O Templário


Pulsar-10

(“O Templário”, 07.12.2017)

À medida que o campeonato vai avançando, maior parece ser o equilíbrio entre um numeroso leque de concorrentes, numa prova nivelada por cima, enquanto, algo paradoxalmente, a pragmática equipa do Mação continua, de forma paulatina mas consistente, a dilatar a sua vantagem, continuando a transpor sem falhas os diversos e difíceis obstáculos que se lhe vão deparando no caminho, beneficiando dos pontos perdidos nos jogos entre os seus perseguidores.

Destaques – O primeiro destaque desta 10.ª ronda vai precisamente para mais um triunfo dos maçaenses, defrontando, pela segunda semana sucessiva um dos 2.º classificados, Samora Correia, voltando a vencer, outra vez, graças a um único golo, o “q.b.” para somar mais três pontos, distanciando assim os samorenses – que somaram o terceiro desaire nas últimas quatro partidas –, agora já a nove pontos, tendo caído para o 6.º posto.

Realce também para a categórica vitória do U. Tomar na recepção ao Torres Novas (curiosamente, repetindo a marca da época passada, 3-0), somando terceira vitória nos últimos quatro jogos (empatou apenas no terreno do líder), o que catapultou os unionistas para o pódio – numa fulgurante ascensão, desde o 8.º lugar, numa única jornada –, repartindo agora a 3.ª posição com o Fazendense, ambos só um ponto abaixo do novo 2.º classificado, U. Almeirim.

Tal como sucedera na semana anterior, os unionistas, praticamente entrando a ganhar, com o golo inaugural logo ao terceiro minuto, cedo resolveram a contenda, fixando o marcador ainda no decurso da primeira metade do desafio. Não obstante, com os oito tentos apontados nos 45 minutos iniciais das duas últimas jornadas, o grupo nabantino, somando já um total de 23 golos, cota-se agora como o melhor marcador da prova. Ao invés, os torrejanos, somando terceira derrota sucessiva, baixaram, em duas semanas, de 2.º para 8.º!

Por fim, menção ainda à goleada (4-0) averbada pela U. Abrantina frente aos Empregados do Comércio (com quatro derrotas nos últimos cinco jogos, apenas não tendo perdido… com o líder), ultrapassando assim os “Caixeiros”, ao mesmo tempo que trespassou a “lanterna vermelha”, de novo, a uma irreconhecível equipa do Riachense, cada vez em maiores apuros.

Confirmações – Os resultados dos outros quatro jogos não trouxeram também qualquer surpresa, confirmando-se, portanto, o favoritismo do U. Almeirim e do Cartaxo, assim com a esperada tendência de equilíbrio nos encontros de Amiais de Baixo e da Moçarria.

O Cartaxo conseguiu finalmente, ao quarto jogo, quebrar a malapata, depois de três desaires no seu terreno, ganhando por 2-1 ao Ferreira do Zêzere, que, concomitantemente, viu também quebrada a sua magnífica série de cinco vitórias consecutivas. Um desfecho que volta a trazer o conjunto cartaxeiro para junto do “pelotão” da frente, agora a três pontos do par que reparte a 7.ª e 8.ª posição, ampliando para sete pontos a margem de segurança em relação à “linha de água”.

Em Amiais de Baixo, o Amiense e Fazendense repetiram, pela sexta vez nas últimas oito épocas, a igualdade, desta feita a uma bola, num confronto em que esta tendência de equilíbrio raramente tem sido desfeita. O clube das Fazendas de Almeirim somou o seu sexto empate na presente edição do campeonato, mantendo, assim, a invencibilidade na competição.

Em Almeirim, o União local, sem contemplações ante o, outra vez, “lanterna vermelha”, Riachense – somou o quinto desaire nas últimas seis partidas que disputou –, goleou por 5-1 (desforrando-se da eliminação na Taça do Ribatejo, aos pés deste mesmo adversário), aproveitando os resultados dos seus mais directos rivais na tabela para subir do 4.º ao 2.º lugar.

Por fim, na Moçarria, o Moçarriense e o At. Ouriense não foram além do empate, igualmente a uma bola, um desfecho mais agradável para a formação de Ourém do que para os donos da casa, que, apenas tendo conseguido, até agora, vencer um único jogo, e não obstante se mantenham à “tona de água”, contam somente um escasso ponto a mais que a U. Abrantina, tendo visto o Cartaxo afastar-se, agora já a seis pontos – parecendo, assim, restringir-se ao quarteto da cauda da pauta classificativa (também com Caixeiros e Riachense) a luta para escapar à despromoção.

II Divisão Distrital – Na série a Norte, o Tramagal cedeu os primeiros pontos, não tendo conseguido desafazer o nulo na visita que fez ao terreno onde o Aldeiense disputa os seus jogos em casa, mantendo o comando, mas vendo, assim, o Rio Maior (vitória por 4-1 em Alferrarede) aproximar-se, agora a três pontos. No confronto entre U. Atalaiense e Espinheirense, clara vitória da turma da Atalaia (3-0), seguindo ambos um ponto mais abaixo, na 3.ª posição.

A Sul, já na 8.ª ronda, o Glória do Ribatejo reforçou a liderança, ganhando ao Barrosense (2-0) e beneficiando do empate (1-1) do Benavente em Benfica do Ribatejo. Destaque para as goleadas obtidas por U. Santarém (6-1 na recepção ao Pontével) e Marinhais (5-1 ao Porto Alto), ocupando, respectivamente, o 4.º e o 2.º lugar (partilhado com o Benavente).

Campeonato de Portugal – Esta foi uma jornada (12.ª) positiva para os emblemas do Distrito, com triunfos do Fátima (3-0 ao Sintrense) e do Coruchense (3-2 em Ponte de Sôr, frente ao Eléctrico), enquanto o Alcanenense foi empatar, a zero, a Torres Vedras, ante o Torreense. A turma do Sorraia subiu ao 5.º lugar, sendo agora o grupo de Alcanena, 10.º; ainda abaixo da “linha de água”, mas somente um ponto abaixo, o Fátima manteve-se no 12.º posto.

Antevisão – Neste fim-de-semana, os campeonatos distritais registam nova interrupção, a pretexto da disputa dos 1/8 de final da Taça do Ribatejo. Contudo, devido ao facto de se encontrar também em acção a selecção distrital, apenas serão realizadas três das oito partidas inicialmente agendadas: Empregados do Comércio-Alferrarede, Marinhais-Glória do Ribatejo e U. Santarém-U. Atalaiense, tendo as restantes sido adiadas, em princípio, para 23 de Dezembro.

No Campeonato de Portugal, o Coruchense terá a visita do líder, Mafra, enquanto o Alcanenense recebe o Caldas; o Fátima desloca-se a Sacavém, para defrontar o Sacavenense.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 7 de Dezembro de 2017)

Anúncios

Pulsar-09

(“O Templário”, 30.11.2017)

Cumprido o terço inicial do Distrital da I Divisão, o campeonato está ao “rubro”, com apenas dois pontos a separar o 2.º e o 8.º classificados! Perante este cenário, o Mação vai fazendo uma campanha “à parte” – tendo somado mais três preciosos pontos, no terreno do até então vice-líder –, beneficiando, paralelamente, dos resultados dos outros mais directos perseguidores, para ampliar, agora já para seis pontos, o seu avanço.

Destaques – O principal realce desta jornada vai para a goleada do Ferreira do Zêzere ao Moçarriense (5-0), e não só pelos números desta vitória, mas, sobretudo, por se tratar do quinto triunfo consecutivo dos comandados de Eduardo Fortes – onde Tiago Vieira vai brilhando a grande altura, já com dez tentos apontados –, num desempenho sem paralelo no historial dos ferreirenses, que integram um quarteto que partilha a 4.ª posição, somente um ponto abaixo do par formado por Fazendense e Samora Correia.

Naturalmente, a vitória arrancada pelo Mação em Torres Novas, mercê de um solitário golo, é também merecedora de especial destaque, voltando a catapultar os maçaenses – depois dos dois empates registados nas duas últimas semanas – para uma liderança que parece cada vez mais folgada, enquanto, ao invés, os torrejanos somaram o terceiro jogo sem ganhar.

É digna de menção, igualmente, a goleada do União de Tomar na Ribeira de Santarém, frente aos Caixeiros (5-2) tendo chegado a pairar no ar – quando, ainda antes dos 35 minutos (!), os unionistas chegaram ao 4-0 – o espectro da eventual repetição do desfecho de há quatro anos (8-0). Porém, depois de um quarto de hora final do primeiro tempo ainda bem animado, com mais três golos, na segunda metade do encontro o marcador não se alteraria. Para os tomarenses, enfim, o quebrar da “malapata”, com o primeiro êxito fora de portas, após três empates (e um desaire). Mas, principalmente, tal significa voltar a ter o 2.º lugar sob ponto de mira, conforme referido, agora à distância de apenas dois pontos…

Surpresa – Atendendo ao percurso que ambas as formações vêm apresentando neste campeonato, não deixa de ser surpreendente o triunfo alcançado pelo Riachense – primeiro, nesta edição da prova – na recepção ao Cartaxo (2-1), resultado “arrancado a ferros”, com o golo da vitória a ser apontado já em período de compensação, surpreendendo um também irreconhecível conjunto cartaxeiro, 10.º classificado, já com 13 pontos de desvantagem do guia e talvez a começar a ter de preocupar-se mais em “olhar para baixo” do que para cima…

Confirmações – Nas restantes três partidas desta 9.ª ronda, os desfechos têm correspondência face ao que seriam as expectativas gerais.

Começando pelo “derby” almeirinense, os rivais neutralizaram-se, empatando a uma bola, o que originou, de novo, o atrasar de ambos os clubes em relação ao líder. Ainda assim, o Fazendense, (que jogava no seu terreno) manteve a invencibilidade na prova, enquanto que, para o U. Almeirim, se tratou do terceiro empate nas quatro jornadas mais recentes.

Por seu lado, o Samora Correia, que vinha de um ciclo precisamente igual ao agora registado pelo Torres Novas, com um empate e duas derrotas – voltou a vencer, na recepção ao Amiense (2-1), ascendendo assim ao 2.º posto, a par do emblema das Fazendas de Almeirim. Ao contrário, para o grupo de Amiais de Baixo, tratou-se da quarta derrota nos últimos cinco jogos.

Finalmente, em Ourém, o Atlético local impôs-se frente ao agora “lanterna vermelha”, U. Abrantina, operando a reviravolta no marcador, para acabar por ganhar por 3-1, no seu terceiro triunfo em quatro rondas, integrando o tal quarteto do 4.º ao 7.º classificados.

II Divisão Distrital – Na série a Norte, o Tramagal segue de “vento em popa”, mantendo o pleno de vitórias (cinco), após ter vencido um adversário difícil, U. Atalaiense, por 1-0. Destaque ainda para a soberba goleada (8-0) aplicada pelo Rio Maior a um grupo do Pego em “reconstrução”, porventura sem aspirações a poder disputar os primeiros lugares nesta temporada. O Espinheirense (2-0 ao At. Pernes) mantém-se na perseguição ao guia, a três pontos, dois pontos acima do Rio Maior e do Aldeiense (batido em Caxarias por 3-1).

A Sul, já na 7.ª ronda, o Benavente foi surpreendido, no seu próprio reduto, pelo Glória do Ribatejo, perdendo por 1-0, vendo-se assim igualado no comando da prova, com vantagem para a turma da Glória, que regista um jogo disputado a menos. Surpreendente terá sido também a vitória do Salvaterrense (primeira, após o regresso do clube à competição oficial) na Barrosa (3-1), com o Barrosense a atrasar-se, ultrapassado pelo Marinhais (vencedor em Pontével, por 3-2).

Campeonato de Portugal – No confronto entre representantes do Distrito, Coruchense e Fátima empataram a dois golos, enquanto o Alcanenense conseguiu voltar aos triunfos, ganhando ao Lusitânia dos Açores por tangencial e sofrido 3-2. Continua, assim, a ser pouco tranquilizadora a posição que ocupam, agora com os três clubes em sequência directa na pauta classificativa: a turma de Alcanena no último lugar acima da “linha de água” (10.º), com a mesma pontuação do grupo do Sorraia (11.º), seguidos pelos fatimenses (12.º) a três pontos.

Antevisão – Na I Divisão Distrital, destacam-se os encontros entre Mação e Samora Correia (com o líder, outra vez, a cruzar-se com um dos 2.º classificados), assim como o principal clássico do futebol distrital, com o União de Tomar a receber o Torres Novas, num confronto já repetido por 88 vezes (em provas de âmbito nacional e distrital), com ligeira vantagem tomarense (37 contra 34 em número de vitórias, para além de 17 empates).

Na II Divisão, a Norte, o Tramagal desloca-se ao terreno do Aldeiense, perfilando-se como favorito, enquanto a U. Atalaiense recebe o Espinheirense. A Sul, dois jogos sobressaem também: Glória do Ribatejo-Barrosense e Benfica do Ribatejo-Benavente.

No Campeonato de Portugal, o Alcanenense tem uma saída difícil, a Torres Vedras, enquanto o Coruchense viaja ao Alentejo, até Ponte de Sôr; por seu lado, o Fátima recebe o Sintrense (5.º).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 30 de Novembro de 2017)

Pulsar-08

(“O Templário”, 23.11.2017)

No jogo grande da 8.ª ronda do Distrital da I Divisão, o Mação, recebendo o União de Tomar, somou segundo empate sucessivo; não obstante, beneficiou da derrota do Torres Novas para ampliar a sua vantagem na liderança, agora de quatro pontos, face a torrejanos e a uma equipa do Fazendense que tem vindo a subir na tabela, a par dos maçaenses a única que mantém a invencibilidade na prova, num campeonato que promete ainda muita animação.

Destaques – O principal realce vai precisamente para o triunfo do Fazendense no Cartaxo (2-1), no que traduz o terceiro desaire caseiro dos cartaxeiros em outros tantos jogos disputados! Por seu lado, a turma de Fazendas de Almeirim, com um desempenho muito regular, até agora similar em casa e fora do seu reduto (2 vitórias e 2 empates), aproximou-se do topo, ascendendo ao 2.º lugar, curiosamente com o mesmo número de golos marcados e sofridos que o líder.

Outro grande destaque vai para mais uma vitória (1-0) – a quarta consecutiva, na que será a melhor série de sempre do clube no principal escalão – do Ferreira do Zêzere, desta feita em Abrantes, ante a U. Abrantina (que vinha de um triunfo em Riachos), o que lhe possibilitou ascender a uma magnífica 6.ª posição na pauta classificativa, somente a três pontos do 2.º posto!

Merece ainda um sublinhado particular a goleada (6-0) imposta pelo At. Ouriense, na recepção aos Empregados do Comércio, uma equipa que vinha de um empate frente ao comandante, mas que tem alternado bons resultados com outros menos conseguidos. Confirmou-se a tendência de anos anteriores, com os Caixeiros a sofrerem a quarta goleada em Ourém em quatro jogos.

Confirmações – Nas outras quatro partidas, os desfechos verificados podem enquadrar-se dentro do que seria expectável.

Desde logo, em Mação, frente ao líder, o U. Tomar uma vez mais demonstrou não ser inferior a qualquer adversário neste campeonato. Contudo, tal continua a não ser patente na tabela, tendo os unionistas baixado agora a um modesto 8.º lugar (a par do Amiense), somando apenas metade dos pontos até agora em disputa. Num desafio que podia marcar o relançar dos tomarenses no campeonato – que continuam sem vitórias em terreno alheio, após quatro jogos –, o melhor que foi possível foi o empate, alcançado já na fase final do encontro, apesar de ter havido ainda possibilidade para chegar ao triunfo, no 6.º minuto do tempo de compensação…

Por agora, uma igualdade (1-1) que serviu bem melhor os interesses dos maçaenses, que não só mantêm distâncias, como, inclusivamente, ampliaram a vantagem face aos rivais mais próximos (Torres Novas e Samora Correia foram ambos derrotados). Mas o campeonato é longo e o pelotão de perseguidores é vasto, com nada menos de oito clubes (do 2.º ao 9.º classificado) concentrados num intervalo de apenas quatro pontos!

Em Almeirim, o União local regressou às vitórias, batendo o Samora Correia por 2-0, subindo assim ao 4.º posto, somente um ponto abaixo do duo que reparte a 2.ª posição, tendo ultrapassado, precisamente, os samorenses, que caíram dois lugares, para 5.º.

O Amiense, recebendo o Torres Novas, conseguiu enfim pôr cobro a um ciclo de quatro derrotas consecutivas, ganhando também por 2-0, igualando o União de Tomar na classificação.

Por fim, na Moçarria, os donos da casa alcançaram o primeiro triunfo no campeonato (2-1), agravando ainda mais a já delicada situação do Riachense, “lanterna vermelha”, agora a cinco pontos da “linha de água”, acima da qual se posicionou o seu opositor desta jornada. Se excluirmos o Cartaxo desta disputa, poderá começar a antever-se que a luta pela manutenção será, pelo campeonato adiante, o “dia-a-dia” do quarteto actualmente na cauda da tabela, incluindo, para além de Moçarriense e Riachense, também os Caixeiros e a U. Abrantina.

II Divisão Distrital – Na série mais a Norte, o principal realce vai para o Tramagal, goleando o Espinheirense por 3-0, somando o quarto triunfo sucessivo, tendo-se isolado na liderança, com o pleno de pontos, beneficiando ainda do empate do Aldeiense (2-2) com o Rio Maior.

A Sul, já na 6.ª jornada, o Benavente foi vencer a Salvaterra (2-0), mantendo o comando, três pontos acima do Glória do Ribatejo (que goleou também por 3-0 o Benfica do Ribatejo), equipa que regista um jogo a menos. De assinalar ainda a vitória (3-1) obtida pelo Barrosense em Santarém, ante o União local, mantendo assim a 3.ª posição nesta série.

Antevisão – Na I Divisão Distrital, a 9.ª jornada “promete”, em especial com duas partidas em que se defrontarão os actuais quatro primeiros classificados!

O guia, Mação, terá mais um sério teste, visitando Torres Novas, para defrontar um dos seus mais próximos rivais na tabela, não sendo todavia expectável que possa vir a ver quebrada a sua invencibilidade na prova. Por outro lado, destaque também para o “derby” Fazendense-U. Almeirim, respectivamente no 2.º e 4.º lugar, separados por apenas um ponto, um desafio que poderá dar também indicações sobre as aspirações futuras de cada uma destas formações.

O União de Tomar terá nova oportunidade para, na deslocação à Ribeira de Santarém, frente aos Empregados do Comércio, procurar chegar ao primeiro triunfo “fora de portas”.

Na II Divisão, a Norte, o Tramagal tem outro encontro de grau de dificuldade elevado, recebendo a U. Atalaiense, enquanto o Aldeiense visita Caxarias. A Sul, o “jogo grande” é, justamente, o que coloca frente-a-frente os dois primeiros: Benavente-Glória do Ribatejo.

No Campeonato de Portugal, de regresso após a pausa para disputa da Taça de Portugal (já sem representantes do Distrito), teremos, agora sim, o aliciante confronto entre Coruchense-Fátima, enquanto o Alcanenense recebe o Lusitânia (Açores), na expectativa de poder voltar às vitórias.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 23 de Novembro de 2017)

Pulsar-07

(“O Templário”, 16.11.2017)

Caixeiros travam líder

À 7.ª jornada o líder, Mação, viu interrompida a sua senda triunfal, não tendo conseguido, pela primeira vez na prova, ir além do empate, na deslocação à Ribeira de Santarém, frente aos Empregados do Comércio. Numa ronda na qual nenhum dos cinco primeiros da tabela conseguiu vencer, tal resultou num reagrupamento do pelotão da frente, agora com um total de oito equipas enquadradas num intervalo de apenas seis pontos, entre o 2.º e o 9.º classificado.

Destaques – O grande destaque vai para os Caixeiros que, recebendo o Mação, tendo começado por sofrer um golo, tiveram a capacidade para operar a reviravolta no marcador, mantendo-se em vantagem até próximo do final da partida, com os maçaenses a conseguir ainda minimizar os danos, acabando por restabelecer a igualdade, a duas bolas.

Merece igualmente realce o triunfo averbado pelo Cartaxo na visita a Samora Correia, impondo-se por 3-1 no terreno do actual 3.º classificado. Depois de ter ganho já em Tomar, ante o União, e de ter empatado em Almeirim, os cartaxeiros confirmam a sua vocação para roubar pontos aos candidatos ao título, no seu próprio reduto. Um desempenho em flagrante contraste com os resultados registados em casa, em que, até agora, em dois jogos, contam dois desaires.

Surpresa – A surpresa desta ronda registou-se nas Fazendas de Almeirim, onde o aguerrido grupo do Moçarriense foi arrancar um nulo, somando assim o seu terceiro empate (depois do União de Tomar e do Samora Correia, ambos em casa). Para o Fazendense, que mantém a invencibilidade, esta foi já a quarta igualdade cedida/averbada (terceira nos últimos quatro jogos), mantendo o 4.º posto na pauta classificativa, a seis pontos do comandante.

Outra “meia-surpresa” ocorreu nos Riachos, com a primeira vitória da U. Abrantina – colocando termo a um terrível ciclo de seis desaires sucessivos –, batendo o Riachense por 2-1. Ao invés, para a turma da casa, este desfecho vem confirmar que será necessário mudar bastante para poder evitar a ameaça da despromoção. Com uma campanha irreconhecível, o Riachense é agora o “lanterna vermelha”, com um único ponto obtido até à data!

Confirmações – O União de Tomar, evidenciando uma subida de forma nas últimas semanas, impôs-se categoricamente ao Amiense – que, depois de três triunfos nas três primeiras jornadas, somou a quarta derrota consecutiva –, ganhando por 3-0, sendo o principal beneficiado da jornada, ganhando pontos (2 ou 3) a todos os cinco clubes que seguem actualmente à sua frente na pauta classificativa. Um tento a abrir cada meio tempo selaram uma vitória tranquila dos unionistas, reforçada ainda com o terceiro golo.

Em Ferreira do Zêzere, a turma local prossegue a sua excelente recuperação, sob o comando técnico de Eduardo Fortes – após os três desaires na abertura do campeonato, somou agora o terceiro triunfo sucessivo –, batendo uma boa equipa do At. Ouriense por 2-0, posicionando-se a meio da tabela, nesta já altura já com uma vantagem de sete pontos face à “linha de água”!

Num dos principais desafios da ronda, em que se defrontavam o vice-líder, Torres Novas (que mantinha em curso um ciclo de três vitórias) e o 5.º classificado, U. Almeirim, curiosamente – tal como sucedera na semana anterior com os almeirinenses –, empatando de novo a um golo, os dois conjuntos “anularam-se” mutuamente, tendo, desta feita, a formação de Almeirim desperdiçado uma grande penalidade já mesmo no final do jogo. Assim, os torrejanos continuam a três pontos do guia, enquanto o U. Almeirim mantém um atraso de sete pontos.

II Divisão Distrital – Na série mais a Norte, apenas na sua 3.ª jornada, destaque para as goleadas do Espinheirense frente ao Alferrarede (6-1) e, sobretudo, por inesperada, do Rio Maior ante a U. Atalaiense (4-1). As equipas do Espinheirense, Aldeiense (vitória no terreno do Ortiga) e Tramagal (ganhando em Caxarias) partilham o comando, com o pleno de pontos.

A Sul, já na 5.ª ronda, numa série bastante equilibrada, o Benavente venceu o confronto com o U. Santarém (2-1), isolando-se na liderança, beneficiando da folga do Glória do Ribatejo, assim como do desaire caseiro do Barrosense ante o Marinhais (0-1).

Campeonato de Portugal – Já na sua 10.ª jornada, cumprindo-se portanto o primeiro terço da prova, o Fátima continua a ganhar, na recepção ao Guadalupe (3-1), tal como o Coruchense, com uma importante vitória na deslocação a Sacavém, frente ao Sacavenense (1-0). Ao invés, o Alcanenense, batido no terreno do líder, Mafra (0-2) – somando assim o quarto desaire consecutivo –, caiu, pela primeira vez, para os indesejados lugares abaixo da “linha de água”. Por agora, uma situação ainda não alarmante, dado o grande equilíbrio pontual registado entre os diversos clubes concorrentes, mas urge “arrepiar caminho”.

Antevisão – Na I Divisão Distrital, o jogo grande da jornada será, indubitavelmente, o que opõe o líder, Mação, ao União de Tomar, num desafio que poderá vir a revestir-se de contornos determinantes para o futuro da competição. Para os unionistas, será mais uma etapa na linha do objectivo de vencer jogo a jogo, o que a concretizar-se, animaria sobremaneira o campeonato.

Merecem igualmente destaque os embates entre U. Almeirim-Samora Correia (no qual se cruzam outros dois candidatos ao título), assim como o Amiense-Torres Novas, envolvendo dois clubes históricos do Distrito. Será também de especial interesse o Cartaxo-Fazendense.

Na II Divisão, a Norte, cruzam-se dois dos actuais líderes, no Tramagal-Espinheirense, enquanto o outro comandante, Aldeiense, terá um sério desafio, na recepção ao também candidato Rio Maior. A Sul, o Benavente é favorito na visita a Salvaterra, sendo de salientar ainda o Glória do Ribatejo-Benfica do Ribatejo, assim como o U. Santarém-Barrosense.

No Campeonato de Portugal, teremos um aliciante confronto entre Coruchense-Fátima, cabendo ao Alcanenense receber o Lusitânia dos Açores, esperando-se que possa retomar os triunfos, invertendo a tendência das últimas jornadas.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 16 de Novembro de 2017)

Pulsar-06

(“O Templário”, 09.11.2017)

Para além da nota que se vem tornando rotineira, relativa ao pleno de triunfos do Mação, ampliando já para seis a sua série de êxitos neste arranque de campeonato, merece também especial menção a excelente campanha que o Torres Novas vem realizando, em tão cerrada quão inesperada perseguição ao líder, somente a três pontos. Ao invés, U. Almeirim e U. Tomar, que, à partida, se perfilaram como candidatos, “anularam-se” mutuamente.

Destaques – O principal realce vai, necessariamente, para mais uma vitória do Mação, na muito difícil deslocação a Amiais de Baixo, frente ao Amiense, onde um solitário tento bastou para garantir os três pontos que, por agora, colocam os maçaenses cada vez mais na rota do título.

Por seu lado, também o triunfo do Torres Novas no Cartaxo (2-0) – confirmando uma tendência que se vem consolidando, tendo esta sido já a quarta vitória consecutiva dos torrejanos naquele terreno, nas últimas quatro temporadas – se apresenta, no contexto presente, como uma notável façanha, com o conjunto “verde e amarelo” a superar todas as expectativas.

Surpresa – Uma “meia-surpresa” voltou a suceder na Moçarria, onde o também candidato Samora Correia não conseguiu desfecho melhor que o registado pelo União de Tomar, uma igualdade a um golo, confirmando-se que o Moçarriense, no seu reduto, não será “presa fácil”.

Confirmações – Em Almeirim, num desafio que se afigurava como determinante para as aspirações dos dois clubes, o União local e o União de Tomar, empatando também a uma bola, poderão ter comprometido a possibilidade de continuar a ambicionar atingir o lugar mais alto do pódio, dado distarem agora, respectivamente, sete e dez pontos, do líder. Pese embora estarmos ainda no primeiro quarto do campeonato, as distâncias pontuais começam a ser significativas…

Numa partida muito repartida, desde cedo dando indícios de poder estar calhada para o empate, os tomarenses entraram melhor no jogo, criando alguns lances de perigo na zona defensiva dos visitados, para, no período final do primeiro tempo serem os almeirinenses a começar a “subir” no terreno, pressionando mais e empurrando os nabantinos para a sua área.

Na segunda metade, a toada de equilíbrio manteve-se, depois de um início mais exuberante dos donos da casa, mas, gradualmente, o U. Tomar, aproveitando lances rápidos, começou a ameaçar a baliza contrária, vindo mesmo a chegar ao golo… num lance que o árbitro, entretanto, interrompera, para sancionar a equipa de Almeirim com uma grande penalidade, que, todavia, os tomarenses desperdiçariam, permitindo a defesa ao guardião contrário.

Mas o golo – este a contar – chegaria mesmo, pouco depois, com o capitão Nuno Rodrigues a dar vantagem aos tomarenses. Até final, o U. Tomar controlaria o jogo, não consentindo ocasiões de perigo ao adversário, até que, no 94.º e derradeiro, um potente e colocado remate de fora da área restabeleceria a igualdade, um desfecho que acaba por se aceitar, mas que, simultaneamente, exemplifica a falta de felicidade que os nabantinos vêm registando nesta fase. Com os três pontos “no bolso”, o que lhes permitiria relançar a prova, viram todo o esforço despendido esfumar-se num lance fortuito, mesmo ao “cair do pano”…

Em Ourém, o At. Ouriense, também com desempenho bastante positivo nesta fase da prova, impôs uma goleada ao Riachense (5-2), contribuindo, paralelamente, para o agravar da crise de resultados do conjunto dos Riachos, que continua com um único ponto averbado, mantendo a delicada penúltima posição, vendo alguns dos seus competidores começar a distanciar-se.

Em Ferreira do Zêzere, a formação local, com uma categórica vitória, por 3-0, frente a um “adversário directo”, na recepção aos Empregados do Comércio, confirmou o favoritismo que lhe era atribuído, o que lhe permite ir amealhando preciosos pontos e galgar posições na tabela, afastando-se da zona perigosa, visando atingir a tranquilidade o mais cedo possível.

Por fim, a U. Abrantina, mesmo actuando no seu reduto, não foi capaz de evitar mais um desaire, o sexto em outros tantos jogos, perdendo ante o Fazendense (1-3), começando a tardar o marcar de pontos, de que tão carenciada começa já a estar.

II Divisão Distrital – No passado fim-de-semana apenas se jogou na série mais a Sul, com o Benavente a não conseguir desfazer o nulo em Marinhais, o que possibilitou ao Glória do Ribatejo (vencedor do “derby” em Salvaterra, por 2-1) passar a partilhar a liderança.

Campeonato de Portugal – Na 9.ª jornada, desfechos diametralmente opostos: por um lado, a retumbante goleada alcançada pelo Fátima em Pêro Pinheiro, ganhando por 6-1 ao agora novo “lanterna vermelha”, parecendo, enfim, ter começado a encarrilar; ao invés, as derrotas caseiras de Alcanenense e Coruchense, mais penalizadora a da turma de Alcanena, ante o Eléctrico de Ponte de Sôr (0-1), tendo o grupo de Sorraia sido batido pelo Sintrense, pela mesma marca – o que resultou na queda de ambos para as posições imediatamente acima da “linha de água”.

Antevisão – Na I Divisão Distrital, o guia, Mação, desloca-se à Ribeira de Santarém, para defrontar os Empregados do Comércio, sendo amplamente favorito; não obstante, a surpresa poderá estar eventualmente à espreita, uma vez que os Caixeiros já demonstraram que, no seu reduto, não serão adversário fácil… O Torres Novas recebe o U. Almeirim, em jogo de tripla, enquanto os dois últimos (Riachense-U.Abrantina) se cruzam. Por seu lado, o U. Tomar terá a visita do Amiense.

Na II Divisão, a Norte, realce para o Rio Maior-U. Atalaiense, enquanto, a Sul, se destacam o Benavente-U. Santarém e o Barrosense-Marinhais, com o Glória do Ribatejo a folgar.

No Nacional, o Alcanenense tem uma difícil deslocação ao terreno do líder, Mafra, enquanto o Coruchense viaja até Sacavém; por seu lado, o Fátima recebe o penúltimo classificado, Guadalupe, esperando-se que possa continuar a somar vitórias.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 9 de Novembro de 2017)

Pulsar-05

(“O Templário”, 02.11.2017)

Enquanto o Mação “soma e segue”, ampliando já para cinco o número de vitórias consecutivas no campeonato – o melhor arranque de qualquer clube no Distrital, nos últimos cinco anos, a par do registado pelo Torres Novas em 2013-14, época na qual, curiosamente, viria a terminar a prova apenas no 3.º lugar –, o União de Tomar foi surpreendido no seu terreno, perdendo com o Cartaxo, vendo cavar-se assim um fosso, já de oito pontos, face aos maçaenses.

Destaques – O primeiro destaque vai, uma vez mais, para o triunfo do Mação, em nova prova de força, impondo-se ao até então vice-líder, U. Almeirim, cedo chegando a uma vantagem de dois tentos, apenas vindo a consentir o 2-1 final já próximo do termo da partida. A questão que se começa a suscitar é a de quem poderá travar os maçaenses?

Noutro plano, o da disputa pela manutenção, merecem realce as importantes vitórias alcançadas pelo Ferreira do Zêzere e pelos Empregados do Comércio.

Se os Caixeiros, recebendo o Amiense, porventura ainda algo aturdido pelo desaire da semana anterior, conseguiram a proeza de operar uma reviravolta no marcador, para acabar por ganhar por 3-2, como que a demonstrar que haverá que contar, uma vez mais, com a capacidade de resiliência deste grupo, já os ferreirenses, indo ganhar a Riachos (2-1), perante um adversário directo, obtêm uma vantagem importante, não só a nível pontual, como, sobretudo, em termos anímicos, ao mesmo tempo que contribuem para agravar a crise do Riachense, nada habituado a estas “andanças” (mantém-se no penúltimo lugar, com um único ponto averbado até à data, tendo realizado já três jogos no seu terreno).

Surpresa – Outra vez surpresa pela negativa, o União de Tomar foi desfeiteado em casa, na recepção ao Cartaxo – segunda equipa sucessiva que troca de treinador precisamente antes de defrontar os tomarenses – consentindo a reviravolta no marcador, perdendo por 1-2.

Depois da descolorida exibição na Moçarria, o conjunto unionista entrou em campo com atitude bastante positiva, assumindo a iniciativa do jogo, tendo sido, ainda relativamente cedo, recompensado com o tento que inaugurou o marcador, podendo ter ainda dilatado tal vantagem. Porém, viria a pagar caro a desconcentração e falhas que possibilitaram, primeiro, o golo do empate, que acusou em demasia, e, pouco tempo volvido, a inversão do resultado.

Na segunda parte, os tomarenses, muito esforçados, tudo fizeram para tentar reverter a situação, mas, por infelicidade, alguma precipitação em tentar fazer “depressa e bem”, ou por mérito do opositor, foram impotentes para, pelo menos, chegar ao empate. Um desfecho muito penalizador face ao trabalho desenvolvido em campo, e que obrigará a reflexão e reposicionamento.

A partir de agora, já tão inesperadamente distante da frente, numa fase ainda tão prematura do campeonato (ainda no mês de Outubro!), o União terá de colocar de lado – possivelmente durante largas semanas – a ideia do 1.º lugar, deixando de pensar na tabela classificativa, concentrando-se exclusivamente em ganhar o “próximo jogo”. No final se farão as contas…

Confirmações – Confirmou-se o favoritismo do Torres Novas ante o Moçarriense, com um tranquilo e convincente triunfo (3-0), assim como do Samora Correia na recepção ao “lanterna vermelha”, U. Abrantina, pese embora os números tangenciais da vitória dos samorenses (2-1), perante um adversário que procura materializar em pontos o futebol que tem apresentado.

Também expectável seria o empate (1-1) registado em Fazendas de Almeirim, entre Fazendense e At, Ouriense, duas equipas que vêm demonstrando poder aspirar à metade de cima da tabela.

II Divisão Distrital – Na série a Norte, volta a merecer realce a U. Atalaiense, que, depois do 5-0 da ronda inaugural, voltou a golear (4-0), perante o Ortiga. Partilha a liderança com Aldeiense, Espinheirense e Tramagal. A Sul, o Benavente continua a ganhar (3-0 ao Vale da Pedra, somando terceira vitória em outros tantos jogos), seguido pelo Glória, que não foi além do nulo face ao U. Santarém. Merece ainda menção a goleada (4-1) do Forense ante o Pontével.

Campeonato de Portugal – Na 8.ª ronda da prova, no duelo entre dois clubes do Distrito, o Fátima, recebendo o Alcanenense, conseguiu finalmente quebrar o enguiço, ganhando pela primeira vez (2-1); poderá vir entretanto a somar mais três pontos por via administrativa, caso se confirme a sanção ao Lusitânia dos Açores. Por seu lado, também o Coruchense obteve uma importante vitória, frente à equipa do Loures (1-0). A turma de Alcanena ocupa agora o 6.º lugar, seguida de imediato pela formação de Coruche – mas, apenas, dois pontos e um ponto acima da “linha de água”, respectivamente –, mantendo os fatimenses, para já, a última posição.

Antevisão – Depois da disputa – no feriado, a meio da semana – da última jornada da fase de grupos da Taça do Ribatejo (com o primeiro dos jogos em que o U. Tomar se via “obrigado” a ganhar), prossegue a I Divisão Distrital, com outro desafio de crucial importância para os tomarenses, com uma deslocação de elevado grau de dificuldade, para defrontar o U. Almeirim.

Mas, também o líder, Mação, será mais uma vez colocado à prova, na visita a Amiais de Baixo, enquanto, por seu lado, o Samora Correia, agora 2.º classificado, somente dois pontos abaixo dos maçaenses, terá também de se aplicar na saída até à Moçarria. O Cartaxo-Torres Novas será também um encontro a merecer interesse, atenta a evolução que estas equipas vêm revelando.

Na II Divisão, apenas se jogará na série mais a Sul, com o Marinhais-Benavente a constituir novo teste ao líder, sendo, por outro lado, também de realçar o “derby” Salvaterrense-Glória do Ribatejo, pese embora pareça pender para a turma da Glória maior dose de favoritismo.

No Nacional, o Alcanenense recebe o Eléctrico de Ponte de Sôr, cabendo ao Coruchense ser visitado pelo Sintrense, esperando-se que possam fazer valer o “factor casa”. O Fátima procurará voltar a somar pontos, na deslocação a Pêro Pinheiro, actual penúltimo classificado.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 2 de Novembro de 2017)

Pulsar-04

 

(“O Templário”, 26.10.2017)

Na retoma do campeonato distrital da I Divisão, com a disputa da sua 4.ª jornada, o Mação, mercê de um categórico triunfo no Cartaxo, mantendo assim o pleno de vitórias, isolou-se no comando da prova, beneficiando do pesado desaire sofrido pelo Amiense em Almeirim. Bastaram quatro rondas para que as posições do pódio passassem a ser ocupadas por três dos principais candidatos ao título: para além dos maçaenses, o U. Almeirim e o Samora Correia.

Destaques – O principal realce vai, precisamente, para a vitória (3-1) do Mação no Cartaxo, frente a um auto-anunciado candidato, mas que, rapidamente parece deixar de o ser (atendendo ao atraso de oito pontos que regista já, precisamente para o seu opositor nesta partida), pese embora este ter sido o jogo de estreia em casa dos cartaxeiros, mas, no qual, chegaram a ter uma desvantagem de três golos. Um desfecho tanto mais digno de nota, se recordarmos que, em seis encontros no Cartaxo, nos últimos sete anos, nunca os maçaenses haviam conseguido vencer.

Paralelamente, assinala-se a goleada imposta pelo U. Almeirim na recepção ao até então co-líder, Amiense, batido por 4-0, numa demonstração de força dos almeirinenses, face a um conjunto que, até agora, registava por triunfos os jogos disputados nesta edição do campeonato.

Igualmente a destacar o triunfo averbado pelo Samora Correia na sempre difícil visita a Ourém, por tangencial 1-0, o suficiente para catapultar os visitantes para o trio da dianteira. Os oureenses, com comportamento algo irregular, voltaram assim a ser desfeiteados, depois das duas derrotas registadas nos confrontos com o Mação, para o campeonato e para a Taça.

Por fim, é de notar ainda a vitória (igualmente por 3-1) alcançada pelo Torres Novas na deslocação a Abrantes, perante a U. Abrantina, que é agora “lanterna vermelha”, sendo a única equipa só com derrotas – tendo os seus outros quatro parceiros até agora pontuado nesta jornada. Tal proporciona aos torrejanos – para já com um único “passo em falso”, em casa, ante o At. Ouriense – repartir agora o 4.º posto com a turma de Amiais de Baixo.

Surpresa – A “meia” surpresa da jornada ocorreu na Moçarria, onde o União de Tomar não conseguiu melhor do que a repartição de pontos, voltando a atrasar-se face ao topo da tabela. Num terreno difícil, de reduzidas dimensões (em especial a sua largura, originando grandes aglomerações na zona intermédia do campo, com os jogadores em “choques” sistemáticos) e o facto de a bola saltar muito, a par de uma temperatura relativamente elevada para a época do ano, tais condicionantes beneficiariam quem, teoricamente, pretenderia defender.

Porém, contrariamente ao que seriam as expectativas, a formação do Moçarriense – que acumulara derrotas nas três rondas iniciais da prova, tendo entretanto deixado de contar com o seu treinador – surgiria em campo bastante aguerrida, com todos os jogadores a entregar-se à luta, com agressividade pela positiva, desde cedo surpreendendo os unionistas, que, ao longo de praticamente todo o encontro, denotariam uma flagrante incapacidade de construir jogo.

Ao invés, beneficiando da melhor adaptação às condições do terreno, assim como da atitude imprimida neste desafio, seria a turma da Moçarria quem mais procurou pôr a bola no chão, ensaiando algumas jogadas com pés e cabeça, assustando os tomarenses com um par de lances de perigo, antes de Wemerson, numa das suas rápidas incursões, apenas ser travado em falta, o que resultaria na grande penalidade que colocou o União de Tomar em vantagem.

Todavia, no segundo tempo, a exibição dos tomarenses seria ainda mais confrangedora, sobretudo após terem consentido o tento do empate, numa fase em que era também já muito difícil jogar com “cabeça”, dadas as constantes interrupções de jogo, com o árbitro a “apitar a tudo”. Em todos esse período, da parte dos visitantes, fica o registo para apenas dois lances de futebol trabalhado, um dos quais, por infelicidade, não resultou no 2-0, após excelente trabalho, num remate cruzado de Rui Pedro Lopes, a sair ligeiramente ao lado da baliza. Um candidato necessita demonstrar bem mais que aquilo que o União apresentou na Moçarria, a vários níveis.

Confirmações – Nas restantes partidas, confirmaram-se as dificuldades já antecipada para o Fazendense em Ferreira do Zêzere, empatando a duas bolas, por coincidência o mesmo desfecho que se registou em Riachos, entre Riachense e Empregados do Comércio, que, assim, se mantêm em posições na cauda da tabela, precisamente a par dos ferreirenses e do Moçarriense.

II Divisão Distrital – Na ronda de abertura da série mais a Norte, destaque para as goleadas obtidas pela U. Atalaiense (5-0) e pelo Aldeiense (5-2), ambos na condição de forasteiros, respectivamente ante o At. Pernes e o Alferrarede, que estreava o seu novo sintético. A Sul, o Benavente ganhou também por 5-2, no Porto Alto, repartindo o comando, após as duas jornadas iniciais, com o Glória do Ribatejo, vencedor do “derby”, em Marinhais, por 2-0.

Campeonato de Portugal – Na 7.ª jornada do Nacional, as três equipas do Distrito somaram outros tantos desaires, com o Coruchense e o Fátima a consentirem, ambos, a reviravolta no marcador, nas suas viagens aos Açores, perdendo, respectivamente ante o Guadalupe (2-1) e o Praiense (3-2), em duas comprometedoras derrotas, com os fatimenses já perante um fosso de seis pontos em relação à “linha de água”. Por seu lado, o Alcanenense foi surpreendido no seu reduto, perdendo (0-2) com o Sacavenense, tendo baixado ao lote dos 4.º a 6.º classificados.

Antevisão – Na I Divisão Distrital, prosseguem os duelos de grande cartaz, com um apetecido Mação-U. Almeirim, colocando frente a frente os actuais dois primeiros classificados. A merecer também honras de destaque, o U. Tomar-Cartaxo, com os unionistas “sem margem de erro”. De interesse será também, certamente, o Fazendense-At. Ouriense.

Na II Divisão, a Norte, teremos o “derby” Pego-Alferrarede, assim como o curioso confronto entre dois históricos, Tramagal-Rio Maior. A Sul, o jogo grande será o Glória-U. Santarém.

No Nacional, a anotar, em particular, o encontro entre Fátima e Alcanenense, quase já um “tudo ou nada” para os fatimenses, cabendo ao Coruchense receber o actual 3.º classificado, Loures.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 26 de Outubro de 2017)

Página seguinte »