2021-22


Vasco Gama – Glória do Ribatejo – 4-1
Ferreira Zêzere – Alcanenense – 1-3
Samora Correia – Espinheirense – 3-3 (5-4 g.p.)
Abrantes e Benfica – At. Pernes – 12-0
Mação – Fazendense – 0-0 (4-3 g.p.)
Forense – At. Ouriense – 2-3
Amiense – Paços dos Negros – 14-0
Benavente – U. Tomar – 1-1 (4-2 g.p.)
Torres Novas – Caxarias – 3-0
Pego – Salvaterrense – 0-2

Isentos: Moçarriense, Cartaxo, Riachense, Fátima, Águias Alpiarça e Entroncamento AC

É o seguinte o alinhamento, previamente sorteado, dos jogos dos 1/8 de final, previstos para 26 de Março de 2023:

Vasco Gama – Samora Correia
Entroncamento AC – Alcanenense
Abrantes e Benfica – Salvaterrense
Amiense – Cartaxo
Torres Novas – Mação
Águias Alpiarça – Moçarriense
At. Ouriense – Fátima
Benavente – Riachense

Advertisement

Supertaça Dr Alves Vieira

 Edição      Época        Vencedor         Finalista

XXVIII      2021-22     Fazendense       Rio Maior SC     1-1  (5-4 g.p.)
XXVII       2018-19     Coruchense       U. Santarém      2-1
XXVI        2017-18     Mação            U. Tomar         4-0
XXV         2016-17     Mação            Coruchense       3-1
XXIV        2017-16     Fátima           Fazendense       2-0
XXIII       2014-15     Coruchense       Amiense          2-0
XXII        2013-14     At. Ouriense     Fazendense       1-1  (4-2 g.p.)
XXI         2012-13     Riachense        Amiense          3-1
XX          2011-12     Fazendense       Alcanenense      0-0  (3-0 g.p.)
XIX         2010-11     Torres Novas     Cartaxo          2-0
XVIII       2009-10     Riachense        Alcanenense      2-1
XVII        2008-09     Alcanenense      Riachense        0-0  (5-3 g.p.)
XVI         2007-08     Torres Novas     Mação            2-0
XV          2006-07     Fazendense       Ouriquense       2-2  (4-2 a.p.)
XIV         2005-06     Cartaxo          Fazendense       3-1
XIII        2006-05     Amiense          Ouriquense       0-0  (1-0 a.p.)
XII         2003-04     Monsanto         U. Figueirense   5-0  
XI          2002-03     Abrantes FC      Ág. Alpiarça
X           2001-02     U. Rio Maior     Alcanenense      7-1
IX          2000-01     Riachense        Cartaxo
VIII        1999-00     U. Rio Maior     U. Almeirim 
VII         1998-99     Ferroviários     Azinhaga
VI          1997-98     Ferroviários     U. Tomar
V           1996-97     S. Correia       Coruchense
IV          1995-96     Coruchense       Fazendense
III         1994-95     Alcanenense      Tramagal
II          1993-94     S. Correia
I           1992-93     Alferrarede      U. Almeirim
Riachense..... 3    Ferroviários.. 2    Mação........ 2    Amiense....... 1
Coruchense.... 3    U. Rio Maior.. 2    Alferrarede.. 1    Cartaxo....... 1
Fazendense.... 3    Alcanenense... 2    Abrantes FC.. 1    At. Ouriense.. 1
S. Correia.... 2    Torres Novas.. 2    Monsanto..... 1    Fátima........ 1

(“O Templário”, 09.06.2022)

O Fazendense sagrou-se vencedor da “Prova Rainha” da Associação de Futebol de Santarém, a Taça do Ribatejo, ao superar (no desempate da marca de grande penalidade) na Final o Abrantes e Benfica, conquistando o seu quinto troféu – quarto nas últimas dez edições –, destacando-se ainda mais como clube com maior número de triunfos nesta competição.

Destaque – Tendo concluído o campeonato num assertivo 3.º lugar – impondo ao novo Campeão (Rio Maior) a única derrota sofrida em toda a temporada, ganhando igualmente, no seu reduto, ao vice-campeão (U. Tomar) – o Fazendense perfilava-se como favorito para esta final, perante uma formação do Abrantes e Benfica que, aquém das expectativas, se quedara por modesta 9.ª posição no Distrital.

No Domingo, outra vez em horário matinal (início do desafio pelas 11 horas), em Santarém, no Campo Chã das Padeiras, estavam decorridos apenas os dez minutos iniciais quando os abrantinos se colocaram em vantagem no marcador. Mas os homens das Fazendas ripostaram de pronto, restabelecendo a igualdade somente mais um quarto de hora volvido.

Num jogo repartido, com alternância de momentos de superioridade de cada uma das equipas, o desfecho podia ter pendido para um ou outro lado, mas o “placard” acabaria por não se alterar até final da segunda parte, ainda assim com o Fazendense a parecer mais satisfeito com o resultado.

Não estando prevista no regulamento a realização de prolongamento, avançou-se de imediato para o desempate da marca de grande penalidade: ambas as formações falharam a respectiva segunda tentativa, permitindo a defesa aos jovens guardiões Ricardo Canais e João Sardinha, tendo, portanto, a primeira série de cinco remates terminado com um empate a 4-4. No sexto pontapé do Abrantes e Benfica, Sardinha conseguiu nova defesa, com a bola a ressaltar para o poste, dando início à festa dos homens das Fazendas, que assim consumavam a vitória (5-4).

Ausente da final desde 2016, o Fazendense – que, para chegar a esta partida decisiva, eliminara o Porto Alto e o Benavente (em ambos os casos ganhando por 2-1, em terreno alheio), assim como, nos quartos-de-final, o vencedor do campeonato, Rio Maior (também no desempate da marca de grande penalidade), e, nas meias-finais, o Amiense – repete as conquistas de 2012, 2014 e 2016 (a que soma ainda a vitória alcançada na edição de 2006).

No palmarés da competição, após as 44 edições entretanto concluídas, o emblema das Fazendas de Almeirim soma agora, pois, cinco títulos conquistados, seguido por um quarteto (constituído por Tramagal, Riachense, Amiense e Coruchense), cada um com três troféus, e um pequeno “pelotão” de sete clubes, cada qual com duas vitórias na Taça do Ribatejo.

O Fazendense acompanhará assim o U. Tomar (para além de U. Santarém, Coruchense e Rio Maior – clubes que disputarão o Campeonato de Portugal) na próxima edição da Taça de Portugal, formando o contingente em representação do Distrito.

Campeonato de Portugal – Numa Final, disputada no sábado no Estádio do Jamor, bastante mais desequilibrada do que seria expectável, o Paredes sagrou-se Campeão, goleando o Fontinhas (vencedor da Zona Sul) por categórico 4-0, tirando partido de, praticamente, ter entrado a ganhar, inaugurando o marcador longo nos segundos iniciais – vindo a ampliar a marca com mais três tentos averbados no segundo tempo (o último deles, aliás, já em período de compensação).

As equipas do Paredes, Länk Vilaverdense, Fontinhas e Moncarapachense (dois primeiros de cada uma das séries da fase final) garantiram a promoção à Liga 3, para a próxima época, de 2022-23 – subsistindo ainda pendente a confirmação da atribuição de uma eventual quinta vaga de subida ao Belenenses (3.º classificado da Zona Sul), por presumível impedimento de inscrição do Cova da Piedade em provas de âmbito nacional.

Antevisão – Para concluir a temporada a nível distrital restam apenas por disputar – para além da Supertaça Dr. Alves Vieira (que é retomada, após dois anos de interrupção), agendada já para o feriado, de dia 10 de Junho, colocando frente-a-frente o Campeão, Rio Maior, e o vencedor da Taça, Fazendense – as três últimas rondas da fase final do campeonato da II Divisão, agendadas para os próximos dias 12, 16 e 19 de Junho.

Com o Águias de Alpiarça isolado na liderança, dispondo de vantagem de três pontos sobre o Entroncamento AC, e de uma importante margem, já de cinco pontos, em relação a Moçarriense e Fátima, são, pois, ainda quatro os candidatos, em acesa disputa pelas três vagas disponíveis de promoção ao escalão principal.

Os alpiarcenses, sob o comando técnico de Jorge Peralta, poderão até, desde já, carimbar a subida à I Divisão Distrital (campeonato de que estão arredados há quinze épocas) no próximo fim-de-semana, caso confirmem o favoritismo que lhes é creditado, na recepção ao Espinheirense, e venham a somar os três pontos em jogo.

Por seu lado Moçarriense e Entroncamento AC terão um embate de crucial importância na definição do posicionamento final, enquanto o Fátima procurará manter-se também na discussão, para o que será importante ganhar no terreno do Forense.

Nas duas derradeiras jornadas sobressaem ainda os seguintes três confrontos, entre candidatos, nos quais tudo se deverá decidir: Fátima-Moçarriense, Entroncamento AC-Águias de Alpiarça (9.ª ronda) e, a fechar esta fase de apuramento de Campeão, o Águias de Alpiarça-Fátima.

Quanto ao “Pulsar do Campeonato”, após um total de 300 artigos publicados, ao longo de quase dez anos (desde Novembro de 2012), entrará agora em período de “férias”…

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 9 de Junho de 2022)

 Edição   Época     Data        Vencedor          Finalista

XLV      2021-22    5-Jun   Fazendense        Abrant. e Benfica 1-1 (5-4 g.p.)
XLIV     2020-21   27-Jun   Glória Ribatejo   Rio Maior SC      1-1 (5-4 g.p.)
XLIII    2019-20                  Final não disputada
XLII     2018-19   12-Mai   U. Santarém       Coruchense        2-0
XLI      2017-18   13-Mai   U. Tomar          Mação             2-1
XL       2016-17    1-Mai   Mação             Coruchense        2-2 (4-3 g.p.)
XXXIX    2015-16    1-Mai   Fazendense        Riachense         0-0 (4-3 g.p.)
XXXVIII  2014-15    1-Mai   Coruchense        Amiense           3-2
XXXVII   2013-14    1-Mai   Fazendense        At. Ouriense      1-0
XXXVI    2012-13    1-Mai   Amiense           At. Ouriense      0-0 (3-2 g.p.)
XXXV     2011-12    1-Mai   Fazendense        Emp. Comércio     4-1
XXXIV    2010-11   15-Mai   Torres Novas      Cartaxo           1-1 (4-3 g.p.)
XXXIII   2009-10    8-Mai   Riachense         Alcanenense       0-0 (4-3 g.p.)
XXXII    2008-09   30-Mai   Riachense         Alcanenense       1-0
XXXI     2007-08   25-Mai   Mação             Riachense         2-1
XXX      2006-07   12-Mai   Ouriquense        U. Santarém       1-0
XXIX     2005-06   14-Abr   Fazendense        U. Santarém       2-1
XXVIII   2004-05    2-Jun   Amiense           Coruchense        0-0 (4-3 g.p.)
XXVII    2003-04   23-Mai   Monsanto          U. Figueirense    4-0
XXVI     2002-03   18-Mai   Abrantes FC       Águias Alpiarça   2-1
XXV      2001-02            U. Rio Maior      Alcanenense       v-d
XXIV     2000-01    3-Mai   Cartaxo           Monsanto          v-d
XXIII    1999-00   28-Mai   U. Rio Maior      Benavente         v-d
XXII     1998-99   30-Mai   Azinhaga          Marinhais         2-0
XXI      1997-98    7-Jun   Ferroviários      Tramagal          3-0
XX       1996-97   29-Mai   Coruchense        Samora Correia    2-0
XIX      1995-96    2-Jun   Coruchense        Amiense           4-0
XVIII    1994-95   28-Mai   Tramagal          Alferrarede       1-0
XVII     1993-94   28-Mai   Samora Correia    Ouriquense        3-0
XVI      1992-93   30-Mai   Alferrarede       U. Almeirim       1-0
XV       1991-92   12-Abr   Alferrarede       Riachense         0-0 (1-0 a.p.)
XIV      1990-91   29-Mar   Benavente         Alferrarede       1-0
XIII     1989-90   25-Abr   Ferreira Zêzere   Salvaterrense     1-1 (3-1 a.p.)
XII      1988-89   30-Abr   Vasco da Gama     Fazendense        3-3 (5-4 g.p.)
XI       1987-88   15-Mai   Pego              Ferroviários      1-0
X        1986-87    6-Jun   Águias Alpiarça   Marinhais         2-0
IX       1985-86    1-Mai   Lagartos Sardoal  Torres Novas      2-2 (3-2 a.p.)
VIII     1984-85   22-Jun   Águias Alpiarça   Cartaxo           0-0 (2-0 a.p.)
VII      1983-84    6-Mai   Cartaxo           Salvaterrense     1-0
VI       1982-83   22-Mai   Samora Correia    Benfica Ribatejo  1-0
V        1981-82   13-Jun   Tramagal          Samora Correia    1-0
IV       1980-81   29-Mar   Tramagal          U. Almeirim       2-1
III      1979-80    5-Abr   Riachense         Alferrarede       2-1
II       1978-79    9-Jun   U. Santarém       Cartaxo           1-0
I        1976-77    2-Jun   Amiense           Tramagal          3-1

(“O Templário”, 02.06.2022)

Chegou ao seu termo o Campeonato Distrital da I Divisão da Associação de Futebol de Santarém, após uma maratona de mais de oito meses, com a consagração do Rio Maior SC como Campeão Distrital, sendo, consequentemente, promovido ao Campeonato de Portugal. Por seu lado, o U. Tomar, tendo disputado a par e passo o 1.º lugar, termina a prova estabelecendo um “record”, com um novo máximo histórico de golos marcados (87) em campeonatos pelo clube!

Destaques – Numa ronda final (30.ª) em que se volta a registar um significativo número de golos (total de 36, correspondente a uma média de 4,5 golos / jogo), a melhor operação foi a realizada pelo Torres Novas, que, batendo o Abrantes e Benfica por 3-2, fechando o campeonato com cinco vitórias sucessivas – e beneficiando de favorável conjugação de resultados dos seus rivais directos (Alcanenense e Benavente, ambos derrotados) – ascendeu a um bastante positivo 6.º lugar.

Entre os torrejanos o destaque maior tem, necessariamente, de ir para Miguel Miguel, melhor marcador da competição, com um excelente total de 32 golos apontados (mesmo tendo estado ausente, por impedimento, em alguns dos jogos da sua equipa).

O U. Tomar voltou a golear (pela quinta vez nas seis últimas jornadas), impondo-se ao Amiense por categórico 4-0, com o treinador Marco Marques a somar, em cinco jogos disputados sob a sua responsabilidade, quatro triunfos e um empate, com um fantástico “score” agregado de 23-2!

Os unionistas completam uma notável campanha, com 23 vitórias e 2 empates, e o referido total de 87 golos marcados – superando assim o anterior registo mais elevado na história do clube (85 golos – em 1973-74, na II Divisão Nacional, em 38 jornadas; e em 1987-88, no Distrital).

A nível de vitórias em campeonatos só por duas vezes os tomarenses tinham conseguido número superior ao desta época (23), nessas mesmas temporadas (respectivamente, 26 e 24), tendo, pois, suplantado a marca de 22 triunfos obtida aquando da conquista do último título de Campeão Distrital, em 1997-98, assim como foi, agora, igualmente superado o total de pontos (71, face aos 70 então averbados). A pontuação deste ano é, também, o máximo absoluto do União, com a ressalva de que, em 1973-74 e 1987-88 as vitórias apenas valiam dois pontos, equivalendo, no sistema actual de pontuação, respectivamente, a 85 pontos (em 38 jogos) e 76 pontos (30 jogos).

Perante estes números muito bons do emblema nabantino, só um “estratosférico” Rio Maior se conseguiu sobrepor, com 25 vitórias e 4 empates – apenas tendo sofrido uma única derrota, nas Fazendas de Almeirim –, totalizando a sensacional marca de 79 pontos (também um “record” histórico, igualando o desempenho do Abrantes FC na época de 2002-03). Em termos relativos apenas o Fátima registou melhor média, com 24 vitórias e 2 empates (nas 26 rondas de 2015-16).

Os riomaiorenses concluíram a prova com 86 golos marcados – após os 5-0 aplicados ao Glória do Ribatejo, na derradeira ronda –, mas a “chave do sucesso” terá estado, sobretudo, na robustez da sua defesa, tendo consentido apenas 14 golos (menos de “meio golo” por jogo) – números apenas superados pelos abrantinos, na temporada referida (91-12 em golos marcados e sofridos).

Na última jornada realce ainda para o triunfo do Fazendense, derrotando o Samora Correia por 3-0 – num embate entre o 3.º e 4.º classificados –, com os homens das Fazendas a “puxar pelos galões”, interrompendo uma excelente série de nove vitórias consecutivas dos samorenses.

Também o 5.º classificado, Mação, se impôs no reduto do Alcanena, vencendo por 3-2 (tendo chegado inclusivamente a dispor de vantagem de três golos), o que resultou na ultrapassagem do Alcanenense pelo Torres Novas, baixando, assim, o grupo do Alviela, ao 7.º posto.

Confirmações – Numa ronda sem grandes surpresas, confirmaram-se também, nos restantes três encontros, as expectativas, com triunfos do At. Ouriense ante o Benavente (que caiu para o 8.º lugar), por 3-0; do Salvaterrense frente ao Cartaxo (5-3), ocupando estes dois clubes a 12.ª e 13.ª posições; e do Ferreira do Zêzere, batendo por tangencial 2-1 o U. Almeirim, respectivamente 14.º e 15.º classificados, mas separados por significativa diferença de 13 pontos – culminando na manutenção dos ferreirenses e, ao invés, na segunda despromoção sucessiva dos almeirinenses.

II Divisão Distrital – Passo a passo, quase “sem se dar por ela”, a equipa do Águias de Alpiarça está cada vez mais perto de concretizar o objectivo da subida de escalão.

Desta feita, um convincente triunfo (3-1) frente ao “invencível” Moçarriense da primeira fase (o qual somou, agora, segunda derrota), mantendo cinco pontos de vantagem sobre o 4.º classificado, faltando 3 jornadas (sendo que 3.º e 4.º, Moçarriense e Fátima, terão ainda de se defrontar).

Por seu lado, as formações do Entroncamento AC e do Fátima cumpriram também as suas missões na 7.ª ronda, derrotando, respectivamente, o Forense (2-0) e o Espinheirense (2-1, no Espinheiro).

Liga 3 – Derrotado por 2-0 na Covilhã (depois do nulo registado em casa), o Alverca não conseguiu ter êxito no “play-off” final de acesso à II Liga, pelo que subsistirá, na próxima temporada, na Liga 3. Apenas os vencedores de cada uma das duas séries, Torreense e Oliveirense, garantiram a promoção, por troca com os despromovidos Varzim e Académica.

Campeonato de Portugal No derradeiro dia da fase final, a nota mais marcante foi o desaire sofrido pelo Belenenses, em pleno Estádio do Restelo, perdendo por 0-1 ante o Moncarapachense. A turma algarvia assegurou, assim, a subida directa à Liga 3, acompanhando o Fontinhas.

Quanto ao Belenenses (3.º classificado da Zona Sul – tendo somado mais pontos que o 3.º classificado da Zona Norte, Leça), estará dependente da conclusão / confirmação do processo relativo à não-aceitação da inscrição do Cova da Piedade, cuja SAD, em diferendo com o clube, falhou o processo de certificação dos escalões de formação, não estando licenciada para competir em provas nacionais, abrindo, nesse caso, uma vaga adicional de promoção à Liga 3.

A Norte, a vitória (1-0) do Paredes ante o São Martinho foi o suficiente para garantir o 1.º lugar, perante os nulos registados nas outras duas partidas, com o Länk Vilaverdense a acompanhar os paredenses na subida de divisão. Neste Domingo, no Estádio do Jamor, Paredes e Fontinhas disputarão a Final, para apuramento do Campeão.

Antevisão – A nível distrital – e findo o campeonato principal – este fim-de-semana está reservado à disputa da Final da Taça do Ribatejo (também no Domingo, em Santarém, no Campo Chã das Padeiras), colocando frente-a-frente o Fazendense (clube mais titulado na competição, já com quatro troféus conquistados – em 2006, 2012, 2014 e 2016) e o Abrantes e Benfica, que se estreia no jogo decisivo, o qual, por natureza, se apresenta de prognóstico “em aberto”.

O Distrital da II Divisão apenas será retomado a 12 de Junho (com a realização da 8.ª e antepenúltima jornada), com as duas rondas finais agendadas para os dias 16 e 19 seguintes.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 2 de Junho de 2022)

Dados relativos a cada jogador do União de Tomar na época de 2021-22: (a) total de minutos jogados; (b) número de jogos disputados; (c) número de jogos no banco (suplente não utilizado); (d) total de golos marcados / sofridos (guarda-redes); (e) número de cartões amarelos; e (f) número de cartões vermelhos:


(clicar na imagem para ampliar)

U. TOMAR – Francisco Esteves, Fábio Luzio (45m – David Vieira), Luís Caetano “Espadinha” (71m – João Marchão), Filipe Cotovio, Douglas Pissona, Henrique Matos, Leandro Filipe (62m – Siaka Bamba), Diogo Ismail (45m – Pedro Pires), Anderson Nascimento (62m – Wemerson Silva), Tiago Vieira e Chrystian Pedroso

(suplentes – Ivo Cristo e Guilherme Graça)

AMIENSE – Francisco Silva, Fábio Marques, João Costa “Costinha”, Gabriel Amâncio, Ricardo Peralta, Francisco Pereira (87m – Ricardo Rafael), Fábio Dâmaso (56m – Rafael Baptista), Ricardo Ferreira (56m – João Cambé), Diogo Pereira (87m – João Lista), Rodrigo Lucas e Cristiano Aniceto

1-0 – Chrystian Pedroso – 28m
2-0 – Tiago Vieira – 41m
3-0 – Anderson Nascimento – 52m
4-0 – Pedro Pires – 87m

Cartões amarelos – Pedro Pires (71m), Wemerson Silva (80m) e David Vieira (90m); Fábio Dâmaso (35m)

Árbitro – Pedro Mendes

Fazendense – Samora Correia – 3-0
Alcanenense – Mação – 2-3
Rio Maior SC – Glória Ribatejo – 5-0
At. Ouriense – Benavente – 3-0 (28.05.2022)
U. Tomar – Amiense – 4-0
Torres Novas – Abrantes e Benfica – 3-2
Salvaterrense – Cartaxo – 5-3
Ferreira Zêzere – U. Almeirim – 2-1

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Rio Maior SC       30    25     4     1    86 - 14    79
 2º U. Tomar           30    23     2     5    87 - 32    71
 3º Fazendense         30    18     5     7    64 - 36    59
 4º Samora Correia     30    14    10     6    54 - 43    52
 5º Mação              30    14     8     8    58 - 43    50
 6º Torres Novas       30    13     4    13    62 - 61    43
 7º Alcanenense        30    12     6    12    46 - 49    42
 8º Benavente          30    12     5    13    43 - 56    41
 9º Abrantes e Benfica 30    10     7    13    41 - 41    37
10º Amiense            30    10     7    13    36 - 40    37
11º At. Ouriense       30    10     6    14    42 - 49    36
12º Salvaterrense      30    10     6    14    48 - 66    36
13º Cartaxo            30     8     9    13    42 - 61    33
14º Ferreira Zêzere    30     9     3    18    35 - 58    30
15º U. Almeirim        30     4     5    21    30 - 72    17
16º Glória Ribatejo    30     2     5    23    33 - 86    11

Melhores marcadores:

1º Miguel Miguel (Torres Novas) – 32
2º Hélio Ocante (Mação) – 21
3º Lorran Jesus (Fazendense) – 20
4º Arnaldo Ferreira (Rio Maior) – 19
5º Tiago Vieira (U. Tomar) – 15
6º António Pereira (Salvaterrense); Alex Diliberto  e Santiago Krieger (Rio Maior) – 14
9º Chrystian Pedroso (U. Tomar); Luís Brito (Benavente); e M’Buli Nhaga (Alcanenense) – 13

O Rio Maior sagrou-se Campeão Distrital da I Divisão, da época de 2021-22, garantindo a promoção ao Campeonato de Portugal. O U. Tomar, enquanto 2.º classificado, qualificou-se para a próxima edição da Taça de Portugal.

Por seu lado o U. Almeirim e o Glória do Ribatejo são despromovidos à II Divisão Distrital.

(“O Templário”, 26.05.2022)

Faltando ainda disputar a última ronda do Distrital da I Divisão da presente época, ficou já completo o ordenamento dos cinco primeiros classificados, em função dos triunfos do Fazendense em Mação, e do Samora Correia, em casa, ante o Ferreira do Zêzere. Quanto ao Rio Maior festejou a conquista do título de forma exuberante, com uma copiosa goleada em Benavente. Por seu lado o U. Tomar viu interrompida a sua senda goleadora, não tendo desfeito o nulo em Abrantes.

Destaques – Já em final de estação, e no primeiro compromisso após a consagração como novo Campeão Distrital, o Rio Maior não quis “ficar atrás” do União, indo golear a Benavente – equipa que, ao longo de praticamente toda a época, se notabilizara precisamente pelo bom desempenho no seu reduto (onde perdera apenas em três ocasiões) – por retumbante marca de 7-0!

À semelhança do sucedido no U. Tomar-Cartaxo, os riomaiorenses entraram a ganhar, inaugurando o marcador ao quarto minuto, tendo chegado ao intervalo em vantagem por 2-0. Na etapa complementar a formação da casa claudicou, com mais três golos sofridos entre os 55 e os 67 minutos, vindo, já no último quarto de hora, a consentir ainda mais dois tentos. Um registo que proporcionou ao Rio Maior reduzir para apenas dois a diferença no total de golos marcados.

Em destaque esteve igualmente o Fazendense, que não vacilou, tendo ido vencer a Mação por 2-1, retirando assim aos maçaenses qualquer eventual veleidade que pudessem acalentar de chegar ainda ao 3.º lugar. Com esta vitória o emblema das Fazendas não só confirmou definitivamente tal posição, como apresenta credenciais para a Final da Taça do Ribatejo que se avizinha.

Nesse derradeiro desafio da temporada, o outro finalista será o Abrantes e Benfica, turma que, actuando no passado Domingo no seu terreno, fez também um bom “ensaio geral”, face ao U. Tomar, num encontro bastante equilibrado, o qual se saldou pela repartição de pontos.

A um bom jogo de futebol – com ascendente unionista na primeira metade (todavia, não materializado), tendo os abrantinos estado mais activos no segundo tempo –, faltaram apenas os golos… com os tomarenses a necessitar, pois, de, dois tentos no último dia para poderem, pelo menos, igualar o seu “record” de (85) golos marcados em campeonatos (máximo averbado em 1987-88, no Distrital, e em 1973-74, na II Divisão Nacional, neste caso em 38 rondas).

Confirmações – Com os lugares do pódio ocupados por Rio Maior, U. Tomar e Fazendense, o Samora Correia confirmou também um muito bom 4.º lugar final, tendo somado a nona vitória consecutiva, numa fantástica série que mantém em curso, goleando o agora já descansado (e em descompressão) Ferreira do Zêzere, por 4-1 – relegando, assim, o Mação para a 5.ª posição.

Também o Alcanenense cumpriu a sua missão, indo ganhar (2-1) ao terreno da Glória do Ribatejo, o que lhe proporcionou voltar a ascender ao 6.º posto, ultrapassando o Benavente, agora com um ponto à maior, um notável desempenho de um jovem grupo.

Depois de um ciclo de quatro desaires sucessivos o Torres Novas teve a capacidade de reagir da melhor forma, tendo somado, agora, quarto triunfo consecutivo, ganhando por 3-1 no Cartaxo, equipa ainda a procurar restabelecer-se do desaire sofrido em Tomar. Os torrejanos firmam-se num já muito razoável 8.º lugar, podendo inclusivamente aspirar a melhorar ainda essa posição.

Beneficiando do factor casa o Amiense impôs-se por tangencial 1-0 frente ao At. Ouriense, o qual, deste modo, viu colocado um limite à sua progressão na tabela (não poderá fazer já melhor que o 11.º posto que presentemente ocupa) – quanto à turma de Amiais de Baixo, que reparte o 9.º lugar com o Abrantes e Benfica, poderá ainda vir a superar esse rival nas contas finais.

Num jogo entre duas formações que, já há bastante tempo, aparentam estar de alguma forma “desligadas” da competição, o Salvaterrense foi a Almeirim, bater o União local, por 3-2 – colocando, assim, termo a uma sucessão de seis desaires, enquanto o já despromovido histórico emblema almeirinense somou quinta derrota consecutiva.

II Divisão Distrital – Na viragem para a segunda volta, o Águias de Alpiarça continua a ganhar (2-1 nos Foros de Salvaterra – com reviravolta no marcador, consumada mesmo ao “cair do pano”), beneficiando dos “tropeções” alheios para ir adquirindo já importante vantagem.

Desta feita foi o Fátima (com margem de erro bastante estreita) a derrotar o Entroncamento, por tangencial 1-0, o suficiente para subsistir na acesa luta pela promoção, mantendo o 4.º posto, mas somente dois pontos abaixo da turma da cidade ferroviária (pese embora a cinco pontos do guia).

O Moçarriense voltou a golear (5-2) o Espinheirense, isolando-se no 3.º lugar, apenas um ponto acima da formação do Entroncamento – faltando disputar ainda quatro jornadas.

Liga 3 – O Alverca, vencedor do “play-off” entre os 2.º classificados das duas séries da Liga 3, não conseguiu, por agora, ir além do 0-0, na recepção ao 16.º classificado da II Liga, Sp. Covilhã, em partida da 1.ª mão do decisivo confronto que ditará o clube que adquirirá o direito a ocupar a última vaga no segundo escalão nacional.

Campeonato de Portugal O Fontinhas (da Praia da Vitória) foi a primeira equipa a garantir matematicamente a promoção à Liga 3, em função do empate caseiro (0-0) consentido pelo Moncarapachense no “derby” de Olhão, ante o Olhanense – o que o conjunto açoriano assegurara ainda antes de entrar em campo, na Sertã, onde acabaria derrotado por 1-3, pelo Sertanense.

À entrada para o derradeiro fim-de-semana da prova tudo está ainda por decidir na Zona Norte: duas vagas de subida em disputa entre um trio, composto por Paredes, Länk Vilaverdense e Leça – separados apenas por um ponto, a favor dos paredenses.

A Sul, teremos como que uma “final”, no Estádio do Restelo, entre Belenenses e Moncarapachense, bastando aos azuis da “Cruz de Cristo” o empate (isto, sem entrar em consideração com o preenchimento da vaga aberta pela não aceitação de inscrição do Cova da Piedade na próxima edição da Liga 3, possivelmente a atribuir ao melhor dos 3.º classificados).

Antevisão – Na 30.ª e última ronda do Distrital da I Divisão, já sem decisões de relevância por estabelecer, teremos, ainda assim, alguns desafios de interesse, em especial o Fazendense-Samora Correia (3.º e 4.º classificados) e o Torres Novas-Abrantes e Benfica. O Campeão, Rio Maior, recebe o último classificado, Glória do Ribatejo; tendo o U. Tomar a visita do Amiense.

Na II Divisão Distrital, a 7.ª jornada inclui um aliciante embate entre os actuais dois primeiros da tabela – Águias de Alpiarça e Moçarriense –, enquanto o Entroncamento e o Fátima são favoritos, nos encontros, respectivamente ante Forense e Espinheirense (o qual recebe os fatimenses).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 26 de Maio de 2022)

FC Porto – Tondela – 3-1

O FC Porto sagrou-se vencedor da 82.ª edição da Taça de Portugal, conquistando o troféu pela 18.ª vez no seu historial.

É o seguinte o palmarés da competição:

Benfica – 26
FC Porto – 18
Sporting – 17
Boavista – 5
V. Setúbal, Belenenses e Sp. Braga – 3
Académica – 2
V. Guimarães, Leixões, Beira-Mar, E. Amadora e D. Aves – 1

Abrantes e BenficaABRANTES E BENFICA – Ricardo Canais, Miguel Catarino, Pedro Gonçalves, António Matos (c.), Rui Sousa, Diogo Mateus, Francisco Salgueiro, João Nogueira (78m – João Reis), Afonso Parreira (78m – Elísio Menezes), Miguel Fernando “Seninho” e José Pedro (71m – João Luís)

U. TOMAR – Francisco Esteves, Fábio Luzio, Luís Caetano “Espadinha”, Filipe Cotovio, Guilherme Graça, Siaka Bamba (62m – Henrique Matos), Leandro Filipe (86m – Diogo Ismail), Pedro Pires (62m – João Marchão), Anderson Nascimento (73m – Guilherme Nunes), Tiago Vieira e Wemerson Silva (62m – Chrystian Pedroso)

(suplentes – Ivo Cristo e Douglas Pissona)

Cartões amarelos – Diogo Mateus (83m), Miguel Fernando “Seninho” (90m), Rui Sousa (90m) e Francisco Salgueiro (90m); Anderson Nascimento (19m), Pedro Pires (43m), Henrique Matos (70m), Guilherme Graça (87m) e Chrystian Pedroso (90m)

Árbitro – Bruno Franco

Samora Correia – Ferreira Zêzere – 4-1
Mação – Fazendense – 1-2
Glória Ribatejo – Alcanenense – 1-2
Benavente – Rio Maior SC – 0-7 (20.05.2022)
Amiense – At. Ouriense – 1-0
Abrantes e Benfica – U. Tomar – 0-0
Cartaxo – Torres Novas – 1-3
U. Almeirim – Salvaterrense – 2-3 (21.05.2022)

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Rio Maior SC       29    24     4     1    81 - 14    76
 2º U. Tomar           29    22     2     5    83 - 32    68
 3º Fazendense         29    17     5     7    61 - 36    56
 4º Samora Correia     29    14    10     5    54 - 40    52
 5º Mação              29    13     8     8    55 - 41    47
 6º Alcanenense        29    12     6    11    44 - 46    42
 7º Benavente          29    12     5    12    43 - 53    41
 8º Torres Novas       29    12     4    13    59 - 59    40
 9º Abrantes e Benfica 29    10     7    12    39 - 38    37
10º Amiense            29    10     7    12    36 - 36    37
11º At. Ouriense       29     9     6    14    39 - 49    33
12º Cartaxo            29     8     9    12    39 - 56    33
13º Salvaterrense      29     9     6    14    43 - 63    33
14º Ferreira Zêzere    29     8     3    18    33 - 57    27
15º U. Almeirim        29     4     5    20    29 - 70    17
16º Glória Ribatejo    29     2     5    22    33 - 81    11

Melhores marcadores:

1º Miguel Miguel (Torres Novas) – 31
2º Hélio Ocante (Mação) – 21
3º Lorran Jesus (Fazendense) – 19

(“O Templário”, 19.05.2022)

Numa ronda caracterizada por uma “chuva” de golos (um total de 39, resultando numa incrível média de praticamente 5 golos/jogo, um “record” nesta edição da prova), tudo ficou já matematicamente decidido, ainda com duas jornadas por disputar: o Rio Maior sagrou-se Campeão Distrital da I Divisão, assegurando a correspondente promoção ao Campeonato de Portugal; enquanto o U. Almeirim e o Glória do Ribatejo serão despromovidos à II Divisão Distrital. O União de Tomar garantiu o apuramento para a próxima edição da Taça de Portugal.

Os riomaiorenses conseguiram culminar com pleno êxito a “contagem regressiva” na rota do título – que mantinham desde que, à 22.ª jornada, estabeleceram uma “margem de segurança” de seis pontos para o mais directo perseguidor –, ampliando para dez o número de triunfos consecutivos; portanto sem sofrer qualquer deslize, como que neutralizando o efeito das seis vitórias também sucessivamente averbadas por uma equipa do U. Tomar que nunca abdicou da luta, mas que mais não lhe possibilitaram que consolidar, de forma claramente destacada, a 2.ª posição na tabela.

Destaques – Justamente, o maior destaque da 28.ª jornada terá de ser creditado aos tomarenses, com a estrondosa goleada aplicada ao Cartaxo, ganhando por números “esmagadores”: 10-0!

Em 2.300 jogos oficiais disputados ao longo do seu centenário historial, esta foi a segunda vitória por margem mais dilatada obtida pelo União, igualando os 10-0 registados em 1965, frente ao Vitória de Lisboa, um desfecho crucial, nessa ocasião, para uma ansiada subida à II Divisão Nacional, no percurso que conduziria à conquista do título de Campeão Nacional da III Divisão. Antes disso, o máximo histórico do clube tinha-se fixado já nos 13-1, face ao Alcanenense, no Distrital de 1942-43 (temporada em que ressalta também o 10-2 ante o Sporting de Tomar).

Nas últimas quatro partidas o U. Tomar acumula um fantástico total de 24 golos marcados. Desde a estreia do novo treinador, Marco Marques, contam-se três triunfos, com um saldo de 19-2!

O encontro perante o Cartaxo praticamente “não teve história”: os unionistas entraram a ganhar, inaugurando o marcador aos cinco minutos, ampliando para 2-0 ainda no quarto de hora inicial, estabelecendo o 3-0 pouco antes do intervalo. Na segunda metade, novo golo logo no minuto inicial, continuando a contagem a aumentar com naturalidade, até aos 6-0 aos 62 minutos. No derradeiro quarto de hora, mais quatro tentos, aliás, em menos de dez minutos, entre os 78 e 87…

Bastante maior foi o “suspense” – e, inevitavelmente, alguma dose de ansiedade – que se viveu em Rio Maior: num desafio que se antecipava já como sendo, provavelmente, da consagração do novo Campeão, os visitados abriram o activo aos 15 minutos, começando a preparar-se a festa… A qual, contudo, se faria ainda esperar longamente; o Amiense empatou aos 37 minutos e “vendeu cara” a derrota, com o “libertador” golo do título a chegar somente em cima do minuto 90.

Num campeonato com duas equipas manifestamente superiores à concorrência, o Rio Maior, com excelente campanha, fez meritório jus ao título, alicerçado numa defesa de grande solidez (apenas 14 golos sofridos, à média de 0,5/jogo), com um ataque também com registo muito bom (74 golos) – ainda que, nesse aspecto, agora algo aquém da fabulosa marca de 83 tentos do União (para já, terceira melhor marca da história do clube, apenas atrás dos 85 golos de 1973-74 e de 1987-88).

O Samora Correia prossegue a sua senda triunfal, tendo vencido pela oitava jornada sucessiva, batendo o Mação por 4-2, ultrapassando assim esse rival na disputa pelo 4.º lugar.

Confirmando o mau momento atravessado por U. Almeirim (quarto desaire sucessivo; sétimo em oito jogos, nos quais somou um único ponto, tendo visto confirmada a segunda despromoção em duas épocas) e Salvaterrense – equipa que angariara atempadamente os pontos necessários para garantir a manutenção, atravessando de forma bastante tranquila toda a época, tendo perdido, mais recentemente, todos os seus seis últimos jogos –, o Torres Novas e o Ferreira do Zêzere (este, em terreno alheio, em Salvaterra de Magos) impuseram-se com naturalidade: os torrejanos, goleando também, por 5-0, um triunfo que lhes proporcionou ascender ao 8.º posto; os ferreirenses, ganhando por 2-0, selando a permanência no escalão principal.

Confirmações – Confirmaram-se igualmente os expectáveis triunfos do Fazendense (outra goleada, por 4-0, ante o “lanterna vermelha”, Glória do Ribatejo, cimentando a 3.ª posição dos homens das Fazendas de Almeirim); do Alcanenense, face ao Benavente, por 4-2, fazendo prevalecer o factor casa, com a turma da Alcanena a agarrar-se ao 7.º lugar, estando agora somente dois pontos abaixo do adversário desta jornada; e do At. Ouriense, na recepção ao Abrantes e Benfica, ganhando por tangencial 2-1, o suficiente para escalar até ao 11.º posto (fruto de quatro vitórias e um empate nos cinco desafios mais recentes), deixando para trás Cartaxo e Salvaterrense, e apenas a um ponto do Amiense… e a três dos abrantinos.

II Divisão Distrital – A completar a primeira volta da fase de apuramento de Campeão e de promoção, o Águias de Alpiarça foi a Fátima arrancar um precioso triunfo (com o tento da vitória ao “cair do pano”), um desfecho que poderá vir a revelar-se de importância fulcral nas contas finais. Os alpiarcenses continuam a partilhar a liderança com o Entroncamento, que não teve dificuldades, goleando por 5-0 o Espinheirense (o qual conta por derrotas todos os cinco jogos).

Por seu lado o Moçarriense isolou-se no 3.º lugar, tendo ido vencer 3-0 aos Foros de Salvaterra.

Liga 3 – Depois do empate (1-1) registado na 1.ª mão em Alverca, os ribatejanos foram mais eficazes, indo ganhar (2-1) a Leiria, ante o União local, apurando-se para o “play-off” decisivo com o 16.º classificado da II Liga, Sp. Covilhã, para disputa da última vaga neste escalão.

Em paralelo o Torreense sagrou-se Campeão da edição inaugural desta nova competição, ao impor-se, no desempate da marca de grande penalidade, à Oliveirense (após 1-1 nos 120 minutos).

Campeonato de Portugal Subsistem ainda em prova apenas os doze clubes que se apuraram para a fase de apuramento de Campeão e de promoção, nesta altura – faltando disputar duas rondas – com Leça, Paredes, Fontinhas e Moncarapachense instalados nos lugares de subida.

Na 7.ª ronda assinala-se a igualdade (3-3) imposta pelo Sertanense no Restelo (tendo, aliás, o Belenenses empatado já no final do tempo de compensação), sendo que o histórico clube de Belém, agora no 3.º lugar, poderá ainda eventualmente beneficiar – caso venha a terminar nesse posto –, da vaga aberta pela despromoção administrativa da Liga 3 aplicada ao Cova da Piedade.

Antevisão – Definidas que estão as posições mais relevantes do Distrital da I Divisão, realça-se o embate Mação-Fazendense, mesmo que os maçaenses pareçam já arredados da possibilidade de chegar ao 3.º lugar; o Rio Maior desloca-se a Benavente, cabendo ao U. Tomar visitar Abrantes.

No escalão secundário, na viragem para a segunda volta, teremos um desafio crucial, entre Fátima e Entroncamento (com os fatimenses a verem estreitar-se a margem de erro), sendo Águias de Alpiarça e Moçarriense favoritos, respectivamente ante o Forense e o Espinheirense.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 19 de Maio de 2022)

U. TOMAR – Francisco Esteves, Fábio Luzio (68m – David Vieira), Luís Caetano “Espadinha”, Filipe Cotovio, Guilherme Graça (61m – Douglas Pissona), Siaka Bamba (c.), Leandro Filipe, Anderson Nascimento (61m – João Marchão), Pedro Pires (68m – Guilherme Nunes), Tiago Vieira e Wemerson Silva (68m – Chrystian Pedroso)

(suplentes – Ivo Cristo e Henrique Matos)

CARTAXO – Rodrigo Isidoro, Rui Simões, Diogo Martins, Edmilson Cabral, José Maria, Bernardo Tavares (58m – Guilherme Duarte), Francisco Paulo, Gonçalo Benavente (45m – Daniel Ferreira), Gelson Jesus (16m – Gonçalo Brazuna), João Quarenta (58m – Marcelo Cunha) e Jorge Dickson

1-0 – Anderson Nascimento – 5m
2-0 – Wemerson Silva – 14m
3-0 – Anderson Nascimento – 41m
4-0 – Tiago Vieira – 46m
5-0 – Pedro Pires – 57m
6-0 – Leandro Filipe – 62m
7-0 – Siaka Bamba (pen.) – 78m
8-0 – João Marchão – 80m
9-0 – Chrystian Pedroso – 82m
10-0 – Chrystian Pedroso – 87m

Cartões amarelos – Gonçalo Benavente (39m), Jorge Dickson (64m) e Diogo Martins (78m)

Árbitro – Paulo Raposo

Samora Correia – Mação – 4-2
Fazendense – Glória Ribatejo – 4-0
Alcanenense – Benavente – 4-2
Rio Maior SC – Amiense – 2-1
At. Ouriense – Abrantes e Benfica – 2-1
U. Tomar – Cartaxo – 10-0
Torres Novas – U. Almeirim – 5-0
Salvaterrense – Ferreira Zêzere – 0-2

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Rio Maior SC       28    23     4     1    74 - 14    73
 2º U. Tomar           28    22     1     5    83 - 32    67
 3º Fazendense         28    16     5     7    59 - 35    53
 4º Samora Correia     28    13    10     5    50 - 39    49
 5º Mação              28    13     8     7    54 - 39    47
 6º Benavente          28    12     5    11    43 - 46    41
 7º Alcanenense        28    11     6    11    42 - 45    39
 8º Torres Novas       28    11     4    13    56 - 58    37
 9º Abrantes e Benfica 28    10     6    12    39 - 38    36
10º Amiense            28     9     7    12    35 - 36    34
11º At. Ouriense       28     9     6    13    39 - 48    33
12º Cartaxo            28     8     9    11    38 - 53    33
13º Salvaterrense      28     8     6    14    40 - 61    30
14º Ferreira Zêzere    28     8     3    17    32 - 53    27
15º U. Almeirim        28     4     5    19    27 - 67    17
16º Glória Ribatejo    28     2     5    21    32 - 79    11

Melhores marcadores:

1º Miguel Miguel (Torres Novas) – 30
2º Hélio Ocante (Mação) – 20
3º Lorran Jesus (Fazendense) – 19

Ainda com duas jornadas por disputar tudo ficou já matematicamente decidido: o Rio Maior SC sagrou-se Campeão Distrital da I Divisão, assegurando a correspondente promoção ao Campeonato de Portugal; enquanto o U. Almeirim e o Glória do Ribatejo serão despromovidos à II Divisão Distrital. O União de Tomar garantiu o apuramento para a próxima edição da Taça de Portugal.

Página seguinte »