por curiosidade, a turma de Almeirim tem em curso a melhor série deste campeonato, com quatro triunfos consecutivos, apresentando-se como favorita no jogo de hoje, mas devendo ser tida em consideração a boa réplica que os homens da casa ofereceram, no passado Domingo, frente ao líder, em Coruche, onde perderam por margem tangencial.

Quanto ao Cartaxo, desloca-se a Torres Novas, que, para além de apenas ter marcado, até agora, um único golo em doze encontros já disputados esta temporada, o melhor que conseguiu foram dois empates em casa e outros dois em terreno alheio, posicionando-se em zona muito delicada da tabela classificativa, somente um ponto acima do par que reparte a “lanterna vermelha”.

O historial recente aponta para uma tendência apenas ligeiramente favorável aos torrejanos, com três vitórias, dois empates e duas derrotas, ante os cartaxeiros, o que, conjugado com o desempenho que ambas as formações vêm apresentando este ano, resulta numa dose de maior favoritismo para os visitantes, podendo o empate ser também um desfecho de grande probabilidade.

Em Ourém, encontram-se duas das equipas bem organizadas, que visam lugares tranquilos na classificação, de que actualmente encabeçam a segunda metade.

At. Ouriense e Ferreira do Zêzere apenas se defrontaram uma vez nos últimos anos, precisamente na época passada, então com triunfo dos oureenses por 2-1, o que se poderá repetir hoje, caso prevaleça o factor casa.

Em Amiais de Baixo, a turma visitada, a realizar excelente campanha, ocupando, por agora, um surpreendente 4.º lugar, recebe o Alcanenense, um grupo em que a juventude impera, que vem denotando alguma inexperiência e dificuldade em se afirmar a este nível competitivo, procurando escapar aos lugares de despromoção.

As últimas vezes que estes dois clubes se encontraram datam já das épocas de 2010-11 e 2011-12, com três desafios, em que o Amiense obteve duas vitórias, tendo empatado a outra partida. Esta tarde, seria grande a surpresa se o conjunto da casa não somasse os três pontos em disputa.

Por fim, num outro embate sem histórico recente na I Divisão, o Samora Correia é também claramente favorito, na recepção à equipa da Glória do Ribatejo.

Estas duas formações cruzaram-se, pela última vez, na temporada de 2015-16, então no escalão secundário, com triunfo dos samorenses na fase final, de disputa do título de Campeão, depois de terem sido os homens da Glória a vencer na primeira fase da prova.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 18.11.2018)

(“O Templário”, 15.11.2018)

A forte intempérie que se fez sentir no passado Domingo impediu a realização de vários jogos – resultando numa jornada incompleta, o que vem “baralhar” as contas e forçar a “horas extraordinárias”, provavelmente a meio da semana –, tendo sido adiados o Cartaxo-U. Tomar e o U. Almeirim-At. Ouriense, da I Divisão Distrital, enquanto o Glória do Ribatejo-Alcanenense foi interrompido aos 20 minutos. Igualmente, no escalão secundário, o Caxarias-Abrantes e Benfica foi também suspenso ao intervalo, na altura com vantagem dos abrantinos por 1-0; por seu lado, o Pontével-Forense não se disputou, neste caso devido a falta de policiamento…

Destaques – O principal destaque da 8.ª ronda vai para a vitória (2-1) do Ferreira do Zêzere na recepção ao Fazendense (segundo desaire sucessivo da turma das Fazendas, que não vence há três jogos), confirmando a boa recuperação dos ferreirenses (que somaram o terceiro triunfo nas últimas quatro jornadas), o que lhes possibilitou ascender já até ao 8.º posto, somente a dois pontos do par que partilha o 6.º lugar, formado precisamente por Fazendense e U. Tomar.

Também o Amiense prossegue a sua muito boa campanha, tendo vencido em Torres Novas, mercê de um solitário tento. A formação de Amiais de Baixo deu, assim, um pulo até à 4.ª posição, a três pontos do vice-líder, U. Santarém. Ao invés, os torrejanos, somando o oitavo encontro ainda sem conseguir ganhar no campeonato – e, pior ainda, ampliando para onze o número de jogos (do total de doze que disputou nesta época) em que ficou em branco –, mantém-se em zona muito delicada da pauta classificativa (antepenúltimo, um único ponto acima do duo que reparte a condição de “lanterna vermelha”, Marinhais e Glória do Ribatejo).

Confirmações – Os dois primeiros classificados, novamente o Coruchense e o U. Santarém – este, à condição, beneficiando do adiamento da partida do U. Almeirim –, que continuam separados por dois pontos, sendo as únicas equipas que subsistem invictas, confirmaram o favoritismo que lhes era atribuído nos desafios que enfrentaram no passado fim-de-semana.

O grupo do Sorraia, com maiores dificuldades do que seria expectável, ganhando por tangencial 2-1 ao Marinhais, turma que vem procurando encetar uma recuperação; por seu lado, os escalabitanos, num jogo assolado por vicissitudes várias, em especial a saída de um elemento de cada equipa, que necessitaram receber assistência médica de emergência, bateram o Samora Correia (que somou a quarta derrota em cinco rondas) por margem mais tranquila, de 2-0.

Em função dos jogos que não foi possível realizar ou completar, a percepção da tabela pontual apresenta-se algo prejudicada, ficando por saber, por ora, se U. Almeirim e Cartaxo conseguirão vencer os respectivos compromissos, de forma a manter a pressão sobre o líder. Assim como, por outro lado, se U. Tomar e At. Ouriense, caso venham a alcançar resultados positivos, se poderão chegar mais à frente, ou, noutro plano, qual a tendência que resultará do Glória do Ribatejo-Alcanenense, em que uma eventual vitória dos donos da casa “afundaria” o conjunto de Alcanena na parte mais baixa da classificação.

II Divisão Distrital – Tendo o encontro em que intervinha o Abrantes e Benfica sido interrompido, o Pego aproveitou, para já, para se aproximar, ao vencer o Tramagal por 1-0, distando, pelo menos de forma provisória, dois pontos do comandante. O grande realce da jornada, a Norte, vai, no entanto, para o excelente triunfo (2-0) da equipa “B” do U. Tomar, na recepção ao Riachense, ocupando os jovens unionistas um meritório 5.º lugar, a dois escassos pontos do clube dos Riachos e da equipa da Ortiga (vencedora no Sardoal, por 2-1).

A Sul, Moçarriense e Rio Maior, ambos com “chapa 3”, foram categóricos vencedores dos confrontos com o Salvaterrense e Empregados do Comércio, respectivamente, ocupando as duas primeiras posições da classificação, com o grupo da Moçarria com três pontos de vantagem (a qual poderá eventualmente vir a ser anulada, dado que os riomaiorenses têm um jogo a menos). Algo surpreendente terá sido a desfeita sofrida pelo Benavente no terreno do Espinheirense, perdendo por 1-2, atrasando-se assim na disputa dos lugares da frente.

Campeonato de Portugal – Na 11.ª ronda da prova, o Fátima chegou a estar em posição vantajosa em Oleiros, mas o desfecho final acabaria por ser a repartição de pontos, na sequência da igualdade a três bolas. Os fatimenses, menos afirmativos do que se ambicionaria, seguem a meio da tabela (partilham a 9.ª posição com o Sertanense e Oliveira do Hospital), com uma margem de cinco pontos em relação à “linha de água”, mas sem poder “repousar”.

Por seu lado, o Mação, derrotado no seu reduto, pelo Loures, por convincente marca de 3-0, terá registado um desaire que poderá vir a revelar-se um desfecho charneira neste campeonato, pela negativa, pelas implicações de que se traduz: os maçaenses não só mantêm a indesejada posição de “lanterna vermelha”, como – para além de terem somado o 10.º jogo consecutivo sem conseguir ganhar – vêem dilatar-se, já para sete pontos, o atraso face ao último concorrente acima da tal “linha”, precisamente o seu opositor do passado fim-de-semana; começa a ser uma “grande montanha” a que terão de escalar para escapar à triste sina da despromoção, que, pese embora ainda com muito campeonato pela frente, se parece ir antecipando…

Antevisão – Na 9.ª jornada da I Divisão, temos à espreita vários embates aliciantes: desde logo, o U. Tomar-Coruchense, com os nabantinos a receber o líder que, até agora, conta por vitórias todos os (4) jogos disputados em terreno alheio; a par do Fazendense-U. Santarém, que poderá revelar forte indício do que poderá esperar-se de ambos os clubes, no que falta do campeonato.

Mas também o U. Almeirim e o Cartaxo, os quais, visitando emblemas muito carenciados de pontos, respectivamente o Marinhais (que, ao invés do conjunto de Coruche, perdeu todos os quatro desafios disputados em casa) e o Torres Novas, poderão eventualmente ver-se confrontados com maiores dificuldades do que se suporia para levar de vencida tais oponentes.

No escalão secundário, o U. Tomar “B” terá um estimulante teste na visita a Abrantes, realçando-se ainda, a Norte, o Ortiga-Riachense, sendo o Pego favorito na deslocação ao Sardoal. Na série a Sul, com o guia, Moçarriense, a folgar, destaca-se o Benavente-Rio Maior.

No Campeonato de Portugal, o Fátima recebe o líder (à condição), Vilafranquense; o Mação vai de viagem até Oliveira do Hospital, em mais um encontro em que não esperará facilidades.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 15 de Novembro de 2018)

Torres Novas – Amiense – 0-1
Cartaxo – U. Tomar – (Adiado devido ao mau tempo)
Coruchense – Marinhais – 2-1
U. Almeirim – At. Ouriense – (Adiado devido ao mau tempo)
Ferreira do Zêzere – Fazendense – 2-1
U. Santarém – Samora Correia – 2-0
Glória do Ribatejo – Alcanenense – 0-0 (Interrompido aos 20m devido ao mau tempo)

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Coruchense          8     6     2     -    18 -  8    20
 2º U. Santarém         8     5     3     -    12 -  3    18
 3º U. Almeirim         7     5     1     1    17 -  5    16
 4º Amiense             8     4     3     1    11 -  5    15
 5º Cartaxo             7     4     1     2    14 -  9    13
 6º U. Tomar            7     3     2     2     6 -  6    11
 7º Fazendense          8     3     2     3     8 -  8    11
 8º At. Ouriense        7     2     3     2     9 -  8     9
 9º Ferreira Zêzere     8     3     -     5     9 - 12     9
10º Samora Correia      8     2     2     4     7 - 12     8
11º Alcanenense         7     1     2     4     6 -  9     5
12º Torres Novas        8     -     4     4     1 -  7     4
13º Glória Ribatejo     7     1     -     6     3 - 20     3
14º Marinhais           8     -     3     5     6 - 15     3

Melhores marcadores:

1º Moleiro (Amiense) – 6
2º Joel (Coruchense) e Léo (U. Santarém) – 5
3º Persi Mamede (U. Almeirim), Wemerson Silva e Marcos Delgado (Cartaxo) e Wilson (Fazendense) – 4

Hertz

Em dia de S. Martinho, sem “Verão”, na antevisão da 8.ª jornada de um muito disputado campeonato – com as três equipas da frente separadas entre cada uma delas por um único ponto, com vantagem para o Coruchense, seguido de imediato pelo U. Almeirim e pelo U. Santarém –, o historial recente não nos proporciona muita informação, dado que, em três dos casos, se trata de confrontos inéditos nos últimos nove anos, e, noutro, os dois clubes envolvidos apenas se defrontaram uma vez…

Entre os desafios desta tarde começa por destacar-se o Cartaxo-U. Tomar, em que os tomarenses – a iniciar um ciclo de enorme dificuldade, em que defrontarão também, de seguida, o Coruchense e o U. Almeirim – procurarão contrariar o favoritismo dos cartaxeiros.

Os grupos do Cartaxo e de Tomar encontraram-se por seis vezes nos últimos anos, com amplo predomínio dos donos da casa, que venceram por quatro vezes, não tendo o União conseguido melhor que dois empates, um deles, por curiosidade, na época passada, numa ocasião em que os nabantinos até desaproveitaram uma boa oportunidade para vencer.

Porém, nesta altura, a situação relativa de cada uma das equipas alterou-se de forma substancial, com o Cartaxo – no encalce do trio da frente – a procurar evitar perder mais pontos em casa, de forma a não deixar escapar os mais directos concorrentes na disputa do título.

Outra partida de grande interesse será a que coloca frente a frente U. Almeirim e At. Ouriense, no qual os almeirinenses terão de continuar a mostrar a sua solidez – atravessam uma excelente fase, com quatro triunfos consecutivos –, sob pena de poderem vir eventualmente a ser surpreendidos pelo seu valoroso adversário.

Nas três vezes em que se defrontaram, precisamente nas três últimas temporadas, registo para dois empates e uma vitória da turma de Almeirim, em 2016-17, então com uma goleada (4-0). Esta tarde espera-se um confronto bem mais equilibrado, pese embora o favoritismo penda para os visitados.

Em Torres Novas, uma formação torrejana que continua a denotar enormes dificuldades em materializar o seu jogo em golos, recebe a visita do moralizado Amiense, que poderá aproveitar a oportunidade para procurar equilibrar um pouco o que tem sido uma tendência bastante favorável aos donos da casa.

Efectivamente, nas oito vezes em que Torres Novas e Amiense se defrontaram, nas últimas épocas, o balanço é de cinco vitórias dos torrejanos, face a apenas duas dos homens de Amiais de Baixo. Por curiosidade, regista-se uma única igualdade, na já distante época de 2010-11… desfecho que até poderá voltar a repetir-se hoje…

O mesmo sucede no Ferreira do Zêzere-Fazendense, que, nos anos mais recentes, apenas se cruzaram uma vez no principal escalão, precisamente na temporada passada, então com um empate a 2-2. Pela campanha que ambas as equipas vêm fazendo e em função das respectivas trajectórias recentes, um novo empate parece ter uma forte probabilidade de ocorrência, num encontro muito repartido, de “tripla”.

Os restantes três jogos da ronda são os que não apresentam histórico recente, sendo o líder Coruchense amplamente favorito na recepção ao Marinhais, sem esquecer que a formação do município de Salvaterra, curiosamente, ainda não perdeu fora de casa, tendo empatado todos os três encontros disputados na condição de visitante no presente campeonato (ao invés do que regista nas partidas no seu reduto, em que somou quatro derrotas noutros tantos jogos).

Mais repartida poderá ser a tendência no U. Santarém-Samora Correia, com os escalabitanos a perfilar-se como favoritos, mas, certamente, não esperando facilidades, num embate em que a surpresa poderá eventualmente estar à espreita.

Por fim, na Glória do Ribatejo, defrontam-se duas das equipas cujo objectivo principal passará por alcançar a permanência na divisão principal, podendo a formação da casa – que vem dando mostras de alguma recuperação, nos últimos jogos – voltar enfim a pontuar, frente a um muito jovem conjunto do Alcanenense, o que, a acontecer, traduziria o colocar termo a uma série de seis desaires sucessivos.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 11.11.2018)

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 7jornada

(“O Templário”, 08.11.2018)

Tendo sido atingido o primeiro quarto da competição, será, necessariamente, prematuro estar a fazer projecções definitivas sobre o desenrolar do Campeonato Distrital da I Divisão. Não obstante, a 7.ª jornada, disputada no passado fim-de-semana, pode ter sido reveladora quanto à afirmação dos candidatos ao título, em especial daqueles que se impuseram em reduto alheio, casos do U. Almeirim, Coruchense e Cartaxo.

Destaques – O destaque maior desta ronda vai para o U. Almeirim, autor da maior façanha, ao vencer categoricamente no “derby” almeirinense, nas Fazendas, por 3-0, frente a um Fazendense que vinha, precisamente, de um empate em Coruche (depois de ter já vencido o Cartaxo). Este triunfo – quarto consecutivo, por agora um “record” da prova – possibilitou à turma comandada por Mário Nélson ascender à 2.ª posição, continuando um único ponto abaixo da formação do Sorraia.

Também o Coruchense esteve em evidência, ganhando, pese embora a dificuldade que o marcador (3-2) indicia, em Ourém, perante o At. Ouriense. Tendo cedido já dois empates em casa (com o U. Santarém e Fazendense), onde apenas ganhou ainda uma vez, o emblema do Sorraia vem-se mostrando – à imagem do que o Mação conseguira na época transacta – muito eficaz em terreno adversário, tendo averbado a quarta vitória, em outros tantos desafios na condição de visitante (tendo passado já, por exemplo, por Ferreira do Zêzere e Samora Correia).

Quanto ao Cartaxo, depois de dois deslizes (derrota nas Fazendas de Almeirim e igualdade caseira ante o At. Ouriense), cumpriu, ganhando por 2-0, tendo imposto ao Marinhais o quarto desaire no seu terreno, noutras tantas partidas aí realizadas.

Sem que tal belisque a sua capacidade e firmeza na disputa dos lugares cimeiros, o U. Santarém não conseguiu, desta feita, melhor que o nulo na deslocação a Alcanena, baixando ao 3.º posto, a dois pontos do agora líder isolado, Coruchense.

Confirmações – Numa jornada sem grandes surpresas, porventura o desfecho menos expectável terá sido a igualdade a zero consentida pelo U. Tomar na recepção ao Torres Novas. Mas, se os torrejanos confirmaram a sua extrema dificuldade em marcar, ficando em branco pela 10.ª vez em onze encontros nesta temporada, mostram também que a sua defesa é relativamente segura (apenas U. Santarém, U. Almeirim e Amiense sofreram menos golos até à data).

A equipa tomarense, algo ansiosa por marcar cedo, denotou alguma precipitação nos lances ofensivos, não tendo conseguido superar a barreira contrária, para o que, por curiosidade, viria a dispor da melhor ocasião precisamente no derradeiro lance da contenda. Com apenas seis golos marcados (foi a quarta vez que os unionistas ficaram a zero, num grande contraste com a verve goleadora exibida na época anterior), repetindo o nulo da jornada precedente, com o Amiense, o União – que, noutra perspectiva, somou o quinto jogo sucessivo sem derrota no campeonato – foi, no entanto, ultrapassado, exactamente pelo grupo de Amiais de Baixo.

Pela segunda jornada sucessiva, a equipa da Glória do Ribatejo insiste em procurar mostrar que a sua organização defensiva estará a melhorar, perdendo, outra vez, por marca tangencial – sem prejuízo de ter acumulado o sexto desaire consecutivo –, com o Amiense a ganhar mercê de um solitário golo.

Por fim, em Samora Correia, os donos da casa colocaram termo a um ciclo de quatro desafios sem vencer, tendo batido o Ferreira do Zêzere por 2-1, recuperando algum “fôlego” na tabela, onde Marinhais e Glória repartem agora a “lanterna vermelha”, tendo o Torres Novas imediatamente acima (um ponto) e o Alcanenense a dois pontos.

II Divisão Distrital – A Norte, as goleadas sucedem-se: o Abrantes e Benfica, que soma quinto triunfo em cinco jornadas, goleou a U. Atalaiense por rotunda marca de 8-0, enquanto o Tramagal bateu a frágil equipa do Sardoal por 7-1. Menos expectável seria a amplitude da vitória do Pego (4-0) no terreno do Aldeiense. Com o Ortiga (vencedor do U. Tomar “B” por 1-0) e Riachense (2-1 ao Caxarias), os vencedores da ronda serão os principais candidatos aos três lugares de apuramento para a fase final, de apuramento do Campeão e de promoção.

A Sul, o Moçarriense realizou boa operação, vencendo em Benavente (2-1) e beneficiando do desaire caseiro do Forense (0-2) ante o Rio Maior, ascendendo à liderança isolada.

Campeonato de Portugal – Foi bem negativa a 10.ª jornada para os clubes do Distrito: o Fátima surpreendeu com o desaire (0-1) caseiro ante o Peniche, caindo para o grupo dos 10.º a 12.º classificados (com O. Hospital e Caldas); o Mação ainda começou por dar algum sinal de inconformismo, inaugurando o marcador em Alcains, mas não eviraria a oitava derrota, perdendo por 1-2, afundando-se no último lugar, agora já a quatro pontos da “linha de água” e com a agravante do concorrente imediatamente acima estar já a nove pontos…

Antevisão – Na 8.ª ronda do principal escalão do futebol distrital, merecem realce os confrontos entre Cartaxo e U. Tomar, em que os tomarenses – a iniciar um ciclo de enorme dificuldade, em que defrontarão também o Coruchense e o U. Almeirim – procurarão contrariar o favoritismo dos cartaxeiros; e entre U. Almeirim e At. Ouriense, no qual os almeirinenses terão de continuar a mostrar a sua solidez, sob pena de poderem vir eventualmente a ser surpreendidos.

O U. Santarém não esperará facilidades na recepção ao Samora Correia, sendo, não obstante, expectável o triunfo dos escalabitanos, assim como se prevê a vitória do Coruchense ante o Marinhais. Em Ferreira do Zêzere, o Fazendense terá um forte desafio às suas capacidades.

Na II Divisão Distrital destacam-se os seguintes encontros: Caxarias- Abrantes e Benfica, Pego-Tramagal, U. Tomar “B”-Riachense, Moçarriense-Salvaterrense e Pontével-Forense.

No Campeonato de Portugal, o Fátima desloca-se a Oleiros, para defrontar uma equipa que empreendeu espectacular recuperação (segue com quatro vitórias consecutivas), tendo subido já até ao 7.º lugar, pelo que se afigura difícil a missão dos fatimenses; já o Mação, recebendo o Loures (integra o grupo do 13.º ao 16.º posto), terá mais uma oportunidade de “quebrar o enguiço” e chegar enfim à vitória, de que está arredado desde a ronda inicial.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 8 de Novembro de 2018)

U. TOMAR – Nuno Ribeiro, David Vieira, Diego Almeida (45m – Rafael Faustino), Allan Peixoto, Kiko, Nuno Rodrigues (c.), Telmo Ferreira (66m – André Lopes), Rui Pedro Lopes (88m – Alex Campelo), Pedro Pires, Rafael Santana e Diogo Pereira (88m – Ricardo Natividade)

(suplente – Mahal Miranda)

TORRES NOVAS – Carlos Nabais, Fábio Timor, Jivan Sudesh (c.), Ricardo Dias, Pereira, Júlio Baptista, Joel Nogueira, Micael Freire (66m – Sérgio Pedro), Dani, Tiago Vieira e Ricardo Major (66m – Soma)

Cartões amarelos – Diego Almeida (35m); Joel Nogueira (64m) e Jivan Sudesh (68m)

Árbitro – Samuel Dionísio

Página seguinte »