Hertz

Sem pausas para “respirar” na disputa entre os primeiros, sucedem-se os desafios de grande cartel, com destaque para o que coloca frente a frente os candidatos U. Santarém e Coruchense, que ocupam actualmente os dois lugares de topo da tabela.

Depois de ter visto esfumar-se, em 45 minutos, uma vantagem de 3-0, no Cartaxo, no passado Domingo, veremos como reagirá animicamente a turma escalabitana, em mais um teste de elevado grau de dificuldade, recebendo o (novamente) líder.

Na única vez em que os dois clubes se cruzaram no principal escalão, nos últimos anos, já na época de 2014-15, a formação do Sorraia foi vencer a Santarém por 3-1, desfecho que, contudo, não deverá servir de referencial para o desafio desta tarde, em que se antevê que o equilíbrio seja nota dominante.

O U. Almeirim, que vem de duas goleadas frente a duas equipas que ocupavam posições de liderança (primeiro em Coruche e, de imediato, na recepção ao Amiense), terá uma saída difícil até Ferreira do Zêzere.

Tal como no caso anterior, há registo de um único confronto entre ambos os emblemas, no campeonato, na temporada passada, então com triunfo dos ferreirenses, por 3-2.

Hoje, atendendo ao desempenho recente dos dois conjuntos – notando-se que os ferreirenses vêm de uma pesada goleada sofrida em Coruche –, e pese embora as dificuldades, os almeirinenses serão favoritos a somar mais três pontos.

Por seu lado, o Amiense recebe o At. Ouriense, com a expectativa de ver como reagirá ao desaire sofrido na passada semana, interrompendo um brilhante ciclo de 14 jogos de invencibilidade!

Este embate tem sido frequentemente repetido, já por nove vezes nas últimas oito épocas, com clara tendência a favorecer o grupo de Amiais de Baixo, que regista cinco vitórias (a última delas, no campeonato passado, com uma goleada, de 5-1), para além de dois empates, tendo sido batido noutras duas ocasiões, mas já nas edições de 2011 e 2013.

Frente a um adversário tranquilo, o Amiense será considerado favorito, mas deverá estar precavido para qualquer surpresa…

Outro encontro de interesse será também o Glória do Ribatejo-Cartaxo, com os visitantes sem margem de erro, se pretendem manter ainda algumas aspirações neste campeonato.

As duas equipas nunca se cruzaram nos últimos 17 anos (à excepção do confronto da primeira volta, no Cartaxo, que terminou com uma goleada de 5-1 para os cartaxeiros). Pese embora a dificuldade que tradicionalmente oferece a deslocação à Glória do Ribatejo, o Cartaxo deverá vencer esta tarde.

Em Samora Correia, encontram-se duas equipas tranquilas, a navegar na parte intermédia da tabela, com o U. Tomar vindo de duas vitórias sucessivas, não perdendo há cinco jogos (incluindo o da Taça), enquanto os samorenses não ganham há quatro jornadas.

No historial recente os unionistas levam ligeira vantagem, nas quatro partidas disputadas nas últimas oito temporadas, com duas vitórias e um empate, tendo perdido uma única vez, em 2016-17.

Trata-se de um jogo de tripla, em que tudo poderá acontecer… excepto, muito provavelmente, a repetição do 5-0 com que os tomarenses venceram no ano passado.

O Fazendense, equipa que ostenta agora o ciclo mais longo de invencibilidade (seis jornadas), tendo, porém, registado cinco empates consecutivos nos seus últimos cinco desafios (incluindo o da Taça), recebe um aflito Marinhais, que continua sem vencer, não tendo feito melhor que empatar em metade das 14 jornadas já realizadas.

Os dois clubes não se cruzaram também nos últimos 17 anos (à parte o encontro da primeira volta, em que a turma das Fazendas foi vencer ao terreno adversário por 2-0), sendo o Fazendense claramente favorito no jogo de hoje.

Em Alcanena, defrontam-se os dois últimos classificados, com o Alcanenense a receber o Torres Novas, dois clubes históricos do Distrito, a atravessar sérias crises.

A nível da I Divisão Distrital defrontaram-se por quatro vezes nas últimas oito temporadas, com equilíbrio absoluto: uma vitória para cada lado e dois empates, com um “score” global de 6-6 em golos.

Os torrejanos vêm de quatro derrotas sucessivas, mas o Alcanenense também não consegue ganhar desde a já distante ronda inaugural. Será este o dia em que o Torres Novas se estreará finalmente a vencer?

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 20.01.2019)

Anúncios

Hertz

A ronda de abertura da segunda volta do Campeonato Distrital apresenta um cartaz de grande aliciante, com destaque para os embates entre Cartaxo e U. Santarém e U. Almeirim e Amiense (envolvendo, novamente, quatro dos cinco primeiros classificados), em que se poderá começar a definir algo mais a nível do que se antevê venha a ser uma acesa disputa pelo título, até final.

O Cartaxo, com ambição renovada, em função do desempenho próprio, mas, também, de deslizes alheios, enfrenta uma partida de “tudo ou nada”, na recepção ao agora novo líder, U. Santarém. Caso vença, voltará, algo inesperadamente, a assumir-se como um dos principais candidatos ao título (recorde-se que, há apenas duas jornadas, tinha um atraso de onze pontos em relação ao comandante!). Ao invés, qualquer outro resultado que não o triunfo dos cartaxeiros poderá traduzir-se num definitivo retrocesso nas suas aspirações.

A única vez que os dois clubes se cruzaram no principal escalão nas últimas épocas foi já em 2014-15, então com uma igualdade a um golo… um desfecho que se poderá repetir hoje, dado que até poderia ser considerado positivo para os escalabitanos.

O outro guia, o sensacional Amiense, desloca-se a Almeirim, para defrontar o União local que, depois de dois desaires caseiros, reagiu muito positivamente, indo vencer ao terreno do Coruchense, que liderara a prova desde a jornada inicial até à entrada para a derradeira ronda da primeira volta.

Os emblemas de Almeirim e de Amiais de Baixo defrontaram-se por três vezes, em anos recentes, precisamente nas três últimas temporadas, com uma goleada dos visitados (4-0, no último ano), e dois empates. Será o U. Almeirim capaz de quebrar, esta tarde, a invencibilidade amiense, que dura há já 14 jogos?

Esta é uma jornada em que o Coruchense – caso cumpra a sua parte, de vencer uma bem organizada equipa do Ferreira do Zêzere – poderá colher alguns “dividendos”, beneficiando dos pontos que, inevitavelmente, alguns dos seus mais directos concorrentes irão perder nos jogos de hoje.

Não existindo histórico de confrontos recentes entre ambos, a formação do Sorraia apresenta-se como favorita, necessitando, para tal, superar o “trauma” de dois desaires sucessivos, frente a Amiense e U. Almeirim, que a fizeram, não só ceder a liderança, como, inclusivamente baixar ao 3.º posto.

Duas equipas bem tranquilas, posicionadas a meio da tabela, encontram-se em Ourém, com o At. Ouriense a receber o Fazendense, num confronto frequentemente repetido a nível da I Divisão Distrital. Nas últimas oito épocas, estes dois clubes encontraram-se já por nove vezes, assinalando-se um absoluto equilíbrio, com três triunfos para cada lado, para além de três empates.

A turma das Fazendas de Almeirim pretenderá estender a sua série invicta, já de sete jogos, frente a um adversário que, afinal, segue em igualdade de pontos com o Cartaxo, no 5.º lugar, pelo que não poderá ser também ainda arredado da disputa dos lugares cimeiros. Num jogo de tripla, o empate pode ser um cenário de boa probabilidade.

O União de Tomar, agora bem mais tranquilo, após o regresso aos triunfos, tendo-se distanciado da parte baixa da tabela, poderá beneficiar do facto de se apresentar com maior nível de confiança para, recebendo o Alcanenense, procurar rectificar a má estreia no campeonato, numa partida que se constitui, aliás, no único triunfo da formação de Alcanena.

Os últimos embates entre ambos os grupos datam das já distantes temporadas de 2010-11 e 2011-12, em ambos os casos com vitória do Alcanenense, o que, pese embora o contexto actualmente distinto, não deixará de ser tomado em devida conta por parte dos unionistas. Em qualquer caso, a expectativa é de que os tomarenses possam repetir o êxito do passado fim-de-semana.

No fundo da pauta classificativa, o desafio entre Torres Novas e Glória do Ribatejo poderá ser crucial para uma esperada recuperação torrejana, visando estrear-se a vencer na prova, e, simultaneamente, abandonar a posição de “lanterna vermelha”. Não existindo histórico de confrontos entre ambos os emblemas, o Torres Novas terá de ser bem mais efectivo do que tem sido até agora, ao longo da primeira metade da época, em ordem a poder alcançar tal objectivo.

Por fim, o Marinhais, também ainda à procura da primeira vitória no campeonato, recebe o Samora Correia, num desafio igualmente sem precedente recente a nível do escalão principal. A última vez que se encontraram, então na II Divisão, em 2015-16, os samorenses venceram por 3-0, mas as circunstâncias alteraram-se entretanto, não sendo expectável a repetição de desfecho similar.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 13.01.2019)

Hertz

No arranque do novo ano, o Campeonato Distrital da I Divisão tem hoje a sua última jornada da primeira volta, com dois embates em particular destaque, envolvendo quatro dos actuais cinco primeiros classificados.

Um dos guias, Coruchense, recebe a visita do U. Almeirim (4.º), um confronto que parece surgir na pior fase dos almeirinenses, que vêm de dois desaires sucessivos no seu próprio reduto (frente ao Cartaxo e ao At. Ouriense) – intervalados pela eliminação da Taça do Ribatejo, em Marinhais –, não tendo conseguido aproveitar o acerto de calendário para reduzir o atraso de quatro pontos em relação ao seu adversário desta tarde.

Curiosamente, também a turma do Sorraia vem de uma derrota na última ronda, em Amiais de Baixo, pelo que este será um desafio de relevância crucial para o futuro de ambas as formações neste campeonato.

Os dois emblemas apenas se defrontaram, em anos recentes, uma única vez, na temporada de 2016-17, com triunfo do grupo do Sorraia, por 2-1. Na partida de hoje, na qual ambos ambicionarão vencer, talvez se possa vir a sobrepor a premência de evitar nova derrota…

O outro líder, Amiense, embalado por uma fantástica série de seis vitórias consecutivas (a que soma mais três triunfos em jogos da Taça), mantendo-se invicto há 13 jogos, enfrenta uma deslocação de elevado risco, até às Fazendas de Almeirim, onde encontrará uma equipa do Fazendense (5.º na classificação) que também já não perde há seis jogos.

Sendo um confronto frequentemente repetido – nove vezes, nas oito últimas temporadas –, por curiosidade não se regista nenhum empate, tendo o Fazendense vencido em cinco ocasiões, face a quatro triunfos do Amiense, o último na época passada, sendo o “score” global de 15-15, em golos. Uma igualdade que poderá subsistir no prélio desta tarde.

O U. Santarém, actual 3.º classificado, agora somente a dois pontos dos comandantes, desloca-se a Torres Novas, onde encontrará uma equipa extremamente necessitada de pontos, ainda sem se ter conseguido estrear a vencer, após doze jornadas já disputadas, nas quais não foi além de cinco empates.

Na última vez que estes dois clubes se cruzaram, já na temporada de 2014-15, os torrejanos venceram, então, por categórica marca de 3-0. Porém, a conjuntura actual de ambas as equipas é bem distinta, não se antecipando facilidades para os donos da casa, que seguem com três derrotas sucessivas no campeonato.

O Cartaxo, que vem de resultados positivos, tendo empatado com o Coruchense e vencido em Almeirim, encurtando ligeiramente o atraso face aos primeiros (dista agora oito pontos dos líderes) recebe a visita do Ferreira do Zêzere, grupo pendular, mas que tem denotado alguma dificuldade em afirmar-se nos jogos em terreno alheio.

Na época passada os cartaxeiros impuseram-se por tangencial 2-1. Apresentam-se também com maior dose de favoritismo para o desafio desta tarde.

A equipa do At. Ouriense, que surpreendeu, no jogo de acerto de calendário, indo também ganhar a Almeirim, recebe o Samora Correia, que se lhe segue imediatamente na tabela classificativa.

Nas três vezes em que as duas formações se encontraram, em partidas a contar para o principal escalão, nas últimas épocas, o conjunto de Ourém regista duas vitórias, tendo, todavia, perdido na temporada passada. Um desfecho que os homens da casa pretenderão certamente rectificar.

Sem conseguir ganhar para o campeonato há já sete jornadas, o União de Tomar recebe uma moralizada turma da Glória do Ribatejo, que venceu os seus dois últimos encontros, em casa, frente ao Marinhais, e, para acerto de calendário, com uma goleada (3-0) ao Alcanenense.

As últimas vezes que os dois clubes se defrontaram para o campeonato datam já da temporada de 2012-13, tendo os unionistas vencido os dois jogos então disputados em Tomar, por 2-0 e 1-0. União e Glória defrontaram-se também, na última época, nos ¼ de final da Taça do Ribatejo, igualmente com triunfo dos nabantinos, por 2-0.

Dando sequência a este histórico, espera-se que os tomarenses possam retomar hoje o trilho das vitórias, de forma a distanciar-se daquele que é, nesta altura, o seu perseguidor imediato na classificação.

O Marinhais, que reparte a indesejada posição de “lanterna vermelha” com o Torres Novas – também ainda sem se ter estreado a vencer no campeonato – recebe um Alcanenense em queda, que acumula oito derrotas nas últimas dez jornadas, posicionando-se imediatamente acima na pauta classificativa.

Num embate sem historial recente, esta parece ser uma boa oportunidade para a formação do município de Salvaterra chegar enfim à vitória.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 06.01.2019)

Hertz

Está de regresso a “prova rainha” do futebol distrital, com a disputa, neste Sábado, da eliminatória correspondente aos 1/8 de final da Taça do Ribatejo.

O desafio de maior cartaz desta tarde será o U. Tomar-Fazendense, um “jogo de tripla”, entre o actual detentor do troféu e uma equipa que tem também fortes pergaminhos nesta prova, detendo aliás o palmarés mais recheado de entre todos os clubes do Distrito, sendo recordista de títulos na competição (quatro, dos quais três conquistados na última década).

O historial de confrontos entre ambos os emblemas – em estreia a nível da Taça do Ribatejo, competição com particularidades muito específicas, dado o seu cariz de prova a eliminar, a partir desta fase – oferece-nos perspectivas diversas:

  • se considerarmos a globalidade dos encontros entre a turma unionista e o grupo das Fazendas de Almeirim, regista-se um equilíbrio absoluto, com 10 vitórias para cada lado e 13 empates, nas 33 vezes que se defrontaram em jogos oficiais;
  • restringindo a análise aos desafios disputados em Tomar nas últimas oito temporadas, passamos a ter ligeira vantagem do Fazendense (3 triunfos e 4 empates, face a duas vitórias do União);
  • por fim, num outro prisma complementar, é de assinalar que os tomarenses não perdem ante este adversário há seis anos, num total de doze partidas entretanto disputadas, período durante o qual venceram por cinco vezes (a última delas, já na presente época, no reduto do adversário), tendo empatado em sete ocasiões.

Nesta ronda regista-se um único outro encontro entre equipas do principal escalão: Marinhais-U. Almeirim, que, por curiosidade, se defrontaram já nesta temporada, para o campeonato, tendo-se registado uma igualdade a um golo. Os almeirinenses voltam a assumir maior dose de favoritismo, faltando saber como reagirão ao desaire caseiro sofrido na passada semana, ante o Cartaxo.

Em Amiais de Baixo, o novo (co-)líder do campeonato, recebe o Moçarriense, num “derby” municipal, sendo que as últimas quatro vezes que os dois clubes se cruzaram, sempre na I Divisão Distrital, o Amiense venceu em todas elas, com um “score” agregado de 12-3 em golos, o que vem corroborar o forte favoritismo que lhe é creditado para a partida desta tarde.

A equipa sensação da fase de grupos da prova, Espinheirense (que, militando no escalão secundário – campeonato no qual, aliás, regista desempenho sofrível, ocupando o antepenúltimo lugar da série Sul – eliminou o poderoso Cartaxo, depois de impor um empate a três golos em terreno alheio) recebe o outro comandante da I Divisão, Coruchense.

Por curiosidade, estas duas equipas já se defrontaram, nesta época, em partida a contar para essa fase de grupos da Taça do Ribatejo, disputada em Coruche, tendo, na ocasião, o Coruchense goleado por 4-0. No jogo de hoje, a formação do Sorraia volta, naturalmente, a dispor de amplo favoritismo a seguir em frente.

De interesse será também a eliminatória entre o Pego (vice-líder na II Divisão) e o U. Santarém (que tem ocupado idêntica posição no principal escalão).

As últimas vezes que estes dois clubes se defrontaram ocorreram já na época de 2015-16, em jogos a contar para o campeonato distrital da II Divisão, com um empate a zero na fase regular da prova, tendo os pegachos vencido por 2-0 na fase final, que lhes proporcionou então a promoção ao escalão principal.

Os escalabitanos são também claros favoritos no encontro de hoje, mas estarão certamente alerta para os riscos que correm, perante as surpresas que habitualmente ocorrem em jogos de Taça.

No quarto desafio entre equipas de escalão diferente, o Ferreira do Zêzere recebe o Riachense, reeditando um confronto, curiosamente já registado na época passada, também a contar para a Taça do Ribatejo, igualmente nos 1/8 de final, então com o desfecho a saldar-se num empate a uma bola, tendo os ferreirenses sido mais certeiros no desempate da marca de grande penalidade. Os dois conjuntos defrontaram-se também no campeonato da temporada passada, neste caso com vitória da formação de Ferreira por 4-2.

Esta tarde, os donos da casa voltam a ser favoritos, mas a turma dos Riachos, já com três troféus no seu palmarés, não deixará de procurar causar surpresa…

Por fim, dois jogos entre clubes da II Divisão: Pontével-Rio Maior e Aldeiense-Abrantes e Benfica.

Em Pontével, repete-se um embate já registado por duas vezes esta temporada, mas em Rio Maior: na fase de grupos da Taça, com um empate a dois golos; no campeonato, com triunfo dos riomaiorenses por 2-0. Atendendo ao escalonamento de ambos os clubes no campeonato, os visitantes beneficiam também de maior dose de favoritismo.

De registar ainda a curiosidade de nova “repetição” de jogos do Abrantes e Benfica em semanas sucessivas (depois de ter defrontado por duas vezes seguidas o Riachense), voltando, agora, a cruzar-se com o Aldeiense, depois de ter goleado, na semana passada, por 8-1, no terreno do adversário. Como não há dois jogos iguais, os abrantinos deverão ter menos facilidades, mas, com forte probabilidade, garantirão o apuramento para os 1/4 de final da Taça.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 22.12.2018)

Hertz

A ronda de hoje do principal escalão do futebol distrital tem como ponto central um aliciante “tira-teimas”, entre a formação do Amiense, com a embalagem proporcionada por uma série de cinco vitórias consecutivas, recebendo o líder, Coruchense – única equipa ainda invicta nesta temporada –, podendo, em caso de triunfo dos homens da casa, ficarem ambos os grupos igualados no comando da tabela classificativa.

Em anos recentes, os dois clubes defrontaram-se por quatro vezes, com a particularidade de a formação do Sorraia ter vencido nas três últimas deslocações a Amiais de Baixo, datando o último triunfo do Amiense já da época de 2012-13. Tal como na passada semana, em relação ao Cartaxo-Coruchense, o empate parece afigurar-se como a “aposta mais segura” para esta partida.

Mas o calendário reservou-nos uma jornada repleta de interesse, com diversos outros “pratos cheios”. Desde logo, o desafio entre U. Almeirim, que vem consolidando o seu estatuto de candidato ao título, pressionando de perto o líder, e o Cartaxo, que, ao invés, parece ter já abdicado de tal estatuto.

O histórico recente aponta para uma tendência de absoluto equilíbrio: nos três últimos encontros entre almeirinenses e cartaxeiros, em Almeirim, nas três derradeiras temporadas, uma vitória para cada lado e um empate, com um “score” global de 5-5 em golos. Esta tarde, em função do que tem sido o desempenho de ambos os conjuntos na presente temporada e atendendo ainda ao factor casa, o U. Almeirim apresenta-se com maior dose de favoritismo.

Em Santarém, o União local, que não desarma também na perseguição ao comandante, recebe o União de Tomar, num confronto de largo historial, mas que, em anos recentes, se disputou uma única vez, já em 2014-15, então com vitória dos tomarenses, por 2-0.

Por outro lado, os dois emblemas cruzaram-se, já este ano, na fase de grupos da Taça do Ribatejo, tendo os escalabitanos vencido então por categórica margem de 4-1. Para os visitantes, o cenário de pontuar hoje não deixaria de constituir, a confirmar-se, um desfecho positivo.

Um por agora tranquilo Samora Correia, ocupando lugar a meio da tabela, recebe o Fazendense, que, pese embora se posicione na parte cimeira da pauta classificativa, parece ter começado já a descolar da possibilidade de manter aspirações ao lugar de topo da classificação.

À semelhança do registado em relação ao U. Almeirim-Cartaxo, também neste caso se verifica absoluto equilíbrio, com repartição de resultados, nas três últimas vezes que ambas as equipas se defrontaram, com uma vitória para cada uma, e uma igualdade, desfecho do encontro da época passada. Trata-se, pois, de um outro desafio de tendência repartida, em que a vitória dos donos da casa poderá ter uma boa probabilidade de ocorrência, não surpreendendo contudo se o grupo das Fazendas conseguir pontuar.

O Ferreira do Zêzere, animado com o resultado obtido em Tomar, mas que, por outro lado, não ganha há três jogos, recebe o Torres Novas, uma das duas equipas (a par do Marinhais) que ainda não se conseguiu estrear a vencer neste campeonato, ao fim das onze jornadas já disputadas.

Na última época, os torrejanos venceram por 2-1, um desfecho que, nas contas finais, se revelaria determinante na classificação, permitindo-lhe alcançar o 3.º lugar e consequente apuramento para a Taça de Portugal, precisamente à frente dos ferreirenses, que concluíram a prova um único ponto atrás. Hoje, e pese embora os sinais de melhoria que o Torres Novas vem evidenciando, o Ferreira do Zêzere parece ter maiores possibilidades de vencer.

O Alcanenense, que vem de um resultado positivo na deslocação às Fazendas de Almeirim – tendo, porém, deixado escapar o que teria sido uma preciosa vitória –, recebe o At. Ouriense, que parece denotar algum abaixamento de forma, tendo sido goleado em Santarém e consentido um inesperado empate caseiro ante a equipa da Glória do Ribatejo.

As últimas vezes que os dois clubes se cruzaram no principal escalão do futebol distrital datam já das temporadas de 2010-11 e 2011-12, na oportunidade com duas vitórias da formação de Alcanena, um empate e um triunfo do conjunto oureense.

Recorda-se que a equipa da casa não ganha há dez jogos (obteve um único triunfo, logo na ronda inaugural do campeonato). Poderá voltar a vencer hoje?

Por fim, num encontro de “aflitos”, o “derby” do município de Salvaterra, entre os vizinhos e rivais Glória do Ribatejo e Marinhais.

Trata-se de um embate sem historial recente a nível de campeonato da I Divisão, sendo que os dois emblemas se defrontaram já, na presente época, para a Taça do Ribatejo, na ocasião com o Marinhais a impor uma retumbante goleada, de 6-0. A partida desta tarde será, certamente, bastante mais equilibrada e renhida, pese embora os visitantes – que buscam ainda a primeira vitória na prova – possam ter, “a priori”, algum predomínio.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 16.12.2018)

Hertz

Na 11.ª jornada do campeonato distrital da I Divisão, que esta tarde se disputa, o desafio de maior cartaz é o que coloca face a face o Cartaxo e o Coruchense, no qual os donos da casa – já com um significativo atraso, de onze pontos – “queimam os últimos cartuchos” nesta temporada (dado terem sido também, entretanto, afastados da Taça do Ribatejo): qualquer resultado que não seja a vitória, deverá traduzir o abdicar da remota esperança em poder chegar ainda ao lugar de topo na competição.

Por seu lado, se for o grupo do Sorraia a não conseguir também vencer, poderá eventualmente ver reduzida a sua vantagem na liderança da prova.

Em anos anteriores, estes dois emblemas defrontaram-se por três vezes, sem que, curiosamente, o Cartaxo tenha conseguido qualquer triunfo: registam-se dois empates e uma vitória da equipa de Coruche, há duas épocas. No jogo de hoje, de tripla, o empate parece ser um cenário de elevada probabilidade.

É de notar, porém, que U. Santarém, com deslocação agendada a Marinhais, e U. Almeirim, que visita Torres Novas, não deverão igualmente encontrar facilidades para levar de vencida os respectivos adversários, os quais se apresentam muito carenciados de pontos, para procurar escapar à zona perigosa da tabela.

O Marinhais-U. Santarém é um encontro sem historial recente, no qual, pese embora os escalabitanos possam ser considerados favoritos, haverá que contar com a recuperação que o grupo da casa vem evidenciando.

Quanto a Torres Novas e U. Almeirim, cruzaram-se nas três últimas épocas, com um balanço a pender para os torrejanos, que registam duas vitórias e um empate. Não obstante as boas indicações transmitidas pela formação do Almonda no passado Domingo, no terreno do líder, não deixaria de constituir surpresa se conseguisse sair vencedora esta tarde.

Mais provável poderá ser a vitória do fortemente motivado grupo de Amiais de Baixo, na recepção ao Samora Correia, o que, aliás, tem sido igualmente apontado como barómetro no histórico recente, com três triunfos do Amiense nas quatro últimas vezes que defrontou o adversário de hoje, o qual, por sua vez, o melhor que conseguiu foi um empate, já na distante temporada de 2010-11.

Em Tomar, teremos quase que um “derby”, com o União a receber o Ferreira do Zêzere – num embate, que, curiosamente, coloca frente-a-frente os dois técnicos que lideraram o clube nas últimas treze épocas, na precisa altura em que se deu como que uma “passagem de testemunho” em relação ao treinador que mais jogos realizou na história do U. Tomar –, esperando-se que seja possível retomar os resultados positivos.

Os dois clubes defrontaram-se, no principal escalão do futebol distrital, somente em três ocasiões, em todas elas com vitória dos tomarenses, a última delas na jornada inaugural da época passada, remontando as outras duas a temporadas já longínquas, entre 2007 e 2009.

O Fazendense recebe a visita de uma cada vez mais em apuros equipa do Alcanenense, que, até à data, conseguiu vencer um único desafio, logo na ronda inicial do campeonato, tendo, entretanto, caído na zona perigosa da pauta classificativa, já a cinco pontos do concorrente que imediatamente a precede, o Ferreira do Zêzere, pelo que começa a correr riscos de uma eventual segunda despromoção em anos sucessivos.

Apesar de o historial recente apontar uma tendência de equilíbrio, com um triunfo dos homens das Fazendas de Almeirim e dois empates, nas últimas três vezes em que os dois emblemas se encontraram – já nas épocas de 2010-11 e 2011-12 –, esta tarde o Fazendense, bem posicionado, num moralizador 5.º lugar, perfila-se como claramente favorito, pelo que outro desfecho que não a sua vitória constituiria uma surpresa.

O mesmo se poderá dizer do confronto que opõe At. Ouriense e Glória do Ribatejo – que se cruzaram pela última vez, na I Divisão Distrital, em 2012-13, com vitória tangencial do conjunto de Ourém –, no qual os visitados são amplamente favoritos (pese embora a inesperada expressão do desaire sofrido na última jornada, em Santarém), frente a uma equipa que segue com uma terrível série de oito derrotas consecutivas no campeonato (nos nove jogos que disputou).

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 09.12.2018)

Hertz

Na retoma dos campeonatos distritais, após a breve pausa para finalização da fase de grupos da Taça do Ribatejo, os desafios de maior cartaz na I Divisão serão o U. Almeirim-U. Tomar e o Cartaxo-Amiense.

Depois da boa réplica ante o Coruchense e do empate averbado no Cartaxo, os tomarenses enfrentam mais um teste de elevado nível de dificuldade, deslocando-se a Almeirim, onde não conseguem vencer há 13 jogos, desde há mais de 35 anos.

Em anos recentes, os dois clubes encontraram-se por três vezes, precisamente, nas três últimas temporadas, com duas vitórias dos almeirinenses e um empate, cedido pelo União de Tomar, na época passada… aos 94 minutos.

Atendendo às circunstâncias actuais das duas equipas, um eventual novo empate não deixaria de ser um resultado positivo, no dia em que Lino Freitas se torna o treinador com mais jogos (207) ao comando da equipa senior em todo o cententário historial do clube.

No que respeita à partida do Cartaxo, antecipa-se que, caso a formação de Amiais de Baixo consiga dar continuidade ao notável desempenho que vem evidenciando, tal poderá traduzir como que o “abdicar” das pretensões dos cartaxeiros, que, em tal cenário, poderiam ficar ainda mais arredados dos lugares de topo da tabela.

Cartaxo e Amiense defrontaram-se, nos últimos anos, por seis vezes, com tendência mais favorável aos donos da casa, que somaram três vitórias, a par de dois empates, apenas tendo perdido uma única vez, em 2016-17. Frente a um adversário que não sofre golos, em jogos do campeonato, há cinco jornadas, e na “ressaca” de um inesperado afastamento da Taça do Ribatejo, ante um emblema do escalão secundário, veremos qual poderá ser a resposta dos visitados.

Noutro patamar, o Alcanenense-Samora Correia poderá também, em caso de resultado desfavorável à equipa da casa, fazer “tocar a rebate”, perante o que constituiria uma séria ameaça a uma eventual segunda despromoção sucessiva do conjunto de Alcanena.

Estas duas turmas defrontaram-se, pela última vez, na época de 2010-11, então com triunfo do Alcanenense, por 2-1. Em função do desempenho que ambas vêm revelando, seria surpreendente se os samorenses viessem a ser derrotados.

No Coruchense-Torres Novas poderá aquilatar-se se os torrejanos conseguirão transpor para o campeonato a verve goleadora agora descoberta na Taça (com nove golos apontados num só jogo, depois de, nos anteriores 13 encontros disputados nesta temporada terem marcado um único golo!), num embate no qual, não obstante, atendendo à evolução das duas equipas nesta época, o líder se perfila como lógico favorito.

Tal é, aliás, também corroborado pela tendência histórica recente: em anos anteriores, estes dois emblemas cruzaram-se, no escalão principal do futebol distrital, por três vezes, sempre com triunfo dos homens do Sorraia.

Em Santarém, o União local, que vem de um desaire na jornada passada, que o fez descolar do líder, agora a cinco pontos, recebe a visita do At. Ouriense, que, tendo ganho na última ronda do campeonato, vem também de uma comprometedora derrota na Taça, que lhe custou a eliminação dessa prova.

Não existindo histórico recente de confrontos entre ambas as equipas, os escalabitanos perfilam-se como favoritos, mas devendo “desconfiar” do seu adversário, capacitado para uma eventual surpresa.

O Fazendense desloca-se ao terreno do “lanterna vermelha”, Glória do Ribatejo, que vem procurando ajustar o seu nível competitivo, reforçando a sua defesa. Depois da vitória na ronda inaugural, o conjunto da Glória segue com uma série de sete derrotas sucessivas no campeonato, pelo que não deverá ter facilidade em, pelo menos, repetir a igualdade registada na última vez que os dois clubes se defrontaram, já na temporada de 2012-13.

Noutro confronto sem historial recente na divisão principal, o Ferreira do Zêzere recebe uma equipa do Marinhais, que vem dando alguns sinais de melhoria exibicional.

A última ocasião em que estas duas turmas se defrontaram, então a contar para a fase de apuramento de Campeão da II Divisão, foi na temporada de 2016-17, com um empate a uma bola. Pese embora a recuperação que os visitantes procuram empreender, os ferreirenses, que vêm de uma moralizadora goleada obtida em Alcanena, apresentam-se como favoritos para a partida desta tarde.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 02.12.2018)