Futebol


AMIENSE – Renato Taborda, Luís Duarte (45m – Fábio Marques), Tiago Mateus, Ezequiel Justino, João Rodrigues, Nuno Tiago, Diogo Queiroz (69m – Tico), Bernardo Louro (45m – Fábio Dâmaso) (75m – Samuel Duarte), Diogo Pereira, Quim Zé e Luís Moleiro (c.)

U. TOMAR – Nuno Ribeiro, David Vieira, Filipe Cotovio, Nuno Rodrigues (c.), Douglas Pissona, Leandro Filipe (90m – Rafael Faustino), Bruno Araújo, Luís Alves, Wemerson Silva (90m – Kiko), Tiago Vieira e Chrystian Pedroso (90m – Pedro Pires)

(suplentes – Francisco Ferreira, Fábio Vieira e Paulo Ferreira)

0-1 – Wemerson Silva – 30m
0-2 – Tiago Vieira – 82m

Cartões amarelos – Bernardo Louro (24m), Fábio Dâmaso (58m), Ezequiel Justino (78m), Tiago Mateus (90m) e Samuel Duarte (90m); Fábio Vieira (57m – no banco), Douglas Pissona (59m), Chrystian Pedroso (60m), Nuno Rodrigues (67m), Leandro Filipe (89m) e Pedro Pires (90m)

Árbitro – Diogo Martinho

Moçarriense – Abrantes e Benfica – 0-2
Glória Ribatejo – Pego – 2-1
U. Almeirim – Mação – 3-1
Ferreira Zêzere – Samora Correia – 2-2
Amiense – U. Tomar – 0-2
Cartaxo – Rio Maior SC – 1-1
Coruchense – Fazendense – 2-0
Torres Novas – Riachense – 2-1

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º U. Almeirim        12    12     -     -    33 -  6    36
 2º U. Tomar           12    10     -     2    25 -  6    30
 3º Coruchense         12     9     -     3    24 - 12    27
 4º Abrantes e Benfica 12     8     2     2    17 - 10    26
 5º Cartaxo            12     7     2     3    19 -  9    23
 6º Fazendense         12     7     2     3    14 -  9    23
 7º Mação              12     6     1     5    15 - 13    19
 8º Torres Novas       12     4     4     4    13 - 11    16
 9º Samora Correia     12     4     2     6    19 - 19    14
10º Ferreira Zêzere    12     4     2     6    15 - 18    14
11º Amiense            12     4     1     7    12 - 18    13
12º Glória Ribatejo    12     3     2     7    11 - 22    11
13º Rio Maior SC       12     2     2     8    18 - 21     8
14º Pego               12     2     -    10     7 - 21     6
15º Riachense          12     2     -    10     7 - 28     6
16º Moçarriense        12     1     2     9     6 - 32     5

Melhores marcadores:

1º Tiago Vieira (U. Tomar) – 9
2º Igor Costa (U. Almeirim) – 8
3º Caio Silva (F. Zêzere) – 7

Hertz

A jornada de hoje do Distrital da I Divisão integra alguns encontros de maior chamariz, nos quais, aproximando-nos do termo da primeira metade da prova, poderão começar a definir-se algumas posições relativas, isto numa altura em que parece já imprevisível que o Campeão possa vir a ser outro que não o U. Almeirim, o U. Tomar ou o Coruchense, dadas as diferenças pontuais de outros teóricos candidatos face aos dois primeiros e, em particular, em relação ao líder.

Desde logo, o embate entre U. Almeirim e Mação, em que se defrontam o actual guia isolado, 100% vitorioso, e o anterior Campeão Distrital, relegado do Nacional na última época, mas que vem em crescendo, podendo eventualmente causar surpresa.

Curiosamente, nas três ocasiões em que, nos últimos anos, se defrontaram em Almeirim (entre 2016 e 2018), regista-se absoluto equilíbrio, com uma vitória para cada lado e um empate, tendo sido os maçaenses a vencer o último jogo, por 2-0.

Os almeirinenses são favoritos a somar a 12.ª vitória consecutiva no campeonato, mas, será o Mação – a atravessar fase positiva, com três vitórias consecutivas – capaz de travar a marcha triunfal do adversário?

Por seu lado, Coruchense e Fazendense disputam um desafio que assume cariz de grande relevância, principalmente para a turma do Sorraia, “impedida” de perder pontos, na perspectiva de poder almejar ainda a conquista do título.

Por curiosidade, em termos históricos, nas cinco vezes em que estes dois clubes se defrontaram em Coruche, nos anos mais recentes, a vantagem até é dos forasteiros, que ali ganharam dois jogos (um deles, com uma soberba goleada, por 5-0, em 2014-15), tendo perdido apenas um e empatado outros dois.

Numa altura em que ambas as equipas têm também em curso séries de três vitórias sucessivas, veremos se os donos da casa conseguirão quebrar tal ciclo positivo da turma das Fazendas de Almeirim.

Amiense e União de Tomar, dois emblemas históricos do Distrito, defrontam-se pela 50.ª vez, desde a estreia dos confrontos entre ambos, na temporada de 1985-86, tendo todos os jogos disputados sido a contar para a I Divisão Distrital, à excepção de um único desafio, na Taça do Ribatejo, em 2017-18. Em termos globais, num balanço repartido, a tendência é ligeiramente favorável à turma de Amiais de Baixo, com 20 vitórias, face a 18 triunfos dos tomarenses, para além de 11 empates.

Cingindo-nos apenas aos encontros disputados no terreno do Amiense, nos últimos nove anos, as duas formações cruzaram-se por dez vezes, neste caso com ligeira vantagem do União, que venceu em cinco ocasiões (tendo goleado por 5-1 no mais recente desafio, em Março deste ano), face a quatro triunfos dos visitados e um único empate, já na distante temporada de 2010-11.

Perante uma equipa do Amiense que parece revitalizada, agora bem mais tranquila na tabela, e de regresso a casa, o União de Tomar, visando dar sequência às vitórias, encontrará certamente um difícil obstáculo, a exigir total concentração e empenho por parte dos unionistas.

Noutro plano, o “derby” Torres Novas-Riachense não deixa de constituir um jogo sempre de especial interesse, apesar de os torrejanos serem, no contexto actual, claros favoritos.

Em anos recentes estes dois grupos apenas se cruzaram, no principal escalão, por três vezes (também entre 2016 e 2018), sendo que o Torres Novas ganhou o último jogo, tendo o Riachense vencido os dois anteriores.

Em função do desempenho que as duas equipas vêm apresentando, seria surpreendente se o conjunto dos Riachos conseguisse pontuar.

Ferreira do Zêzere e Samora Correia – que, a par de Amiense e Torres Novas, se posicionam a meio da pauta classificativa, em posição de alguma tranquilidade –, encontrando-se em igualdade pontual, defrontam-se no reduto dos ferreirenses, que venceram o confronto entre ambos na última temporada, tendo perdido na época precedente a essa.

Pese embora o factor casa possa ter alguma influência, um eventual empate na partida desta tarde também não surpreenderia.

Os restantes três jogos desta ronda 12 não têm historial recente a nível da I Divisão, sendo que o Cartaxo é amplamente favorito, na recepção ao Rio Maior. Aliás, outro resultado que não a vitória dos cartaxeiros significaria, muito possivelmente, o definitivo adeus às suas aspirações.

Na Glória do Ribatejo, a turma local defronta um adversário directo na luta pela manutenção, o Pego, motivado pelo triunfo averbado na semana passada, e que quererá contrariar os objectivos do seu adversário, o qual, por seu lado, contará também com o apoio dos seus adeptos para poder desequilibrar a seu favor este jogo.

O agora “lanterna vermelha”, Moçarriense, não terá tarefa fácil, recebendo o Abrantes e Benfica, sendo muito importante poder pontuar, até em termos anímicos, visando colocar termo a uma série muito negativa, de cinco desaires sucessivos, com algumas goleadas sofridas.

Para tal, poderá eventualmente beneficiar de algum abaixamento de forma dos abrantinos, que ganharam apenas um dos quatro últimos encontros disputados. Veremos se se confirmará tal tendência, ou se, ainda assim, a formação de Abrantes poderá retomar a senda dos triunfos, agravando ainda mais a crise dos visitados.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 01.12.2019)

O pulsar do campeonato - 2019-20 - 11jornada

(“O Templário”, 28.11.2019)

Com o acumular da sucessão triunfal do U. Almeirim a começar a “não ser notícia”, a novidade passa pelas perdas de pontos de Abrantes e Benfica e Cartaxo, que os fazem descolar dos dois primeiros, agora com atrasos já dificilmente recuperáveis face ao líder (dez e onze pontos, respectivamente). Com a prova a avançar para o termo da sua primeira metade parece já imprevisível que o Campeão possa vir a ser outro que não U. Almeirim, U. Tomar ou Coruchense.

Destaques – O principal destaque da 11.ª jornada vai, pois, para a vitória (2-1) do Fazendense sobre o Cartaxo, um desfecho que, paradoxalmente, até nem deveria constituir já motivo de menção especial, dado ter-se tratado do 7.º jogo consecutivo entre ambos os clubes, nas Fazendas de Almeirim, ganho pela equipa da casa (todos os desafios disputados desde a época de 2013-14!). Não obstante, tal resultado proporciona à turma das Fazendas ascender a um excelente 4.º posto, a par da formação abrantina, e um único ponto abaixo do Coruchense.

Apesar de não ser imprevisto, terá de sublinhar-se o 11.º triunfo do U. Almeirim em outros tantos desafios, ainda para mais num campo difícil, frente ao Samora Correia, onde os almeirinenses não tinham conseguido ter sucesso nas três ocasiões em que, na última década, ali se tinham deslocado. Mais, a “facilidade” com que o comandante chegou à vantagem de 3-0, expressa uma consistência que parece difícil de abalar, em nada afectada pelo tento de honra dos visitados.

Merece igualmente realce a vitória (2-0) averbada pelo Amiense em Rio Maior, com o grupo de Amiais de Baixo agora a integrar um quarteto (juntamente com Torres Novas, Samora Correia e Ferreira do Zêzere), a meio da pauta classificativa, a começar a adquirir alguma tranquilidade, decorrente da margem de segurança (sete pontos) de que dispõe em relação à “linha de água”.

Ainda uma nota para o embate entre os dois últimos classificados, Pego e Moçarriense, com os pegachos a alcançarem um triunfo (1-0) que se revelava crucial, reentrando de “pleno direito” na luta pela manutenção, a qual, entretanto, parece circunscrever-se ao quinteto formado por Glória do Ribatejo, Rio Maior, Pego, Riachense e Moçarriense, separados entre si por apenas três pontos.

Surpresa – Atendendo ao desempenho que ambas as equipas vêm apresentando no campeonato, o empate (1-1) averbado pelo Torres Novas em Abrantes, ante o Abrantes e Benfica, não deixa de constituir, pelo menos, uma “meia-surpresa”, considerando que os donos da casa se perfilavam como teóricos favoritos, isto pese embora pareçam vir, paulatinamente, a perder algum “gás”, tendo vencido apenas uma das quatro últimas partidas.

Confirmações – Nos restantes três encontros, os resultados foram os esperados, com o Mação – ganhando, com naturalidade, por 2-0, à formação da Glória do Ribatejo – a ser um dos mais beneficiados desta ronda, tendo somado terceira vitória consecutiva, descolando dos mais próximos perseguidores (já a seis pontos), ao mesmo tempo que se aproxima do pelotão da frente (dista agora apenas três pontos do Cartaxo).

Em Tomar, num reencontro entre dois grupos que se conhecem muito bem, desde técnicos a jogadores, o União, a necessitar vencer para superar o “trauma” do desaire sofrido em Almeirim, não entrou bem no jogo, começando por ser surpreendido pela determinação do bem organizado conjunto de Ferreira do Zêzere, que dificultou sobremaneira a saída para o ataque por parte dos locais, tendo chegado a ameaçar numa ou outra ocasião.

Por curiosidade, em duas semanas seguidas, os tomarenses jogariam em superioridade numérica durante cerca de 70 minutos, o que, desta feita, aproveitaram, para, desde logo, na conversão da grande penalidade decorrente do lance que motivou a expulsão do guarda-redes contrário, inaugurar o marcador. A partir daí, os unionistas controlaram o jogo, tendo insistentemente procurado ampliar a vantagem, o que, perante a notável exibição de um “improvisado” guardião (o treinador de guarda-redes, Pedro Pardal), apenas conseguiriam por uma vez, fixando o “placard” em 2-0, acabando o jogo em toada mais conservadora, minimizando eventuais riscos.

Nos Riachos, perante uma equipa do Riachense que continua a sua “travessia no deserto” – tal como o Moçarriense somou quinta derrota consecutiva –, o Coruchense aproveitou para se impor pela primeira vez em tal reduto, ganhando por 2-0, ascendendo assim à 3.ª posição da tabela.

II Divisão Distrital – O empate (1-1) alcançado pelo Entroncamento AC em Alcanena, mesmo que não lhe traga, no imediato, grandes dividendos a nível pontual, constitui, não obstante, um indicador positivo, de que este novo clube será, a par do líder, Alcanenense, e do Tramagal, um dos principais candidatos a integrar o trio que avançará para a fase final, de disputa do título e da promoção ao principal escalão – isto se o U. Tomar “B”, que prossegue uma boa campanha, tendo vencido o Caxarias por 2-1, não persistir em intrometer-se nos lugares do pódio.

Na série mais a Sul, o Marinhais foi surpreendido, em casa, pelo Benavente, perdendo 0-1, vendo-se igualado no comando pelo Pontével (vitória tangencial, por 1-0, ante o Goleganense), com o Espinheirense (3-0 ao Fazendense “B”) somente a dois pontos… e o Benavente a três.

Antevisão – A próxima jornada do Distrital da I Divisão integra quatro encontros de maior chamariz: desde logo, o U. Almeirim-Mação, em que se defrontam o actual líder isolado, 100% vitorioso, e um anterior Campeão Distrital, relegado do Nacional, mas que vem em crescendo, podendo eventualmente causar surpresa; por seu lado, Coruchense e Fazendense disputam um desafio que assume cariz de grande relevância, principalmente para a turma do Sorraia, “impedida” de perder pontos; em Monsanto, o Amiense, que parece revitalizado, constituirá decerto um difícil obstáculo para o U. Tomar, a solicitar empenho total por parte dos unionistas. Noutro plano, o “derby” Torres Novas-Riachense não deixa de constituir um jogo sempre de interesse, apesar de os torrejanos serem, no contexto actual, claros favoritos à vitória.

No escalão secundário, realce para as seguintes partidas: Ortiga-Alcanenense, Tramagal-U. Atalaiense, Benavente-Pontével e Porto Alto-Marinhais.

Após o interregno para disputa dos 1/16 de final da Taça de Portugal, é retomado o Campeonato de Portugal, com o Fátima, recebendo o Torreense, com o qual partilha o 7.º lugar, a ter boa oportunidade para consolidar a sua posição; também o U. Santarém, que terá a visita do V. Sernache (actual 16.º classificado), poderá somar mais três importantes pontos ao seu pecúlio.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 28 de Novembro de 2019)

U. TOMAR – Nuno Ribeiro, David Vieira (76m – Bruno Monteiro), Filipe Cotovio, Nuno Rodrigues (c.), Douglas Pissona (45m – Kiko), Leandro Filipe (83m – Paulo Ferreira), Bruno Araújo, Luís Alves (76m – Fábio Vieira), Wemerson Silva (45m – Pedro Pires), Tiago Vieira e Chrystian Pedroso

(suplentes – Francisco Ferreira e Rafael Leite)

FERREIRA DO ZÊZERE – Fábio Silva, Pedro Mendes (45m – William Silva), Kauê Ribeiro, Tanaka, Ricardo Simões, Rui Pedro Lopes (75m – Fábio Dias), Fá, Gera (c.), Peterson Paranhos (61m – Telmo Ferreira), Alisson Pereira (22m – Pedro Pardal) e Caio Silva (61m – Rafael Henriques)

1-0 – Tiago Vieira (pen.) – 23m
2-0 – Pedro Pires – 67m

Cartões amarelos – Wemerson Silva (35m) e Bruno Monteiro (90m); Caio Silva (58m), Fá (90m) e Tanaka (90m)

Árbitro – Rúben Pinheiro

Pego – Moçarriense – 1-0
Mação – Glória Ribatejo – 2-0
Samora Correia – U. Almeirim – 1-3
U. Tomar – Ferreira Zêzere – 2-0
Rio Maior SC – Amiense – 0-2
Fazendense – Cartaxo – 2-1
Riachense – Coruchense – 0-2
Abrantes e Benfica – Torres Novas – 1-1

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º U. Almeirim        11    11     -     -    30 -  5    33
 2º U. Tomar           11     9     -     2    23 -  6    27
 3º Coruchense         11     8     -     3    22 - 12    24
 4º Fazendense         11     7     2     2    14 -  7    23
 5º Abrantes e Benfica 11     7     2     2    15 - 10    23
 6º Cartaxo            11     7     1     3    18 -  8    22
 7º Mação              11     6     1     4    14 - 10    19
 8º Torres Novas       11     3     4     4    11 - 10    13
 9º Samora Correia     11     4     1     6    17 - 17    13
10º Ferreira Zêzere    11     4     1     6    13 - 16    13
11º Amiense            11     4     1     6    12 - 16    13
12º Glória Ribatejo    11     2     2     7     9 - 21     8
13º Rio Maior SC       11     2     1     8    17 - 20     7
14º Pego               11     2     -     9     6 - 19     6
15º Riachense          11     2     -     9     6 - 26     6
16º Moçarriense        11     1     2     8     6 - 30     5

Melhores marcadores:

1º Igor Costa (U. Almeirim) e Tiago Vieira (U. Tomar) – 8
2º Caio Silva (F. Zêzere) e Ruben Noque (Fazendense) – 6
3º Filipe Pereira (U. Almeirim), João Gabriel Gomes (U. Almeirim), Rafael Henriques (F. Zêzere), Rui Caniço (Cartaxo) e Samuelzinho Baldé (Cartaxo) – 5

Hertz

O campeonato Distrital da I Divisão entra no seu segundo terço, com um líder isolado, registando o pleno de vitórias, sendo, pois, crescente a expectativa de saber quem poderá ser a primeira equipa a conseguir travar o comandante, de forma a voltar a animar a disputa pelo 1.º lugar a um lote alargado de concorrentes.

Dois jogos concitam atenção especial esta tarde: desde logo, necessariamente, o Samora Correia-U. Almeirim, sendo que, no âmbito daquela perspectiva de poder oferecer boa réplica ao guia, os samorenses, no seu reduto, não constituirão certamente adversário “fácil”.

Estas duas equipas defrontaram-se nas três temporadas mais recentes, sem que o U. Almeirim tenha conseguido vencer em Samora Correia, tendo-se registado um triunfo dos donos da casa e dois empates. Mais logo veremos até que ponto os visitados poderão contrariar o favoritismo do, até agora, imparável líder.

O outro encontro em destaque é o Fazendense-Cartaxo, um embate de desfecho imprevisível, em que os homens das Fazendas de Almeirim enfrentam o desafio de poder vir a reforçar ainda mais o notável desempenho que vêm apresentando no campeonato, ficando também para aferir até que ponto serão para valorar as dificuldades sentidas pelos cartaxeiros, no passado fim-de-semana, para superar a frágil equipa dos Riachos.

Este é o confronto mais vezes repetido entre os desafios agendados para esta 11.ª jornada, tendo-se defrontado os dois clubes, nas Fazendas de Almeirim, por oito vezes, nos últimos nove anos, com clara tendência a favorecer os visitados: seis triunfos do Fazendense, face a apenas duas vitórias do Cartaxo, ambas na já relativamente distante época de 2010-11; o grupo das Fazendas segue, pois, com uma impressionante série de seis vitórias consecutivas ante este opositor!

Por curiosidade, não se registou qualquer empate… o que até se afigura uma ocorrência de forte probabilidade para a partida de hoje.

O sorteio ditou também, para esta jornada, o quase “derby” entre U. Tomar e Ferreira do Zêzere, um (re)encontro sempre de grande aliciante. A necessitar recuperar, animicamente, das incidências da última jornada, em que, praticamente ao “cair do pano”, acabaram por sofrer a desilusão da derrota, num jogo em que tiveram boa oportunidade de bater o comandante, os unionistas procurarão voltar às vitórias o mais rapidamente possível.

O histórico de jogos entre ambos os clubes, a nível da I Divisão, é escasso, apenas se tendo cruzado, em anos recentes, nas duas últimas temporadas, com triunfo dos nabantinos por 3-1 há duas épocas e uma inesperada igualdade a três golos no ano passado. Um alerta para os tomarenses, que têm noção da necessidade de se empregar a fundo, para levar de vencida uma equipa bem orientada, tranquila a meio da tabela.

No Riachense-Coruchense, veremos se poderão ter confirmação os sinais de melhoria indiciados pela turma dos Riachos no Cartaxo, sendo que, na conjuntura actual, a formação do Sorraia beneficia de amplo favoritismo, não surpreendendo se contrariar o curto histórico de confrontos entre ambos: apenas dois, com vitória do Riachense em 2012-13 e empate em 2016-17.

Em Mação, a turma local é também clara favorita a vencer o conjunto da Glória do Ribatejo, no que, a suceder, seria a repetição do desfecho verificado na única ocasião em que se defrontaram no principal escalão, já na temporada de 2012-13.

As restantes três partidas desta ronda não apresentam histórico recente, a nível da I Divisão, pelo que apenas nos podemos basear na evolução de cada uma das equipas na presente temporada.

O Abrantes e Benfica, que continua a realizar excelente campeonato, para uma equipa que, recorde-se, subiu do escalão secundário, recebe o Torres Novas, sendo de antever que possa vir a obter mais um triunfo, não deixando, contudo, os torrejanos de procurar surpreender o adversário.

Em Rio Maior, o recente clube local terá a visita do Amiense, a necessitar recuperar extra-muros os pontos que tem esbanjado na sua casa emprestada, no que se afigura, contudo, não ser tarefa fácil, perante uma equipa riomaiorense que tem vindo em tendência de crescimento de forma.

Esta jornada tem ainda agendado um encontro entre os dois actuais últimos classificados, com o Pego a receber o Moçarriense, numa disputa de grande relevância para a arrumação das posições na cauda da tabela, na tentativa de escapar à zona de despromoção, sendo que um eventual resultado negativo dos pegachos constituiria já preocupante indício sobre a sua capacidade de vir a alcançar a manutenção, pese embora termos ainda muito campeonato pela frente.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 24.11.2019)

Página seguinte »