Distrital


Pulsar-10

(“O Templário”, 07.12.2017)

À medida que o campeonato vai avançando, maior parece ser o equilíbrio entre um numeroso leque de concorrentes, numa prova nivelada por cima, enquanto, algo paradoxalmente, a pragmática equipa do Mação continua, de forma paulatina mas consistente, a dilatar a sua vantagem, continuando a transpor sem falhas os diversos e difíceis obstáculos que se lhe vão deparando no caminho, beneficiando dos pontos perdidos nos jogos entre os seus perseguidores.

Destaques – O primeiro destaque desta 10.ª ronda vai precisamente para mais um triunfo dos maçaenses, defrontando, pela segunda semana sucessiva um dos 2.º classificados, Samora Correia, voltando a vencer, outra vez, graças a um único golo, o “q.b.” para somar mais três pontos, distanciando assim os samorenses – que somaram o terceiro desaire nas últimas quatro partidas –, agora já a nove pontos, tendo caído para o 6.º posto.

Realce também para a categórica vitória do U. Tomar na recepção ao Torres Novas (curiosamente, repetindo a marca da época passada, 3-0), somando terceira vitória nos últimos quatro jogos (empatou apenas no terreno do líder), o que catapultou os unionistas para o pódio – numa fulgurante ascensão, desde o 8.º lugar, numa única jornada –, repartindo agora a 3.ª posição com o Fazendense, ambos só um ponto abaixo do novo 2.º classificado, U. Almeirim.

Tal como sucedera na semana anterior, os unionistas, praticamente entrando a ganhar, com o golo inaugural logo ao terceiro minuto, cedo resolveram a contenda, fixando o marcador ainda no decurso da primeira metade do desafio. Não obstante, com os oito tentos apontados nos 45 minutos iniciais das duas últimas jornadas, o grupo nabantino, somando já um total de 23 golos, cota-se agora como o melhor marcador da prova. Ao invés, os torrejanos, somando terceira derrota sucessiva, baixaram, em duas semanas, de 2.º para 8.º!

Por fim, menção ainda à goleada (4-0) averbada pela U. Abrantina frente aos Empregados do Comércio (com quatro derrotas nos últimos cinco jogos, apenas não tendo perdido… com o líder), ultrapassando assim os “Caixeiros”, ao mesmo tempo que trespassou a “lanterna vermelha”, de novo, a uma irreconhecível equipa do Riachense, cada vez em maiores apuros.

Confirmações – Os resultados dos outros quatro jogos não trouxeram também qualquer surpresa, confirmando-se, portanto, o favoritismo do U. Almeirim e do Cartaxo, assim com a esperada tendência de equilíbrio nos encontros de Amiais de Baixo e da Moçarria.

O Cartaxo conseguiu finalmente, ao quarto jogo, quebrar a malapata, depois de três desaires no seu terreno, ganhando por 2-1 ao Ferreira do Zêzere, que, concomitantemente, viu também quebrada a sua magnífica série de cinco vitórias consecutivas. Um desfecho que volta a trazer o conjunto cartaxeiro para junto do “pelotão” da frente, agora a três pontos do par que reparte a 7.ª e 8.ª posição, ampliando para sete pontos a margem de segurança em relação à “linha de água”.

Em Amiais de Baixo, o Amiense e Fazendense repetiram, pela sexta vez nas últimas oito épocas, a igualdade, desta feita a uma bola, num confronto em que esta tendência de equilíbrio raramente tem sido desfeita. O clube das Fazendas de Almeirim somou o seu sexto empate na presente edição do campeonato, mantendo, assim, a invencibilidade na competição.

Em Almeirim, o União local, sem contemplações ante o, outra vez, “lanterna vermelha”, Riachense – somou o quinto desaire nas últimas seis partidas que disputou –, goleou por 5-1 (desforrando-se da eliminação na Taça do Ribatejo, aos pés deste mesmo adversário), aproveitando os resultados dos seus mais directos rivais na tabela para subir do 4.º ao 2.º lugar.

Por fim, na Moçarria, o Moçarriense e o At. Ouriense não foram além do empate, igualmente a uma bola, um desfecho mais agradável para a formação de Ourém do que para os donos da casa, que, apenas tendo conseguido, até agora, vencer um único jogo, e não obstante se mantenham à “tona de água”, contam somente um escasso ponto a mais que a U. Abrantina, tendo visto o Cartaxo afastar-se, agora já a seis pontos – parecendo, assim, restringir-se ao quarteto da cauda da pauta classificativa (também com Caixeiros e Riachense) a luta para escapar à despromoção.

II Divisão Distrital – Na série a Norte, o Tramagal cedeu os primeiros pontos, não tendo conseguido desafazer o nulo na visita que fez ao terreno onde o Aldeiense disputa os seus jogos em casa, mantendo o comando, mas vendo, assim, o Rio Maior (vitória por 4-1 em Alferrarede) aproximar-se, agora a três pontos. No confronto entre U. Atalaiense e Espinheirense, clara vitória da turma da Atalaia (3-0), seguindo ambos um ponto mais abaixo, na 3.ª posição.

A Sul, já na 8.ª ronda, o Glória do Ribatejo reforçou a liderança, ganhando ao Barrosense (2-0) e beneficiando do empate (1-1) do Benavente em Benfica do Ribatejo. Destaque para as goleadas obtidas por U. Santarém (6-1 na recepção ao Pontével) e Marinhais (5-1 ao Porto Alto), ocupando, respectivamente, o 4.º e o 2.º lugar (partilhado com o Benavente).

Campeonato de Portugal – Esta foi uma jornada (12.ª) positiva para os emblemas do Distrito, com triunfos do Fátima (3-0 ao Sintrense) e do Coruchense (3-2 em Ponte de Sôr, frente ao Eléctrico), enquanto o Alcanenense foi empatar, a zero, a Torres Vedras, ante o Torreense. A turma do Sorraia subiu ao 5.º lugar, sendo agora o grupo de Alcanena, 10.º; ainda abaixo da “linha de água”, mas somente um ponto abaixo, o Fátima manteve-se no 12.º posto.

Antevisão – Neste fim-de-semana, os campeonatos distritais registam nova interrupção, a pretexto da disputa dos 1/8 de final da Taça do Ribatejo. Contudo, devido ao facto de se encontrar também em acção a selecção distrital, apenas serão realizadas três das oito partidas inicialmente agendadas: Empregados do Comércio-Alferrarede, Marinhais-Glória do Ribatejo e U. Santarém-U. Atalaiense, tendo as restantes sido adiadas, em princípio, para 23 de Dezembro.

No Campeonato de Portugal, o Coruchense terá a visita do líder, Mafra, enquanto o Alcanenense recebe o Caldas; o Fátima desloca-se a Sacavém, para defrontar o Sacavenense.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 7 de Dezembro de 2017)

Anúncios

U. TOMAR – Fábio Silva, David Vieira, Fábio Vieira, Filipe Cotovio, Rui Silva, Nuno Rodrigues (c.), Bruno Araújo, Miguel Arcângelo, (45m – Espadinha) Wemerson Silva (75m – Vítor Féxix), Luís Alves (75m – Telmo Ferreira) e Chrystian Pedroso (86m – Rui Pedro Lopes)

(suplentes – João Pedro Lopes, Douglas Pissona e Diogo Gaspar)

TORRES NOVAS – Ricardo Quaresma, Fábio Timor, Jivan Sudesh, André Vieira, Paz Miguel, Iuri Alves, Joel Nogueira (83m – Zé Brites), Dani, Micael Freire, Ivan Alves e Ricardo Major (83m – André Pedro)

1-0 – Wemerson Silva (pen.) – 4m
2-0 – Nuno Rodrigues – 27m
3-0 – Chrystian Pedroso – 45m

Cartões amarelos – Wemerson Silva (23m) e Rui Pedro Lopes (90m); Micael Freire (25m), Jivan Sudesh (56m), Iuri Alves (72m) e Ivan Alves (77m)

Árbitro – Nuno Martins

U. Abrantina – Emp. Comércio – 4-0
Moçarriense – At. Ouriense – 1-1
Cartaxo – Ferreira do Zêzere – 2-1
U. Almeirim – Riachense – 5-1
Amiense – Fazendense – 1-1
Mação – Samora Correia – 1-0
U. Tomar – Torres Novas – 3-0

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Mação              10     8     2     -    19 -  6    26
 2º U. Almeirim        10     5     4     1    21 -  8    19
 3º U. Tomar           10     5     3     2    23 - 12    18
 4º Fazendense         10     4     6     -    19 -  8    18
 5º At. Ouriense       10     5     2     3    22 - 15    17
 6º Samora Correia     10     5     2     3    16 - 13    17
 7º Ferreira Zêzere    10     5     1     4    20 - 15    16
 8º Torres Novas       10     5     1     4    14 - 13    16
 9º Amiense            10     4     1     5    13 - 15    13
10º Cartaxo            10     4     1     5    13 - 15    13
11º Moçarriense        10     1     4     5     8 - 20     7
12º U. Abrantina       10     2     -     8    11 - 21     6
13º Emp. Comércio      10     1     2     7    10 - 31     5
14º Riachense          10     1     1     8    12 - 29     4

Na 10.ª jornada da I Divisão do Distrital, começo por destacar a partida que coloca frente a frente o Mação e o Samora Correia, com o líder, outra vez, a cruzar-se com um dos 2.º classificados. Num confronto com escasso historial recente, estes dois emblemas apenas se defrontaram por duas vezes nos últimos sete anos: em 2010-11, com uma goleada de 5-0 a favor dos maçaenses; na época passada, com triunfo dos samorenses. Não obstante a posição privilegiada que o Mação ocupa, este poderá ser um jogo de tripla…

Merece também especial realce o principal clássico do futebol distrital, com o União de Tomar a receber o Torres Novas, num confronto já repetido por 88 vezes (em provas de âmbito nacional e distrital), com ligeira vantagem tomarense (37 contra 34 em número de vitórias, para além de 17 empates). Restringindo a estatística aos últimos sete anos, porém, são os torrejanos que dispõem de pequena vantagem, dado que venceram em Tomar por três vezes, tendo o União ganho dois jogos e empatado um. Veremos se os tomarenses conseguem aproveitar a fase menos confiante do Torres Novas, que não ganha há três jornadas, tendo inclusivamente perdido os dois últimos jogos no campeonato.

Em Amiais de Baixo, o Amiense terá a visita do outro 2.º classificado, Fazendense, ainda invicto na prova, mas que regista já cinco empates em nove jornadas. Estes dois clubes defrontaram-se já por oito vezes nos últimos sete anos, curiosamente também com cinco empates, tendo os donos da casa ganho por duas vezes e perdido uma única vez, em 2014-15. Com a formação de Amiais a atravessar também um ciclo difícil, tendo perdido quatro dos cinco últimos desafios, este é outro jogo de prognóstico muito incerto… eventualmente, podendo reforçar ainda mais a tendência de equilíbrio dos últimos anos.

O U. Almeirim defronta o Riachense, num confronto também apenas repetido por duas vezes nos anos recentes, com um triunfo para cada lado, tendo o grupo dos Riachos ganho na época passada. Esta tarde, e pese embora a motivação que poderá resultar da primeira vitória averbada no campeonato na semana passada – e mesmo tendo em consideração que, em partida recente, a contar para a Taça do Ribatejo, os visitados foram surpreendidos, tendo sido desfeiteados no seu terreno pelo adversário de hoje – parece improvável que os almeirinenses não somem os três pontos em disputa.

Um outro encontro de especial aliciante será o Cartaxo-Ferreira do Zêzere, sem histórico recente de confrontos, mas em que estarão frente a frente, uma equipa que, até agora, só conhece a derrota, em todos os três jogos já realizados no seu reduto, e outra, que mantém em curso um fantástico ciclo de cinco vitórias consecutivas, não sofrendo golos há quatro jornadas! Serão estas séries interrompidas neste embate?

Na Moçarria, o Moçarriense terá a visita do At. Ouriense, equipa que vem dando muito boa conta de si neste campeonato. Nos últimos anos, os dois emblemas encontraram-se por três vezes, com duas vitórias para os donos da casa e uma para os visitantes, mas que data já da longínqua temporada de 2011-12. Mais uma partida em que a tónica dominante deverá ser a do equilíbrio, mas em que qualquer desfecho será também possível.

Por fim, em Abrantes, encontram-se duas equipas em crise: o “lanterna vermelha”, U. Abrantina, que, até à data, conta uma única vitória na prova, nos Riachos, recebe os Empregados do Comércio, sendo que os Caixeiros, para além de não ganharem há quatro jogos, nos quais somaram, aliás, três desaires, acumularam 11 golos sofridos apenas nos dois últimos desafios. O historial de confrontos entre ambas é também curto, apenas com dois jogos, com uma vitória dos escalabitanos em 2013-14 e um empate há duas épocas. Hoje, antevê-se que os abrantinos poderão, enfim, regressar aos triunfos, depois de terem registado já quatro desaires sucessivos no seu terreno.

(Texto da rubrica da Rádio Hertz, com a perspectiva da jornada – 03.12.2017)

Pulsar-09

(“O Templário”, 30.11.2017)

Cumprido o terço inicial do Distrital da I Divisão, o campeonato está ao “rubro”, com apenas dois pontos a separar o 2.º e o 8.º classificados! Perante este cenário, o Mação vai fazendo uma campanha “à parte” – tendo somado mais três preciosos pontos, no terreno do até então vice-líder –, beneficiando, paralelamente, dos resultados dos outros mais directos perseguidores, para ampliar, agora já para seis pontos, o seu avanço.

Destaques – O principal realce desta jornada vai para a goleada do Ferreira do Zêzere ao Moçarriense (5-0), e não só pelos números desta vitória, mas, sobretudo, por se tratar do quinto triunfo consecutivo dos comandados de Eduardo Fortes – onde Tiago Vieira vai brilhando a grande altura, já com dez tentos apontados –, num desempenho sem paralelo no historial dos ferreirenses, que integram um quarteto que partilha a 4.ª posição, somente um ponto abaixo do par formado por Fazendense e Samora Correia.

Naturalmente, a vitória arrancada pelo Mação em Torres Novas, mercê de um solitário golo, é também merecedora de especial destaque, voltando a catapultar os maçaenses – depois dos dois empates registados nas duas últimas semanas – para uma liderança que parece cada vez mais folgada, enquanto, ao invés, os torrejanos somaram o terceiro jogo sem ganhar.

É digna de menção, igualmente, a goleada do União de Tomar na Ribeira de Santarém, frente aos Caixeiros (5-2) tendo chegado a pairar no ar – quando, ainda antes dos 35 minutos (!), os unionistas chegaram ao 4-0 – o espectro da eventual repetição do desfecho de há quatro anos (8-0). Porém, depois de um quarto de hora final do primeiro tempo ainda bem animado, com mais três golos, na segunda metade do encontro o marcador não se alteraria. Para os tomarenses, enfim, o quebrar da “malapata”, com o primeiro êxito fora de portas, após três empates (e um desaire). Mas, principalmente, tal significa voltar a ter o 2.º lugar sob ponto de mira, conforme referido, agora à distância de apenas dois pontos…

Surpresa – Atendendo ao percurso que ambas as formações vêm apresentando neste campeonato, não deixa de ser surpreendente o triunfo alcançado pelo Riachense – primeiro, nesta edição da prova – na recepção ao Cartaxo (2-1), resultado “arrancado a ferros”, com o golo da vitória a ser apontado já em período de compensação, surpreendendo um também irreconhecível conjunto cartaxeiro, 10.º classificado, já com 13 pontos de desvantagem do guia e talvez a começar a ter de preocupar-se mais em “olhar para baixo” do que para cima…

Confirmações – Nas restantes três partidas desta 9.ª ronda, os desfechos têm correspondência face ao que seriam as expectativas gerais.

Começando pelo “derby” almeirinense, os rivais neutralizaram-se, empatando a uma bola, o que originou, de novo, o atrasar de ambos os clubes em relação ao líder. Ainda assim, o Fazendense, (que jogava no seu terreno) manteve a invencibilidade na prova, enquanto que, para o U. Almeirim, se tratou do terceiro empate nas quatro jornadas mais recentes.

Por seu lado, o Samora Correia, que vinha de um ciclo precisamente igual ao agora registado pelo Torres Novas, com um empate e duas derrotas – voltou a vencer, na recepção ao Amiense (2-1), ascendendo assim ao 2.º posto, a par do emblema das Fazendas de Almeirim. Ao contrário, para o grupo de Amiais de Baixo, tratou-se da quarta derrota nos últimos cinco jogos.

Finalmente, em Ourém, o Atlético local impôs-se frente ao agora “lanterna vermelha”, U. Abrantina, operando a reviravolta no marcador, para acabar por ganhar por 3-1, no seu terceiro triunfo em quatro rondas, integrando o tal quarteto do 4.º ao 7.º classificados.

II Divisão Distrital – Na série a Norte, o Tramagal segue de “vento em popa”, mantendo o pleno de vitórias (cinco), após ter vencido um adversário difícil, U. Atalaiense, por 1-0. Destaque ainda para a soberba goleada (8-0) aplicada pelo Rio Maior a um grupo do Pego em “reconstrução”, porventura sem aspirações a poder disputar os primeiros lugares nesta temporada. O Espinheirense (2-0 ao At. Pernes) mantém-se na perseguição ao guia, a três pontos, dois pontos acima do Rio Maior e do Aldeiense (batido em Caxarias por 3-1).

A Sul, já na 7.ª ronda, o Benavente foi surpreendido, no seu próprio reduto, pelo Glória do Ribatejo, perdendo por 1-0, vendo-se assim igualado no comando da prova, com vantagem para a turma da Glória, que regista um jogo disputado a menos. Surpreendente terá sido também a vitória do Salvaterrense (primeira, após o regresso do clube à competição oficial) na Barrosa (3-1), com o Barrosense a atrasar-se, ultrapassado pelo Marinhais (vencedor em Pontével, por 3-2).

Campeonato de Portugal – No confronto entre representantes do Distrito, Coruchense e Fátima empataram a dois golos, enquanto o Alcanenense conseguiu voltar aos triunfos, ganhando ao Lusitânia dos Açores por tangencial e sofrido 3-2. Continua, assim, a ser pouco tranquilizadora a posição que ocupam, agora com os três clubes em sequência directa na pauta classificativa: a turma de Alcanena no último lugar acima da “linha de água” (10.º), com a mesma pontuação do grupo do Sorraia (11.º), seguidos pelos fatimenses (12.º) a três pontos.

Antevisão – Na I Divisão Distrital, destacam-se os encontros entre Mação e Samora Correia (com o líder, outra vez, a cruzar-se com um dos 2.º classificados), assim como o principal clássico do futebol distrital, com o União de Tomar a receber o Torres Novas, num confronto já repetido por 88 vezes (em provas de âmbito nacional e distrital), com ligeira vantagem tomarense (37 contra 34 em número de vitórias, para além de 17 empates).

Na II Divisão, a Norte, o Tramagal desloca-se ao terreno do Aldeiense, perfilando-se como favorito, enquanto a U. Atalaiense recebe o Espinheirense. A Sul, dois jogos sobressaem também: Glória do Ribatejo-Barrosense e Benfica do Ribatejo-Benavente.

No Campeonato de Portugal, o Alcanenense tem uma saída difícil, a Torres Vedras, enquanto o Coruchense viaja ao Alentejo, até Ponte de Sôr; por seu lado, o Fátima recebe o Sintrense (5.º).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 30 de Novembro de 2017)

EMP. COMÉRCIO – Rúben Carreira, Rui Simões (45m – Marius Munteanu), João Rodrigues, Jeferson Santos, André Santos (c.), Broças (45m – André Dionísio), Rúben Rodrigues, Diogo Gonçalves, Tiago Baptista, Miguel Calisto (79m – Afonso Amoroso) e Alex Santos

U. TOMAR – João Pedro Lopes, David Vieira, Fábio Vieira, Filipe Cotovio (45m – Espadinha), Rui Silva (45m – Douglas Pissona), Nuno Rodrigues (c.), Bruno Araújo (87m – Ricardo Simões), Miguel Arcângelo (69m – Vítor Félix), Wemerson Silva, Luís Alves e Chrystian Pedroso  (45m – Rui Pedro Lopes)

(suplentes – Diogo Gaspar e Telmo Ferreira)

0-1 – Rui Silva – 5m
0-2 – Nuno Rodrigues – 8m
0-3 – Chrystian Pedroso – 23m
0-4 – Jeferson Santos (p.b.) – 28m
1-4 – Diogo Gonçalves – 34m
1-5 – Miguel Arcângelo – 40m
2-5 – Alex Santos (pen.) – 45m

Cartões amarelos – Marius Munteanu (47m) e André Dionísio (80m); Espadinha (76m)

Árbitro – Pedro Fonseca

At. Ouriense – U. Abrantina – 3-1
Ferreira do Zêzere – Moçarriense – 5-0
Riachense – Cartaxo – 2-1
Fazendense – U. Almeirim – 1-1
Samora Correia – Amiense – 2-1
Torres Novas – Mação – 0-1
Emp. Comércio – U. Tomar – 2-5

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Mação               9     7     2     -    18 -  6    23
 2º Fazendense          9     4     5     -    18 -  7    17
 3º Samora Correia      9     5     2     2    16 - 12    17
 4º U. Almeirim         9     4     4     1    16 -  7    16
 5º At. Ouriense        9     5     1     3    21 - 14    16
 6º Ferreira Zêzere     9     5     1     3    19 - 13    16
 7º Torres Novas        9     5     1     3    14 - 10    16
 8º U. Tomar            9     4     3     2    20 - 12    15
 9º Amiense             9     4     -     5    12 - 14    12
10º Cartaxo             9     3     1     5    11 - 14    10
11º Moçarriense         9     1     3     5     7 - 19     6
12º Emp. Comércio       9     1     2     6    10 - 27     5
13º Riachense           9     1     1     7    11 - 24     4
14º U. Abrantina        9     1     -     8     7 - 21     3

Página seguinte »