Taça Ribatejo


(“O Templário”, 09.06.2022)

O Fazendense sagrou-se vencedor da “Prova Rainha” da Associação de Futebol de Santarém, a Taça do Ribatejo, ao superar (no desempate da marca de grande penalidade) na Final o Abrantes e Benfica, conquistando o seu quinto troféu – quarto nas últimas dez edições –, destacando-se ainda mais como clube com maior número de triunfos nesta competição.

Destaque – Tendo concluído o campeonato num assertivo 3.º lugar – impondo ao novo Campeão (Rio Maior) a única derrota sofrida em toda a temporada, ganhando igualmente, no seu reduto, ao vice-campeão (U. Tomar) – o Fazendense perfilava-se como favorito para esta final, perante uma formação do Abrantes e Benfica que, aquém das expectativas, se quedara por modesta 9.ª posição no Distrital.

No Domingo, outra vez em horário matinal (início do desafio pelas 11 horas), em Santarém, no Campo Chã das Padeiras, estavam decorridos apenas os dez minutos iniciais quando os abrantinos se colocaram em vantagem no marcador. Mas os homens das Fazendas ripostaram de pronto, restabelecendo a igualdade somente mais um quarto de hora volvido.

Num jogo repartido, com alternância de momentos de superioridade de cada uma das equipas, o desfecho podia ter pendido para um ou outro lado, mas o “placard” acabaria por não se alterar até final da segunda parte, ainda assim com o Fazendense a parecer mais satisfeito com o resultado.

Não estando prevista no regulamento a realização de prolongamento, avançou-se de imediato para o desempate da marca de grande penalidade: ambas as formações falharam a respectiva segunda tentativa, permitindo a defesa aos jovens guardiões Ricardo Canais e João Sardinha, tendo, portanto, a primeira série de cinco remates terminado com um empate a 4-4. No sexto pontapé do Abrantes e Benfica, Sardinha conseguiu nova defesa, com a bola a ressaltar para o poste, dando início à festa dos homens das Fazendas, que assim consumavam a vitória (5-4).

Ausente da final desde 2016, o Fazendense – que, para chegar a esta partida decisiva, eliminara o Porto Alto e o Benavente (em ambos os casos ganhando por 2-1, em terreno alheio), assim como, nos quartos-de-final, o vencedor do campeonato, Rio Maior (também no desempate da marca de grande penalidade), e, nas meias-finais, o Amiense – repete as conquistas de 2012, 2014 e 2016 (a que soma ainda a vitória alcançada na edição de 2006).

No palmarés da competição, após as 44 edições entretanto concluídas, o emblema das Fazendas de Almeirim soma agora, pois, cinco títulos conquistados, seguido por um quarteto (constituído por Tramagal, Riachense, Amiense e Coruchense), cada um com três troféus, e um pequeno “pelotão” de sete clubes, cada qual com duas vitórias na Taça do Ribatejo.

O Fazendense acompanhará assim o U. Tomar (para além de U. Santarém, Coruchense e Rio Maior – clubes que disputarão o Campeonato de Portugal) na próxima edição da Taça de Portugal, formando o contingente em representação do Distrito.

Campeonato de Portugal – Numa Final, disputada no sábado no Estádio do Jamor, bastante mais desequilibrada do que seria expectável, o Paredes sagrou-se Campeão, goleando o Fontinhas (vencedor da Zona Sul) por categórico 4-0, tirando partido de, praticamente, ter entrado a ganhar, inaugurando o marcador longo nos segundos iniciais – vindo a ampliar a marca com mais três tentos averbados no segundo tempo (o último deles, aliás, já em período de compensação).

As equipas do Paredes, Länk Vilaverdense, Fontinhas e Moncarapachense (dois primeiros de cada uma das séries da fase final) garantiram a promoção à Liga 3, para a próxima época, de 2022-23 – subsistindo ainda pendente a confirmação da atribuição de uma eventual quinta vaga de subida ao Belenenses (3.º classificado da Zona Sul), por presumível impedimento de inscrição do Cova da Piedade em provas de âmbito nacional.

Antevisão – Para concluir a temporada a nível distrital restam apenas por disputar – para além da Supertaça Dr. Alves Vieira (que é retomada, após dois anos de interrupção), agendada já para o feriado, de dia 10 de Junho, colocando frente-a-frente o Campeão, Rio Maior, e o vencedor da Taça, Fazendense – as três últimas rondas da fase final do campeonato da II Divisão, agendadas para os próximos dias 12, 16 e 19 de Junho.

Com o Águias de Alpiarça isolado na liderança, dispondo de vantagem de três pontos sobre o Entroncamento AC, e de uma importante margem, já de cinco pontos, em relação a Moçarriense e Fátima, são, pois, ainda quatro os candidatos, em acesa disputa pelas três vagas disponíveis de promoção ao escalão principal.

Os alpiarcenses, sob o comando técnico de Jorge Peralta, poderão até, desde já, carimbar a subida à I Divisão Distrital (campeonato de que estão arredados há quinze épocas) no próximo fim-de-semana, caso confirmem o favoritismo que lhes é creditado, na recepção ao Espinheirense, e venham a somar os três pontos em jogo.

Por seu lado Moçarriense e Entroncamento AC terão um embate de crucial importância na definição do posicionamento final, enquanto o Fátima procurará manter-se também na discussão, para o que será importante ganhar no terreno do Forense.

Nas duas derradeiras jornadas sobressaem ainda os seguintes três confrontos, entre candidatos, nos quais tudo se deverá decidir: Fátima-Moçarriense, Entroncamento AC-Águias de Alpiarça (9.ª ronda) e, a fechar esta fase de apuramento de Campeão, o Águias de Alpiarça-Fátima.

Quanto ao “Pulsar do Campeonato”, após um total de 300 artigos publicados, ao longo de quase dez anos (desde Novembro de 2012), entrará agora em período de “férias”…

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 9 de Junho de 2022)

Fazendense.. 5  Ág. Alpiarça 2  Mação....... 2  F. Zêzere... 1  Monsanto.... 1
Tramagal.... 3  Alferrarede. 2  U. Santarém. 2  Benavente... 1  Ouriquense.. 1        
Riachense... 3  S. Correia.. 2  Lag. Sardoal 1  Ferroviários 1  Torres Novas 1
Amiense..... 3  Cartaxo..... 2  Pego........ 1  Azinhaga.... 1  União Tomar. 1     
Coruchense.. 3  U. Rio Maior 2  Vasco Gama.. 1  Abrantes FC. 1  Glória Rib.. 1
 Edição      Época        Vencedor         Finalista

XLV         2021-22     Fazendense       Abrant. e Benfica  1-1  (5-4 g.p.)
XLIV        2020-21     Glória Ribatejo  Rio Maior SC       1-1  (5-4 g.p.)
XLIII       2019-20          Final não disputada
XLII        2018-19     U. Santarém      Coruchense         2-0
XLI         2017-18     U. Tomar         Mação              2-1
XL          2016-17     Mação            Coruchense         2-2  (4-3 g.p.)
XXXIX       2015-16     Fazendense       Riachense          0-0  (4-3 g.p.)
XXXVIII     2014-15     Coruchense       Amiense            3-2
XXXVII      2013-14     Fazendense       At. Ouriense       1-0
XXXVI       2012-13     Amiense          At. Ouriense       0-0  (3-2 g.p.)
XXXV        2011-12     Fazendense       Emp. Comércio      4-1
XXXIV       2010-11     Torres Novas     Cartaxo            1-1  (4-3 g.p.)
XXXIII      2009-10     Riachense        Alcanenense        0-0  (4-3 g.p.)
XXXII       2008-09     Riachense        Alcanenense        1-0
XXXI        2007-08     Mação            Riachense          2-1
XXX         2006-07     Ouriquense       U. Santarém        1-0
XXIX        2005-06     Fazendense       U. Santarém        2-1
XXVIII      2004-05     Amiense          Coruchense         0-0  (4-3 g.p.)
XXVII       2003-04     Monsanto         U. Figueirense     4-0
XXVI        2002-03     Abrantes FC      Águias Alpiarça    2-1
XXV         2001-02     U. Rio Maior     Alcanenense        v-d
XXIV        2000-01     Cartaxo          Monsanto           v-d
XXIII       1999-00     U. Rio Maior     Benavente          v-d
XXII        1998-99     Azinhaga         Marinhais          2-0
XXI         1997-98     Ferroviários     ...                ---
XX          1996-97     Coruchense       ...                ---
XIX         1995-96     Coruchense       ...                ---
XVIII       1994-95     Tramagal         Alferrarede        1-0
XVII        1993-94     Samora Correia   ...                ---
XVI         1992-93     Alferrarede      ...                ---
XV          1991-92     Alferrarede      ...                ---
XIV         1990-91     Benavente        ...                ---
XIII        1989-90     Ferreira Zêzere  ...                ---
XII         1988-89     Vasco da Gama    Fazendense         --- (g.p.)
XI          1987-88     Pego             ...                ---
X           1986-87     Águias Alpiarça  ...                ---
IX          1985-86     Lagartos Sardoal ...                ---
VIII        1984-85     Águias Alpiarça  ...                ---
VII         1983-84     Cartaxo          ...                ---
VI          1982-83     Samora Correia   ...                ---
V           1981-82     Tramagal         ...                ---
IV          1980-81     Tramagal         ...                ---
III         1979-80     Riachense        ...                ---
II          1978-79     U. Santarém      ...                ---
I           1976-77     Amiense          ...                ---

(“O Templário”, 21.04.2022)

As equipas do Fazendense e do Abrantes e Benfica confirmaram o favoritismo que lhes era creditado – e que, aliás, haviam já começado a cimentar nos jogos da 1.ª mão –, garantindo a presença na Final da Taça do Ribatejo da presente época. O emblema das Fazendas de Almeirim disputará a sua quarta final num período de dez anos, enquanto os abrantinos farão a sua estreia em tal desafio decisivo, agendado para dia 5 de Junho, no Campo Chã das Padeiras, em Santarém.

Destaques – As partidas da 2.ª mão, jogadas no feriado da passada sexta-feira, pautaram-se pelo equilíbrio e pela escassez de golos – apenas tendo sido apontados três tentos nos dois encontros.

No que respeita ao Fazendense, que se colocara já em vantagem na 1.ª mão, em Amiais de Baixo, onde vencera por 1-0, começou por reforçar tal superioridade, ao inaugurar o marcador, poucos minutos após o início da segunda parte do prélio em que actuou no seu terreno, controlando a eliminatória até final, apesar de ter sofrido ainda um susto, com o golo que fixaria o empate final (1-1), marcado pelo Amiense à entrada para os derradeiros cinco minutos.

Tal como referido, o grupo das Fazendas de Almeirim – que eliminara já, nesta edição da prova, o Porto Alto e o Benavente (ganhando, em ambos os casos, por tangencial 2-1, em terreno alheio), assim como, nos 1/4 de final, o líder do campeonato, Rio Maior (no desempate da marca de grande penalidade, após igualdade a um golo) – atinge a Final da Taça pela quarta vez na última década (2012, 2014, 2016 e 2022), sendo que se sagrou vencedor em todas essas três ocasiões anteriores.

O Fazendense é, aliás, o clube com maior palmarés na competição, o único que detém já quatro troféus da Taça do Ribatejo, conquistados em 2006, 2012, 2014 e 2016 – face a três títulos averbados por Tramagal, Riachense, Amiense e Coruchense. É, ainda, o que melhor desempenho pontual regista desde 2009-10 (com 33 vitórias e 15 empates, num total de 57 jogos disputados), neste caso, a par do Mação, e logo adiante do U. Tomar e do seu rival nesta meia-final, Amiense.

Quanto ao Abrantes e Benfica – depois de ter arrancado uma igualdade a três bolas no Cartaxo, na 1.ª mão, por três vezes anulando a vantagem alcançada pelo adversário, num embate empolgante – terá sido, desta feita, mais “calculista”, tendo-lhe bastando um único golo (marcado à passagem da hora de jogo) para assegurar o triunfo na eliminatória e consequente apuramento para o encontro decisivo, arredando assim os cartaxeiros da final.

Tal como sucedeu com o actual líder da I Divisão Distrital, igualmente promovido ao escalão principal apenas há três anos (2018-19) – após o regresso à competição ao nível de seniores, nessa mesma época, do centenário Sport Abrantes e Benfica (na sequência da fusão com a U. Abrantina) –, também já 2.º classificado no último campeonato, alcança, desde já, o seu melhor registo histórico na Taça do Ribatejo (depois de ter sido também semi-finalista no ano de 2019).

Para tal, o grupo de Abrantes teve, nesta temporada, de eliminar o Fátima (no desempate da marca de grande penalidade, após empate 2-2 no reduto adversário), o Vasco da Gama (ganhando por 4-1, também fora de casa) e, nos 1/4 de final, outra vez por via daquela fórmula de desempate, afastando o Salvaterrense (após igualdade a um golo), antes deste último duelo com o Cartaxo.

Anota-se que, da galeria de vencedores da competição, consta outro emblema do município abrantino, o entretanto extinto Abrantes FC, que conquistara o troféu na temporada de 2002-03.

A realizar campanhas com desempenhos distintos no campeonato em curso (o Fazendense é 3.º classificado, ocupando o Abrantes e Benfica mais modesta 8.ª posição, aquém do que seriam as expectativas), os dois clubes defrontar-se-ão na Final, um tipo de jogo, por natureza, e dadas as suas especificidades, de prognóstico completamente “em aberto”, visando – para além, claro, de enriquecer o palmarés com a conquista de mais um título –, aceder também à Taça de Portugal.

Liga 3 – A equipa do U. Santarém conseguiu reagir da melhor forma ao “traumático” empate cedido na ronda anterior, tendo surpreendido, indo vencer ao terreno do líder, na Amora, por 1-0.

Um triunfo que volta a proporcionar o manter viva a esperança da manutenção: a duas jornadas do termo deste “mini-campeonato”, os escalabitanos, pese embora subsistam no 4.º e último posto da série (lugar de despromoção), distam só dois pontos do Caldas – e até, no limite, cinco pontos do agora duo da frente (Cova da Piedade e Amora) –, dependendo, pois, apenas de si próprios.

Antevisão – O Distrital da I Divisão continuará em pausa neste fim-de-semana, dado disputar-se (entre 22 e 25 de Abril) a fase final da “Taça das Regiões”, com a selecção de Santarém, anfitriã de tal competição, integrada em grupo com as equipas representativas das Associações de Futebol de Braga e de Ponta Delgada (sendo o outro grupo composto pelas selecções de Lisboa, Beja e Vila Real) – o vencedor apurar-se-á para a “Regions Cup” da UEFA, representando Portugal.

Da passada semana chegou, entretanto, a notícia da decisão, por parte da Direcção do União de Tomar, de dispensa da equipa técnica, deixando Filipe Pinto (que comunicara já, previamente, a sua intenção de não continuidade na próxima época) de ser o Treinador da equipa principal do clube – que ocupa o 2.º lugar do campeonato, a seis pontos do líder, Rio Maior, faltando disputar cinco jornadas, dispondo, em paralelo, de vantagem de onze pontos face ao 3.º (Fazendense).

O escalão secundário, que retoma a marcha da disputa da fase final, de apuramento de Campeão e de promoção, com a realização da 2.ª ronda, tem agendados, para este Domingo, os seguintes desafios: Moçarriense-Águias de Alpiarça; Forense-Entroncamento AC; e Fátima-Espinheirense.

Na Liga 3, o U. Santarém recebe a visita do Cova da Piedade, procurando uma vitória que lhe possa permitir ir para o derradeiro encontro, nas Caldas da Rainha, em posição vantajosa.

No Campeonato de Portugal, também de regresso este fim-de-semana, no que respeita às séries de disputa da manutenção, o Coruchense enfrenta partida de cariz crucial, em Cernache do Bonjardim, frente ao V. Sernache, com o qual reparte o 2.º posto da classificação (sendo que apenas os dois primeiros classificados de cada série garantirão a permanência na próxima época).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 21 de Abril de 2022)

                                   2ª mão           1ª mão           Total
Fazendense - Amiense                 1-1              1-0             2-1
Abrantes e Benfica - Cartaxo         1-0              3-3             4-3

As equipas do Fazendense e do Abrantes e Benfica garantiram o apuramento para a Final da Taça do Ribatejo no escalão de Seniores, agendada para 5 de Junho, no Campo Chã das Padeiras, em Santarém.

Amiense – Fazendense – 0-1
Cartaxo – Abrantes e Benfica – 3-3

(“O Templário”, 10.03.2022)

Aqueles que eram os dois principais favoritos à conquista da Taça do Ribatejo – e, em paralelo, ainda os dois candidatos ao título de Campeão Distrital – quedaram-se pelos quartos-de-final da “prova rainha”, superados pelo Cartaxo e pelo Fazendense.

Se, no caso do Rio Maior, afastado por via do desempate da marca de grande penalidade, tal acaba por traduzir-se na perspectiva de o Fazendense poder vir a ampliar o seu palmarés já “record” na competição (é o único clube com quatro troféus conquistados), a eliminação do U. Tomar, no seu próprio reduto, pelo Cartaxo, não deixa de consubstanciar uma indisfarçável crise de confiança.

Destaques – O primeiro realce desta ronda da Taça do Ribatejo vai, pois, de novo, para o Fazendense, que continua a confirmar a excelente fase que vem atravessando: depois de, há três semanas, ter derrotado o Rio Maior, e de, na semana passada, ter feito o mesmo ante o U. Tomar, o grupo das Fazendas voltou a levar a melhor sobre o agora líder do campeonato.

Desta feita, após igualdade a um golo no tempo regulamentar (os donos da casa colocaram-se em vantagem à entrada dos derradeiros dez minutos, vindo contudo a consentir o empate aos riomaiorenses apenas três minutos volvidos), o Fazendense impor-se-ia no desempate da marca de grande penalidade, perfilando-se agora como o principal candidato à conquista de novo troféu (defrontará nas meias-finais, a disputar a duas mãos, o Amiense).

Precisamente, a turma de Amiais de Baixo esteve também em destaque, goleando por convincente 4-1 no terreno do Forense, até então o último resistente do escalão secundário (de que é líder de série) na Taça, tornando fácil, por via da sua atitude e desempenho, o que, noutras circunstâncias, poderia eventualmente ter-se revelado mais complexo (recordando-se que o conjunto dos Foros de Salvaterra tinha começado por eliminar, na ronda preliminar, o At. Ouriense, da I Divisão).

Surpresas – O U. Tomar voltou a protagonizar a grande surpresa, e de forma bem negativa. O inesperado desaire caseiro ante o Samora Correia (já depois da derrota sofrida em Mação, onde os nabantinos chegaram a estar em vantagem, que, contudo, viram escapar-se) deixou “mossa”. Nas Fazendas de Almeirim alguma “infelicidade” ditara terceira desfeita sucessiva. Quando se esperava que a equipa pudesse reencontrar-se, acabou por sofrer mais um surpreendente desfecho desfavorável, a custar a eliminação da prova, na qual tinha também legítimas aspirações.

O Cartaxo começou por inaugurar o marcador em Tomar, à passagem dos vinte minutos, sendo que os unionistas ainda conseguiram a “benesse” de, no lance imediato, restabelecer o empate. Todavia, no decurso da partida, não foram capazes de manter a serenidade necessária para impor sobre o terreno a sua superior qualidade individual e colectiva, ficando à mercê das transições adversárias, expondo fragilidades defensivas.

O segundo tento dos cartaxeiros, outra vez sobre os vinte minutos, mas do segundo tempo, pôs a nu a falta de confiança que o grupo denota por estes dias. Haveria ainda bastante tempo para tentar recuperar e reverter a situação, mas, alguma precipitação, associada também à maior assunção de risco, revelar-se-ia fatal, apenas mais cinco minutos decorridos. O Cartaxo chegava ao 3-1, que seria o resultado final, com todas as tentativas dos tomarenses (já mais “com o coração do que com a cabeça”) de ripostar à adversidade a mostrarem-se infrutíferas.

Em Abrantes aconteceu “meia surpresa”: o Salvaterrense, que estivera já em evidência, na semana precedente, tendo indo vencer a Mação, impôs um empate (1-1) ao Abrantes e Benfica, vindo contudo a ser afastado no desempate da marca de grande penalidade, no qual os abrantinos foram mais eficazes. Assim, na outra das meias-finais, o Cartaxo defrontará o Abrantes e Benfica.

Liga 3 – Na última jornada da primeira fase desta prova o U. Santarém empatou (2-2) na recepção à equipa “B” do Sporting, não tendo conseguido materializar em vantagem a inferioridade numérica do adversário em larga parte do encontro (tendo a equipa leonina acabado mesmo reduzida a nove elementos, nos últimos dez minutos de jogo e no período de compensação).

Os escalabitanos terminam assim esta fase no penúltimo lugar (em igualdade pontual com o último classificado, Oriental Dragon, ambos com 18 pontos). Independentemente do resultado do passado fim-de-semana, acabou por revelar-se determinante o desaire sofrido na ronda anterior ante o Oliveira do Hospital, emblema que, em função desse desfecho, acabou por garantir o 10.º posto, dois pontos acima, com reflexos a nível do escalonamento dos clubes para a segunda fase.

Campeonato de Portugal – Também o Coruchense enfrentava tarefa árdua, na visita ao Estádio do Restelo, igualmente para disputa da derradeira jornada da fase inicial da competição, sendo que apenas a vitória garantiria ao Belenenses não ficar dependente de resultados de terceiros.

Com uma exibição bastante personalizada – dando boa réplica, mesmo reduzido a dez durante cerca de uma hora – o grupo de Coruche, tendo-se visto a perder à entrada para os cinco minutos finais da primeira metade, conseguiria surpreender o adversário, restabelecendo a igualdade logo no arranque da segunda parte. Só uma grande penalidade, a sancionar um lance em que o avançado belenense se isolava frente ao guardião, permitiu aos “azuis do Restelo” a tangencial vitória por 2-1, garantindo assim o 1.º lugar da série E e confirmando o apuramento para a fase de promoção – não sem, já em tempo de compensação, terem sofrido enorme susto, com uma magnífica defesa do seu guarda-redes a evitar o que poderia ter sido o segundo golo da turma do Sorraia.

O Coruchense termina esta fase no 7.º lugar (em igualdade pontual – 21 pontos – com o 6.º classificado, Operário de Lagoa), vendo-se, pois, relegado para a disputa da fase de manutenção.

Antevisão – Quando esta edição do jornal chegar aos leitores será já conhecido o desfecho do jogo de acerto de calendário – agendado para esta quarta-feira, dia 9 de Março –, entre Benavente e U. Tomar, crucial para as aspirações dos unionistas, sobretudo em termos de demonstração de capacidade de reacção e do imprescindível restabelecimento dos níveis de confiança.

Para o fim-de-semana, na 21.ª ronda, o União continuará a ter a pressão de ganhar, em casa, ao Alcanenense (5.º classificado), sendo o Rio Maior igualmente favorito na deslocação a Ourém, para defrontar o At. Ouriense (actual 13.º). De interesse será também o Torres Novas-Fazendense.

No escalão secundário, com os líderes Forense e Moçarriense de folga, anota-se que o U. Tomar “B” receberá o guia da sua série, Fátima. As atenções estarão ainda focadas nos jogos: Benfica do Ribatejo-Águias de Alpiarça; Coruchense “B”-Marinhais; e Ortiga-Espinheirense.

A Liga 3 e o Campeonato de Portugal tinham previsto para dia 8 o sorteio da 2.ª fase, com os representantes do Distrito ambos em séries de disputa de manutenção: o U. Santarém (11.º) partirá com 2 pontos, integrando também a sua série os 5.º, 7.º e 9.º da fase inicial, respectivamente Amora (8), Caldas (6) e Cova da Piedade (4 pontos), sendo o último classificado despromovido; quanto ao Coruchense, irá disputar a permanência nos nacionais com Marinhense, V. Sernache e Peniche (3.º, 5.º e 6.º classificados da série D) – descendo aos Distritais os dois últimos da série.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 10 de Março de 2022)

U. TOMAR – Francisco Esteves, David Vieira (c.), Filipe Cotovio, Luís Caetano “Espadinha” (66m – Chrystian Pedroso), Douglas Pissona (75m – Diogo Ismail), Henrique Matos (45m – Ricardo Pais), Leandro Filipe, João Marchão (62m – Guilherme Nunes), Pedro Pires, Tiago Vieira (75m – Tiago Luzio) e Wemerson Silva

(suplentes – Ivo Cristo e Rui Oliveira)

CARTAXO – Bernardo Lopes, Rui Simões, Edmilson Cabral, André Santos “Cajarana” (c.), José Maria, Daniel Ferreira (90m – Bernardo Tavares), Marcelo Cunha, Gonçalo Brazuna, Gelson Jesus, João Quarenta (77m – Mauro Neto) e Jorge Dickson

0-1 – Jorge Dickson – 19m
1-1 – Wemerson Silva – 20m
1-2 – João Quarenta – 64m
1-3 – Jorge Dickson – 70m

Cartões amarelos – Henrique Matos (34m), Leandro Filipe (74m) e Wemerson Silva (90m); Rui Caniço (90m – no banco) e Ricardo Diniz (90m – no banco)

Cartão vermelho – Filipe Cotovio (80m)

Árbitro – Rui Mendes

Forense – Amiense – 1-4
Fazendense – Rio Maior SC – 1-1 (5-4 g.p.)
U. Tomar – Cartaxo – 1-3
Abrantes e Benfica – Salvaterrense – 1-1 (7-6 g.p.)

É o seguinte o alinhamento das meias-finais, previamente sorteado, a disputar em duas mãos (jogos agendados para 30 de Março e 15 de Abril):

Amiense – Fazendense
Cartaxo – Abrantes e Benfica

(“O Templário”, 10.02.2022)

Em dia agendado para nova ronda da Taça do Ribatejo, o passado Domingo acabou por ser algo híbrido, uma vez que o desafio de maior cartaz (entre Rio Maior e Mação) foi adiado, sendo que, em alternativa, os mesmos dois clubes aproveitaram para acerto de calendário do campeonato, defrontando-se, em Mação, em jogo em atraso da 16.ª jornada, o qual, saldando-se por um empate (1-1), se traduz no termo de uma excelente série de nove triunfos consecutivos dos riomaiorenses.

Um “deslize” justificável pelo poderio dos maçaenses (que partilham o 3.º posto com o Fazendense) – e que, aliás, tinham já imposto também uma igualdade, no arranque da I Divisão Distrital, em Rio Maior, tendo mesmo, desta feita, estado em vantagem até à entrada do quarto de hora final –, mas que, em paralelo, possibilitou à turma visitante igualar o U. Tomar na 1.ª posição (mesmo que à condição, uma vez que são, agora, os unionistas a ter um jogo a menos).

E isto porque, nas últimas sete semanas, os tomarenses disputaram um único encontro (!) para o campeonato, enquanto o Rio Maior realizou quatro, diferencial que lhe permitiu recuperar os sete pontos que, a dada altura, chegou a ter de desvantagem (quando tinha dois jogos em atraso).

Quanto à Taça, propriamente dita, não houve grandes surpresas, com as formações de maiores argumentos a superiorizarem-se, destacando-se a robusta goleada aplicada pelo U. Tomar ao Entroncamento AC, enquanto Amiense e Salvaterrense foram mais eficazes no desempate da marca de grande penalidade, frente a Alcanenense e Torres Novas, respectivamente.

Destaques – O maior realce da eliminatória correspondente aos 1/8 de final da Taça do Ribatejo (tendo sido disputadas, conforme referido, sete das oito partidas previstas) vai precisamente para a goleada (7-2) imposta pelo U. Tomar na recepção ao vizinho Entroncamento AC, um resultado tão invulgar, que nunca antes se tinha registado, em quase 2.300 jogos disputados pelo União!

A turma da cidade ferroviária tinha sido já derrotada em Tomar, três semanas antes, pela equipa “B” dos unionistas, não tendo também revelado, agora face à formação principal, capacidade para resistir à superioridade adversária, num encontro entre comandantes da I e da II Divisão.

Depois de, bastante cedo, os nabantinos inaugurarem o marcador, o Entroncamento ainda empatou, à passagem dos vinte minutos, mas o U. Tomar teria uma “cavalgada” irresistível, marcando aos 27, 33, 36, 37 e 42 minutos, passando – num quarto de hora – o “placard” de 1-1 para 6-1, mais que sentenciando o desfecho da eliminatória. Na segunda parte, dando oportunidade a jogadores menos utilizados, registou-se somente mais um tento para cada lado.

Por seu lado, o Fazendense – a par do U. Tomar os dois únicos clubes que, nos últimos 14 anos, sempre marcaram presença nos 1/8 de final da Taça do Ribatejo – foi vencer a Benavente, por tangencial 2-1, o suficiente para avançar para os quartos-de-final pela 7.ª vez nesse mesmo período (registo apenas superado pelos nove apuramentos dos tomarenses e do Amiense).

Precisamente, o grupo de Amiais de Baixo, com uma tão curta quão difícil deslocação a Alcanena, num “quase derby”, averbou um empate a uma bola no final dos 90 minutos, para, no desempate da marca de grande penalidade, ser mais assertivo, triunfando por 4-1.

Num confronto empolgante, em Salvaterra de Magos, por três vezes o Torres Novas se colocou em vantagem (com mais um “hat-trick” de Miguel Miguel, a realizar uma época fantástica, a melhor da sua carreira), para o Salvaterrense, por outras tantas vezes, vir a restabelecer a igualdade. Após o 3-3 no termo do tempo regulamentar, os locais converteram todas as suas cinco tentativas da marca de grande penalidade, tendo os torrejanos falhado uma delas.

Confirmações – Nos restantes jogos os favoritos confirmaram o seu maior poderio, tendo o Abrantes e Benfica ido vencer em terreno alheio, ante o Vasco da Gama, por 4-1; enquanto o Cartaxo bateu o Moçarriense por 2-0, no que se constitui no primeiro desaire da turma da Moçarria na presente temporada, após uma magnífica sucessão de dez triunfos em outros tantos jogos até agora disputados no campeonato da divisão secundária.

O Forense (também líder de série) é, agora, o único representante de tal escalão ainda em prova na Taça do Ribatejo, após ter eliminado o Paço dos Negros (penúltimo dessa mesma série), repetindo, agora fora de casa, o triunfo por tangencial 1-0 que, há três semanas, registara perante o mesmo oponente – isto depois de, na estreia no campeonato, ter goleado tal adversário por 9-0!

Liga 3 – Na 18.ª ronda (de 22) da primeira fase desta competição o U. Santarém foi derrotado de forma categórica, no seu próprio reduto, por 0-3, pelo Alverca (actualmente na 3.ª posição). Os escalabitanos mantêm o 10.º (antepenúltimo) lugar, somente um ponto à frente do Oliveira do Hospital e com dois pontos a mais que o Oriental Dragon (este com três jogos em atraso); mas, também, apenas a um ponto do 9.º (Cova da Piedade) e a três do Sporting “B” (8.º classificado).

Campeonato de Portugal – Já o Coruchense averbou surpreendente triunfo (e por números convincentes: 3-0) no terreno do Pêro Pinheiro – que liderara durante praticamente toda a prova –, em partida da 15.ª jornada (de um total de 18 de que se compõe esta fase inicial da competição).

De forma sensacional a turma do Sorraia igualou este adversário na pauta classificativa, com o qual partilha agora o 4.º lugar, afinal apenas seis pontos abaixo do líder, Belenenses… e a três do Sintrense, que ocupa o 2.º posto de acesso à fase final, de disputa da promoção à Liga 3!

Numa série que continua a caracterizar-se por grande equilíbrio, o Coruchense dispõe, todavia, somente de um ponto de vantagem sobre o 6.º classificado, e dois em relação ao 7.º da tabela.

Antevisão – Neste fim-de-semana estarão de regresso os campeonatos distritais. Na divisão principal (18.ª ronda) teremos, muito em especial, dois aliciantes “pratos fortes”, em que se poderá começar a jogar muito do futuro da prova, com os agora dois guias a deslocarem-se aos terrenos dos… dois 3.º classificados (dois pares separados entre si na classificação por doze pontos)!

De facto, o U. Tomar visita Mação, onde terá um muito exigente desafio, no qual visará melhorar o registo (empate) averbado pelo Rio Maior no passado Domingo. Em paralelo, o Fazendense (que, nas últimas seis jornadas, somou cinco triunfos e um empate, este em Samora Correia) recebe os riomaiorenses, num confronto, também, de grau de dificuldade “máximo”.

No escalão secundário o realce vai para a partida entre Fátima e U. Atalaiense (2.º e 3º classificados da série) – sendo que uma eventual vitória dos fatimenses praticamente deverá deixar, desde já, definidos os dois clubes que virão a ser apurados para a fase final (Entroncamento AC e Fátima). Nota ainda para o Águias de Alpiarça-U. Santarém “B” e para o Tramagal-Pego.

Na Liga 3 o U. Santarém desloca-se à Amora; sendo que, no Campeonato de Portugal, o Coruchense visita Sacavém – com a particularidade de defrontarem, ambos, os 7.º classificados.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 10 de Fevereiro de 2022)

Rio Maior SC – Mação – 0-0 (8-7 g.p.) (16.02.2022)
Cartaxo – Moçarriense – 2-0
Paço dos Negros – Forense – 0-1
Alcanenense – Amiense – 1-1 (1-4 g.p.)
Salvaterrense – Torres Novas – 3-3 (5-4 g.p.)
Benavente – Fazendense – 1-2
Vasco da Gama – Abrantes e Benfica – 1-4
U. Tomar – Entroncamento AC – 7-2

É o seguinte o alinhamento, previamente sorteado, dos jogos dos 1/4 de final, previstos para 6 de Março de 2022:

Forense – Amiense
Fazendense – Rio Maior SC
U. Tomar – Cartaxo
Abrantes e Benfica – Salvaterrense

FERREIRA DO ZÊZERE – João Ramos, Miguel Dias (c.), Rafael Faustino, Giovanni Brunheti “Tanaka”, Renato Cruz, Nuno Rodrigues, Daniel Simões (59m – João Bernardo), Fábio Silva (59m – João Mendes), António Marques (59m – Rafael Henriques), Lucas Silva (77m – Cláudio Rato) e Francisco Matias (59m – Ricardo Gerardo)

U. TOMAR – Francisco Esteves, David Vieira, Luís Caetano “Espadinha” (83m – Guilherme Graça), Filipe Cotovio, Douglas Pissona, Henrique Matos, Leandro Filipe (83m – Rúben Mano), Diogo Ismail (66m – Guilherme Nunes), Anderson Nascimento, Tiago Vieira (83m – Pedro Pires) e Chrystian Pedroso (Wemerson Silva – 79m)

(suplentes – Ivo Cristo e Siaka Bamba)

0-1 – Diogo Ismail – 44m
0-2 – Tiago Vieira – 55m
0-3 – Wemerson Silva – 80m
0-4 – Anderson Nascimento – 85m

Cartões amarelos – Leandro Filipe (49m)

Árbitro – João Mendes

Espinheirense – Salvaterrense – 1-3
Fátima – Abrantes e Benfica – 2-2 (4-5 g.p.) (02.02.2022)
Forense – At. Ouriense – 3-1 (30.01.2022)
U. Atalaiense – Entroncamento AC – 0-3
Samora Correia – Cartaxo – 0-1
Ferreira Zêzere – U. Tomar – 0-4
Benavente – U. Almeirim – 1-1 (4-3 g.p.)
Porto Alto – Fazendense – 1-2
Marinhais – Alcanenense – 3-3 (4-5 g.p.)
Mação – Glória Ribatejo – 4-3

Isentos: Moçarriense, Amiense, Vasco da Gama, Rio Maior SC, Torres Novas e Paço dos Negros

É o seguinte o alinhamento, previamente sorteado, dos jogos dos 1/8 de final, previstos para 6 de Fevereiro de 2022:

Rio Maior SC – Mação
Cartaxo – Moçarriense
Paço dos Negros – Forense
Alcanenense – Amiense
Salvaterrense – Torres Novas
Benavente – Fazendense
Vasco da Gama – Abrantes e Benfica
U. Tomar – Entroncamento AC

Realizou-se esta tarde o sorteio das eliminatórias da Taça do Ribatejo, que ditou os seguintes alinhamentos:

Pré-Eliminatória (01.12.2021)

(1) Espinheirense – Salvaterrense
(2) Fátima – Abrantes e Benfica
(3) Forense – At. Ouriense
(4) U. Atalaiense – Entroncamento AC
(5) Samora Correia – Cartaxo
(6) Ferreira Zêzere – U. Tomar
(7) Benavente – U. Almeirim
(8) Porto Alto – Fazendense
(9) Marinhais – Alcanenense
(10) Mação – Glória Ribatejo

Isentos: Moçarriense, Amiense, Vasco da Gama, Rio Maior SC, Torres Novas e Paço dos Negros

1/8 de final (06.02.2022)

(1) Rio Maior SC – Mação/Glória Ribatejo
(2) Samora Correia/Cartaxo – Moçarriense
(3) Paço dos Negros – Forense/At. Ouriense
(4) Marinhais/Alcanenense – Amiense
(5) Espinheirense/Salvaterrense – Torres Novas
(6) Benavente/U. Almeirim – Porto Alto/Fazendense
(7) Vasco da Gama – Fátima/Abrantes e Benfica
(8) Ferreira Zêzere/U. Tomar – U. Atalaiense/Entroncamento AC

1/4 de final (06.03.2022)

(a) Vencedor do jogo (3) – Vencedor do jogo (4)
(b) Vencedor do jogo (6) – Vencedor do jogo (1)
(c) Vencedor do jogo (8) – Vencedor do jogo (2)
(d) Vencedor do jogo (7) – Vencedor do jogo (5)

1/2 finais (27.03.2022 / 15.04.2022)

– Vencedor do jogo (a) – Vencedor do jogo (b)
– Vencedor do jogo (c) – Vencedor do jogo (d)

Assim, caso o U. Tomar consiga superar a 1.ª eliminatória (frente ao Ferreira Zêzere), defrontará de seguida, nos 1/8 de final, o U. Atalaiense ou o Entroncamento AC; caso atinja os 1/4 de final, jogará com Samora Correia, Cartaxo ou Moçarriense – ambas as eliminatórias a disputar em Tomar. Caso aplicável, nas meias-finais (esta época outra vez disputadas a duas mãos), uma das seguintes equipas: Vasco da Gama – Fátima/Abrantes e Benfica ou Espinheirense/Salvaterrense – Torres Novas.

A Final da Taça do Ribatejo está agendada para dia 29 de Maio de 2022.

Série 1

Marinhais – Porto Alto – 0-0
Goleganense – Tramagal – 1-3

1º Porto Alto e Marinhais, 7; 3º Tramagal, 3; 4º Goleganense, 0

Série 2

At. Pernes – Aldeiense – 2-2
Entroncamento AC – Pego – 8-0

1º Entroncamento AC, 9; 2º Aldeiense, 4; 3º Pego, 3, 4º At. Pernes, 1

Série 3

Águias Alpiarça – Caxarias – 6-1
Riachense – Espinheirense – 0-6

1º Espinheirense, 7; 2º Riachense, 6; 3º Águias Alpiarça, 4; 4º Caxarias, 0

Série 4

Vilarense – Paço dos Negros – 3-4
Fátima – Ortiga – 9-0

1º Fátima, 9; 2º Paço dos Negros, Vilarense e Ortiga, 3

Série 5

U. Atalaiense – Alferrarede – 3-0
Rebocho – Forense – 2-2

1º Forense, 7; 2º U. Atalaiense, 6; 3º Alferrarede, 3; 4º Rebocho, 1

Série 6

Vasco da Gama – Benfica Ribatejo – 4-0
Folga: Moçarriense

1º Moçarriense, 6; 2º Vasco da Gama, 3; 3º Benfica Ribatejo, 0

Garantiram o apuramento para a fase seguinte da prova os seis vencedores de série e os quatro melhores de entre os 2.º classificados: Porto Alto, Marinhais, Entroncamento AC, Espinheirense, Fátima, Paço dos Negros, Forense, U. Atalaiense, Moçarriense e Vasco da Gama.

Anota-se que, para efeitos de ordenamento dos 2.º classificados, foram desconsiderados os resultados dos jogos que disputaram com o 4.º classificado de cada uma das séries com quatro clubes. Em função de tal critério ficaram, pois, eliminados o Aldeiense e o Riachense (que registam pior diferença de golos face aos outros 2.º classificados em igualdade pontual, casos do Paço dos Negros, U. Atalaiense e Vasco da Gama).

Página seguinte »