2015-16


O Sp. Braga conquistou hoje a 76.ª edição da Taça de Portugal, ao ganhar a Final, frente ao FC Porto, no desempate da marca de grande penalidade (4-2), depois do resultado de 2-2 no final do tempo regulamentar e do prolongamento, não obstante ter beneficiado de vantagem de 2-0, tendo possibilitado aos portistas empatar já sobre o minuto 90 da partida.

Esta é a segunda vez que os bracarenses conquistam o troféu, reeditando a proeza alcançada há precisamente 50 anos, na época de 1965-66.

Advertisement


(via Rádio Hertz)

O Fazendense conquistou hoje a 39.ª edição da Taça do Ribatejo, ao vencer, no Entroncamento, no desempate da marca de grande penalidade (4-3) o Riachense, dado ter-se mantido o nulo (0-0) até final do tempo regulamentar. A equipa de Fazendas de Almeirim repete os triunfos já alcançados nas épocas de 2005-06, 2011-12 e 2013-14, tornando-se o primeiro clube a vencer o troféu por quatro vezes!

Desde a sua instituição, na época de 1976-77, é a seguinte a lista de vencedores da prova: Fazendense (4 troféus), Tramagal, Riachense, Amiense e Coruchense (3); Águias Alpiarça, Alferrarede, Samora Correia, Cartaxo e Rio Maior (2); União Santarém, “Os Lagartos” Sardoal, Pego, Vasco Gama, Ferreira Zêzere, Benavente, Ferroviários, Azinhaga, Abrantes FC, Monsanto, Ouriquense, Mação e Torres Novas.

Palmarés da prova:

1976/1977 – Amiense                        Carlos Pinhão
1977/1978 – Não se disputou
1978/1979 – União de Santarém         
1979/1980 – Riachense                      Carlos Alberto
1980/1981 – Tramagal                       Rui Oliveira
1981/1982 – Tramagal                       Manuel Cardoso
1982/1983 – Samora Correia                 Romeu Oliveira
1983/1984 – Cartaxo                        Fernando Cartuxo
1984/1985 – Águias Alpiarça                Mário Lázaro
1985/1986 – “Os Lagartos” Sardoal          Alexandre Paulo
1986/1987 – Águias Alpiarça                Conceição
1987/1988 – Pego                           José Neves
1988/1989 – Vasco da Gama                  Carvalho
1989/1990 – Ferreira do Zêzere             José Morais
1990/1991 – Benavente                      António Carlos
1991/1992 – Alferrarede                    Rui Oliveira
1992/1993 – Alferrarede                    Quinó
1993/1994 – Samora Correia                 António Carlos
1994/1995 – Tramagal                       Rui Oliveira
1995/1996 – Coruchense                     José Vasques
1996/1997 – Coruchense                     Luís Martins
1997/1998 – Ferroviários                   José Moita
1998/1999 – Azinhaga                       Francisco Murcela
1999/2000 – Rio Maior                      Gabriel Barra
2000/2001 – Cartaxo                        Luís Salgueiro
2001/2002 – Rio Maior                      João Mourinha
2002/2003 – Abrantes FC                    José Vasques
2003/2004 – Monsanto                       Arsénio Fazenda
2004/2005 – Amiense                        Cláudio Madruga
2005/2006 – Fazendense                     Manuel Francisco
2006/2007 – Ouriquense                     Luís Salgueiro
2007/2008 – Mação                          José Carlos
2008/2009 – Riachense                      Frederico Rasteiro
2009/2010 – Riachense                      Frederico Rasteiro
2010/2011 – Torres Novas                   João Henriques
2011/2012 – Fazendense                     Renato Bento
2012/2013 – Amiense                        Paulo Costa
2013/2014 – Fazendense                     Mário Nelson
2014/2015 – Coruchense                     Gonçalo Silva
2015/2016 – Fazendense                     Rogério Vasconcelos

(Nota – lista de treinadores vencedores da prova recolhida por Paulo Pereira)

Dados relativos a cada jogador do União de Tomar na época de 2015-16: (a) total de minutos jogados; (b) número de jogos disputados; (c) número de jogos no banco (suplente não utilizado); (d) total de golos marcados / sofridos (guarda-redes); (e) número de cartões amarelos; e (f) número de cartões vermelhos:

                       Minutos   Jogos   Suplente   Golos   C.Amar.   C.Verm.
Tiago Vieira            2.651      31        1         6         2        -
David Vieira            2.615      31        1         1         3        -
Pelé                    2.351      32        -        12         5        -
Bruno Araújo            2.259      27        1         5         6        -
Fábio Silva (g.r.)      2.238      25        5       -23         1        -
Luís Alves              2.190      29        -         4         1        -
Pedro Figueiredo        2.092      25        2         1         4        -
Filipe Cotovio          1.901      24        6         -         6        1
Fábio Vieira            1.798      25        -         2         5        1
Rui Silva               1.674      22        2         -         6        -
Joca                    1.504      20        -         2         5        -
Douglas Pissona         1.343      16        1         1         2        -
Diogo Moreira           1.216      21        -         4         5        1
Nuno Rodrigues          1.214      14        -         2         3        -
Tiago Sestari             975      15        -         -         2        -
Wemerson Silva            722      10        -         3         4        1
Telmo Rodrigues (g.r.)    630       7        3       -18         1        -
Mauro Valente             567      18        1         1         2        -
Vinicius Rocha            342       5        1         -         1        -
André Silva               336       5        7         -         1        -
Rafael Faustino           209       6       11         -         1        -
Telmo Ferreira            181       8        6         -         -        -
Hugo Marques              117       6       24         -         -        -
Pedro Santos              114       2       21         -         -        -
Dylan Vieira              100       8        3         -         -        -
Ricardo Natividade         96       9        4         -         -        -
Renato Cruz                71       4        -         -         -        -
João Brito (g.r.)          12       1       18        -1         1        -
Dudu                        6       1        1         -         1        -
Litos                       3       1        1         -         -        -
Francisco Ferreira (g.r.)   -       -        4         -         -        -
Pedro Abelho (g.r.)         -       -        1         -         -        -
André Coxixo                -       -        1         -         -        -
João Saldanha               -       -        1         -         -        -
     Total             31.527     448      127       44-42      68        4

Pulsar - 26jornada

(“O Templário”, 28.04.2016)

Caiu o pano sobre mais uma edição do Campeonato Distrital da I Divisão da Associação de Futebol de Santarém, esta época com o Campeão, Fátima, porventura a bater o “record” de aproveitamento (quase 95% do máximo de pontos possíveis), somente com quatro pontos perdidos, em função de apenas dois empates cedidos, curiosamente um deles logo na ronda inaugural, tendo concluído a prova com uma fantástica série de 16 vitórias consecutivas!

Com tudo já decidido a nível dos lugares do pódio – com os três primeiros, Fátima, Cartaxo e União de Tomar, separados entre si por amplas diferenças pontuais (respectivamente 15 pontos, entre 1.º e 2.º, e 13 pontos, entre 2.º e 3.º) – para a derradeira jornada tinham ficado ainda reservadas as emoções da disputa da manutenção e da fuga à ameaça da despromoção.

Apesar de um tento inicial da U. Abrantina, em Amiais de Baixo, ainda ter provocado algum “frisson” – colocando nessa altura, durante alguns minutos (ainda que apenas de forma virtual), os “Caixeiros” em posição de despromoção – no final acabou por não haver alterações de relevo, com a turma de Abrantes a ver consumada a descida à II Divisão, destino contra o qual lutou com grande abnegação até ao último minuto, enquanto o Moçarriense deverá seguir-lhe os passos, dado o facto de o Coruchense ter praticamente sentenciada a despromoção ao Distrital.

Destaques – O principal destaque da última ronda vai precisamente para o desafio em que se defrontavam duas equipas ainda “aflitas”, pese embora o Amiense beneficiar da relativa tranquilidade de o empate lhe bastar para concretizar o seu objectivo, de manutenção. Tendo conseguido reagir ao golo da U. Abrantina, restabelecendo a igualdade ainda no primeiro tempo, na etapa complementar procurou sobretudo gerir o resultado, que lhe convinha, assim conseguindo terminar da melhor forma uma época que tão mal iniciara, apesar de o 11.º lugar que ocupa no final da prova constituir o seu pior registo dos últimos 15 anos.

Na Ribeira de Santarém – num campo ainda sem condições para receber espectadores (que têm de assistir ao jogo do lado de fora da rede de vedação, de pé) – o quase centenário grupo dos Empregados do Comércio (completa 100 anos de existência em 2017) fez pela vida, obtendo o segundo triunfo nos últimos três jogos (apenas o terceiro em toda a segunda volta), ganhando ao U. Tomar por 3-1, acabando inclusivamente por subir duas posições, fixando-se no 9.º lugar.

Numa partida em que o União nada tinha a ganhar nem a perder, a primeira parte foi algo incaracterística, sem grandes oportunidades de golo (a principal terá até pertencido aos tomarenses), chegando-se ao intervalo com o nulo no marcador, que se ajustava ao desempenho de ambas as equipas. Na segunda parte, os “Caixeiros” foram mais acutilantes, aproveitando alguma desconcentração defensiva dos nabantinos, acabando por justificar o triunfo.

Apesar desta “saída em falso”, é justa uma palavra final de apreço para o bom desempenho do União de Tomar nesta competição, mantendo-se no pódio pelo segundo ano consecutivo, depois de ter sido vice-campeão na temporada anterior, garantindo um honroso 3.º lugar, numa época em que teve de enfrentar múltiplas contrariedades, desde sucessivas lesões a questões burocráticas de inscrição de jogadores, que obrigaram ao sistemático recurso a jogadores ainda juniores. Ainda a propósito do trabalho desenvolvido nos escalões de formação, abre-se aqui um brevíssimo parêntesis, para felicitar a equipa de Juvenis do União de Tomar, pela conquista, 24 anos depois, de novo título de Campeão Distrital. Bons sinais de esperança no futuro do clube!

O Fátima deu cabal resposta à interrogação que aqui suscitara na semana passada, impondo-se em Torres Novas, por categórica marca de 3-0, fechando com “chave de ouro” esta sua breve passagem pelo Distrital, numa caminhada que encetou para mais ambiciosos voos.

Confirmações – Nos restantes quatro encontros registaram-se desfechos expectáveis, sem impacto significativo no posicionamento final das equipas. Efectivamente, o Moçarriense, recebendo o Rio Maior, superou o contratempo inicial de um tento sofrido, acabando por ganhar por 3-1, fixando-se na ingrata 12.ª posição – que seria de manutenção, mas que, em função da previsível descida do Coruchense, arrastará na queda para a II Divisão o conjunto da Moçarria.

O Cartaxo completou também a sua excelente temporada, ganhando ao Fazendense, por 2-0, terminando com três triunfos sucessivos. O Mação, batendo o At. Ouriense pelo mesmo resultado, confirmou o 4.º lugar final (a sua melhor posição dos últimos 15 anos, igualando os desempenhos de 2004-05 e 2012-13). Por fim, o Riachense, recebendo o U. Almeirim, chegou a estar em vantagem por dois golos, tendo consentido o restabelecer do empate, antes de acabar por fixar o resultado em 3-2, um desfecho que lhe proporciona também a confirmação do 5.º lugar, imediatamente à frente do rival Torres Novas, registando igualmente ambos os clubes o mais fraco desempenho dos últimos quinze anos (tal como no caso do Fazendense, que cai do 3.º posto do ano anterior). Paralelamente, U. Almeirim e Fazendense terminam a prova igualados em pontos, respectivamente no 7.º e 8.º lugares, que ocupavam já antes desta jornada.

II Divisão Distrital – Na quinta ronda da fase final, destaque para mais um categórico triunfo (3-0) do Benavente, no “derby” (em Samora Correia), praticamente já com um pé na I Divisão, dado dispor de oito pontos de vantagem sobre o 4.º lugar (partilhado por Glória e Samora). O Ferreira do Zêzere não foi além do nulo na recepção ao Pego, com os pegachos a manterem o 2.º lugar, com um ponto a mais que o adversário desta ronda. O U. Santarém, ganhando por 2-1 ao Glória, parece reentrar na corrida pela promoção, agora a dois pontos do 3.º lugar.

Campeonato de Portugal Prio – Na 11.ª jornada da segunda fase, o Alcanenense, com excelente recta final de temporada, ganhou ao Caldas por 2-0, consolidando a liderança, agora com cinco pontos de vantagem sobre o adversário desta ronda. Por seu lado, o Coruchense, perdendo por 3-1 em Loures, mantém a indesejada “lanterna vermelha”, distando já oito pontos do 6.º lugar. Restando somente nove pontos em disputa, só por “milagre” o grupo do Sorraia poderia ainda evitar o regresso ao Distrital na próxima época….

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 28 de Abril de 2016)

EMP. COMÉRCIO – Picão, Rui Simões, Dani, Mário Ruas, Serginho, Pató, Zé Miguel (c.) (88m – Filipe Godinho), Benny, Ricardo Alves (90m – José Santos), Miguel Calisto e Valter Xaparro (85m – Vasco Belmonte)

U. TOMAR – Fábio Silva (78m – João Brito), David Vieira, Pedro Figueiredo, Filipe Cotovio (45m – Telmo Ferreira), Douglas, Nuno Rodrigues, Fábio Vieira, Tiago Vieira, Diogo Moreira, Luís Alves e Pelé (85m – Dylan Vieira)

(suplentes – André Silva, Pedro Santos, Hugo Marques e Rafael Faustino)

1-0 – Dani – 68m
2-0 – Zé Miguel – 73m
3-0 – Benny – 81m
3-1 – Diogo Moreira – 90m

Cartões amarelos – Dani (36m) e Benny (81m); Filipe Cotovio (31m)

Árbitro – Jorge Maia

Emp. Comércio – U. Tomar – 3-1
Mação – At. Ouriense – 2-0
Moçarriense – Rio Maior – 3-1
Amiense – U. Abrantina – 1-1
Torres Novas – Fátima – 0-3
Cartaxo – Fazendense – 2-0
Riachense – U. Almeirim – 3-2

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Fátima             26    24     2     -    67 -  7    74
 2º Cartaxo            26    19     2     5    56 - 20    59
 3º U. Tomar           26    14     4     8    39 - 30    46
 4º Mação              26    11     8     7    43 - 31    41
 5º Riachense          26    12     3    11    38 - 34    39
 6º Torres Novas       26    11     3    12    35 - 36    36
 7º U. Almeirim        26     8     7    11    37 - 39    31
 8º Fazendense         26     8     7    11    31 - 39    31
 9º Emp. Comércio      26     7     8    11    29 - 45    29
10º At. Ouriense       26     8     4    14    32 - 45    28
11º Amiense            26     7     7    12    28 - 42    28
12º Moçarriense        26     8     3    15    35 - 58    27
13º U. Abrantina       26     7     5    14    26 - 43    26
14º Rio Maior          26     6     1    19    23 - 50    19

Promovido ao Campeonato de Portugal – Fátima
Despromovidos à II Divisão Distrital – U. Abrantina e Rio Maior (Moçarriense será também despromovido caso se confirme a despromoção do Coruchense ao Distrital)

Pulsar - 25jornada

(“O Templário”, 21.04.2016)

Culminando uma muito problemática temporada, em especial com uma péssima segunda volta, na qual apenas registou um único triunfo (obtido perante o Fazendense), acumulando já onze desaires, os últimos sete consecutivos, o Rio Maior viu confirmada a sua posição de “lanterna vermelha” e consequente despromoção à II Divisão Distrital.

A penúltima jornada proporcionou, enfim, a tranquilidade, a dois outros clubes, com uma época atípica, precisamente a formação de Fazendas de Almeirim e o At. Ouriense. Assim, das sete equipas que se encontravam em risco – tendo uma delas visto entretanto consumar-se já a descida de divisão –, subsistem agora quatro, que disputarão, na derradeira ronda, os dois lugares de manutenção “automática”: Amiense, Empregados do Comércio, U. Abrantina e Moçarriense, curiosamente, separados entre cada um deles por um escasso ponto.

Destaque – O principal destaque da 25.ª jornada vai para a vitória do At. Ouriense sobre o Empregados do Comércio, por clara marca de 3-0, em partida crucial, que assegurou, desde logo, a manutenção da turma de Ourém no principal escalão do futebol distrital; dispondo de vantagem de três pontos sobre a U. Abrantina, beneficia do facto de Amiense e abrantinos se defrontarem, pelo que, pelo menos um dos grupos não poderá já alcançá-lo.

Outro realce que se justifica é o do triunfo do conjunto de Abrantes face ao Moçarriense (2-1), que proporciona que – contrariamente ao que se chegou a supor – a U. Abrantina chegue ao último dia a depender apenas de si própria, pese embora tenha uma tarefa difícil, com a visita a Amiais de Baixo, onde mora outro dos ainda “aflitos”.

Uma referência adicional para a vitória do Cartaxo em Almeirim, frente ao União local (3-2), que fora, durante praticamente toda a época, como que um bastião inexpugnável, a comprovar uma vez mais – se tal ainda fosse necessário – a qualidade do grupo dos vice-campeões.

Por fim, pelos números categóricos, menção ainda à goleada (5-0) do Fátima na recepção ao Amiense, completando assim uma bela série de 13 triunfos noutros tantos desafios disputados no seu terreno, em paralelo com uma extraordinária sequência de 15 vitórias consecutivas!

Confirmações – Nas restantes três partidas confirmaram-se, de alguma forma, as expectativas, desde logo com o nulo registado entre União de Tomar e Riachense, com os tomarenses já com a sua posição no pódio consolidada, enquanto a formação de Riachos, visando ainda subir na tabela, terá agora como objectivo primordial a final da Taça do Ribatejo. Um desafio repartido, em que os unionistas desperdiçaram as melhores oportunidades, com situações controversas no que respeita à arbitragem, nomeadamente com uma grande penalidade que terá ficado por sancionar.

Em Rio Maior, a vitória do Mação (3-0), permitiu aos maçaenses retomar a 4.ª posição, agora com dois pontos de vantagem sobre o par formado por Riachense e Torres Novas. E isto porque os torrejanos foram desfeiteados em Fazendas de Almeirim, perdendo por 2-0.

II Divisão Distrital – Na quarta jornada da fase final, realce para a categórica vitória (goleada por 4-0) do Benavente, na recepção ao Ferreira do Zêzere. Beneficiando também do empate (1-1) entre Glória do Ribatejo e Samora Correia, os benaventenses, líderes destacados, passaram a dispor de confortável vantagem de cinco pontos sobre o trio que reparte o 3.º lugar, precisamente os três clubes antes referidos. Por seu lado, o Pego, ganhando ao U. Santarém (2-0), tirou o melhor partido de tal resultado, ascendendo ao 2.º posto, um ponto acima dos mais directos concorrentes. Apenas os escalabitanos parecem estar “fora da corrida”…

Campeonato de Portugal Prio – Na 10.ª ronda da segunda fase, o Alcanenense, somando o sexto triunfo (a que junta quatro empates, mantendo a invencibilidade), isolou-se no comando da sua série, garantindo matematicamente, ainda com quatro jogos por disputar, a manutenção no Nacional. Quanto ao Coruchense, não conseguiu ir além da igualdade (1-1) na recepção ao Torreense, isolando-se… no último lugar, agora a sete pontos do 6.º lugar, que passou a ser ocupado precisamente pela equipa de Torres Vedras. Desta forma, o escapar à despromoção começa a afigurar-se quase que como um “milagre”, de muito remota probabilidade.

Antevisão – O Campeonato Distrital da I Divisão atinge a sua jornada derradeira, com as atenções focadas, em especial, no decisivo Amiense-U. Abrantina, encontro no qual, caso haja um vencedor, tal significará o alcançar da ambicionada redenção; sendo que, para a turma de Amiais de Baixo, o empate teria o mesmo efeito, de garantir a permanência (tal poderá acontecer mesmo em caso de derrota, dependendo, nesse caso, de Empregados do Comércio e Moçarriense não conseguirem vencer os seus jogos). As contas do conjunto de Abrantes parecem ser mais lineares, “salvando-se” com a conquista dos três pontos.

No Moçarriense-Rio Maior, a turma da Moçarria apenas pode pensar igualmente na vitória, ficando ainda dependente dos resultados da U. Abrantina e dos Empregados do Comércio. Por seu lado, os “Caixeiros”, que recebem o União de Tomar, garantirão o objectivo em caso de vitória, ficando, em caso de empate (e/ou derrota) dependentes de U. Abrantina e Moçarriense. Uma curiosidade final: conseguirá o Torres Novas quebrar enfim a invencibilidade do Fátima?

Na II Divisão Distrital, realce para o “derby” Samora Correia-Benavente, com o Ferreira Zêzere a receber o Pego, enquanto o U. Santarém, visitado pelo Glória, “queima os últimos cartuchos”.

No “Campeonato de Portugal”, o Alcanenense recebe o Caldas, em jogo determinante para ditar o vencedor da série. O Coruchense terá uma difícil saída, até Loures (actual 2.º classificado).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 21 de Abril de 2016)

U. TOMA– Fábio Silva, Rui Silva, Pedro Figueiredo, Fábio Vieira, André Silva (75m – David Vieira), Nuno Rodrigues (c.), Bruno Araújo, Tiago Vieira, Wemerson Silva, Luís Alves (86m – Douglas) e Pelé (69m – Diogo Moreira)

(suplentes – João Brito, Filipe Cotovio, Hugo Marques e Telmo Ferreira)

RIACHENSE – Rui Galrinho, Marco Gomes, Marco Carvalho, Rui Nalha, João Alves, Paulito, Tiago Prates, João Guerreiro, Luís Moleiro (90m – Tiago Silva), Filipe Pereira e Bernardo Marques

Cartões amarelos – Bruno Araújo (7m), Wemerson Silva (26m) e Pelé (33m); João Alves (15m), Paulito (61m) e João Guerreiro (85m)

Cartões vermelhos – Lino Freitas (treinador – 45m) e Wemerson Silva (88m)

Árbitro – Duarte Cerveira

U. Tomar – Riachense – 0-0
At. Ouriense – Emp. Comércio – 3-0
Rio Maior – Mação – 0-3
U. Abrantina – Moçarriense – 2-1
Fátima – Amiense – 5-0
Fazendense – Torres Novas – 2-0
U. Almeirim – Cartaxo – 2-3

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Fátima             25    23     2     -    64 -  7    71
 2º Cartaxo            25    18     2     5    54 - 20    56
 3º U. Tomar           25    14     4     7    38 - 27    46
 4º Mação              25    10     8     7    41 - 31    38
 5º Riachense          25    11     3    11    35 - 32    36
 6º Torres Novas       25    11     3    11    35 - 33    36
 7º U. Almeirim        25     8     7    10    35 - 36    31
 8º Fazendense         25     8     7    10    31 - 37    31
 9º At. Ouriense       25     8     4    13    32 - 43    28
10º Amiense            25     7     6    12    27 - 41    27
11º Emp. Comércio      25     6     8    11    26 - 44    26
12º U. Abrantina       25     7     4    14    25 - 42    25
13º Moçarriense        25     7     3    15    32 - 57    24
14º Rio Maior          25     6     1    18    22 - 47    19

Pulsar - 24jornada

(“O Templário”, 14.04.2016)

Ainda com duas jornadas por disputar tudo ficou já definido nas posições do topo da tabela, com Cartaxo e U. Tomar a confirmarem os respectivos lugares no pódio (2.º e 3.º), depois de o Fátima ter já garantido a conquista do título de Campeão Distrital. Ao invés, na cauda da pauta classificativa a situação parece cada vez mais “embrulhada”, com sete equipas ainda envolvidas na disputa pela manutenção, embora uma delas (Rio Maior) apenas “ligada à máquina” das possibilidades matemáticas, dado o atraso de seis pontos que regista já face ao 11.º lugar.

Destaque – O destaque da 24.ª ronda vai para a goleada (4-1) imposta pelo vice-campeão, Cartaxo, na recepção ao Riachense, apesar de ter chegado ao intervalo em posição de desvantagem, operando então, no segundo tempo, excelente reviravolta no marcador.

Surpresa – A surpresa aconteceu em Mação, onde a U. Abrantina foi alcançar uma crucial vitória (2-1), a alimentar ainda a esperança na manutenção – agora a “apenas” três pontos da “linha de água” –, após uma fase em que tudo se julgaria já perdido para a turma de Abrantes.

Confirmações – Nos restantes cinco encontros, já marcados por alguma toada de “fim de estação”, os desfechos foram os que, à partida, seriam expectáveis.

Começando pelo triunfo (14.º sucessivo!) do Fátima na Moçarria (3-1), seguindo-se a tangencial vitória do União de Tomar na recepção ao At. Ouriense, num desafio em que os visitantes, carenciados de pontos, ofereceram notável resistência, apenas sendo desfeiteados por via de uma grande penalidade, tendo actuado larga fase do jogo em inferioridade numérica, a partir desse momento apenas com nove elementos em campo. Para os tomarenses, o mais importante foi alcançado, somando os três pontos que lhes garantem o 3.º lugar, num bom desempenho, a confirmar a consistência da 2.ª posição da temporada anterior, sendo justo endereçar os parabéns a todo o grupo unionista: directores, equipa técnica, jogadores e corpo médico.

Também o Torres Novas voltou a vencer, depois de ter surpreendido o Cartaxo na ronda precedente, batendo o U. Almeirim por 3-1, tendo também consumado a reviravolta no marcador, depois de ter começado por sofrer o tento inicial.

Por seu lado, os Empregados do Comércio, em jogo em que tinham uma oportunidade singular para vencer, recebendo o “lanterna vermelha”, Rio Maior, não desperdiçaram tal ocasião, ganhando por 2-0, dando, por agora, um pulo na classificação, transpondo a “linha de água”, ascendendo ao 10.º lugar, dois pontos acima do Moçarriense, agora 12.º classificado, entretanto empurrado para indesejável posição, em zona de despromoção.

Finalmente, no Amiense-Fazendense, confirmou-se o resultado mais conveniente para ambos os clubes, empatando a uma bola, permitindo à formação de Fazendas de Almeirim praticamente colocar-se a salvo (agora já com uma margem de segurança de quatro pontos em relação ao Moçarriense, com o grupo de Amiais de Baixo a manter-se apenas um ponto abaixo do seu adversário desta ronda, o que implica que terá de continuar alerta nas duas jornadas finais…

II Divisão Distrital – Na terceira ronda da fase final, destaque para o triunfo (2-0) do Benavente em Santarém, frente ao União local, o que lhe proporcionou isolar-se na liderança, já com três pontos de avanço face ao 3.º e 4.º classificados. Em Ferreira do Zêzere, que teve a visita do Samora Correia, as equipas não desfizeram o nulo no marcador, pelo que os ferreirenses ocupam agora o 2.º posto, a dois pontos do guia, com os samorenses a repartir a 3.ª posição com o Glória do Ribatejo, vencedor ante o Pego (2-1).

Campeonato de Portugal Prio – Na 9.ª jornada da segunda fase, o Alcanenense voltou a ganhar (2-0), na recepção ao “lanterna vermelha”, Crato, igualando assim o Caldas na liderança; a cinco rondas do termo da competição, a formação de Alcanena dispõe agora de 12 pontos de vantagem sobre o Sertanense (6.º na classificação) – tendo, por outro lado, 10 pontos a mais que o 3.º classificado –, pelo que a manutenção estará virtualmente garantida. Ao invés, o Coruchense, perdendo pela mesma marca no terreno do novo líder da sua série, Malveira, está cada vez em situação mais delicada, partilhando agora a última posição com o Eléctrico de Ponte de Sôr, ambos já a seis pontos do 6.º lugar, que continua a ser ocupado pelo Sacavenense; salvo uma sensacional recuperação, a despromoção parece estar cada vez mais à vista…

Antevisão – Na próxima ronda da I Divisão Distrital, o destaque vai para a luta pela manutenção, com duas partidas a assumir o cariz de “finais”, o At. Ouriense-Empregados do Comércio, tal como o U. Abrantina-Moçarriense, em que os vencedores poderão dar um passo decisivo para alcançar o objectivo, ao mesmo tempo que colocarão os eventuais derrotados em situação ainda mais crítica. Já sem implicações significativas a nível da classificação, o U. Tomar recebe o Riachense, enquanto o Fazendense esperará um resultado positivo na recepção ao Torres Novas, que lhe proporcione enfim a tranquilidade nesta conturbada época.

Na II Divisão Distrital, defrontam-se os dois primeiros, com o Benavente a receber o Ferreira do Zêzere, enquanto o par que reparte a 3.ª posição se encontra também na Glória do Ribatejo; por fim, teremos ainda o jogo entre os actuais dois últimos classificados, Pego-U. Santarém, já de contornos determinantes em caso de derrota, especialmente no caso dos escalabitanos.

No “Campeonato de Portugal”, o Alcanenense desloca-se a Peniche, para defrontar uma equipa em posição aflitiva (penúltimo classificado), já a quatro pontos do Sertanense; por seu lado, o Coruchense recebe o Torreense, primeiro clube acima da “linha de água”, num jogo em que outro resultado que não a vitória poderá traduzir o consumar do regresso ao Distrital.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 14 de Abril de 2016)

U. TOMAR – Fábio Silva, David Vieira, Filipe Cotovio, Fábio Vieira, Douglas, Nuno Rodrigues (c.), Bruno Araújo (63m – Dylan Vieira), Tiago Vieira, Wemerson Silva (87m – Telmo Ferreira), Luís Alves e Diogo Moreira (45m – Pelé)

(suplentes – João Brito, Pedro Santos, Pedro Figueiredo e Hugo Marques)

AT. OURIENSE – Stéphane Rodrigues, Luís Lagoa, Tiago Ferreira, Pedro Vieira, Tony Oliveira, Jota, Dino Martins (c.), Rafael Matias (61m – Palheta), Patrick (77m – Filipe Zuca), Miguel Pereira (86m – Filipe Capão) e Zim

1-0 – Wemerson Silva (pen.) – 47m

Cartões amarelos – Diogo Moreira (31m), Bruno Araújo, Nuno Rodrigues (72m), Fábio Vieira (87m) e Pelé (87m); Pedro Vieira (35m) e Patrick

Cartões vermelhos – Pedro Vieira (45m) e Tiago Ferreira (47m)

Árbitro – Edgar Duarte

U. Tomar – At. Ouriense – 1-0
Emp. Comércio – Rio Maior – 2-0
Mação – U. Abrantina – 1-2
Moçarriense – Fátima – 1-3
Amiense – Fazendense – 1-1
Torres Novas – U. Almeirim – 3-1
Cartaxo – Riachense – 4-1

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Fátima             24    22     2     -    59 -  7    68
 2º Cartaxo            24    17     2     5    51 - 18    53
 3º U. Tomar           24    14     3     7    38 - 27    45
 4º Torres Novas       24    11     3    10    35 - 31    36
 5º Mação              24     9     8     7    38 - 31    35
 6º Riachense          24    11     2    11    35 - 32    35
 7º U. Almeirim        24     8     7     9    33 - 33    31
 8º Fazendense         24     7     7    10    29 - 37    28
 9º Amiense            24     7     6    11    27 - 36    27
10º Emp. Comércio      24     6     8    10    26 - 41    26
11º At. Ouriense       24     7     4    13    29 - 43    25
12º Moçarriense        24     7     3    14    31 - 55    24
13º U. Abrantina       24     6     4    14    23 - 41    22
14º Rio Maior          24     6     1    17    22 - 44    19

Pulsar - 23jornada

(“O Templário”, 07.04.2016)

Com o título já entregue, o Cartaxo – prestes a confirmar matematicamente o 2.º posto, para o que necessitará somar um único ponto mais – viu quebrada a sua invencibilidade caseira, que mantinha desde a 3.ª ronda da temporada anterior, altura em que fora desfeiteado pelo… Torres Novas. Na disputa do último lugar no pódio, o U. Tomar voltou a ampliar para sete pontos a sua vantagem, podendo também confirmar a 3.ª posição no próximo jogo, em caso de vitória.

Destaques – O grande realce da 23.ª jornada vai portanto para a vitória do Torres Novas no Cartaxo, repetindo o desfecho da época anterior (1-0), colocando termo a uma longa série de 21 jogos sem derrota dos cartaxenses no seu terreno, desde o tal desaire, averbado igualmente ante os torrejanos, a 5 de Outubro de 2014. Afinal, a “desforra” do desfecho da 1.ª volta, com o grupo de Cartaxo a denotar alguma natural quebra de rendimento, tendo somado a sua quinta derrota desde a partida correspondente à 13.ª ronda.

Menção também ao sofrido triunfo do Riachense na recepção ao At. Ouriense (2-1), obtida mercê de dois tentos apontados já em período de compensação, numa excelente reviravolta, pese embora frente a um adversário a jogar em inferioridade numérica. Foi a terceira vitória consecutiva do grupo de Riachos (quarta se considerarmos o jogo das meias-finais da Taça do Ribatejo, frente ao Amiense) – actualmente a segunda melhor série em curso, logo após a fantástica sucessão de 13 vitórias do Fátima –, o que lhe permitiu igualar o Mação no 4.º lugar.

Surpresa – Se excluirmos deste considerando a vitória do Torres Novas no Cartaxo, não houve propriamente surpresas a registar, sendo, não obstante, de assinalar o empate averbado pelo Amiense no terreno do U. Almeirim (2-2), que, sendo um resultado positivo, não permitiu ainda à turma de Amiais de Baixo alcançar a tranquilidade, dado que, ocupando a 9.ª posição, dispõe de apenas três pontos de vantagem sobre o 12.º classificado, Empregados do Comércio.

Confirmações – Nas restantes quatro partidas, vitórias expectáveis do Fátima, União de Tomar e Fazendense, tal como a igualdade verificada em Abrantes.

Efectivamente, mantendo o pleno de vitórias em casa (um total de doze), o novo Campeão, Fátima, apesar de ter sido surpreendido com um golo dos maçaenses, acabaria por fazer impor a sua superioridade, triunfando por clara marca de 3-1.

Também o U. Tomar fez valer o seu favoritismo na deslocação ao terreno do agora “lanterna vermelha”, Rio Maior, ganhando por 2-1 (concedendo o “tento de honra” dos visitados já numa fase terminal do desafio), pelo que o 3.º lugar está agora à distância de apenas três pontos… com três jogos por disputar, os dois próximos em casa (ante At. Ouriense e Riachense).

Por seu lado, o Fazendense – o outro finalista da Taça do Ribatejo, depois de afastar, no desempate da marca de grande penalidade, o Mação, após igualdade a uma bola no termo do tempo regulamentar –, em partida de cariz determinante, recebendo o Moçarriense, grupo com o qual partilhava o 10.º lugar, venceu por 2-0, o que lhe proporcionou subir um degrau na tabela, dispondo agora de uma margem de segurança de quatro pontos face aos “Caixeiros”.

E isto porque os Empregados do Comércio, noutro prélio entre “aflitos”, em Abrantes, permitiram à U. Abrantina que igualasse a contenda, também a dois golos, ao “cair do pano”. Um desfecho que mantém os abrantinos a quatro pontos do primeiro lugar acima da “linha de água”, ocupado pelo Moçarriense, posição agora repartida com o Rio Maior, enquanto os escalabitanos, em função da evolução que o Coruchense vem registando no Nacional, se encontram sob séria ameaça de eventual despromoção.

II Divisão Distrital – Na segunda ronda da fase final, vitória para todos os três clubes a actuar em casa: Ferreira do Zêzere, na recepção ao Glória do Ribatejo (1-0); Samora Correia, batendo por categórico 3-0 o U. Santarém; e Benavente, a ganhar por tangencial 2-1 ao Pego. Em consequência, as equipas concorrentes agrupam-se agora em três pares: Ferreira do Zêzere e Benavente repartem o comando, com quatro pontos, um a mais que o duo Samora Correia e Pego, com Glória do Ribatejo e U. Santarém na cauda, ambos somente com um ponto averbado.

Campeonato de Portugal Prio – Atingindo-se já a 8.ª jornada – início da segunda volta – da fase decisiva, o Alcanenense obteve um bom triunfo (1-0) em Cernache do Bonjardim, frente ao 3.º classificado, consolidando a sua boa 2.ª posição, agora já com confortável margem de doze pontos de avanço face ao 6.º classificado (Sertanense), quando faltam disputar apenas seis jornadas. Ao invés, o Coruchense sofreu um muito comprometedor desaire, em partida de crucial importância, precisamente ante o seu mais directo competidor, Sacavenense, perdendo por 1-3. O grupo do Sorraia encontra-se em posição de despromoção automática (7.º e penúltimo lugar), distando agora já cinco pontos do 6.º posto, ocupado pela turma de Sacavém.

Antevisão – Na próxima ronda da I Divisão Distrital, destaque para o Cartaxo-Riachense, Amiense-Fazendense (num jogo em que o empate até poderá satisfazer ambos os contendores) e, também na luta pela manutenção, neste caso, em situação mais “aguda”, o Empregados do Comércio-Rio Maior, com favoritismo para o conjunto de Santarém, o qual, em caso de vitória, poderá eventualmente trespassar o lugar em zona de despromoção… dependendo também, nomeadamente, do desfecho do U. Tomar-At. Ouriense.

Na II Divisão Distrital, o Ferreira do Zêzere recebe o Samora Correia, enquanto o outro guia, Benavente, se desloca a Santarém; por seu lado, o Glória do Ribatejo terá a visita do Pego.

No “Campeonato de Portugal”, o Alcanenense recebe o “lanterna vermelha”, Crato, equipa que, não obstante, com boa recuperação, reentrou na luta pela manutenção; por fim, o Coruchense enfrenta mais uma difícil saída, até à Malveira, terreno do actual 2.º classificado da sua série.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 7 de Abril de 2016)

Página seguinte »