2021-22


Espinheirense – Salvaterrense – 1-3
Fátima – Abrantes e Benfica – (Adiado)
Forense – At. Ouriense – (Adiado)
U. Atalaiense – Entroncamento AC – 0-3
Samora Correia – Cartaxo – 0-1
Ferreira Zêzere – U. Tomar – 0-4
Benavente – U. Almeirim – 1-1 (4-3 g.p.)
Porto Alto – Fazendense – 1-2
Marinhais – Alcanenense – 3-3 (4-5 g.p.)
Mação – Glória Ribatejo – 4-3

Isentos: Moçarriense, Amiense, Vasco da Gama, Rio Maior SC, Torres Novas e Paço dos Negros

É o seguinte o alinhamento, previamente sorteado, dos jogos dos 1/8 de final, previstos para 6 de Fevereiro de 2022:

Rio Maior SC – Mação
Cartaxo – Moçarriense
Paço dos Negros – Forense/At. Ouriense
Alcanenense – Amiense
Salvaterrense – Torres Novas
Benavente – Fazendense
Vasco da Gama – Fátima/Abrantes e Benfica
U. Tomar – Entroncamento AC

Glória Ribatejo – Mação – 1-1
Benavente – Samora Correia – 0-1
Amiense – Fazendense – 1-1
Abrantes e Benfica – Alcanenense – 0-1
Cartaxo – Rio Maior SC – 1-2
U. Almeirim – At. Ouriense – 0-1
Salvaterrense – U. Tomar – 1-2
Ferreira Zêzere – Torres Novas – 1-2

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º U. Tomar           11     9     1     1    26 - 14    28
 2º Rio Maior SC       11     8     3     -    26 -  5    27
 3º Mação              11     5     5     1    18 - 13    20
 4º Abrantes e Benfica 11     5     3     3    15 -  8    18
 5º Amiense            11     4     5     2    12 -  9    17
 6º Fazendense         11     4     3     4    25 - 20    15
 7º Alcanenense        11     4     3     4    14 - 13    15
 8º At. Ouriense       10     4     2     4    16 - 14    14
 9º Benavente          11     4     2     5    15 - 14    14
10º Cartaxo            11     3     5     3    13 - 12    14
11º Samora Correia     11     3     5     3    13 - 16    14
12º Salvaterrense      11     3     5     3    18 - 23    14
13º Torres Novas       11     3     2     6    22 - 26    11
14º U. Almeirim        11     2     3     6    10 - 19     9
15º Glória Ribatejo    11     1     2     8    12 - 28     5
16º Ferreira Zêzere    10     -     1     9     3 - 24     1

Melhores marcadores:

1º Miguel Miguel (Torres Novas) – 12
2º Hélio Ocante (Mação) – 9
3º Arnaldo Ferreira (Rio Maior); e Lorran Jesus (Fazendense) – 8

(“O Templário”, 25.11.2021)

Qual montanha-russa de emoções, a 95.ª edição do maior clássico do futebol distrital, entre União de Tomar e Torres Novas, entra para a história: pela primeira vez – em praticamente 2.300 jogos oficiais disputados até à data – o centenário União ganhou um desafio por 5-4!

Mas, muito para além da “frieza dos números” e da estrita competição, esta ronda fica também assinalada por novo gesto de grande nobreza, por parte de Rafael Faustino: o antigo jogador unionista tinha já, há cerca de dois anos e meio, em Amiais de Baixo, saído de campo para, numa emergência, socorrer uma adepta do clube adversário; no passado Domingo, agora em representação do Ferreira do Zêzere, voltou a destacar-se, recebendo novo “cartão branco”, pela exemplar acção, prestando rápido auxílio, após aparatosa queda de jogador da Glória do Ribatejo.

Destaques – O primeiro realce da jornada, em termos de resultados, vai, pois, para o U. Tomar-Torres Novas, um clássico entusiasmante, traduzindo-se numa festa do futebol, com sucessivas reviravoltas no marcador, com os torrejanos a oferecer muito boa réplica, perante um adversário de superiores argumentos, discutindo o desfecho deste encontro quase até ao seu final.

Os tomarenses entraram em campo “a todo o gás”, criando, desde logo, algumas situações de perigo, acabando por vir a inaugurar o marcador à passagem dos vinte minutos. Mas, de pronto, o Torres Novas ripostaria, repondo o empate, na conversão de uma grande penalidade. E não demoraria muito mais até que, num lance de transição rápida, os visitantes surpreendessem ainda mais, colocando-se em vantagem. Sendo, desta feita, os nabantinos a ter imediata reacção, chegando-se ao intervalo com a igualdade a duas bolas.

Na segunda parte a toada não se alteraria, com o União sempre mais afoito, a desperdiçar algumas ocasiões de golo, em contraponto a um muito eficaz Torres Novas, a recolocar-se em vantagem. Não se deixando afectar pela contrariedade, os locais, dando prova de grande personalidade, iriam desde o 2-3 até ao 5-3, materializando assim a superioridade evidenciada dentro de campo. Nos derradeiros segundos do período de compensação, os torrejanos reduziram ainda para a diferença tangencial, um prémio para a forma aguerrida como se apresentaram, mesmo que tal não se tenha traduzido em pontos, mas que não deixará de ter implicações positivas a nível motivacional.

No final do desafio, o União prestou singela homenagem ao seu jogador Luís Alves, que, por motivo de saúde, se viu forçado, de forma prematura, a interromper a sua carreira de futebolista.

Em destaque esteve também o Abrantes e Benfica, que arrancou um importante triunfo, mercê de um solitário golo, nas Fazendas de Almeirim, ante um candidato que se começa a atrasar bastante. O Fazendense dominou durante a maior parte do tempo, empurrou o adversário para a sua zona defensiva, mas – ao contrário do que tem feito amiúde (é ainda a equipa mais concretizadora da prova, agora a par do U. Tomar e do Rio Maior) – foi, desta vez, incapaz de chegar ao golo.

Outro candidato igualmente já bastante afastado da liderança (empatado em pontos com o Fazendense, ambos a onze pontos do U. Tomar) é o Cartaxo, derrotado em Alcanena, por um conjunto jovem, com elementos de qualidade, que, gradualmente, vai procurando “levar a água ao seu moinho” (tendo ascendido, com os doze pontos que soma agora, ao 10.º posto).

É também de assinalar o primeiro triunfo da formação da Glória do Ribatejo, impondo-se por categórica marca de 3-0, na recepção ao Ferreira do Zêzere, um desfecho a suscitar fortes interrogações sobre a possibilidade de os ferreirenses conseguirem vir a alcançar a manutenção.

Surpresa – Depois de dois jogos com pesados desaires sofridos, o Salvaterrense voltou a “surpreender” pela positiva, indo empatar a Ourém, ante o At. Ouriense, a uma bola. O grupo de Salvaterra integra, cumprido o primeiro terço do campeonato, o quarteto que reparte a 6.ª posição.

Confirmações – Reforçando o seu estatuto, como um dos mais sérios candidatos, o Mação venceu, ainda que por margem tangencial (2-1), o Benavente, dando um salto na tabela, subindo do 8.º ao 4.º lugar – que poderá vir a ser 3.º (a seis pontos do guia) caso vença o jogo em atraso.

Prosseguindo a sua intrépida perseguição ao comandante – há seis jornadas que regista resultados análogos aos dos tomarenses – o Rio Maior recebeu e goleou (5-1) o U. Almeirim, em mais uma cabal demonstração do seu poderio. Para além da forte capacidade concretizadora (24 golos marcados), notabiliza-se, igualmente, pela robustez da sua defesa, a qual consentiu apenas quatro tentos nos dez jogos realizados, prolongando o seu já notável ciclo de invencibilidade.

O empate (1-1) registado no Samora Correia-Amiense afigura-se bastante lógico, tendo presente a campanha que os dois clubes vêm realizando: os samorenses continuam a partilhar o 11.º lugar com o At. Ouriense, enquanto o Amiense resiste num excelente 4.º posto, a par do Mação.

II Divisão Distrital – Dois dos anteriores líderes – que contam com o pleno de vitórias nos cinco jogos disputados –, Forense e Moçarriense, folgaram na 6.ª jornada.

Tal possibilitou ao Águias de Alpiarça, vencedor por 4-1 ante o Benfica do Ribatejo, alcandorar-se ao 1.º lugar da série A, com um ponto mais que a turma de Foros de Salvaterra. Por seu lado, também o Espinheirense (goleando, por 5-0, a equipa da Ortiga), igualou o Moçarriense na liderança da série C, contando igualmente por triunfos os (cinco) jogos realizados.

Na série B o Entroncamento (ganhando por 3-0 nas Caxarias) consolidou a sua posição de guia, beneficiando do desaire (com imprevista expressão, 5-1), do Vasco da Gama na Atalaia. Em evidência esteve também o Fátima, a impor uma pesada derrota (7-0) à equipa “B” do U. Tomar.

Antevisão – A 11.ª ronda da I Divisão Distrital promete, com vários encontros a suscitar grande expectativa, perante a incerteza do respectivo desfecho: o “jogo-grande” será o Cartaxo-Rio Maior, de crucial importância para os cartaxeiros; mas o U. Tomar não esperará também facilidades na deslocação a Salvaterra de Magos – os dois primeiros classificados procurarão estabelecer novo “record” de vitórias consecutivas neste campeonato, até agora fixado em três triunfos sucessivos (séries que, quer tomarenses, quer riomaiorense, registaram já por duas vezes).

Também de cariz determinante, neste caso para o Fazendense, será a visita ao sempre difícil reduto de Amiais de Baixo. Assim como é de especial interesse a saída do Mação até à Glória do Ribatejo, onde encontrará uma revitalizada equipa em termos anímicos. Por fim, como “cereja” no topo do bolo, teremos ainda o “derby” Benavente-Samora Correia.

O escalão secundário terá uma pausa no fim-de-semana, aguardando pela eliminatória da Taça do Ribatejo, agendada para 1 de Dezembro. Na Liga 3, o “lanterna vermelha”, U. Santarém, visita o líder, U. Leiria. Por seu lado, no Campeonato de Portugal, o Coruchense recebe o Sacavenense.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 25 de Novembro de 2021)

Glória Ribatejo – Ferreira Zêzere – 3-0
Mação – Benavente – 2-1
Samora Correia – Amiense – 1-1
Fazendense – Abrantes e Benfica – 0-1
Alcanenense – Cartaxo – 2-1
Rio Maior SC – U. Almeirim – 5-1
At. Ouriense – Salvaterrense – 1-1
U. Tomar – Torres Novas – 5-4

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º U. Tomar           10     8     1     1    24 - 13    25
 2º Rio Maior SC       10     7     3     -    24 -  4    24
 3º Mação              10     5     4     1    17 - 12    19
 4º Abrantes e Benfica 10     5     3     2    15 -  7    18
 5º Amiense            10     4     4     2    11 -  8    16
 6º Fazendense         10     4     2     4    24 - 19    14
 7º Benavente          10     4     2     4    15 - 13    14
 8º Cartaxo            10     3     5     2    12 - 10    14
 9º Salvaterrense      10     3     5     2    17 - 21    14
10º Alcanenense        10     3     3     4    13 - 13    12
11º At. Ouriense        9     3     2     4    15 - 14    11
12º Samora Correia     10     2     5     3    12 - 16    11
13º U. Almeirim        10     2     3     5    10 - 18     9
14º Torres Novas       10     2     2     6    20 - 25     8
15º Glória Ribatejo    10     1     1     8    11 - 27     4
16º Ferreira Zêzere     9     -     1     8     2 - 22     1

Melhores marcadores:

1º Miguel Miguel (Torres Novas) – 10
2º Hélio Ocante (Mação) – 9
3º Arnaldo Ferreira (Rio Maior) – 8

(“O Templário”, 18.11.2021)

Num campeonato em que, em termos gerais, o equilíbrio continua a imperar – após nove rondas disputadas somente dois pontos separam o 3.º do 9.º classificado –, os extremos começam a distanciar-se: na frente, União e Rio Maior, agora, respectivamente, com sete e seis pontos de vantagem face à última posição no pódio; na cauda da tabela, Ferreira do Zêzere e Glória do Ribatejo registam já um atraso de sete pontos em relação ao antepenúltimo, Torres Novas.

Destaques – O Rio Maior foi a equipa mais em evidência no passado fim-de-semana, impondo ao Salvaterrense – e, agora, em Salvaterra –, o segundo desaire sucessivo, e, outra vez, com goleada, por 4-0 (repetindo o “placard” também já aplicado pelo vice-líder em Samora Correia). Os riomaiorenses, que, desde há seis jornadas, mantêm apertada perseguição ao guia (sempre um único ponto atrás), apresentam agora o segundo ataque mais concretizador (a par dos tomarenses), o que aliam a uma defesa de enorme solidez, somente com três golos sofridos até à data.

Numa partida empolgante, entre dois dos principais candidatos aos lugares de topo, repleta de cambiantes, Cartaxo e Fazendense neutralizaram-se, empatando a três golos: entrada fulgurante do grupo das Fazendas, a chegar ao 0-2, para, de seguida, os visitados operarem fantástica reviravolta, para 3-2, acabando, todavia, por vir a consentir o tento do empate, com os forasteiros a confirmarem a sua propensão goleadora, totalizando já 24 golos apontados (mas, por outro lado, 18 sofridos). As duas equipas repartem agora a 5.ª posição com o sensacional Benavente.

A mostrar que continua bem “vivo”, o Mação – pese embora tenha ficado reduzido a dez elementos durante quase uma hora – foi ganhar ao sempre difícil reduto de Amiais de Baixo, impondo-se por 2-0, subindo, por agora, ao 8.º posto… mas que até poderá escalar até ao 3.º lugar, caso venha a vencer o desafio que tem em atraso, a disputar, em casa, ante o U. Almeirim. Uma “ameaça” aos lugares da frente, a levar muito em conta, pois.

Noutra luta, pela “sobrevivência”, o Torres Novas somou três importantes pontos, batendo o At. Ouriense por 2-1, o que lhe proporcionou, para já, a referida “confortável” margem de segurança, de sete pontos, em relação aos dois últimos da pauta classificativa.

Surpresas – O resultado porventura mais imprevisto da jornada ocorreu em Abrantes, onde a turma local não conseguiu melhor do que a igualdade, a uma bola, na recepção ao Samora Correia, tendo deixado escapar o triunfo já nos derradeiros minutos. Com o ponto averbado os abrantinos recuperaram, ainda assim, o 3.º lugar, em igualdade pontual com o Amiense, mas integrando um alargado pelotão, concentrado na tal escassa diferença de dois pontos, atrasando-se em relação aos dois primeiros, mas, claro, muito longe de estarem arredados de maiores aspirações.

Poderá considerar-se também como “semi-surpresa” o desfecho verificado em Almeirim, com outro empate, igualmente a um golo, entre U. Almeirim e Alcanenense, o que, em paralelo, virá confirmar que o objectivo das duas equipas para esta temporada não deverá ser outro que o de procurar assegurar a manutenção, da forma mais “tranquila” que lhes for possível.

Partilhando estes clubes, nesta altura, o 12.º posto, apenas com nove pontos somados, tal tranquilidade dependerá também do desempenho que o Coruchense venha a ter no Campeonato de Portugal, do qual dependerá o número de equipas (duas, ou, no pior cenário, três) a despromover ao escalão secundário do futebol distrital.

Confirmações – Nos restantes dois encontros confirmaram-se as expectativas, com as duas formações da parte mais baixa da classificação a “afundarem-se” ainda mais.

O Benavente bateu por categórica marca de 3-0, o Glória do Ribatejo, muito aquém da fantástica época passada, que somou o nono desaire em dez jogos disputados. Foi já o quarto triunfo dos benaventenses, que não têm vacilado, ganhando todos os jogos que seriam “de ganhar”, acumulando já 14 pontos, intrometendo-se numa disputa que não será a sua, a par do Fazendense e do Cartaxo na classificação, mas, mais importante, afastando-se da zona perigosa.

No “quase derby” de Ferreira do Zêzere, o União de Tomar, mesmo vencendo, e repetindo os números ali obtidos pelo Rio Maior (2-0), teve uma tarde tudo menos tranquila.

De facto, bastante perdulários durante toda a primeira parte, os nabantinos permitiram que o nulo subsistisse durante mais de uma hora. E, na segunda metade, até começaram por ver o adversário, mais ameaçador, com duas ocasiões para poder inaugurar o marcador. Mas o maior poderio dos nabantinos acabaria por vir à tona, ditando o desfecho com dois golos praticamente de rajada.

O U. Tomar passaria ainda por minutos finais de alguma tensão, quando se viu em inferioridade numérica, mas os ferreirenses não conseguiriam desfeitear o atento guardião contrário.

Foi um triunfo especial, dedicado a Luís Alves, o qual, por motivos de saúde (situação de índole cardíaca), poderá ter visto prematuramente interrompida a sua carreira (tendo disputado 137 jogos com a camisola do União e marcado 21 golos, entre eles o que abriu o marcador na Final da Taça do Ribatejo conquistada pelo clube em 2018). Neste período muito difícil em termos pessoais – a requerer grande coragem –, mais importante que o jogador terá de ser, necessariamente, o homem, a partir de agora mais um “adepto”, a sofrer por fora, mas bem junto dos seus companheiros.

II Divisão Distrital – Pese embora ainda numa fase bastante precoce da prova – apenas foram disputadas cinco das 18 rondas previstas – há três emblemas que se começam, desde já, a perfilar como sérios candidatos à subida, um de cada série: Forense (5-0 no terreno do Benfica do Ribatejo) e Moçarriense (3-0 no Tramagal) com o pleno de vitórias; Entroncamento AC (triunfo por 3-1 perante um dos mais fortes concorrentes, Fátima), somente com um ponto cedido.

Mas há também outros firmes pretendentes à qualificação para a fase final, de apuramento de Campeão e de promoção, nomeadamente: Águias de Alpiarça, Vasco da Gama e Espinheirense.

Antevisão – No principal escalão prosseguem os desafios entre aspirantes aos lugares cimeiros, com realce para o embate entre Fazendense e Abrantes e Benfica. O Cartaxo, que visita Alcanena, não esperará certamente uma tarde “descansada”. Por seu lado, Rio Maior e Mação, recebendo, respectivamente, U. Almeirim e Benavente, são favoritos, mas não poderão facilitar.

Quanto ao U. Tomar, actua igualmente no seu terreno, ante o Torres Novas, no maior clássico do futebol distrital, na 95.ª edição de um confronto de resultado sempre em aberto, como o atesta o grande equilíbrio a nível histórico: 38 vitórias dos tomarenses, face a 37 triunfos dos torrejanos.

Na II Divisão, destaque para as seguintes partidas: Caxarias-Entroncamento AC, Riachense-Goleganense, U. Atalaiense-Vasco da Gama, Fátima-U. Tomar “B” (todos na série B), sendo que os líderes das séries A e C, respectivamente Forense e Moçarriense, terão dia de folga.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 18 de Novembro de 2021)

Penafiel (L2) – Portimonense (I) – 0-3
Vilafranquense (L2) – Mafra (L2) – 0-1
Vizela (I) – C. F. Estrela Amadora (L2) – 2-0
Leça (CP) – Gil Vicente (I) – 1-0
Casa Pia (L2) – Farense (L2) – 3-1
Sp. Braga (I) – Santa Clara (I) – 6-0
Sporting (I) – Varzim (L2) – 2-1
Alverca (L3) – Famalicão (I) – 1-2
Benfica (I) – Paços Ferreira (I) – 4-1
Paredes (CP) – Torreense (L3) – 1-0
FC Porto (I) – Feirense (L2) – 5-1
Moreirense (I) – V. Guimarães (I) – 3-2
Caldas (L3) – B SAD (I) – 3-5
Serpa (CP) – Estoril (I) – 0-5
Tondela (I) – Leixões (L2) – 3-1
Rio Ave (L2) – Olhanense (CP) – 2-1

Garantiram o apuramento para os 1/8 de final 11 clubes da I Liga (tendo sido eliminados Gil Vicente – pelo Leça, do Campeonato de Portugal -, V. Guimarães, Paços Ferreira e Santa Clara), 3 da II Liga (Rio Ave, Casa Pia e Mafra) e 2 do Campeonato de Portugal (Leça e Paredes). Os três últimos representantes da Liga 3 (Alverca, Caldas e Torreense) quedaram-se pelos 1/16 de final.

Benavente – Glória Ribatejo – 3-0
Amiense – Mação – 0-2
Abrantes e Benfica – Samora Correia – 1-1
Cartaxo – Fazendense – 3-3
U. Almeirim – Alcanenense – 1-1
Salvaterrense – Rio Maior SC – 0-4
Torres Novas – At. Ouriense – 2-1
Ferreira Zêzere – U. Tomar – 0-2

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º U. Tomar            9     7     1     1    19 -  9    22
 2º Rio Maior SC        9     6     3     -    19 -  3    21
 3º Mação               9     4     4     1    15 - 11    16
 4º Abrantes e Benfica  9     4     3     2    14 -  7    15
 5º Amiense             9     4     3     2    10 -  7    15
 6º Fazendense          9     4     2     3    24 - 18    14
 7º Benavente           9     4     2     3    14 - 11    14
 8º Cartaxo             9     3     5     1    11 -  8    14
 9º Salvaterrense       9     3     4     2    16 - 20    13
10º At. Ouriense        8     3     1     4    14 - 13    10
11º Samora Correia      9     2     4     3    11 - 15    10
12º Alcanenense         9     2     3     4    11 - 12     9
13º U. Almeirim         9     2     3     4     9 - 13     9
14º Torres Novas        9     2     2     5    16 - 20     8
15º Ferreira Zêzere     8     -     1     7     2 - 19     1
16º Glória Ribatejo     9     -     1     8     8 - 27     1

Melhores marcadores:

1º Hélio Ocante (Mação) – 9
2º Miguel Miguel (Torres Novas) – 8
3º António Pereira (Salvaterrense); e Lorran Jesus (Fazendense) – 7

(“O Templário”, 11.11.2021)

Dos vencedores da semana anterior apenas o Amiense conseguiu repetir o triunfo, prosseguindo a (algo imprevista) ascensão na tabela – ocupando, agora, o 3.º degrau do pódio –, o que, em paralelo, em função dos desaires sofridos por Abrantes e Benfica e Salvaterrense (que viu enfim quebrada, com “estrondo”, a sua invencibilidade), proporcionou aos dois primeiros, U. Tomar e Rio Maior, voltar a alargar a vantagem sobre a concorrência.

Destaques – O primeiro destaque da 8.ª jornada vai para o Alcanenense, que não só colocou termo à série até agora invicta do Salvaterrense, como o fez de forma categórica, goleando por inapelável 5-0, somando importantes pontos que lhe permitem afastar-se da zona mais perigosa da classificação.

Num embate entre dois dos principais candidatos, o Mação recebeu e bateu o Abrantes e Benfica, por 2-1 (apenas a segunda vitória dos visitados e, em paralelo, a segunda derrota dos visitantes, depois de terem perdido no Cartaxo), do que decorre a baixa dos abrantinos ao 4.º lugar, por troca com a formação de Amiais de Baixo, enquanto os maçaenses – ainda com um jogo em atraso – repartem agora o 9.º posto com o At. Ouriense, a nove pontos do topo.

O líder, U. Tomar – que preserva esta condição desde a ronda inaugural –, impôs-se por sofrido 3-2 na deslocação a Ourém, face ao At. Ouriense, somando o sexto triunfo em oito desafios.

Com uma entrada de rompante os unionistas criaram, logo nos minutos iniciais, três ocasiões de perigo, pese embora não materializadas, quer devido a intervenção atenta do guardião contrário, como a algum “excesso de pontaria”, com a bola a embater no poste.

Mas o(s) golo(s) não tardaria(m), com Wemerson Silva a bisar no espaço de sete minutos (entre os 18 e os 25), igualando o registo de Raul Águas (este, entre 1972 e 1975, em jogos na I e na II Divisão Nacional), na 5.ª posição dos melhores marcadores de sempre do clube, ambos com 57 golos, agora a seis tentos da marca de Alberto Mota (de 1966 a 1971, também nos Nacionais).

Todavia, a meia hora de vincada superioridade nabantina, ripostaria o grupo de Ourém, repondo de pronto a igualdade, com dois golos obtidos em menos de cinco minutos.

A história repetir-se-ia na segunda metade, outra vez com o União a entrar mais forte, cedo voltando a colocar-se em vantagem no marcador (por Luís Alves), desperdiçando, no quarto de hora imediato uma “mão cheia” de oportunidades. Na fase final, o At. Ouriense pressionaria bastante, em busca do tento do empate, o que, contudo, não conseguiria alcançar, com o desfecho a saldar-se por uma merecida vitória dos tomarenses, por tangencial 3-2.

Conforme referido, o principal beneficiado – subindo de 5.º para 3.º – foi o Amiense, ganhando por 2-0 na Glória do Ribatejo, contribuindo para agravar ainda mais a crise de resultados dos locais, somente com um ponto angariado, partilhando a “lanterna vermelha” com o Ferreira do Zêzere, ambos já a sete pontos do 13.º classificado, e a quatro do 14.º, Torres Novas.

Quase sem se dar por ele, o Cartaxo vai de novo subindo posições na tabela, aproximando-se da frente, partilhando agora o 5.º posto com o Fazendense e com o Salvaterrense – todos a seis pontos do guia –, mercê do bom triunfo averbado em Samora Correia, por 3-1, com a particularidade de os samorenses, afinal, em quatro jogos em casa, só terem vencido o União…

Confirmações – Nos restantes três encontros os favoritos confirmaram o seu superior potencial, vencendo, com maior ou menor margem.

O Rio Maior – agora a única equipa que subsiste ainda invicta – mantém a estreita perseguição ao U. Tomar, somente a um ponto, após ter vencido, com tranquilidade, o Torres Novas, por 2-0.

No “derby”, o Fazendense levou a melhor sobre o U. Almeirim, graças a um solitário golo, o suficiente para atestar a manutenção do estatuto de candidato dos donos da casa, ao invés do que sucede com os forasteiros, que caíram para 13.º, já a onze pontos do comandante (não obstante tenham ainda um jogo por disputar), pelo que o U. Almeirim estará este ano, aparentemente, “fora da corrida” ao título.

O Benavente, que vem realizando campanha regular (terceiro triunfo em casa, a que junta empates no Cartaxo e em Salvaterra), ganhou, por 3-1, ao Ferreira do Zêzere, também em situação difícil.

II Divisão Distrital – As equipas do Forense (ganhando em casa, por 3-1, ao Porto Alto) e do Moçarriense (goleando o Pego por 4-0) continuam a só saber vencer (quatro triunfos em outras tantas partidas disputadas), mantendo a liderança isolada das respectivas séries.

Na outra série, tendo o Vasco da Gama adiado o compromisso com o Fátima, cedeu a liderança, ainda que à condição, a favor do Entroncamento AC, que ganhou por tangencial 1-0 nos Riachos.

Anotam-se ainda os seguintes desfechos: as goleadas do Espinheirense (8-1), face ao histórico Alferrarede, e do Águias de Alpiarça (2.º na série A), por 6-1, frente à equipa “B” do Coruchense; assim como, por outro lado, os triunfos “fora de portas”, de U. Atalainse (4-1 nas Caxarias) e do U. Tomar “B” (3-2, em Vilar dos Prazeres), na estreia dos tomarenses a ganhar nesta temporada.

Liga 3 – O U. Santarém voltou, enfim, a pontuar, empatando a uma bola com o Amora, o que, porém, não foi suficiente para se libertar da 12.ª e última posição, dado o Oliveira do Hospital – um ponto acima – ter empatado também com a equipa do Oriental Dragon.

Campeonato de Portugal – O Coruchense esteve em especial evidência, impondo ao líder destacado, Pêro Pinheiro, o primeiro desaire, com a turma do Sorraia a ganhar por 2-0. Numa série pautada por enorme equilíbrio, o representante do Distrito subiu a 4.º (integrando um pelotão de cinco clubes), somente a um ponto do duo que reparte agora o 2.º lugar (Belenenses e Loures), mas tendo abaixo de si (a três pontos) apenas as equipas do Rabo de Peixe e do Sacavenense.

Antevisão – Na Divisão principal do futebol distrital, o realce vai para os embates Cartaxo-Fazendense, Amiense-Mação e Salvaterrense-Rio Maior, para além, claro está, do sempre muito aguardado “quase derby” entre Ferreira do Zêzere e U. Tomar.

No escalão secundário destacam-se os seguintes encontros: Porto Alto-Águias de Alpiarça; Entroncamento AC-Fátima; U. Tomar “B”-Riachense; e Moçarriense-Pego.

Quanto à Liga 3 e ao Campeonato de Portugal, com um calendário algo irregular, voltam a ter dois fins-de-semana de interregno: primeiro, devido aos dois derradeiros jogos da selecção, de apuramento para o Mundial; depois, para disputa de mais uma eliminatória da Taça de Portugal.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 11 de Novembro de 2021)

AT. OURIENSE – Tiago Palaio, Gonçalo Costa (80m – José Carlos Pereira), João Baptista (89m – Luís Pedro Pereira), Artur Oliveira, Francisco Pereira (45m – Fábio Pereira), Renato Gil, Dino Martins (c.), Caio Prado (89m – João Patrício), Rui Ferreira “Tico”, André Sousa (70m – Dylan Gouveia) e Diogo Gameiro

U. TOMAR – Ivo Cristo, David Vieira (c.), Luís Caetano “Espadinha”, Filipe Cotovio, Guilherme Graça, Henrique Matos (65m – Siaka Bamba), Leandro Filipe, Luís Alves (89m – Douglas Pissona), Wemerson Silva, Tiago Vieira e Pedro Pires (77m – Fábio Luzio)

(suplentes – Luís Sousa, Guilherme Nunes, Anderson Nascimento e Diogo Ismail)

0-1 – Wemerson Silva – 18m
0-2 – Wemerson Silva – 24m
1-2 – Dino Martins (pen.) – 33m
2-2 – João Baptista – 38m
2-3 – Luís Alves – 51m

Cartão amarelo – André Sousa (45m)

Árbitro – João Veríssimo

Benavente – Ferreira Zêzere – 3-1
Glória Ribatejo – Amiense – 0-2 (06.11.2021)
Mação – Abrantes e Benfica – 2-1
Samora Correia – Cartaxo – 1-3
Fazendense – U. Almeirim – 1-0
Alcanenense – Salvaterrense – 5-0
Rio Maior SC – Torres Novas – 2-0
At. Ouriense – U. Tomar – 2-3

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º U. Tomar            8     6     1     1    17 -  9    19
 2º Rio Maior SC        8     5     3     -    15 -  3    18
 3º Amiense             8     4     3     1    10 -  5    15
 4º Abrantes e Benfica  8     4     2     2    13 -  6    14
 5º Fazendense          8     4     1     3    21 - 15    13
 6º Cartaxo             8     3     4     1     8 -  5    13
 7º Mação               8     3     4     1    13 - 11    13
 8º Salvaterrense       8     3     4     1    16 - 16    13
 9º Benavente           8     3     2     3    11 - 11    11
10º At. Ouriense        7     3     1     3    13 - 11    10
11º Samora Correia      8     2     3     3    10 - 14     9
12º Alcanenense         8     2     2     4    10 - 11     8
13º U. Almeirim         8     2     2     4     8 - 12     8
14º Torres Novas        8     1     2     5    14 - 19     5
15º Ferreira Zêzere     7     -     1     6     2 - 17     1
16º Glória Ribatejo     8     -     1     7     8 - 24     1

Melhores marcadores:

1º Hélio Ocante (Mação) – 8
2º Miguel Miguel (Torres Novas); e António Pereira (Salvaterrense) – 7
3º João Marchão (Abrantes e Benfica) – 6

(“O Templário”, 04.11.2021)

Quatro empates nos sete jogos disputados nesta jornada, especialmente nas partidas em que intervieram quatro dos candidatos (U. Tomar-Rio Maior e Cartaxo-Mação), traduzem um bom sinal do equilíbrio vigente neste campeonato, agora com os cinco primeiros classificados separados, entre cada um deles, por um único ponto, “em escadinha” – tendo beneficiado de tais resultados, principalmente, os três clubes vitoriosos no passado fim-de-semana (Abrantes e Benfica, Salvaterrense e Amiense), escalonados, justamente, entre o 3.º e o 5.º lugar.

Destaques – O desafio de maior cartel da 7.ª ronda, colocando frente-a-frente os dois primeiros classificados, U. Tomar e Rio Maior, confirmou-se mesmo como um “grande jogo”, entre duas (boas) equipas que se respeitaram mutuamente, com dois treinadores que, na análise pós-jogo, não hesitaram em valorizar os pontos fortes do respectivo adversário (destacando-se a qualidade individual de alguns dos jogadores riomaiorenses), reconhecendo como ajustada a repartição de pontos, num encontro, verdadeiramente, com duas partes distintas.

Os tomarenses começariam por beneficiar de uma primeira ocasião logo à passagem dos cinco minutos, mas, durante toda a primeira metade, seria a turma de Rio Maior a superiorizar-se, assumindo o controlo do jogo, forçando o adversário a correr atrás da bola, o que se materializaria num golo, pouco depois dos 35 minutos.

Ao invés, no segundo tempo, os unionistas entrariam em campo com atitude mais aguerrida, fazendo valer o seu colectivo, empurrando o adversário para o seu meio-campo, o que seria retribuído com o tento da igualdade. Na parte final, o União, sentindo o ascendente psicológico, procurou ainda consumar a reviravolta no marcador, mas o “placard” não se alteraria.

Por seu lado, outros dois candidatos aos lugares cimeiros, Cartaxo e Mação, neutralizaram-se também, não tendo conseguido desfazer o nulo, no que se constitui no quarto empate para cada uma destas equipas (sendo que os maçaenses, com um jogo em atraso, ainda só venceram por uma vez no presente campeonato). Em função de mais estes pontos perdidos, os cartaxeiros partilham agora o 6.º posto com Fazendense e At. Ouriense (este com menos um jogo), a seis pontos da liderança; enquanto o Mação se posiciona bastante mais baixo, no 12.º lugar…

O outro grande destaque da jornada voltou a vir de Salvaterra de Magos, onde, não só o o grupo local mantém – após sete jogos – a invencibilidade, como se superiorizou, por categórica marca de 4-2, ante a poderosa turma do Fazendense, a qual, por ora, alia o registo de ataque mais concretizador da prova (total de vinte golos) a um dos piores desempenhos a nível defensivo (quinze tentos sofridos, marca apenas superada por Torres Novas e Glória do Ribatejo).

Surpresa – Terá sido, com maior propriedade, uma “meia-surpresa”, a igualdade averbada pelo Samora Correia em Almeirim, ante o União local, a duas bolas – sendo que os almeirinenses, por agora na 10.ª posição, já a oito pontos do líder, parecem muito distantes do fulgor que tinham evidenciado na sua última participação no Distrital, há apenas duas épocas.

Confirmações – Tal como, aliás, se poderia projectar já à partida para esta ronda, o Abrantes e Benfica foi o principal beneficiado com os desfechos dos outros jogos, ao cumprir, com aparente tranquilidade, o seu papel, recebendo e batendo a equipa da Glória do Ribatejo por 4-1; os abrantinos, pese embora mantenham inalterado o seu lugar (3.º) na pauta classificativa, reduziram para um único ponto o atraso face ao Rio Maior, estando somente a dois pontos do U. Tomar.

Conforme referido, também o Amiense tirou dividendos do triunfo obtido na recepção ao Benavente, por 3-1, num jogo com arbitragem muito contestada pelos visitantes, em especial no que respeita à validação do terceiro tento dos homens de Amiais de Baixo.

Em Torres Novas, num encontro que ficou marcado por erros de parte a parte, resultando em golos para o adversário, os torrejanos empataram, também a dois tentos, face ao Alcanenense; estes dois emblemas históricos persistem em situação bastante periclitante na tabela, partilhando a 13.ª posição (antepenúltimos, apenas à frente de Ferreira do Zêzere e Glória do Ribatejo).

A partida entre Ferreira do Zêzere e At. Ouriense foi adiada devido ao facto de a turma de Ourém ter sido afectada pela “COVID-19”, subsistindo em dúvida se poderá (ou não) retomar a competição já neste próximo fim-de-semana, em que teria a visita do comandante.

II Divisão Distrital – Após a disputa das três jornadas iniciais há apenas três clubes com o pleno de vitórias, liderando, pois, cada uma das respectivas séries: Forense (4-0, fora de casa, ante a equipa “B” do Coruchense); o surpreendente Vasco da Gama, a retirar proveito do investimento na formação, que bateu o Riachense, num “electrizante” desafio, por 5-4; e o Moçarriense, goleando, no terreno do Ortiga, por 5-1.

De registar, ainda, o triunfo (2-0) do Fátima na Atalaia, assim como as goleadas impostas por Porto Alto (6-0) e Entroncamento AC (5-0), respectivamente ao Benfica do Ribatejo e Vilarense. A equipa “B” do U. Tomar sofreu o segundo desaire, perdendo, em casa, 1-3, com o Goleganense.

Liga 3 – O U. Santarém continua a “marcar passo”, tendo somado a quinta derrota em seis jogos, perdendo por 3-1 em Alverca, ficando isolado no último lugar, em função do inesperado empate alcançado pelo Oliveira do Hospital ante o U. Leiria (um dos líderes, a par de Torreense e Real).

Campeonato de Portugal – A 5.ª ronda da prova foi também negativa para o Coruchense, batido por tangencial 1-0 nos Açores, pelo “lanterna vermelha”, Rabo de Peixe. A formação do Sorraia baixou ao 8.º lugar, somente um ponto acima dos dois últimos classificados.

Antevisão – Na I Divisão Distrital destacam-se os seguintes embates de maior aliciante e imprevisibilidade quanto ao desfecho: o “derby” Fazendense-U. Almeirim; Mação-Abrantes e Benfica; Samora Correia-Cartaxo; e, caso seja possível realizar-se, o At. Ouriense-U. Tomar.

No escalão secundário realce para os seguintes desafios: Forense-Porto Alto; Fátima-Vasco da Gama; Riachense-Entroncamento AC; e Moçarriense-Pego. Por seu lado, a equipa “B” do U. Tomar visita Vilar dos Prazeres.

Na Liga 3 o U. Santarém recebe o Amora, actual 4.º classificado, mas apenas um ponto abaixo do trio de comandantes, pelo que terá mais uma tarefa que se antevê difícil.

No Campeonato de Portugal o Coruchense actua também em casa, mas não terá missão de menor exigência, defrontando o líder destacado, Pêro Pinheiro, que, até agora, apenas cedeu um empate.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 4 de Novembro de 2021)

U. TOMAR – Francisco Esteves, David Vieira (c.), Luís Caetano “Espadinha” (71m – Diogo Ismail), Filipe Cotovio, Guilherme Graça, Henrique Matos, Leandro Filipe, Luís Alves (82m – Guilherme Nunes), Wemerson Silva, Tiago Vieira e Anderson Nascimento (13m – Fábio Luzio) (45m – Pedro Pires)

(suplentes – Ivo Cristo, Douglas Pissona e Diogo Camponez)

Rio Maior SCRIO MAIOR SC – José Vieira, João Lopes, Rodrigo Martins, João Paulo Neves, Ricardo Carloto, Ricardo Lamy, Pedro Guedes (82m – Rodrigo Quaresma), Alex Diliberto, Nicolas Bernardino (82m – João Mendes), Arnaldo Ferreira (60m – Geraldino Barbosa) e Aroldo Arruda

0-1 – Alex Diliberto – 36m
1-1 – Tiago Vieira – 60m

Cartões amarelos – David Vieira (54m), Pedro Pires (55m), Henrique Matos (56m) e Guilherme Nunes (87m); Rodrigo Martins (20m), Alex Diliberto (80m), Geraldino Barbosa (80m), Rodrigo Quaresma (84m) e João Lopes (88m)

Árbitro – Hugo Serafim Silva

Amiense – Benavente – 3-1 (30.10.2021)
Abrantes e Benfica – Glória Ribatejo – 4-1
Cartaxo – Mação – 0-0
U. Almeirim – Samora Correia – 2-2
Salvaterrense – Fazendense – 4-2
Torres Novas – Alcanenense – 2-2
U. Tomar – Rio Maior SC – 1-1
Ferreira Zêzere – At. Ouriense – (05.01.2022)

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º U. Tomar            7     5     1     1    14 -  7    16
 2º Rio Maior SC        7     4     3     -    13 -  3    15
 3º Abrantes e Benfica  7     4     2     1    12 -  4    14
 4º Salvaterrense       7     3     4     -    16 - 11    13
 5º Amiense             7     3     3     1     8 -  5    12
 6º Fazendense          7     3     1     3    20 - 15    10
 7º At. Ouriense        6     3     1     2    11 -  8    10
 8º Mação               7     2     4     1    11 - 10    10
 9º Cartaxo             7     2     4     1     5 -  4    10
10º Samora Correia      7     2     3     2     9 - 11     9
11º Benavente           7     2     2     3     8 - 10     8
12º U. Almeirim         7     2     2     3     8 - 11     8
13º Torres Novas        7     1     2     4    14 - 17     5
14º Alcanenense         7     1     2     4     5 - 11     5
15º Ferreira Zêzere     6     -     1     5     1 - 14     1
16º Glória Ribatejo     7     -     1     6     8 - 22     1

Melhores marcadores:

1º Hélio Ocante (Mação); Miguel Miguel (Torres Novas); e António Pereira (Salvaterrense) – 7
2º João Marchão (Abrantes e Benfica) – 5
3º Lorran Jesus (Fazendense); Alex Diliberto (R. Maior); Jorge Fernandes (Glória do Ribatejo); e Tiago Vieira (U. Tomar) – 4

(“O Templário”, 28.10.2021)

Numa ronda em que, em geral, as equipas teoricamente mais apetrechadas confirmaram o favoritismo – com a notória excepção do Cartaxo – os dois primeiros da tabela aproveitaram o desaire do At. Ouriense (precisamente em Rio Maior), assim como o empate do Salvaterrense em Samora (mantendo, ainda assim, a invencibilidade) para descolar dos mais directos perseguidores, sendo o último lugar no pódio agora ocupado pelo Abrantes e Benfica, a quatro pontos do guia.

É claro que “a procissão ainda vai no adro” – está disputado apenas o primeiro quinto do campeonato –, sendo que, em paralelo, é, naturalmente, numeroso o lote de concorrentes na disputa dos lugares da frente: Fazendense, Salvaterrense e At. Ouriense, todos somente a um ponto do emblema abrantino; e Amiense e Cartaxo um degrau mais abaixo. Anota-se, além disso, que U. Almeirim e Mação, por ora mais atrasados, terão ainda de realizar o seu jogo desta jornada.

Destaques – O U. Tomar volta a estar em destaque, pelo segundo triunfo obtido “fora de portas”, desta feita ganhando por 2-0 em Alcanena. Depois de uma fase em que denotou dificuldades a nível defensivo (seis tentos sofridos nas quatro primeiras jornadas – sendo que, então, só três das 16 equipas apresentavam pior registo), os nabantinos conseguiram, nas duas últimas partidas, manter a sua baliza “a zeros”, traduzindo reforço da solidez defensiva.

Tal foi tão mais significativo quanto, neste desafio em especial, foram os tomarenses submetidos a pressão a que não estariam “habituados” nos encontros anteriores. Depois da usual boa entrada em campo, com atitude ambiciosa, procurando assumir a iniciativa e controlo do jogo, a verdade é que, decorrido o quarto de hora inicial, o Alcanenense conseguiria “furtar” a bola ao adversário, superiorizando-se em termos do tempo de posse, forçando os unionistas a recuar no terreno.

Esse domínio dos visitados seria, porém, improfícuo. Justamente o contraponto do que sucederia com o União logo no arranque da segunda metade: entrada a todo o “gás”, com três ocasiões de perigo nos três primeiros minutos, sendo que a terceira delas resultou na abertura do marcador. De imediato os locais teriam a mais soberana oportunidade de marcar, com Filipe Cotovio a salvar sobre a linha de golo. Uma vez mais, seria na sequência de um contra-ataque que os tomarenses fixariam o resultado. Havia ainda mais de um quarto de hora de jogo, mas logo se percebeu que a vitória dificilmente escaparia. Um importante triunfo, perante um grupo de boa qualidade.

Também o Rio Maior manteve a sua baliza inviolada, o que consegue pela quarta vez em seis jogos, apresentando a defesa menos batida da prova, somente com dois golos sofridos (precisamente em Alcanena e, em casa, no empate ante o Mação). E, emulando o resultado do U. Tomar na semana anterior, bateu por categórica marca de 3-0 o At. Ouriense, que já surpreendera em Mação e nas Fazendas de Almeirim, mas que, desta vez, não teve argumentos para contrariar a superioridade de um adversário que vem demonstrando forte consistência, ainda invicto.

Em evidência esteve também o Abrantes e Benfica, averbando o seu primeiro triunfo na condição de visitante, em Benavente, perante um opositor que ganhara nas suas duas anteriores partidas no “Portas do Sol”, mercê de um solitário tento, o bastante para ascender ao pódio.

A demonstrar constituir uma equipa “confiável”, o Salvaterrense preserva igualmente a sua invencibilidade, tendo empatado a uma bola em Samora Correia (quarta igualdade do grupo de Salvaterra), ante uma aguerrida formação samorense, que, no jogo precedente em casa, tinha imposto ao líder a sua única derrota na prova.

Surpresa – Perante os resultados anteriores, em que acumulara cinco desaires (a que se soma, ainda, a derrota no desafio que disputou a contar para a Taça de Portugal), foi de alguma forma surpreendente o desfecho alcançado pela turma da Glória do Ribatejo, por duas vezes recuperando de desvantagem no marcador, para impor uma igualdade a dois golos na recepção ao Cartaxo, por agora aquém das expectativas, partilhando o 7.º posto com o Amiense, mas, em bom rigor, somente a dois pontos do 3.º classificado… e a seis do comandante.

Confirmações – Em função de tal resultado, conjugado com a expectável derrota sofrida em Amiais de Baixo, ante o Amiense (2-0), o Ferreira do Zêzere passou à indesejada condição de “lanterna vermelha”, somente com um ponto (tal como o conjunto da Glória), mas com pior diferença de golos (um único golo marcado, face a um total de 14 tentos sofridos).

Também previsível, embora não por números tão contundentes, foi a vitória do Fazendense, na recepção ao Torres Novas, goleando (outra vez, depois do que fizera na jornada inicial, em Ferreira do Zêzere) por 6-2, o que, para já, mantém os torrejanos na parte baixa da pauta classificativa, em zona de risco, repartindo o 13.º lugar com o Alcanenense.

O antecipado duelo entre dois dos últimos vencedores do campeonato distrital (em 2018 e em 2020), respectivamente Mação e U. Almeirim, foi adiado para dia 15 de Dezembro.

II Divisão Distrital – Na segunda ronda do campeonato do escalão secundário, o realce maior vai para a goleada (4-0) aplicada pelo Forense à equipa “B” do U. Santarém.

Nas três séries registam-se cinco clubes que repetiram o triunfo da semana anterior, tendo o pleno de seis pontos conquistados: para além do Forense, também o Águias de Alpiarça (ganhando por margem bem mais apertada do que seria expectável – 3-2 – ao Paço dos Negros), Vasco da Gama (3-0 em Vilar dos Prazeres), Moçarriense (goleando por 5-0 o At. Pernes, no “derby” municipal) e Espinheirense (5-1 em Abrantes, face à equipa “sub-23” dos locais).

Digno de menção é também o nulo imposto pelo Goleganense na recepção ao Entroncamento AC, assim como a goleada (4-0) num outro “derby”, entre Fátima e Caxarias, a favor dos fatimenses.

Liga 3 – Depois da vitória na estreia, o U. Santarém somou o quarto desaire sucessivo, tendo perdido, em casa, com o Cova de Piedade, por 0-2. Subsistindo ainda um jogo em atraso, ante o V. Setúbal, os escalabitanos repartem, nesta altura, a última posição com o Oliveira do Hospital.

Campeonato de Portugal – Na 4.ª jornada, o Coruchense empatou a um golo, no seu reduto, ante o Sintrense, partilhando o 5.º posto com O Elvas, ambos a um ponto de outro duo, constituído por Belenenses e Loures, e já a cinco pontos do actual líder, Pêro Pinheiro.

Antevisão – A 7.ª jornada da I Divisão Distrital terá, inevitavelmente, as atenções focadas no aliciante embate entre os dois primeiros, com o U. Tomar a receber o Rio Maior, na expectativa de poder consolidar a sua posição, mas ciente da exigência competitiva que o rival lhe colocará. Outros pontos de interesse serão, especialmente, o Cartaxo-Mação, no qual se enfrentam dois candidatos, assim como o Salvaterrense-Fazendense – ambos os jogos de desfecho imprevisível.

No escalão secundário destacam-se o U. Santarém “B”-Águias Alpiarça e U. Atalaiense-Fátima.

Na Liga 3 o U. Santarém desloca-se a Alverca (7.º); enquanto, no Campeonato de Portugal, o Coruchense viaja até aos Açores, para defrontar o “lanterna vermelha”, Rabo de Peixe.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 28 de Outubro de 2021)

ALCANENENSE – José Coutinho, Abulai Sanhá, Filipe Faia (c.), Jemenson Silva “Peu”, Innocent Ejiofor (87m – Malam Badje), Pedro Bondo, Mamadu Baldé (79m – Joaquim Serrano), M’Buli Nhaga, Francisco Salgueiro (56m – Tomás Sentieiro), Persi Mamede e Dárcio Santos (79m – Eduardo “Edu” Gonçalves)

U. TOMAR – Francisco Esteves, David Vieira (c.), Luís Caetano “Espadinha”, Filipe Cotovio, Guilherme Graça, Henrique Matos, Leandro Filipe (90m – Pedro Pires), Luís Alves (69m – Tiago Luzio), Wemerson Silva (81m – Diogo Ismail), Tiago Vieira e Anderson Nascimento (90m – Diogo Camponez)

(suplentes – Ivo Cristo, Rúben Mano e Guilherme Nunes)

0-1 – Anderson Nascimento – 48m
0-2 – Leandro Filipe – 76m

Cartões amarelos – Francisco Salgueiro (16m), Abulai Sanhá (30m), M’Buli Nhaga (42m), Pedro Bondo (63m) e Joaquim Serrano (89m); Anderson Nascimento (30m), Henrique Matos (65m), Wemerson Silva (72m) e Tiago Luzio (90m)

Árbitro – Paulo Raposo

Página seguinte »