Já com o título de Campeão conquistado pelo Coruchense, disputa-se hoje a penúltima jornada do Campeonato Distrital da I Divisão, em que se destacam as partidas que envolvem os três clubes envolvidos na disputa do último lugar no pódio (União de Tomar, Samora Correia e Amiense), assim como, por outro lado, os jogos das equipas que lutam ainda pela manutenção (A. Ouriense, Pego e Cartaxo).

O desafio de maior cartaz realiza-se em Riachos, com o Riachense a receber o União de Tomar, um reencontro de dois clubes históricos do Distrito, com a formação da casa a um ponto de confirmar matematicamente a 2.ª posição no campeonato (que até poderá nem vir a ser necessário, desde que o Samora Correia não ganhe ambos os jogos que lhe restam). No confronto entre ambos, nas últimas seis temporadas, registo para apenas dois jogos em Riachos, com uma vitória para cada lado, tendo o União vencido na época passada.

No Cartaxo-Samora Correia cruzam-se as duas disputas que subsistem, com os cartaxeiros, ainda em zona de despromoção, a necessitar imperiosamente de pontuar, sendo que, para os samorenses, a repartição de pontos até poderá ser um desfecho interessante. A última vez que estes dois clubes se defrontaram foi já em 2010-11, então com uma goleada do Cartaxo, por 5-1, desfecho cuja repetição é de todo improvável esta tarde.

Mas se União de Tomar e Samora Correia não terão tarefa fácil, o mesmo se pode aplicar igualmente ao Amiense, que se desloca a Mação – pese embora os maçaenses não tenham já maiores aspirações neste campeonato, devendo a sua classificação final oscilar entre o 7.º e o 9.º lugar. As duas formações encontraram-se em todas as últimas seis edições da prova, num total de oito vezes, curiosamente com uma tendência de absoluto equilíbrio: três vitórias para cada lado, e dois empates.

Na luta pela manutenção, o Pego – equipa, desde há muito, em queda de rendimento, numa série de quatro desaires sucessivos (tendo perdido por nove vezes nos onze jogos já disputados nesta segunda volta) – recebe os Empregados do Comércio, num confronto sem historial recente a nível do principal escalão. Com os Caixeiros já com a garantia da manutenção, eventualmente em fase de descompressão, esta poderá ser uma oportunidade para os pegachos voltarem aos pontos, de que tão carenciados se encontram.

Também próximo da tranquilidade aparenta estar o At. Ouriense, que poderá necessitar somar mais dois pontos (e isto num cenário, pouco provável, de vitórias do Pego e do Cartaxo em ambos os jogos que lhes faltam realizar), tem esta tarde uma difícil deslocação, a Fazendas de Almeirim, onde regista um histórico bastante desfavorável, com apenas uma vitória e um empate, tendo perdido por cinco vezes, nas últimas seis temporadas. Poderá eventualmente beneficiar do facto de o Fazendense, à semelhança do Mação, ter também a sua posição final na tabela já sensivelmente definida (entre o 5.º e o 7.º lugar).

Igualmente já sem quase nada em jogo a nível de posicionamento na pauta classificativa, o Benavente recebe o U. Almeirim, numa partida também sem qualquer historial recente na I Divisão, em que os visitantes se apresentam como favoritos, atendendo à campanha patenteada pelo “lanterna vermelha” durante esta época, com apenas quatro pontos obtidos na primeira metade do campeonato; e, depois, na segunda volta, um único triunfo, a contrastar com os desaires em todos os restantes dez jogos.

Neste caso, os últimos são os primeiros: o Coruchense recebe, no seu terreno, em jogo de consagração pela reconquista do título de Campeão Distrital, a visita do Torres Novas, outro clube histórico do Distrito. As equipas apenas se defrontaram em Coruche nas temporadas de 2013-14 e 2014-15, em ambos os casos com triunfo da turma do Sorraia… desfecho que será de alguma forma expectável se possa repetir hoje.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 09.04.2017)

Advertisements