O Templário


O pulsar do campeonato - 2018-19 - 20jornada

(“O Templário”, 14.03.2019)

Numa fase em que parecia relançar-se na corrida ao título, o Cartaxo, desperdiçando uma vantagem de dois golos, acabando por ceder o empate caseiro frente ao Marinhais, deu um passo atrás, comprometendo, talvez definitivamente, as suas aspirações, perante as vitórias seguras dos dois primeiros classificados, agora novamente a seis e a sete pontos de distância… quando restam seis rondas por disputar (tendo os cartaxeiros apenas mais dois jogos em casa).

Destaques – O primeiro destaque vai para a vitória do U. Almeirim, no “derby”, ante o rival Fazendense, mercê de um solitário golo, o suficiente para somar mais três pontos, o que permite aos almeirinenses continuar a “sonhar” (receberão ainda o líder, apesar de terem ainda de enfrentar deslocações ao Cartaxo, Ourém e Tomar).

Noutra luta, a da manutenção, realce para os determinantes triunfos de Torres Novas e Ferreira do Zêzere, também por tangencial 1-0, que – pese embora ainda não matematicamente – lhes terão garantido a permanência no principal escalão, dado terem passado a dispor de vantagem de oito e nove pontos, respectivamente, em relação à “linha de água”.

No “clássico dos clássicos” do futebol distrital, os torrejanos, com uma segunda volta excelente (quatro vitórias e três empates, apenas superados pelo Coruchense), confirmaram a solidez defensiva que têm patenteado durante toda a época (têm apenas mais três golos sofridos que as defesas menos batidas, U. Santarém e Cartaxo), e, com o golo obtido, impuseram nova derrota (a quarta, nos cinco últimos jogos) ao U. Tomar, que continua a experimentar muitas dificuldades em marcar e em obter resultados positivos em terreno alheio (apenas conseguiu vencer nas Fazendas de Almeirim e em Marinhais).

Por seu lado, o Ferreira do Zêzere, tem aproveitado a seu favor o factor casa (quatro vitórias e quatro empates), tendo, desta feita, batido o Samora Correia. Estes desfechos suscitaram um agrupamento no segundo terço da tabela, com U. Tomar (8.º), Samora Correia, Ferreira do Zêzere e Torres Novas (11.º) em “escadinha”, separados, entre cada um deles, por um ponto.

Surpresas – Como indicado, a grande surpresa da jornada foi a igualdade (2-2) consentida pelo Cartaxo, na recepção ao penúltimo classificado, Marinhais, depois de ter chegado a beneficiar de vantagem de dois golos, no quinto empate dos forasteiros em terreno adversário (depois dos jogos no Cartaxo, Fazendas de Almeirim, Ourém, Ferreira do Zêzere e Torres Novas – assim como, dentro de campo, tinham empatado também em Samora Correia), confirmando a boa réplica que tinham apresentado, em Santarém, no jogo da Taça, pese embora sem reflexos na pauta classificativa, cuja posição é penalizada por uma única vitória averbada em casa.

A vizinha equipa da Glória do Ribatejo, talvez o maior concorrente do Marinhais na luta pela sobrevivência, provocou também alguma surpresa, recuperando igualmente de desvantagem de dois golos, no seu reduto, frente ao Amiense, grupo que, tendo vencido um único dos sete últimos jogos (curiosamente, com uma goleada aplicada ao… Marinhais), regista agora já um atraso de nove pontos em relação ao Coruchense, sendo que tem ainda um jogo em atraso.

Como projectara na antevisão da jornada, as equipas do fundo da tabela, muito carenciadas de pontos, vão procurando “fazer pela vida”, angariando pontos que poderão ser determinantes.

Confirmações – Os dois primeiros classificados, Coruchense e U. Santarém, confirmaram o favoritismo, prosseguindo a sua trajectória vitoriosa, mantendo a acesa disputa que se antecipa possa perdurar até ao final da prova.

A formação do Sorraia não vacilou, frente a um adversário difícil, batendo o At. Ouriense por 2-0. Por seu lado, os escalabitanos, de forma bem mais tranquila, golearam o “lanterna vermelha”, Alcanenense, por 5-0, afundando ainda mais o conjunto de Alcanena, agora a quatro pontos do antepenúltimo classificado, em sério risco de segunda despromoção sucessiva.

II Divisão Distrital – Na derradeira jornada da fase regular do campeonato, para além da falta de comparência do Sardoal nas Caxarias, salienta-se mais uma goleada do Abrantes e Benfica (6-2) na Ortiga, completando a prova com 17 vitórias e um empate. A equipa “B” do União de Tomar, perdendo pela diferença mínima (0-1) ante o Tramagal (que confirmou assim o 4.º lugar), acaba por cair na classificação, fixando-se na 7.ª posição. A Sul, assinala-se a surpresa da derrota caseira do Forense (0-1), face ao Benavente, mas sem reflexos na classificação.

Tinham já garantido a qualificação para a fase final, de apuramento de Campeão da II Divisão Distrital e de promoção à I Divisão, Abrantes e Benfica, Rio Maior, Pego, Forense, Riachense e Moçarriense (serão promovidos três, quatro ou cinco clubes, dependendo das despromoções ou manutenção de Fátima e/ou Mação no Campeonato de Portugal).

Campeonato de Portugal – O Mação somou terceiro empate consecutivo (não perde há quatro jornadas), tendo mesmo deixado escapar a vitória em Peniche, depois de ter marcado primeiro, com o desfecho do encontro a fixar-se no 1-1. Todavia, tal não contribuiu para melhorar a classificação, com os maçaenses ainda no penúltimo lugar, a treze pontos da linha delimitadora da manutenção.

Quanto ao Fátima, derrotado nas Caldas da Rainha por 3-1, trocou de posição com este adversário, baixando ao 11.º posto. Pior, viu substanciamente reduzida a sua margem em relação à zona de despromoção, agora apenas de quatro pontos, com nove jornadas por disputar.

Antevisão – Com a II Divisão em pausa, no escalão principal os quatro primeiros voltam a actuar fora de casa, enfrentando missões que se afiguram de dificuldade, quer nos casos de Coruchense (em Marinhais) ou U. Santarém (em Samora Correia), assim como nas deslocações do U. Almeirim (a Ourém) e do Cartaxo (a Tomar). Escalabitanos e almeirinenses poderão, até, beneficiar do facto de Samora Correia e At. Ouriense ocuparem posições relativamente tranquilas, sem grande pressão nem particular ambição a subir na tabela, restando saber, por outro lado, como encarará o Cartaxo o revés sofrido nesta jornada. De interesse será também o Alcanenense-Glória do Ribatejo, em que a vitória parece fundamental para a equipa da casa.

No Campeonato de Portugal, o Fátima, recebendo o Nogueirense (8.º classificado, três pontos acima) terá um teste de importância crucial para poder consolidar as suas perspectivas de manutenção. Ao Mação caberá uma difícil deslocação ao reduto do B. C. Branco (4.º), equipa que está “proibida” de perder pontos, para não ver afastar-se ainda mais os dois primeiros.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 14 de Março de 2019)

Anúncios

O pulsar do campeonato - 2018-19 - TRibatejo - 1-2-finais

(“O Templário”, 07.03.2019)

Após uma fantástica série de 22 jogos consecutivos sem derrota – todos os que disputou desde que se operou a fusão com a U. Abrantina –, o Abrantes e Benfica viu, enfim, quebrada a sua invencibilidade, pelo Coruchense, numa eliminatória (1.ª mão das meias-finais da Taça do Ribatejo) caracterizada por um inesperado equilíbrio, com triunfos tangenciais dos favoritos, a deixar tudo por decidir quanto à confirmação da presença na final da prova para a 2.ª mão.

Destaque – Embora não se possa considerar que tenha havido surpresa, nesta “cimeira de líderes”, em que se defrontavam os comandantes do escalão secundário, Abrantes e Benfica, e da I Divisão Distrital, Coruchense, com a turma do Sorraia a ganhar mercê de um solitário tento, não deixa de constituir motivo de destaque o feito dos homens de Coruche, a impor a primeira derrota (e em Abrantes) à formação que, até agora, tinha um percurso praticamente imaculado (vinte e uma vitórias e um único empate, em 17 jogos realizados no campeonato e cinco na Taça do Ribatejo, em que afastara já os primodivisionários Torres Novas e Ferreira do Zêzere).

Recorde-se que, até à data, apenas o Caxarias conseguira escapar à derrota ante o poderoso grupo abrantino, desempenho agora superado pelo guia do escalão principal, o qual, “puxando dos galões”, não conseguiu, todavia, resolver já a seu favor a eliminatória, tendo de confirmar, em casa, a vantagem agora adquirida, devendo manter o foco para evitar ser surpreendido.

Isto, sem esquecer que se trata da primeira vez que o ambicioso conjunto de Abrantes atinge – na última década –, as meias-finais da competição, enquanto o Coruchense regista quatro presenças nesta fase da prova no mesmo período, tendo jogado duas finais, conquistando o troféu em 2014-15 (repetindo as proezas dos anos de 1996 e 1997).

Surpresa – Por seu lado, e apesar de o vice-líder da I Divisão, U. Santarém, ter também vencido o seu confronto ante o penúltimo classificado, Marinhais, a surpresa está no marcador tangencial registado: uma magra vantagem, de 2-1, a favor dos escalabitanos.

O histórico U. Santarém, que regista segunda presença sucessiva nas meias-finais (depois de ter sido eliminado, na época transacta, pelo União de Tomar, emblema que se viria a sagrar vencedor da prova) – já vencedor do troféu, há quarenta anos, logo na segunda edição da Taça do Ribatejo – terá assim de se aplicar a fundo, na segunda mão, em Marinhais, face a um opositor que, à semelhança da formação de Abrantes, alcança pela primeira vez esta fase da competição, nos últimos dez anos, em ordem a confirmar o seu favoritismo.

Em qualquer caso, a expectativa continua a ser a de poder assistir, na final da competição, a um novo duelo entre os dois clubes que têm liderado o futebol distrital na presente temporada.

Campeonato de Portugal – Atingindo-se já a 24.ª jornada da prova, o Mação deu sequência à sua caminhada de resultados positivos, empatando a zero ante a vizinha equipa de Oleiros, a qual vem ocupando tranquila posição a meio da tabela (9.º lugar), num ciclo que leva já três desafios sem derrota, todavia sem efeitos relevantes a nível da classificação: os maçaenses mantêm o penúltimo posto (apenas à frente do Alcains), a onze pontos da “linha de água”.

Bem melhor conseguiu, desta feita, o Fátima, ao ganhar (3-2) ao 5.º classificado, Sintrense, desfecho que custou à turma de Sintra descolar dos lugares de acesso ao “play-off” de apuramento de Campeão e de promoção, agora já a sete pontos do Anadia (novo 2.º colocado).

Uma vitória que poderá vir a revelar-se determinante para a fase final do campeonato, esperando-se que possa consubstanciar um ponto de inflexão na carreira dos fatimenses, após quatro desaires sucessivos (dois deles, não obstante, ante os actuais dois primeiros da tabela).

Desta forma, quando ficam a faltar dez rondas para o final da competição, o Fátima voltou a poder “respirar um pouco melhor”, agora com sete pontos de vantagem em relação à zona de descida. Poderá bastar somar – aos 31 pontos que averba nesta altura – talvez mais “meia dúzia” de pontos nesses dez jogos, para assegurar a manutenção no patamar nacional do futebol.

Antevisão – No regresso dos campeonatos Distritais, para disputa da 20.ª jornada da I Divisão, os cinco candidatos ao lugar de topo perfilam-se como lógicos favoritos, pese embora em encontros de grau de dificuldade teoricamente diferenciado.

De facto, Cartaxo e U. Santarém, recebendo os dois últimos classificados, respectivamente Marinhais e Alcanenense, terão tal estatuto reforçado, sem esquecer a cada vez mais aguda necessidade de pontos por parte das equipas do fundo da tabela classificativa. Em situação intermédia, o Amiense, que enfrenta deslocação ao sempre difícil reduto da Glória do Ribatejo.

Por seu lado, o Coruchense, e, sobretudo, o U. Almeirim, terão tarefas potencialmente mais complexas, não obstante actuarem, ambos, em casa, recebendo o At. Ouriense e o Fazendense, no último caso num “derby” almeirinense de desfecho sempre imprevisível.

Nota final ainda para o “clássico dos clássicos” do futebol distrital, entre Torres Novas e U. Tomar, que se cruzam em jogos a contar para Campeonatos (nacionais e distritais) e Taças (de Portugal e do Ribatejo) pela 92.ª vez (com um balanço ligeiramente favorável aos unionistas – 38 vitórias, contra 35 triunfos dos torrejanos, para além de 18 empates).

Na II Divisão, que atinge a derradeira ronda da fase preliminar da competição, o interesse maior estará noutro embate também entre clubes históricos, envolvendo a equipa “B” do U. Tomar (que, em caso de vitória, poderá ainda arrebatar o 4.º posto ao seu adversário) e o Tramagal.

No Campeonato de Portugal, os representantes do Distrito viajam até à região do “Oeste”, com a expectativa de poder pontuar, cabendo ao Fátima e Mação defrontar, respectivamente, o Caldas (11.º classificado, imediatamente abaixo dos fatimenses, somente a um ponto) e o Peniche (16.º classificado, ocupando, pois, a posição precisamente acima da dos maçaenses).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 7 de Março de 2019)

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 19jornada

(“O Templário”, 28.02.2019)

Apresentando agora – a par do líder Coruchense – o melhor desempenho nas seis jornadas já realizadas na segunda volta do campeonato da I Divisão Distrital, o Cartaxo ascendeu (à condição, dependendo do resultado do Amiense-U. Tomar, adiado para o mês de Março) à 3.ª posição, tendo ultrapassado, para além da turma de Amiais de Baixo, o U. Almeirim, ao mesmo tempo que voltou a encurtar, agora para cinco pontos, a distância face ao comandante.

Destaques – O principal destaque vai precisamente para a forma categórica como os cartaxeiros se vêm, agora, desembaraçando dos adversários: depois da goleada por 5-0 em Samora Correia e de terem quebrado a invencibilidade do Fazendense (3-1), nova goleada, em Ourém, ante o At. Ouriense, por 4-0, com a particularidade daquele que será porventura o melhor jogador do Distrital, Wemerson Silva, ter marcado um total de nove golos nesses três desafios, somando agora quinze tentos, destacando-se já, largamente, na liderança dos melhores marcadores.

Pese embora o calendário difícil que a fase final da prova lhe reserva (deslocações a Tomar, Amiais de Baixo, Coruche e Ferreira do Zêzere, recebendo ainda o U. Almeirim), o Cartaxo teima em mostrar que não pode ser ainda arredado da luta pelo título.

Naquela que era uma jornada de “todos os riscos”, Coruchense e U. Almeirim não lograram superar os difíceis obstáculos que se lhes deparavam, tendo cedido terreno em relação aos seus mais directos competidores: no caso do grupo do Sorraia, vendo recolar-se o U. Santarém, outra vez somente a um ponto; os almeirinenses, ficando em situação periclitante a nível do que serão as suas aspirações, tendo baixado ao 4.º posto, agora já a cinco pontos do vice-líder e a seis pontos do guia (sendo que defrontarão, nas duas derradeiras rondas, Cartaxo e Coruchense).

De facto, deslocando-se às Fazendas de Almeirim, o Coruchense não conseguiu melhor que a repartição de pontos, com uma igualdade a um golo, no que constitui o sétimo empate do Fazendense nas últimas nove jornadas; por seu lado, em Samora Correia, o U. Almeirim não conseguiu desfazer o nulo, constatando-se que venceu um único dos seus cinco últimos encontros na prova, e com inesperadas dificuldades (por tangencial 1-0), frente ao “lanterna vermelha”, na passada semana.

Confirmações – Nas outras três partidas confirmaram-se as expectativas, com os empates nos dois confrontos que agrupavam quatro dos cinco últimos classificados – aliás, numa jornada marcada por essa tendência de equilíbrio, com nada menos de quatro empates em seis jogos realizados –, para além do esperado triunfo do U. Santarém na Glória do Ribatejo.

Em Marinhais, a formação da casa continua a registar uma única vitória (com o At. Ouriense), em dez desafios já disputados na condição de visitante, tendo empatado a uma bola na recepção ao Torres Novas, o que possibilitou aos torrejanos – invictos nos seis jogos da segunda volta, tendo somado terceira igualdade sucessiva, depois de outros tantos triunfos – manter uma importante margem de seis pontos de vantagem em relação à “linha de água”, tendo ampliado para cinco pontos a diferença em relação ao seu mais próximo perseguidor, Glória do Ribatejo.

O último classificado, Alcanenense, enfrentava também um desafio que poderia ser crucial em ordem a procurar empreender a ansiada recuperação na tabela, recebendo o Ferreira do Zêzere. Num encontro com diferentes cambiantes, ora com uma, ora com outra equipa a superiorizarem-se, em determinadas fases do jogo, o nulo subsistiu também até final, um desfecho muito mais da conveniência dos ferreirenses, que, com os sete pontos de vantagem que dispõem em relação à zona de despromoção – a sete jornadas do final –, estarão prestes a garantir a tranquilidade.

Na Glória do Ribatejo, o U. Santarém cedo resolveu a contenda a seu favor, com o resultado final (3-1) estabelecido ainda na primeira metade do encontro, tendo passado assim sem maiores sobressaltos mais esta deslocação – seguindo numa série de dez jornadas de invencibilidade –, tendo voltado, de imediato, a pressionar o líder e a afirmar a sua candidatura.

II Divisão Distrital – Com a competição a aproximar-se do termo da sua primeira fase (faltando apenas disputar a derradeira jornada), o primeiro destaque vai para a goleada obtida pela equipa “B” do U. Tomar no terreno do Aldeiense (6-1), como que a “desforrar-se” do desaire da semana anterior; realce ainda para a vitória (3-2) da equipa da Ortiga no Pego, assim como para mais um triunfo (1-0) do Abrantes e Benfica, frente ao Riachense; ao invés, o Caxarias, depois de dez jornadas invicto, soçobrou no Tramagal, batido por 3-0. A Sul, o Rio Maior confirmou o 1.º lugar final, com uma imponente goleada (8-1) em Salvaterra de Magos.

Campeonato de Portugal – Mais uma semana com as preocupações a adensar-se para os clubes do Distrito, pese embora o que, noutras circunstâncias, teria sido um positivo empate (0-0) do Mação em Torres Vedras, perante o 6.º classificado, Torreense. Por seu lado, o Fátima apenas cedeu por escasso 0-1 na visita ao reduto do já líder destacado, U. Leiria.

Ora, se, por um lado, tal se traduz na manutenção de uma situação extremamente precária por parte do conjunto maçaense, penúltimo, a onze pontos da “linha de água”, já sem perspectivas realistas de conseguir melhor do que um digno final de época, por outro, a quarta derrota sucessiva dos fatimenses reflecte-se numa contínua queda da sua vantagem em relação a tal zona delimitadora: de doze para nove, depois para oito, sete, e, agora, já só de cinco pontos…

Antevisão – Os campeonatos distritais sofrem novo interregno neste fim-de-semana, para disputa da 1.ª mão das meias-finais da Taça do Ribatejo, com o seguinte cartaz: Abrantes e Benfica-Coruchense, uma autêntica “cimeira de líderes”, entre os comandantes da I e da II Divisão, na qual a invencibilidade dos abrantinos nesta temporada poderá ser colocada à prova, isto sem esquecer que haverá ainda depois o jogo de volta, em Coruche; e U. Santarém-Marinhais, em que os escalabitanos assumem integral dose de favoritismo.

No Campeonato de Portugal, as duas equipas do Distrito actuarão ambas em casa, com o Fátima a receber o Sintrense, actual 5.º classificado, ainda na disputa das duas vagas de acesso ao “play-off” de promoção (dista cinco pontos do Vilafranquense), urgindo estancar a abrupta queda que os fatimenses vêm atravessando; enquanto o Mação terá a visita do “vizinho” Oleiros, formação que ocupa tranquila posição a meio da pauta classificativa.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 28 de Fevereiro de 2019)

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 18jornada

(“O Templário”, 21.02.2019)

Depois de quatro jornadas com a liderança presa por um escasso ponto, sem vacilar, o Coruchense tornou a ampliar, para três pontos, a sua vantagem no comando, o que não sucedia já desde a 11.ª ronda, no início de Dezembro. Para tal beneficiou de um empolgante “derby” municipal, em Santarém, repleto de golos, em que os seus concorrentes se neutralizaram.

Destaque – O destaque da jornada 18 vai precisamente para o confronto que opunha o 2.º e 3.º classificados, respectivamente U. Santarém e Amiense, em partida disputada na capital do Distrito, na qual o grupo de Amiais de Baixo, continuando a elevar bem alto a sua ambição, quase surpreendeu os donos da casa, chegando a dispor de vantagem de dois tentos (3-1). Tal como sucedera no desafio ante o Coruchense, de há três jornadas, os escalabitanos conseguiriam forçar a igualdade, a três bolas, já em período de compensação, o que, por seu lado, deixa o Amiense agora a seis pontos do guia.

Surpresa – Vindo de uma pesada goleada sofrida em Santarém (0-6), o Ferreira do Zêzere foi surpreendido no seu reduto pela aguerrida formação da Glória do Ribatejo, não tendo conseguido melhor que o empate a um golo, com o conjunto do Sul do Distrito a confirmar o resultado positivo que obtivera na semana anterior, frente ao U. Almeirim, pela mesma marca. Mantém-se, assim, a distância entre ambos (cinco pontos, a favor dos ferreirenses, mas que não lhes permite ainda “respirar” com definitiva tranquilidade).

Confirmação – Numa jornada sem grande “turbulência”, nos restantes cinco encontros confirmaram-se as expectativas, com os favoritos a ditarem a sua lei, a par de uma igualdade num repartido embate em Torres Novas.

Começando pelo U. Almeirim, ainda em “convalescença” de três resultados sucessivos menos conseguidos – empates cedidos, por curiosidade, nos terrenos do Ferreira do Zêzere e da Glória do Ribatejo, intervalados por uma goleada sofrida no seu próprio reduto ante o rival U. Santarém –, venceu, mas com maiores dificuldades do que seria expectável, por margem tangencial (1-0), na recepção ao “lanterna vermelha”, Alcanenense.

Em partida entre adversários com forças potenciais menos desiguais, o Cartaxo deu sequência ao bom desempenho deste início de segunda volta (segundo mais produtivo em termos pontuais, a par do Torres Novas, só superados pelo líder), impondo-se por convincente 3-1 frente ao Fazendense, que, desta forma, viu enfim quebrada a sua longa série de onze jogos de invencibilidade (nove para o campeonato e dois na Taça do Ribatejo), desde 11 de Novembro!

O Coruchense, recebendo o Samora Correia, voltou a fazer pairar a incerteza no marcador em determinadas fases do desafio, mas acabaria por triunfar, por 4-2, somando terceira vitória sucessiva, quarta nos cinco jogos disputados na segunda volta, em que apenas consentiu um empate, em Santarém, no reduto do vice-líder, já “fora de horas”.

Em Tomar, o União conseguiu voltar a ganhar, colocando termo a um ciclo negativo de três desaires, batendo o Marinhais por 3-1. Uma vez mais, os unionistas sentiram grande dificuldade em quebrar a resistência do adversário, com o primeiro tento a demorar, também fruto de uma primeira parte de reduzida produtividade do seu futebol. Depois de alcançar a vantagem, os tomarenses ampliariam a marca para o que se supunha fosse um confortável 2-0, o que não impediria que viessem a sofrer ainda alguns calafrios, após o ponto de honra do adversário, apenas conseguindo o golo da tranquilidade definitiva já em tempo de compensação.

Foram mais três pontos somados que proporcionam, paralelamente, serenar e encarar com maior confiança o que falta do campeonato, agora já com a “linha de água” a distantes 13 pontos, tendo, entretanto, subido uma posição, por troca com o Samora Correia, para o 8.º lugar.

Por fim, entre dois clubes históricos, agora a atravessar fase mais positiva no campeonato, o Torres Novas e o At. Ouriense não desfizeram o nulo, com os torrejanos a ampliar para cinco a sua série de jogos sem perder, passando a dispor também de margem de seis pontos em relação à zona de despromoção, na qual se mantêm Marinhais e Alcanenense.

II Divisão Distrital – Depois de ter visto interrompida a sua fantástica série 100% vitoriosa em Caxarias, o Abrantes e Benfica reagiu em força, indo golear a Tomar, a equipa “B” dos unionistas, por categórica marca de 6-0. Numa ronda em que o Pego goleou também (7-1) o Sardoal, o desfecho mais importante foi, não obstante, o da partida entre Riachense e Ortiga, com a vitória dos homens dos Riachos (3-1) a permitir-lhes já, ainda com duas jornadas por disputar, a garantia matemática de qualificação para a fase final, de disputa do título de Campeão e das vagas de acesso à promoção, fechando assim o lote dos seis clubes apurados.

A Sul, a competição prossegue já sem especiais motivos de interesse, com o Rio Maior, tendo ganho por 1-0 ao Benavente, e beneficiando da folga de Forense e Moçarriense, prestes a garantir também a conquista do 1.º lugar da sua série (dispõe agora de cinco pontos de avanço).

Campeonato de Portugal – A notícia da semana foi a estreia do Mação a vencer em casa, ante o Nogueirense, por 2-1, após ter operado reviravolta no marcador, passando assim a contar três vitórias na prova (depois de ter ganho também em Alverca e na Sertã). Os maçaenses trespassaram, assim, a “lanterna vermelha” ao Alcains, mas mantêm-se a inacessíveis dez pontos da zona de manutenção. Por seu lado, o Fátima prossegue numa trajectória descendente, tendo perdido em casa, por 1-2, frente ao Torreense, no que constitui a terceira derrota sucessiva. Nestas três últimas rondas, os fatimenses viram a sua margem de segurança em relação à “linha de água” reduzir-se de forma continuada, primeiro de doze para nove pontos, depois para oito e, agora, para sete pontos… quando faltam disputar (ainda) doze jornadas.

Antevisão – Na I Divisão Distrital, com o Amiense-U. Tomar adiado para daqui a um mês, a próxima parece ser a jornada de todos os perigos, com os candidatos ao título a enfrentar sérios riscos: o Coruchense, nas Fazendas de Almeirim; o U. Santarém na Glória do Ribatejo; o U. Almeirim em Samora Correia; e o Cartaxo em Ourém. Veremos quem conseguirá “sobreviver”.

No escalão secundário, já com tudo praticamente definido nesta primeira fase, o Abrantes e Benfica recebe o Riachense, enquanto o U. Tomar “B” se desloca ao terreno do Aldeiense.

No Campeonato de Portugal, o Fátima tem uma curta deslocação até Leiria, para desafiar o líder, cabendo ao Mação viajar até Torres Vedras, enfrentando o último opositor dos fatimenses.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 21 de Fevereiro de 2019)

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 17jornada

(“O Templário”, 14.02.2019)

Trinta, foram os golos apontados na 17.ª jornada do Campeonato Distrital da I Divisão, o que passa a constituir novo “record” da presente edição da prova (por larga margem, dado que o anterior máximo era de apenas 23 tentos, na primeira ronda da segunda volta), correspondendo a uma média de quase 4,3 golos por jogo, fruto de três goleadas e de um inesperado equilíbrio no marcador em Alcanena, num desafio com sete golos.

Destaques – O primeiro destaque vai para a categórica goleada (6-0) imposta pelo U. Santarém ao Ferreira do Zêzere, dando sequência ao robusto triunfo da semana anterior em Almeirim, com os ferreirenses, por seu lado, a repetirem o “placard” já sofrido em Coruche. Nesta fase crucial da competição, quando entramos no seu último terço, o conjunto escalabitano parece ser actualmente o mais assertivo de todos os candidatos.

Depois de um imprevisto nulo caseiro ante o “lanterna vermelha”, o Cartaxo voltou a mostrar a sua ambição, goleando por 5-0 em Samora Correia, com realce para os quatro tentos de Wemerson Silva, já na liderança dos melhores marcadores (total de dez golos), partilhada com Moleiro (Amiense). Segue, não obstante, a considerável distância (sete pontos) do comandante.

Também o Amiense, com outra goleada, por 5-2, na recepção ao Marinhais (que vinha de um ciclo de cinco jogos sem perder), conseguiu voltar aos triunfos, colocando termo a uma série de… cinco jogos sem ganhar (incluindo a partida dos 1/4 de final da Taça), tendo reforçado o seu 3.º lugar, mantendo bem vivas as aspirações a interferir na decisão do título.

Em Alcanena, num encontro em que se tocaram os extremos da tabela, o último classificado, Alcanenense, ofereceu boa réplica ao guia, Coruchense, com o desfecho a saldar-se num triunfo da turma do Sorraia por 4-3, depois de ter chegado a beneficiar de vantagem de dois golos. Pese embora em período porventura menos afirmativo, a verdade é que a formação de Coruche é, a par do Torres Novas, a que mais pontos somou (dez) nas quatro jornadas já disputadas na segunda volta, apenas tendo deixado escapar a vitória em Santarém, ante o seu perseguidor.

Surpresas – Quem continua a desperdiçar pontos onde não se esperaria é o U. Almeirim, que concedeu uma igualdade (1-1) na deslocação à Glória do Ribatejo, um resultado bastante comprometedor para as suas aspirações, voltando a atrasar-se na luta pelos lugares de topo, estando agora a seis pontos do líder e a cinco do U. Santarém. Tratou-se da terceira jornada sucessiva em que os almeirinenses não conseguiram ganhar.

Não terá sido totalmente surpreendente o marcador final do prélio realizado nas Fazendas de Almeirim, mas assinala-se que o favorito, Fazendense, não conseguiu melhor que o empate (1-1) na recepção ao Torres Novas. Para o conjunto da casa foi o sexto empate nas últimas sete jornadas, enquanto os torrejanos, mesmo tendo interrompido um ciclo de três vitórias, dão sequência a esta fase de resultados positivos; aos cinco pontos angariados em toda a primeira volta, somam já mais dez pontos, nos últimos quatro desafios, o que lhes confere agora uma margem de cinco pontos em relação à “linha de água”.

Confirmação – Potenciando o factor casa, o At. Ouriense confirmou a sua melhor posição relativa na pauta classificativa, ganhando ao U. Tomar, mercê de um solitário golo, ascendendo assim ao 6.º lugar, somente a três pontos do Cartaxo. Ao invés, os unionistas, tendo registado terceiro desaire consecutivo, “marcam passo”, vendo afastar-se as equipas classificadas na primeira metade da tabela (o Fazendense está já a seis pontos), apenas com o 8.º classificado (Samora Correia) a manter-se em “ponto de mira” no imediato, um ponto acima.

II Divisão Distrital – O Caxarias fez história em Abrantes, ao impor uma igualdade (1-1) ao Abrantes e Benfica, que viu assim interrompida a sua magnífica senda triunfal, após 19 vitórias em outras tantas partidas disputadas! Com o triunfo (2-0) sobre o U. Tomar “B”, o Riachense deu passo determinante para o apuramento para a fase final, que confirmará na próxima ronda, caso vença, no seu reduto, a formação da Ortiga (que goleou o Sardoal por 6-1), agora o seu rival mais próximo, a seis pontos. Menção ainda à vitória do Tramagal sobre o Pego (4-2).

A Sul, com o triunfo (4-2) do Forense sobre o Pontével, tudo ficou já definido no que respeita aos três grupos qualificados para a fase de apuramento de Campeão: Rio Maior (vencedor na Ribeira de Santarém, ante os “Caixeiros”, por 1-0), Moçarriense (2-0 em Salvaterra de Magos, frente ao Salvaterrense), para além do próprio Forense, em estreia nestas lides.

Campeonato de Portugal – Sem surpresa, pela segunda semana, os clubes do Distrito somam por derrotas os encontros disputados, ambos derrotados em terreno alheio por tangencial 0-1: o Fátima, pelo agora vice-líder, Anadia; o Mação, em Vila Franca de Xira, por uma das equipas que integra o trio dos 3.º classificados, Vilafranquense.

Os fatimenses mantiveram a 9.ª posição, agora a par do Oleiros, com oito pontos de vantagem em relação à “linha de água”; por seu lado, os maçaenses, que subsistem na condição de “lanterna vermelha”, distam agora treze pontos desse limiar.

Antevisão – O “jogo grande” da próxima jornada, no escalão principal, é o “derby” municipal, entre U. Santarém e Amiense, que, em caso de triunfo dos donos da casa, poderá começar a clarificar as águas a nível da disputa do título; ao contrário, se for o emblema de Amiais de Baixo a conseguir ter êxito, tal contenda poderá ficar ainda mais animada.

Os outros candidatos, embora com missões de grau de dificuldade diferenciado, são favoritos, atendendo ainda a que actuam, todos eles, no respectivo reduto: o Coruchense recebe o Samora Correia, com os samorenses vindo de um pesado desaire caseiro; o U. Almeirim terá a visita do “lanterna vermelha”, Alcanenense (que impôs um nulo no Cartaxo, tendo perdido tangencialmente face ao guia); o Cartaxo defronta o Fazendense, que não perde há onze jogos…

Para o U. Tomar, recebendo o Marinhais, será importante voltar às vitórias, em ordem a que o grupo possa serenar definitivamente, ganhando maior ânimo para a fase final da temporada.

Na II Divisão, para além do decisivo Riachense-Ortiga, também o Rio Maior poderá praticamente confirmar o 1.º lugar na Série B, caso vença o Benavente.

No Campeonato de Portugal, pese embora joguem em casa, Fátima e Mação não deverão ter tarefa fácil, recebendo, respectivamente, o Torreense (6.º classificado) e o Nogueirense (8.º).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 14 de Fevereiro de 2019)

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 16jornada

(“O Templário”, 07.02.2019)

Em mais uma jornada com um embate entre dois dos principais pretendentes ao título da I Divisão Distrital, o U. Santarém, goleando em Almeirim, volta a afirmar-se como um dos mais fortes candidatos, ao mesmo tempo que o Cartaxo tornou a atrasar-se, devido ao comprometedor empate caseiro averbado (somando já o sexto jogo que não consegue vencer no seu reduto).

Destaques – Vindo de dois empates nas duas primeiras rondas da segunda volta (no Cartaxo e, em casa, frente ao Coruchense), o U. Santarém foi o grande vencedor da semana, indo golear um rival directo, U. Almeirim, no terreno deste, por 4-1, num desafio em que até começou por se ver em desvantagem no marcador, mas no qual viria a beneficiar de, desde relativamente cedo, os almeirinenses terem ficado em inferioridade numérica (aliás, terminariam o embate reduzidos a apenas nove elementos em campo, numa altura em que o resultado estava já feito).

Uma prova de força dos escalabitanos, que prosseguem a marcação cerrada ao líder, somente a um ponto. Ao invés, o U. Almeirim, que virara da primeira para a segunda volta com duas goleadas ante os então guias, Amiense e Coruchense, deu agora um passo atrás, passando a distar quatro pontos da turma do Sorraia, e três pontos em relação ao adversário que defrontou.

Em Ferreira do Zêzere, depois do U. Almeirim, também o Amiense foi travado, pelo mesmo resultado (igualdade a um golo), com os ferreirenses a dar boa resposta à eliminação da Taça do Ribatejo, aos pés do comandante do escalão secundário. A formação de Amiais de Baixo não consegue vencer há cinco partidas (incluindo a da Taça) – após um magnífico ciclo de sete triunfos consecutivos –, tendo vindo gradualmente a ceder terreno face aos primeiros, resistindo, não obstante, no 3.º posto, agora partilhado com o U. Almeirim.

Destaca-se ainda a recuperação empreendida pelo Torres Novas, que somou terceiro triunfo sucessivo em outros tantos encontros na segunda volta – depois de toda a primeira metade da prova sem conseguir ganhar –, batendo o Samora Correia por 2-1, apresentando o melhor registo de todos os clubes neste período, estando agora somente a dois pontos do Ferreira do Zêzere, e, mais importante, já com uma margem de quatro pontos em relação à “linha de água”.

Por fim, realce também para a primeira vitória do Marinhais no campeonato, sobre o At. Ouriense, mercê de um solitário golo marcado, o suficiente para deixar a “lanterna vermelha” e igualar o rival Glória do Ribatejo na 12.ª posição, dando sequência a um bom ciclo de quatro desafios sem perder, a que se soma o apuramento para as meias-finais da Taça do Ribatejo.

Surpresas – A grande surpresa do fim-de-semana foi o nulo cedido pelo Cartaxo ante o agora último classificado, Alcanenense – que segue com quinze desafios sem triunfar no campeonato, desde a vitória obtida na jornada inaugural, estando em situação cada vez mais delicada, à medida que a competição vai avançando –, enquanto os cartaxeiros voltam a ver ampliar-se o fosso para os primeiros, agora de sete pontos em relação ao líder e de seis pontos face ao 2.º.

Uma meia-surpresa sucedeu também em Tomar, onde o União não foi capaz de contrariar uma muito personalizada equipa do Fazendense, invicta há nove jogos, a qual, depois de seis empates sucessivos, logrou mesmo chegar à vitória, e logo na cidade Templária, “retribuindo” o desfecho da primeira volta (então favorável aos unionistas), colocando assim termo a uma longa série de treze confrontos sem triunfar ante os nabantinos, que perdurava já desde 2013!

Cedo se tendo adiantado no marcador, surpreendendo o adversário em lances de bola parada, o onze das Fazendas de Almeirim chegaria ao 2-0 ainda na primeira metade da partida. Pese embora tenha porfiado bastante, em especial na etapa complementar, o U. Tomar não conseguiria melhor que reduzir para a desvantagem mínima, tendo desperdiçado soberana ocasião para restabelecer a igualdade, praticamente no “último segundo”.

Confirmação – O líder, Coruchense, teve uma tarde tranquila, recebendo e batendo o grupo da Glória do Ribatejo por convincente 3-0, no que foi o quarto desaire sucessivo dos forasteiros.

II Divisão Distrital – O Abrantes e Benfica continua a ganhar (3-1 na Atalaia), enquanto o Riachense obteve um importante empate em Caxarias (1-1), o que lhe permitiu ampliar para cinco pontos a sua vantagem sobre o 4.º classificado, tendo beneficiado também da vitória do U. Tomar “B” (3-2) sobre a formação da Ortiga, com os tomarenses a regressar a essa posição.

A Sul, o Forense surpreendeu o Rio Maior, ganhando no terreno do líder (2-1), não tendo o Moçarriense ido além do empate (2-2) na recepção ao Benavente. A quatro rondas do termo desta primeira fase, parece faltar apenas a confirmação matemática dos clubes que se juntarão na fase final aos já apurados Abrantes e Benfica, Pego e Rio Maior, com as vagas remanescentes a ser, muito provavelmente, preenchidas por Riachense, Forense e Moçarriense.

Campeonato de Portugal – Esta foi uma semana negativa para os representantes do Distrito, ambos desfeiteados em casa, com o Fátima a ser batido pelo Alverca (que, não obstante, subsiste em zona de despromoção), por inesperada marca de 0-3, interrompendo assim uma série de três jogos sem derrota, tendo o Mação perdido (1-3) ante o 3.º classificado, Anadia.

Não há, pois, novidades que pudessem ser de alguma forma animadoras para os maçaenses, reduzindo-se, em paralelo, de doze para nove pontos, a “margem de segurança” dos fatimenses.

Antevisão – Na I Divisão, a perspectiva é de que a 17.ª jornada possa ser favorável para o quarteto da frente, pese embora as deslocações do Coruchense (a Alcanena) e do U. Almeirim (à Glória do Ribatejo), recebendo o U. Santarém e o Amiense, respectivamente, o Ferreira do Zêzere e Marinhais. Mais difícil se antevê a missão do Cartaxo (5.º), em Samora Correia.

No escalão secundário do Distrital, a Norte, o confronto de maior interesse será o que opõe Riachense (3.º) à equipa “B” do U. Tomar (4.º), sendo que o conjunto dos Riachos, se vencer, poderá praticamente garantir a qualificação para a fase final. A Sul, o Forense-Pontével deverá também ditar, desde já, os três apurados, isto no caso de os visitantes não ganharem.

No Campeonato de Portugal, cabe agora ao Fátima visitar Anadia, numa saída de elevado grau de dificuldade, enquanto que o Mação viaja até Vila Franca de Xira, onde não encontrará maiores facilidades, defrontando outro pretendente aos lugares cimeiros.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 7 de Fevereiro de 2019)

opulsardocampeonato-2018-19-tribatejo-1-4-final

(“O Templário”, 31.01.2019)

O União de Tomar despediu-se do sonho da reconquista da Taça do Ribatejo, perdendo na sempre algo ingrata fórmula de desempate por via de pontapés da marca de grande penalidade, após ter imposto um empate no terreno do líder do campeonato. Por curiosidade, avançam para as meias-finais todas as quatro equipas que disputaram esta eliminatória em casa.

Destaques – O primeiro destaque da ronda relativa aos 1/4 de final da Taça do Ribatejo vai para a vitória do Abrantes e Benfica, grupo que milita no escalão secundário, frente ao Ferreira do Zêzere, por 3-1, ampliando para 18 triunfos consecutivos, em outros tantos encontros disputados, a sua fantástica série de êxitos nesta temporada, afastando assim da prova o segundo clube primodivisionário (após ter vencido e eliminado já, na fase de grupos, o Torres Novas).

Em Coruche, no desafio que colocava frente a frente o guia do campeonato, Coruchense, ao actual detentor do troféu da Taça do Ribatejo, U. Tomar, assistiu-se a um jogo que começou por ser equilibrado, com os donos da casa a tentar assumir a iniciativa, procurando aproveitar o vento favorável, embora sem situações concretas de golo para qualquer dos lados.

Porém, com pouco mais de meia hora, o cariz da partida alterar-se-ia de forma substancial, em função de uma jogada em que um jogador da casa atingiu impetuosamente Flávio Graça nas costas, recebendo imediata ordem de expulsão, enquanto o tomarense, forçado a abandonar o rectângulo de jogo, ficaria no chão a contorcer-se com fortes dores durante vinte minutos, até ser transportado para o hospital, não se vindo a confirmar, felizmente, os receios de fractura.

A partir daí, o Coruchense cedeu a iniciativa ao adversário, passando a jogar na expectativa do erro. Se, até final do primeiro tempo, com a preocupação pelo estado físico de Flávio a sobrepor-se, o jogo foi algo incaracterístico – sem prejuízo de os nabantinos terem reclamado ainda uma grande penalidade, não concedida pelo árbitro –, na segunda parte, o domínio seria praticamente total do U. Tomar, acabando os visitados por ser felizes, chegando ao golo inaugural, a meio desse período, após terem beneficiado de lance de bola parada.

Até final, os unionistas, empurrando o adversário para a sua zona defensiva, procurariam, com grande insistência, restabelecer o empate, o que, contudo, só viriam a alcançar já no terceiro minuto dos quatro de tempo de compensação, colocando alguma justiça no marcador, com a curiosidade de, em jogos sucessivos, a turma do Sorraia ter sofrido o tento da igualdade já para além dos 90 minutos, tal como ocorrera na semana anterior, em Santarém.

O União teria ainda oportunidade para consumar a reviravolta no marcador, antes de se chegar aos pontapés da marca de grande penalidade, situação em que, perdulário, não conseguiu concretizar nenhuma das suas três tentativas, com a bola sempre a subir demasiado, duas vezes por cima do travessão, e, na última, a embater com estrondo na barra da baliza. Após terem sido apurados, na eliminatória anterior, por esta via, os tomarenses acabariam por ser penalizados, num encontro em que, muito dignamente, enfrentando o comandante do campeonato, e em terreno alheio, com exibição globalmente superior ao seu oponente, caíram de pé.

Confirmações – Na capital do Distrito, o U. Santarém venceu o “derby” municipal, ante uma equipa do Amiense a atravessar fase de menor fulgor, sem conseguir triunfar nos últimos quatro jogos, superiorizando-se por 2-0, garantindo assim o apuramento para as meias-finais pelo segundo ano sucessivo.

Por fim, em Marinhais, a equipa da casa – única ainda sem se ter estreado a vencer no campeonato da I Divisão – ganhou ao Pontével, do escalão secundário, por tangencial 1-0, o suficiente para seguir em frente na competição, no seu melhor desempenho da última década.

As meias-finais, a serem disputadas a duas mãos, estão agendadas para 3 e 24 de Março, com os seguintes emparelhamentos: Abrantes e Benfica-Coruchense e U. Santarém-Marinhais.

Campeonato de Portugal – Confirmaram-se as expectativas de desempenho dos clubes representativos do Distrito, na 19.ª jornada do Nacional, com o Fátima a obter um resultado positivo (nulo) na deslocação à Sertã, frente ao Sertanense (agora a última equipa acima da “linha de água”), enquanto o Mação foi, com alguma naturalidade, derrotado em Leiria (3-0) pelo novo líder da prova, U. Leiria.

Os fatimenses mantêm a 9.ª posição, tendo ampliado para doze pontos a sua margem de segurança em relação a tal linha, quando faltam disputar 15 jornadas. De forma simétrica, o Mação, que subsiste como “lanterna vermelha”, dista agora doze pontos do conjunto da Sertã.

Antevisão – Na retoma dos campeonatos Distritais, o grande realce vai para o confronto entre U. Almeirim e U. Santarém, dois dos principais candidatos ao título. Por outro lado, com o Amiense a enfrentar também um teste difícil na deslocação a Ferreira do Zêzere, Coruchense (recebendo a formação da Glória do Ribatejo) e Cartaxo (que terá a visita do Alcanenense) poderão aproveitar a perda de pontos de algum ou alguns dos seus mais directos concorrentes.

O U. Tomar recebe o Fazendense, tendo em mira a possibilidade de começar a subir na tabela, enquanto o Torres Novas – por curiosidade, depois de toda a primeira volta sem vencer, a única equipa que ganhou os dois jogos já disputados na segunda volta (tendo batido o Glória do Ribatejo por 2-0, em jogo em atraso da 14.ª jornada, realizado no passado fim-de-semana) – joga também em casa, ante o Samora Correia, entretanto beneficiado com a sanção imposta ao Marinhais (derrota por 0-3, em partida da ronda inaugural, por ter efectuado quatro substituições no segundo tempo, sendo o limite regulamentar de três alterações no “onze” em tal período).

No escalão secundário, a Norte, destaca-se o Caxarias-Riachense, decisivo para as eventuais aspirações dos comandados de Marco Marques, recebendo o U. Tomar “B” a equipa da Ortiga. A Sul, nota para o Rio Maior-Forense, actuais 1.º e 3.º classificados, podendo também o Moçarriense “carimbar” desde já o apuramento para a fase final, caso vença o Benavente.

No Campeonato de Portugal, o Fátima recebe uma equipa do Alverca em recuperação na pauta classificativa, num jogo em que não deverá esperar facilidades; por seu lado, o Mação, actuando também em casa, defronta o Anadia, actualmente no 5.º lugar, ainda na expectativa da possibilidade de alcançar as duas primeiras posições, distando somente três pontos do 2.º posto.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 31 de Janeiro de 2019)

Página seguinte »